A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Programas de Controle do Peso Corporal Atividade Física e Nutrição Dartagnan Pinto Guedes Universidade Estadual de Londrina, Paraná.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Programas de Controle do Peso Corporal Atividade Física e Nutrição Dartagnan Pinto Guedes Universidade Estadual de Londrina, Paraná."— Transcrição da apresentação:

1 1 Programas de Controle do Peso Corporal Atividade Física e Nutrição Dartagnan Pinto Guedes Universidade Estadual de Londrina, Paraná

2 2 Se as informações recebidas estão de acordo com os nossos paradigmas, passam a ser interessantes. Programas de Controle do Peso Corporal No entanto, se as informações recebidas não estão de acordo com os nossos paradigmas, deixam de ser interessantes.

3 3 Utilização de procedimentos idênticos repetidas vezes, sem sucesso, na expectativa de alcançar resultados diferentes. Programas de Controle do Peso Corporal Apresentação de programas restritivos, com graves repercussões para a saúde, com objetivo de reduzir o peso corporal a qualquer custo.

4 4 Como é que podemos reduzir o peso corporal de pessoas com sobrepeso e/ou obesas ??? Programas de Controle do Peso Corporal Como é que podemos fazer com que as pessoas com sobrepeso e/ou obesas possam tornar-se mais saudáveis ???

5 5 O desafio é: (a) levar as pessoas com sobrepeso e/ou obesas a serem saudáveis sem restrições ou privações; Programas de Controle do Peso Corporal (b) modificar idéia distorcida de que o excesso de peso corporal possa ser revertido a curto prazo e sem que ocorram mudanças de comportamento.

6 6 Fatores Comportamentais Associados ao Sobrepeso e a Obesidade Hábitos alimentares Prática de atividades físicas

7 7 Sobrepeso X Obesidade

8 8 Aumento excessivo do peso corporal em Aumento excessivo do peso corporal em conseqüência de modificações em apenas um de seus constituintes (gordura, músculo, osso e água) ou em seu conjunto. Sobrepeso Obesidade Aumento na quantidade generalizada ou Aumento na quantidade generalizada ou localizada de gordura em relação ao peso corporal, associado a elevados riscos para a saúde.

9 9 Índice de Massa Corporal - kg/m 2 - Peso Corporal (kg) IMC = Estatura (m 2 )

10 10 Limites Desejáveis do Índice de Massa Corporal Bray (1987) 19 – 24 25 – 34 35 – 44 45 – 54 55 – 64 > 65 > 65 19 – 24 20 – 25 21 – 26 22 – 27 23 – 28 24 – 29 19 – 24 20 – 25 Grupo Etário (Anos) Mulheres Homens Índice de Massa Corporal (kg/m 2 )

11 11 Prevalência do Sobrepeso na População Adulta Brasileira INAN, 1991

12 12 PesoCorporal Gordura Músculo Osso Resíduo

13 13 Fracionamento do Peso Corporal PesoCorporalComponente de Gordura Componente Isento de Gordura =+ Gordura Essencial Gordura Não-Essencial Massa Livre de Gordura Massa Magra

14 14 IMC X Risco Relativo de Morte Bray, 1992

15 15 Riscos para a Saúde Associados ao Sobrepeso e à Obesidade Fatores de Risco Predisponentes às Doenças Cardiovasculares  Pressão Arterial  LDL-C  VLDL-C  HDL-C  Triglicerídios  Diabetes

16 16 CâncerCâncer Alterações da função pulmonarAlterações da função pulmonar Ósteo-artrites e outras alterações ortopédicasÓsteo-artrites e outras alterações ortopédicas Lesões inflamatórias, fibroseLesões inflamatórias, fibrose Refluxo gastroesofágicoRefluxo gastroesofágico Doenças da vesícula biliarDoenças da vesícula biliar Alterações nos níveis de ácido úricoAlterações nos níveis de ácido úrico Disfunções menstruaisDisfunções menstruais Riscos para a Saúde Associados ao Sobrepeso e à Obesidade

17 17 SexoSexo IdadeIdade Padrão de distribuição da gorduraPadrão de distribuição da gordura Riscos para a Saúde Associados ao Sobrepeso e à Obesidade Fatores Complicadores

18 18 Distribuição Anatômica da Gordura Corporal Padrão PeriféricoPadrão Periférico Padrão CentrípetoPadrão Centrípeto

19 19 Classificação dos Riscos do Sobrepeso na Presença dos Fatores Complicadores

20 20 Obesidade Abdominal Resistência Insulínica Deficiência na Produção da Lipoproteína Lipase Aumento dos Triglicerídios Redução do HDL - C Processo Aterogênico Acelerado Aumento da Reabsorção do Sódio Hipertensão Intolerância à Glicose Diabetes Mecanismos Aterogênicos Associados à Obesidade Centrípeta

21 21 Equilíbrio Energético e Controle do Peso Corporal

22 22 Equação do Equilíbrio Energético Equilíbrio Energético Positivo Suprimento > Demanda Equilíbrio Energético Negativo Suprimento < Demanda Equilíbrio Energético Isoenergético Suprimento = Demanda

23 23 Equilíbrio Energético Suprimento Energético Suprimento Energético Ingestão dos nutrientes energéticos - Gorduras - Carboidratos - Proteínas - Álcool Demanda Energética Demanda Energética Necessidades orgânicas em Necessidades orgânicas em repouso e solicitações energéticas no trabalho muscular voluntário repouso e solicitações energéticas no trabalho muscular voluntário

24 24 Componentes da Demanda Energética MetabolismoBasalMetabolismo de Repouso MetabolismoVoluntário Efeito Térmico dos Alimentos Termogênese Facultativa < 10% 10% 10% 15 - 30% 15 - 30% 60 - 75% 60 - 75%

25 25 Lei de Conservação de Energia “A energia não se cria, nem se destrói, porém pode trocar de forma.”

26 26 Nutrientes Para a Produção de Energia COMBUSTÃOCOMBUSTÃO CarboidratosGordurasProteínas Glicose e Outros Açúcares Simples Ácidos Graxos Aminoácidos Energia para o TrabalhoBiológicoCalor Água Gás Carbono Uréia Oxigênio

27 27 DigestãoDigestão AlimentaçãoTriglicerídios Glicerol ÁcidosGraxos LipogêneseLipogênese LipóliseLipólise Glicerol ÁcidosGraxos Glicose CombustãoCelular Fígado Triglicerídios Utilização direta na combustão celular Utilização direta na combustão celular Reserva sob a forma de glicogênio muscular e hepático Reserva sob a forma de glicogênio muscular e hepático Reservas no tecido adiposo e nos músculos Reservas no tecido adiposo e nos músculos DigestãoDigestão AlimentaçãoGlicídios Glicose Triglicerídios NeolipogêneseNeolipogênese Síntese dos Nutrientes Energéticos

28 28 Ingestão dos Nutrientes em Relação aos Depósitos Preexistentes Ingestão de Nutrientes Proporção de Ingestão em relação aos depósitos energéticos preexistentes Proteínas (375 Kcal) Gordura (625 Kcal) Carboidratos (1500 Kcal)

29 29 Fatores Intervenientes na Proporção de Utilização dos Nutrientes Energéticos Tipo de trabalho biológico Nível de condicionamento físico Características da dieta consumida

30 30 Oxidação dos AGL em Diferentes Intensidades de Esforço Físico 0510 15 20 25 30  mol /Kg / min 3540455055 Repouso Elevada Intensidade 85% VO max Moderada Intensidade 65% VO max Baixa Intensidade 25% VO max > 2 2 2 Romijin et alii, 1993

31 31 Recursos Utilizados nos Programas de Controle do Peso Corporal - Orientações dietéticas - Prática de atividades físicas - Prática de atividades físicas - Intervenções farmacológicas - Métodos Cirúrgicos

32 32 Vantagens dos Exercícios Físicos no Controle do Peso Corporal Custo energético na realização dos esforços físicosCusto energético na realização dos esforços físicos Preservação da massa isenta de gorduraPreservação da massa isenta de gordura Aumento da taxa metabólica de repousoAumento da taxa metabólica de repouso Efeitos anorexigênicosEfeitos anorexigênicos Manutenção de melhor estado psicológicoManutenção de melhor estado psicológico Minimização dos efeitos cíclicos do sobrepesoMinimização dos efeitos cíclicos do sobrepeso Melhora da condição físicaMelhora da condição física Perfil favorável de distribuição da gorduraPerfil favorável de distribuição da gordura Estado de saúdeEstado de saúde

33 33 Princípios Norteadores dos Programas de Controle do Peso Corporal Ingestão calórica não inferior a 1200 kcal/diaIngestão calórica não inferior a 1200 kcal/dia Equilíbrio energético à custa da interação dieta- exercício físico não superior a 500-1000 kcal/diaEquilíbrio energético à custa da interação dieta- exercício físico não superior a 500-1000 kcal/dia Intensidade, duração e tipo de exercícios físicos com demanda energética entre 300-500 kcal/sessãoIntensidade, duração e tipo de exercícios físicos com demanda energética entre 300-500 kcal/sessão Alimentos de boa aceitaçãoAlimentos de boa aceitação Utilizar técnicas de modificação de conduta alimentar e de prática de exercícios físicos.Utilizar técnicas de modificação de conduta alimentar e de prática de exercícios físicos. ACSM, 1995

34 34 Prescrição e Orientação de Exercícios Aeróbicos Direcionados ao Controle do Peso Corporal De 3 a 5 sessões/semana, em dias alternados quando possível 40% a 65% da freqüência cardíaca de reserva com base na idade e na freqüência cardíaca de repouso. Esforços de intensidade mais baixa também podem produzir benefícios em indivíduos de menor condicionamento físico De 30 a 60 minutos/sessão de maneira contínua Preferencialmente caminhada, corrida, ciclismo e natação, ou seja, exercícios físicos que envolvem grandes grupos musculares FreqüênciaIntensidadeDuraçãoTipo

35 35 Programa de Controle do Peso Corporal em Jovens Orientações Dietéticas Atividades Físicas

36 36 Períodos Críticos no Desenvolvimento da Adiposidade Pré-natal e perinatal Pré-escolar Puberdade

37 37 Riscos para Saúde Associados ao Excesso de Peso Corporal em Jovens Pressão arterialPressão arterial Lipídios/lipoproteínas plasmáticasLipídios/lipoproteínas plasmáticas Resistência insulínica e intolerância à glicoseResistência insulínica e intolerância à glicose Problemas respiratórios e ortopédicosProblemas respiratórios e ortopédicos HipertensãoHipertensão HipercolesterolemiaHipercolesterolemia HiperinsulinemiaHiperinsulinemia Ósteo-artritesÓsteo-artrites CâncerCâncer Conseqüências Imediatas Efeitos Retardados


Carregar ppt "1 Programas de Controle do Peso Corporal Atividade Física e Nutrição Dartagnan Pinto Guedes Universidade Estadual de Londrina, Paraná."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google