A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Curso de Metodologia Catequética. DOM BOSCO EDUCADOR Introdução.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Curso de Metodologia Catequética. DOM BOSCO EDUCADOR Introdução."— Transcrição da apresentação:

1 Curso de Metodologia Catequética

2 DOM BOSCO EDUCADOR Introdução

3 QUEM É DOM BOSCO? Conversando em grupos: Em uma palavra, quem é Dom Bosco para você? O que ele ensinou que nos é importante em nossa prática como catequistas?

4 Personalidade complexa, riquíssima de dons naturais e sobrenaturais, um dos homens mais completos e íntegros que já se conheceu (Joergensen) D OM B OSCO E SEU MÉTODO ORIGINAL Uma pessoa não complicada, um homem simples, límpido como uma manhã de primavera (Claudel) Uma figura que impressiona pela unidade: do começo ao fim da vida, verificou-se nele um eixo forte, um único caminho que se abria e se alargava na fidelidade à primeira direção tomada: o serviço aos jovens!

5 Três características fundantes: FIDELIDADE A SUA VOCAÇÃO CARISMA: graça outorgada pelo Espírito Santo em vista do bem comum. AMOR PATERNO: experiência de Deus Pai que ama seus filhos! Dom Bosco e seu método original

6 O SISTEMA PREVENTIVO DE DOM BOSCO RAZÃORELIGIÃOAMOR

7 Dom Bosco não tinha uma concepção angelical dos jovens... O educador é um pai que não abandona seus filhos enquanto não forem capazes de se governarem por si mesmos. Quem se ocupa com a juventude de hoje, se não quiser o fracasso, tem o dever de tornar algo importante para os jovens. O que você é, reboa tão forte que me impede de ouvir o que você fala! Dom Bosco propunha com autoridade a própria liderança. Problema atual: faltam referências adultas! Algumas concepções de Dom Bosco

8 AS CRENÇAS NAS QUAIS SE FUNDAMENTA O SISTEMA PREVENTIVO Parte 2

9 Ascensão da Modernidade: novo perfil do homem Emancipação Pluralidade cultural e religiosa Afirmação da subjetividade Dom Bosco busca em São Francisco de Sales seu referencial Valorização do jovem Apreciar o que é humano e confiar nos recursos naturais e sobrenaturais do homem. 1. O H UMANISMO O TIMISTA Em todo jovem, mesmo no mais rebelde, há um ponto acessível ao bem!

10 A salvação se dá, em DB, em três relações: Com Deus: Pai-Filho Com o outro: irmãos Com a natureza agente de transformação Como se dá a Salvação neste quadro pós-moderno de: Emancipação Pluralidade cultural e religiosa Afirmação da subjetividade 2. R EALIZAÇÃO TOTAL DA PESSOA : S ALVAÇÃO Da mihi animas, coetera tolle!

11 As antigas e novas formas de marginalização: a percepção do contexto social Como os jovens são percebidos por elas? Educação e preventividade no contexto de marginalização Novos valores? Como lidar com eles? Desafio: desenvolver a positividade Solidariedade com os pobres: caminho de transformação Evangelização em contextos reais 3. P ROMOÇÃO I NTEGRAL : TRANSFORMAÇÃO DA SOCIEDADE A PARTIR DA EDUCAÇÃO DO JOVEM Vocês devem ajudar Dom Bosco a conseguir mais fácil e amplamente o nobre objetivo a que se propôs, ou seja, a expansão da religião, o bem-estar da sociedade civil, através da educação dos jovens pobres (...) Dediquem-se aos pequenos... Fazendo assim, verão seu trabalho frutificar, contribuirão para formar bons cristãos, boas famílias, boas comunidades e contribuirão, para o presente e para o futuro !

12 METODOLOGIA DO AMOR EDUCATIVO RAZÃO-RELIGIÃO-AMOR Parte 3

13 RAZÃO: eixo psicológico: refere-se aos processos de compreensão de si e do mundo (tendência para a verdade, o bem, o belo, a busca de segurança). RELIGIÃO: eixo espiritual: refere-se á busca e descoberta do sentido da vida, à abertura para o transcendente, para o Absoluto – Deus. AMOR: eixo afetivo: refere-se à aceitação de si mesmo e à abertura de amor para os outros e para a vida, à alegria de viver O S TRÊS ELEMENTOS DO S ISTEMA P REVENTIVO

14 RAZÃO Compreensão da vida

15 A RAZÃO DO SP HOJE Consciência dos condicionamentos orgânicos, psíquicos, religiosos, sociais, econômicos, políticos, culturais que fundamentam e explicam o difícil processo de maturação do homem na sociedade atual. Uma educação par a criticidade: constante julgamento e avaliação dos fatos vividos em situações concretas. A autenticidade das relações entre educador – educando: diálogo, abertura, humildade, simplicidade.

16 RELIGIÃO Sentido da vida

17 A RELIGIÃO DO SP HOJE Criar ambientes para a educação da fé Propor itinerários sólidos que conduzam à experiência de Jesus Cristo. Compreender a religião como elemento fundamental que auxilia o jovem a descobrir/encontrar um sentido para sua vida.

18 AMOR... que traz a alegria de viver

19 O AMOR DO SP HOJE Oportunidade de respostas às aspirações dos jovens Sociedade e valores deturpados: subjetividade excessiva, valorização exagerada da corporeidade, liberdade – individualismo – autonomia, comunicação sem profundidade Estabelecimento de uma relação educativa amável e de confiança mútua. Contribuir para a realização da pessoa Amor desinteressado Compreensão e aceitação incondicional = papel de facilitador Identificação do adulto referência

20 O SISTEMA PREVENTIVO COMO ESPIRITUALIDADE Parte 4

21 O Sistema Preventivo vem indicar historicamente a modalidade concreta com que Dom Bosco realizou sua missão. A vocação salesiana é uma experiência de Deus através da vivência do quotidiano. SP E MISSÃO SALESIANA

22 É a presença do Espírito Santo na práxis salesiana, isto é, que tipo de experiência de Deus, que tipo de oração, de virtudes, de atividades humanas movem o educador salesiano, todo o dia, no meio da juventude. SP E ESPIRITUALIDADE SALESIANA

23 A atividade pastoral salesiana é de encarnação, lembrando que o educador é catequista-educador, age sempre unindo promoção humana e evangelização. Evangelizar educando, educar evangelizando S P COMO CRITERIOLOGIA

24 Toda a pedagogia salesiana está baseada na bondade que é amor, porém Dom Bosco disse: Não basta amar, é preciso fazer-se amar, tornar-se simpático, conquistar a confiança. Isso importa toda uma maneira de conviver e de estar com os jovens, fazendo crescer o espírito de família. SP COMO METODOLOGIA PEDAGÓGICA

25 E LEMENTOS DA E SPIRITUALIDADE DO SP Caridade Familiaridade Pessoal e Comunitária Atitude de alegria e Otimismo diante da vida Sentido de Igreja Dom de predileção para com a juventude

26 SISTEMA PREVENTIVO: UMA ALTERNATIVA PEDAGÓGICA Conclusão

27 Centralidade no amor compreensivo e estimulante: Especial atenção ao contexto latino-americano onde tantas vezes são desconhecidos ou manipulados os direitos dos jovens e adolescentes em prol de interesses ideológicos e consumistas. Razão amorosa e compreensiva Formar nos jovens um espírito crítico e reta consciência moral Abrir-se a novos valores, novos estilos de vida e comportamento Religião como salvação integral Restituir ao jovem atual o sentido transcendente de sua existência e apresente Jesus Cristo como modelo e protagonista de uma libertação integral e uma sociedade inspirada no amor e na justiça.

28 Alternativa às mazelas sócio-político- econômicas SP responde à lógica da Civilização do amor: relações humanas fundadas no Evangelho A familiaridade Conserva na obra salesiana o sabor de família – estilo do pai, da casa, da família Resgate do papel da família Preferência pelos jovens, especialmente os mais pobres Contrária a uma educação/instrução elitista e discriminatória


Carregar ppt "Curso de Metodologia Catequética. DOM BOSCO EDUCADOR Introdução."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google