A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CORE – CloseOut Risk Evaluation

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CORE – CloseOut Risk Evaluation"— Transcrição da apresentação:

1 CORE – CloseOut Risk Evaluation
Janeiro de 2013 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM “X”): CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO PÚBLICO X

2 AGENDA 2 MODELAGEM DE RISCO EM CÂMARAS MULTIATIVOS E MULTIMERCADOS
O MODELO CORE PARA CÁLCULO DE RISCO EM CÂMARAS MODELAGEM MATEMÁTICA IMPLEMENTAÇÃO DO CORE PRINCIPAIS BENEFÍCIOS DERIVADOS DO MODELO CORE 2

3 AGENDA 3 MODELAGEM DE RISCO EM CÂMARAS MULTIATIVOS E MULTIMERCADOS
O MODELO CORE PARA CÁLCULO DE RISCO EM CÂMARAS MODELAGEM MATEMÁTICA IMPLEMENTAÇÃO DO CORE PRINCIPAIS BENEFÍCIOS DERIVADOS DO MODELO CORE 3

4 MODELAGEM DE RISCO EM CÂMARAS MULTIATIVOS
DEFININDO UM MODELO DE RISCO ROBUSTO E EFICIENTE CÂMARAS MULTIATIVOS E MULTIMERCADOS OPORTUNIDADE DE AUMENTO DE EFICIÊNCIA VIA COMPENSAÇÃO DE RISCOS Ganhos de eficiência não são considerados robustos quando as hipóteses empregadas pelo modelo de compensação de riscos possuem baixo nível de aderência à realidade, resultando em insuficiência de recursos para o cumprimento de obrigações pela Câmara. MAS COMO ASSEGURAR QUE OS GANHOS DE EFICIÊNCIA SÃO ROBUSTOS? NECESSIDADE DE CONSTRUÇÃO DE UM MODELO DE RISCO QUE REFLETE DE FORMA FIEL O PROBLEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE RISCO DA CÂMARA 4

5 PRINCIPAIS ASPECTOS QUE DEVEM SER CONSIDERADOS PELO MODELO
MODELAGEM DE RISCO EM CÂMARAS MULTIATIVOS O PROBLEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE RISCO DE UMA CÂMARA O PROBLEMA DA ADMINISTRAÇÃO DE RISCO DE UMA CÂMARA, NA HIPÓTESE DE INADIMPLEMENTO DE UM PARTICIPANTE, CONSISTE EM TER OS RECURSOS E A LIQUIDEZ NECESSÁRIOS PARA REALIZAR O ENCERRAMENTO (CLOSEOUT) ORDENADO DO CONJUNTO DE POSIÇÕES DETIDAS PELO PARTICIPANTE DENTRO DAS CONDIÇÕES DE MERCADO VIGENTES AO LONGO DE UM HORIZONTE DE TEMPO MÍNIMO (HOLDING PERIOD). D+0 D+1 D+2 D+3 D+4 D+T ... PROCESSO DE ENCERRAMENTO DE UMA CARTEIRA PRINCIPAIS ASPECTOS QUE DEVEM SER CONSIDERADOS PELO MODELO EVOLUÇÃO (DINÂMICA INTERTEMPORAL) DOS FATORES DE RISCO QUE DEFINEM OS VALORES DOS ATIVOS E CONTRATOS QUE COMPÕEM A CARTEIRA, BEM COMO DA PRÓPRIA COMPOSIÇÃO DA CARTEIRA FRICÇOES, RESTRIÇÕES E CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS ASSOCIADAS A CADA ATIVO PERTENTECENTE À CARTEIRA MODELO DE NEGOCIAÇÃO – ELETRÔNICO VS. OTC LIQUIDEZ/PROFUNDIDADE DE MERCADO POSSIBILIDADE DE LIQUIDAÇÃO FRACIONADA MODELO DE LIQUIDAÇÃO – RTGS VS. DNS ESTRUTURA DE FLUXOS DE CAIXA DO ATIVO 5

6 MODELAGEM DE RISCO EM CÂMARAS MULTIATIVOS
ABORDAGEM MAIS COMPLEXA QUE MODELOS A LA VAR A MODELAGEM DO PROBLEMA DA ADMINISTRAÇÃO DE RISCO DE UMA CÂMARA PRECISA CONSIDERAR, DE FORMA CONJUNTA, A EVOLUÇÃO DAS VARIÁVEIS DE MERCADO (PREÇOS E TAXAS) E DA COMPOSIÇÃO DA CARTEIRA, RESPEITANDO UM CONJUNTO DE RESTRIÇÕES RELEVANTES IMPOSTAS PELAS CARACTERÍSTICAS DE CADA ATIVO CONSIDERADO. RISCO DE ENCERRAMENTO DA CARTEIRA CÁLCULO DE PERDAS E GANHOS ... PROCESSO DINÂMICO, COM FRICÇÕES D+0 D+1 D+2 D+3 D+4 D+T ESSA MODELAGEM REQUER CONCEITOS E FERRAMENTAS MAIS COMPLEXOS DO QUE AQUELES TIPICAMENTE EMPREGADOS NA INDÚSTRIA FINANCEIRA (I.E. MODELOS A LA VAR). COM EFEITO, ESSES MODELOS FREQUENTEMENTE CONCENTRAM-SE NA MENSURAÇÃO DA VARIAÇÃO POTENCIAL DO VALOR DE UMA CARTEIRA ESTÁTICA, NÃO CONSIDERANDO UM PROCESSO DINÂMICO E COM FRICÇÕES DE ENCERRAMENTO A MERCADO. RISCO DE VARIAÇÃO DO VALOR DA CARTEIRA D+0 D+T CÁLCULO DE PERDAS E GANHOS PROCESSO ESTÁTICO, SEM FRICÇÕES 6

7 MODELAGEM DE RISCO EM CÂMARAS MULTIATIVOS
ABORDAGEM MAIS COMPLEXA QUE MODELOS A LA VAR (CONT.) EMBORA MODELOS A LA VAR POSSAM SER ADAPTADOS PARA A ESTIMAÇÃO DE RISCO DE ENCERRAMENTO, SUA PLAUSABILIDADE FICA COMPROMETIDA NO CASO DE CARTEIRAS MULTIATIVOS E MULTIMERCADOS (I.E. ALTAMENTE HETEROGÊNEAS) MODELO DE ENCERRAMENTO IMPLÍCITO D+0 D+T HIPÓTESE SUBJACENTE: TODOS ATIVOS E CONTRATOS SÃO LIQUIDADOS AO MESMO TEMPO, SEM FRICÇÕES E COM TOTAL COINCIDÊNCIA DE FLUXOS DE CAIXA UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA CONSISTE NA UTILIZAÇÃO DE UM MODELO COM MÚLTIPLOS SILOS, ONDE CADA SILO CONTÉM APENAS ATIVOS E/OU CONTRATOS COM CARACTERÍSTICAS COMUNS (I.E. HOMOGÊNEOS). NESSE CASO, O RISCO TOTAL DA CARTEIRA É DADO PELA SOMA ALGÉBRICA DOS RISCOS DE CADA SILO. MODELO DE ENCERRAMENTO IMPLÍCITO D+0 D+T SOMA DE RISCOS SILO 1 SILO 2 SILO 3 ... 7

8 AUMENTO NA VOLATILIDADE DE MERCADO
MODELAGEM DE RISCO EM CÂMARAS MULTIATIVOS MODELAGEM EM SILO E AUMENTO DO RISCO SISTÊMICO MESMO UM MODELO EM SILOS, COM SUPERCOLATERALIZAÇÃO VIA SOMA DE RISCOS, NÃO É NECESSARIAMENTE GARANTIA DE UM SISTEMA MAIS ROBUSTO. DE FATO, O MODELO EM SILOS PODE OCULTAR IMPORTANTES RISCOS DE ESGARÇAMENTO DE LIQUIDEZ E DIMINUIR INCENTIVOS A COMPORTAMENTOS DILIGENTES EM MOMENTOS DE CRISE. SITUAÇÃO ORIGINAL, AGENTES “A” E “B” D+0 D+T MARGEM (RISCO) = 100 SILO 1 AGENTE “A” EFETUA HEDGE NO MERCADO COM RISCO NO SILO 2 SILO 2 AGENTE “B” NÃO REALIZA QUALQUER OPERAÇÃO DE HEDGE AUMENTO NA VOLATILIDADE DE MERCADO MARGEM (RISCO) = 200 DESINCENTIVO AO COMPORTAMENTO DILIGENTE. AUMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ NO SISTEMA. CENÁRIOS LTCM (1998) E CRISE DAS NTN-Ds (2002). SILO 1 SILO 2 8

9 AGENDA 9 MODELAGEM DE RISCO EM CÂMARAS MULTIATIVOS E MULTIMERCADOS
O MODELO CORE PARA CÁLCULO DE RISCO EM CÂMARAS MODELAGEM MATEMÁTICA IMPLEMENTAÇÃO DO CORE PRINCIPAIS BENEFÍCIOS DERIVADOS DO MODELO CORE 9

10 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS
O MODELO CORE PARA CÁLCULO DE RISCO O MODELO CORE O MODELO CORE – CLOSEOUT RISK EVALUATION – FOI ESPECIALMENTE DESENVOLVIDO PELA BM&FBOVESPA COM O INTUITO DE PERMITIR A ESTIMAÇÃO ROBUSTA E EFICIENTE DE RISCOS EM CÂMARAS MULTIATIVOS E MULTIMERCADOS. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS CONSIDERA A DINÂMICA INTERTEMPORAL DO PROCESSO DE ENCERRAMENTO DE UMA CARTEIRA DE ATIVOS E CONTRATOS. PREVÊ IMPORTANTES FRICÇÕES E RESTRIÇÕES ASSOCIADAS AO PROCESSO DE LIQUIDAÇÃO DE ATIVOS E CONTRATOS – DINÂMICA DE NEGOCIAÇÃO, LIQUIDEZ E PROFUNDIDADE DE MERCADO, ESTRUTURA DE FLUXOS DE CAIXA, ETC. ESTIMA, DE FORMA CONJUNTA E CONSISTENTE, OS RISCOS DE MERCADO E DE LIQUIDEZ ASSOCIADOS AO PROCESSO DE ENCERRAMENTO (CLOSEOUT) DE UMA CARTEIRA. 10

11 A METODOLOGIA CORE PARA CÁLCULO DE RISCO
VISÃO GERAL: CÁLCULO DE RISCO DE ENCERRAMENTO (CLOSEOUT) EM 3 ETAPAS 1 - DETERMINAÇÃO DA ESTRATÉGIA ENCERRAMENTO D+0 D+1 D+2 D+3 D+4 D+T ... Determinação da estratégia de encerramento da carteira que, respeitando as restrições de liquidação de seus ativos/mercados, minimiza o risco de perdas associadas ao processo de closeout, preservando estratégias de hedge existentes. 2 - AVALIAÇÃO DE RISCO D+0 D+1 D+2 D+3 D+4 D+T ... Definição de cenários (estresse) associados às dinâmicas de cada um dos fatores de risco relevantes para a carteira. Todos ativos e contratos são reavaliados considerando os cenários definidos nessa etapa (full valuation). 3 - DETERMINAÇÃO DE PERDAS E GANHOS POTENCIAIS D+0 D+1 D+2 D+3 D+4 D+T ... Cálculo e agregação intertemporal das perdas e ganhos associados a cada um dos cenários considerando a estratégia de encerramento definida. RISCO DE ENCERRAMENTO (CLOSEOUT) Resultado: duas medidas de risco, de mercado e de liquidez, estimadas conjuntamente e consistentes entre si. PERDA PERMANENTE PERDA TRANSIENTE 11

12 VALORES DOS FLUXOS DE CAIXA
O MODELO CORE PARA CÁLCULO DE RISCO VISÃO GERAL: PERDAS PERMANENTES E PERDAS TRANSIENTES D+0 D+1 D+2 D+3 D+4 D+T ... 3 - DETERMINAÇÃO DE PERDAS E GANHOS POTENCIAIS NECESSIDADE DE CAIXA ATÉ D+T PERDA PERMANENTE V0 + V1 V2 V3 V4 VT NECESSIDADE DE CAIXA ATÉ D+4 NECESSIDADE DE CAIXA ATÉ D+3 NECESSIDADE DE CAIXA ATÉ D+2 NECESSIDADE DE CAIXA ATÉ D+1 NECESSIDADE DE CAIXA ATÉ D+0 VALORES DOS FLUXOS DE CAIXA NECESSIDADE DE CAIXA EM D+T MÁXIMO ENTRE TRANSIENTE IGUAL 12

13 ENCERRAMENTO/CLOSEOUT DEFINIÇÃO DA ESTRATÉGIA ÓTIMA
O MODELO CORE PARA CÁLCULO DE RISCO DETALHE: DEFINIÇÃO DA ESTRATÉGIA DE ENCERRAMENTO D+0 D+1 D+2 D+3 D+4 D+5 CARTEIRA ENCERRAMENTO/CLOSEOUT FUTUROS, COMPRA, ADMITE LIQUIDAÇÃO IMEDIATA OPÇÕES, VENDA, ADMITE LIQUIDAÇÃO APENAS EM D+3 SWAP, VENDA, ADMITE LIQUIDAÇÃO APENAS EM D+5 1 ESTRATÉGIA NAÏVE RISCO RISCO MÍNIMO 2 DEFINIÇÃO DA ESTRATÉGIA ÓTIMA ESTRATÉGIA ÓTIMA 3 ITERAÇÃO 13

14 O MODELO CORE PARA CÁLCULO DE RISCO
DETALHE: COMPOSIÇÃO DA CARTEIRA E EVOLUÇÃO DOS FATORES DE RISCO PERDAS E GANHOS AO LONGO DO PROCESSO D+0 D+1 D+2 D+3 D+4 D+5 D+6 CARTEIRA ENCERRAMENTO/CLOSEOUT FATOR 1 FATOR 2 FATOR N D+0 D+1 D+2 D+3 D+4 D+5 D+6 MERCADO EVOLUÇÃO DOS FATORES DE RISCO 14

15 O MODELO CORE PARA CÁLCULO DE RISCO
DETALHE: EVOLUÇÃO DOS FATORES DE RISCO E GERAÇÃO DE CENÁRIOS MULTIVARIADOS ... ... ... ... ... ... ... FATOR 1 FATOR 1 GERADOR DE CENÁRIOS MULTIVARIADOS FATOR 2 FATOR 2 ... ... FATOR N FATOR N CENÁRIOS PARA DETERMINAÇÃO DE PERDAS E GANHOS AO LONGO DO PROCESSO DE CLOSEOUT D+0 – D+1 – D – D+T D+0 – D+1 – D – D+T ... ... ... ... ... ... ... # CENÁRIO FATOR DE RISCO D+0 – D+1 – D+2 – ... – D+T 15

16 O MODELO CORE PARA CÁLCULO DE RISCO
DETALHE: DETERMINAÇÃO DAS PERDAS E GANHOS AO LONGO DO PROCESSO PIOR CASO PERDA PERMANENTE PERDA TRANSIENTE #1 PERDA PERMANENTE PERDA TRANSIENTE #2 PERDA PERMANENTE PERDA TRANSIENTE #3 ... ... ... ... ... PERDA PERMANENTE PERDA TRANSIENTE #NCEN CENÁRIOS D+1 D+2 D+3 D+4 D+5 D+6 FLUXO POSITIVO FLUXO NEGATIVO 16

17 AGENDA 17 MODELAGEM DE RISCO EM CÂMARAS MULTIATIVOS E MULTIMERCADOS
O MODELO CORE PARA CÁLCULO DE RISCO EM CÂMARAS MODELAGEM MATEMÁTICA IMPLEMENTAÇÃO DO CORE PRINCIPAIS BENEFÍCIOS DERIVADOS DO MODELO CORE 17

18 MODELAGEM MATEMÁTICA Resultado do processo de encerramento do portfólio dado o cenário O resultado do processo de encerramento de uma carteira Q é função da estratégia de encerramento q e do cenário de estresse cj RES(Q) = RES(Q, q, cj) Risco do portfólio dado um conjunto de cenários Pode haver centenas ou milhares de cenários de estresse pertencentes a C = {C1, ..., CN} Dada uma estratégia de encerramento q, o risco do portfólio é definido como o pior (menor) resultado do processo encerramento do portfolio dado o conjunto de cenários C: 18

19 MODELAGEM MATEMÁTICA 19 Estratégia ótima de encerramento do portfólio
A estratégia ótima de encerramento q* é aquela que minimiza o risco do portfólio, ou seja, que minimiza o resultado de encerramento do portfólio no pior cenário possível. q* é obtido como resultado do seguinte problema de minimização condicionada: min Risco (Q, q, C) = min min RES(Q, q, cj) q q cj C sujeito a: para todo i (encerramento completo da posição até a data t=T) para todo i e todo t (proibição de “operar” a posição) para todo i e todo t (consistência com a liquidez de cada ativo) para todo (prazo mínimo para início do encerramento) 19

20 Centenas de contratos, ativos e colaterais
MODELAGEM MATEMÁTICA Otimização da função objetivo Centenas de contratos, ativos e colaterais Milhões de combinações possíveis e diversos condicionantes Função não linear Centenas de fatores de risco, cenários intertemporais, milhares de combinações possíveis Necessidade de cálculo em tempo real para milhares de portfolios/ 20

21 MODELAGEM MATEMÁTICA 21 Otimização da função objetivo
Resultado clássico da teoria de programação linear: Problemas de otimização não linear do tipo “min min” ou “max max” ou “max min” podem ser escritos sob a forma de problemas de otimização linear por meio de troca de variáveis e adição de restrições, ambos produzindo a mesma solução. O mercado oferece algoritmos extremamente eficientes, de porte industrial, para resolução de problemas de otimização linear (ex.: IBM, GORUBI, NAG etc.). A linearização do problema de otimização torna a implementação do CORE eficiente e escalável, permitindo o monitoramento do risco da CCP em tempo real. 21

22 NOVO MODELO DE RISCO INTEGRADO
Equipe de modelagem do CORE (Closeout Risk Evaluation) BM&FBOVESPA Luis Vicente Diretor de Administração de Risco de Contraparte Fernando Cerezetti Gerente de Modelagem de Risco (Doutor em Estatística) Alan de Genaro Gerente de Modelagem Estatística (Doutor em Estatística) Tatiana Iwashita Analista de Modelagem de Risco (Doutora em Matemática) Silvio Farias Analista de Modelagem de Risco (Doutorando em Estatística) Finance Concepts Marco Avellaneda Professor de Matemática e Finanças da New York University Quant of the year 2010 – Risk Magazine Rama Cont Professor de Matemática e Finanças da Columbia University Diretor de Pesquisa do Laboratoire de Probabilités et Modeles Aléatoires de Ecole Polytechnique Hao Yao Senior Programmer 22

23 AGENDA 23 MODELAGEM DE RISCO EM CÂMARAS MULTIATIVOS E MULTIMERCADOS
O MODELO CORE PARA CÁLCULO DE RISCO EM CÂMARAS MODELAGEM MATEMÁTICA IMPLEMENTAÇÃO DO CORE PRINCIPAIS BENEFÍCIOS DERIVADOS DO MODELO CORE 23

24 IMPLEMENTAÇÃO DO CORE 24 COMPONENTES DO MODELO E ARQUITETURA DE TI
DEFINIÇÃO DA ESTRATÉGIA ÓTIMA DE ENCERRAMENTO GERAÇÃO DE PREÇOS COM BASE EM CENÁRIOS MULTIVARIADOS AGREGAÇÃO DE RISCOS E CONTROLE INTERFACE COM A PLATAFORMA RTC (CINNOBER) SOFTWARE ESPECÍFICO PARA TRATAMENTO DE PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO ARQUITETURA PARALELA DE ALTÍSSIMA PERFORMANCE UTILIZANDO UNIDADES GRÁFICAS COM MÚLTIPLOS PROCESSADORES (GPUs) SOFTWARE DE ALTA PERFORMANCE DESENVOLVIDO EM C++ PELA BM&FBOVESPA PLUG-IN DE RISCO DESENVOLVIDO PELA BM&FBOVESPA EM PARCERIA COM A CINNOBER 24

25 IMPLEMENTAÇÃO DO CORE 25 EQUIPES ENVOLVIDAS PARECER INDEPENDENTE,
DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DE RISCO FINANCE CONCEPTS (MARCO AVELLANEDA-NYU E RAMA CONT-COLUMBIA) DIRETORIA DE TI PÓS-NEGOCIAÇÃO PARECER INDEPENDENTE, ANÁLISE DE VIABILIDADE, APOIO NA DEFINIÇÃO DO MODELO DEFINIÇÃO DO MODELO, CONSTRUÇÃO DO PROTÓTIPO, TESTES DO MODELO DEFINITIVO DESENVOLVIMENTO DO CORE 25

26 APRESENTAÇÃO DO PROTÓTIPO
IMPLEMENTAÇÃO DO CORE STATUS DO PROJETO - MACRO MODELO CONCEITUAL MODELO MATEMÁTICO PROTÓTIPO PLUG-IN RISCO/CORE DEZ/2010 JUL/2010 DEZ/2011 JUL/2011 DEZ/2012 MAR/2013 APRESENTAÇÃO DO PROTÓTIPO 26

27 AGENDA 27 MODELAGEM DE RISCO EM CÂMARAS MULTIATIVOS E MULTIMERCADOS
O MODELO CORE PARA CÁLCULO DE RISCO EM CÂMARAS MODELAGEM MATEMÁTICA IMPLEMENTAÇÃO DO CORE PRINCIPAIS BENEFÍCIOS DERIVADOS DO MODELO CORE 27

28 PRINCIPAIS BENEFÍCIOS DERIVADOS DO CORE
DESENVOLVIDO ESPECIALMENTE PARA TRATAMENTO DO PROBLEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE RISCO EM CÂMARAS MODELAGEM ROBUSTA, QUE OFERECE GANHOS DE EFICIÊNCIA SEM ABRIR MÃO DA SEGURANÇA MODELO TRANSPARENTE E INTUITIVO – FACILIDADE NA VALIDAÇÃO DAS PREMISSAS RISCOS DE MERCADO E DE LIQUIDEZ SÃO TRATADOS DE FORMA CONSISTENTE E CONJUNTA MAIOR EFICIENCIA NA ALOCAÇÃO DE CAPITAL PARA CARTEIRAS COM ESTRATÉGIAS DE MITIGAÇÃO DE RISCO (HEDGE) OFERECE INCENTIVOS À ADOÇÃO DE MEDIDAS PRUDENCIAIS DE CONTENÇÃO DE RISCOS EVITA ESGARÇAMENTO DE LIQUIDEZ AO DISPENSAR A ADOÇÃO DE MODELOS EM SILO, MITIGANDO RISCO SISTÊMICO 28

29


Carregar ppt "CORE – CloseOut Risk Evaluation"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google