A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Tonico e Tinoco, são sem dúvida alguma, os maiores cantadores de nossa alma cabocla. Não houve, não há e não haverá, com certeza absoluta, duas vozes.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Tonico e Tinoco, são sem dúvida alguma, os maiores cantadores de nossa alma cabocla. Não houve, não há e não haverá, com certeza absoluta, duas vozes."— Transcrição da apresentação:

1

2 Tonico e Tinoco, são sem dúvida alguma, os maiores cantadores de nossa alma cabocla. Não houve, não há e não haverá, com certeza absoluta, duas vozes tão afinadas e sempre contando histórias de nosso cancioneiro, de forma a que atingiram praticamente todo o nosso Brasil, afirmação que faço, baseado nas cartas emocionadas e que nos emocionam que recebo de todos os rincões do país. Por isso, eles vão ganhar agora um presente que já mereciam há muito tempo: Lá estão algumas de suas músicas mais marcantes, que espero vocês apreciem! É SÓ CRICAR NOS CRAVOS ALUMIADOS E APRUVEITÁ!!! AVANÇAR

3 TONICO E TINOCO A DUPLA CORAÇÃO DO BRASIL

4 Meu véio carro de boi, pouco a pouco apodrecendo Na chuva, sor e sereno, sozinho, aqui desprezado Hoje ninguém mais se alembra que ocê abria picada Abrindo novas estrada, formando vila e povoado Meu véio carro de boi, trabaiaste tantos ano O progresso comandando no transporte do sertão Hoje é um traste véio, apodreceu no relento No museu do esquecimento, na consciência do patrão Meu véio carro de boi, a sua cantiga amarga No peso bruto da carga, o seu cocão ringidor Meu véio carro de boi, quantas coisa ocê retrata A estrada a a verde mata,e o tempo do meu amor Meu véio carro de boi, é o fim da estrada cumprida Puxando a carga da vida, a mais pesada bagage E abraçando o cabeçaio, o nome dos boi dizendo O carreiro foi morrendo, chegou no fim da viage. VOLTAR Carro de Boi

5 Eu bem sei que adivinhava Quando, às veiz, eu te chamava De muié sem coração Minha vóiz, anssim queixosa Vancê era a mais formosa Das caboclas do sertão Minha voiz anssim queixosa Vancê era a mais formosa Das caboclas do sertão Certa veiz, tive um desejo De prová o mer de um beijo Da boquinha de vancê Lá no trio da baixada Pertinho da incruziada Debaixo de um pé de ipê Lá no trio da baixada Pertinho da incruziada Debaixo de um pé de ipê Mas o destino é traiçoero E me deixô na solidão Foi s'imbora pra cidade Me deixou triste saudade Neste pobre coração Foi s'imbora pra cidade Me deixô triste saudade Nesta pobre coração Quando eu passo a incruziada Ainda avisto o pé de ipê Ainda canta um passarinho Me faiz alembrá sozinho Aquele dia com vancê Ainda canta um passarinho Me faiz alembrá sozinho Aquele dia com vancê! PÉ DE IPÊ VOLTAR

6 Tapera na bera da estrada Que vive assim descoberta Por dentro não tem mais nada Por isso ficou deserta. Morava Chico Mulato O maior dos cantadô Mas quando Chico foi embora Na vila ninguém sambô. Morava Chico Mulato O maior dos cantadô A causa dessa tristeza Sabida em todo lugá Foi a cabocla Tereza Com outro ela foi morá O Chico acabrunhado Largou então de cantá Vivia triste, calado Querendo só se matá O Chico, acabrunhado, Largou então de cantá. Emagrecendo, coitado, Foi indo, inté se acabá! Chorando tanta sodade De quem não quis mais vortá E todo mundo chorava A morte do cantadô Não tem batuque nem samba Sertão inteiro chorô E todo mundo chorava A morte do cantadô Chico Mulato Na vorta daquela estrada bem em frente da incruziada todo ano a gente via lá no meio do terrero a imagem do padroero São João da Freguesia. Do lado tinha foguera em redor a noite intera tinha caboclo violero. E uma tar de Terezinha cabocla bem bonitinha sambava nesse terrero. Era noite de São João tava tudo no sertão, tava o Romão cantadô. Quando foi de madrugada saiu com Tereza prá estrada tarvei confessá seu amor. Chico Mulato era o festero caboclo bão violero sentiu frio seu coração. Tirô da cinta o punhá e foi os dois se encontrá, era o rivá seu irmão. E hoje na vorta da estrada em frente da incruziada ficô tão triste o sertão, por causa da Terezinha essa tar de caboclinha nunca mais teve São João.

7 Toda vei que eu viajava pela estrada de Ouro Fino de longe eu avistava a figura de um menino que corria abri a porteira depoi vinha me pedino: - Toque o berrante seu moço que é pra mim ficá ouvino. Quando a boiada passava que a porteira ia fechano eu jogava uma moeda, ele saía pulano: - Obrigado, boiadeiro, que Deus vai lhe acompanhano. - Pra aquele sertão afora meu berrante ia tocano. No caminho desta vida muito espinho encontrei, mas nenhum calou mais fundo do que isto que eu passei. Na minha viage de vorta, quarqué coisa eu cismei, vendo a porteira fechada o menino não avistei. Apiei do meu cavalo num ranchinho beira-chão, vi uma muié chorando, quis sabê qual é a razão: Boiadeiro veio tarde, veja a cruz do estradão, quem matou o meu fiinho foi um boi sem coração. Lá pra banda de Ouro Fino, levando um gado servage, quando eu passo na portera até vejo a sua image. O seu rangido tão triste mai parece uma mensage daquele rosto trigueiro desejando-me boa viage. A cruizinha do estradão do pensamento não sai, eu já fiz o juramento que não esqueço jamai: - Nem que o meu gado estóre, que eu preciso ir atrai, nesse pedaço de chão berrante não toco mai.

8 Nestes versos tão singelos A minha bela, meu amor Pra mecê quero contar O meu sofrer e a minha dor Eu sou que como sabiá Quando canta, é só tristeza Desde o galho onde ele está Nesta viola, Eu canto e gemo de verdade Cada toada representa uma saudade Eu nasci, naquela serra Num ranchinho beira-chão Tudo cheio de buraco Donde a lua faz clarão Quando chega a madrugada Lá no mato, a passarada Principia um baruião Nesta viola Eu canto e gemo de verdade Cada toada representa uma saudade Lá no mato, tudo é triste Desde o jeito de falar Quando risco na viola Dá vontade de chorar Não tem um que cante alegre Tudo vive padecendo Cantando pra aliviar Nesta viola, Eu canto e gemo de verdade Cada toada representa uma saudade Vou parar com a minha viola Já não posso mais cantar Pois o Jeca, quando canta Tem vontade de chorar O choro que vai caindo Devagar vai se sumindo Como as águas vão pro mar... Tristeza do Jeca

9 Ai, ai, ai, Minha vida é só chorar Ai, ai, ai, Meu amor vai me deixar (bis) Amanhã eu vou me embora Bem longe desse lugar Adeus moreninha ingrata Que tanto me fez chorar Ai, ai, ai, Minha vida é só chorar Ai, ai, ai, Meu amor vai me deixar (bis) O desprezo do meu bem Faz meu coração penar Quanto mais tu me despreza Mas eu quero te amar Ai, ai, ai, Minha vida é só chorar Ai, ai, ai, Meu amor vai me deixar (bis) Uma despedida é triste Sofrimento são igual Quem fica chora saudade De quem foi prá não vortá. Arrasta-pé na Tuia

10 Abra a porta ou a janela Venha ver quem é que eu sô Sô aquele desprezado Que você me desprezô Eu já fiz um juramento De nunca mais ter amô Pra viver penar chorando Por tudo lugar que eu vô Quem canta, seu mal espanta Chorando será pió O amô que vai e volta A volta, sempre é mió Chora viola e sanfona Chora triste o violão Tu que é madeira chora Que dirá meu coração Cana Verde

11 A viola tá soluçando Soluça mágua de dor Por que sabe que o seu dono Já não é mais cantadô Não chore viola maguada O poeta que falou Enquanto existir viola Existirá o cantadô Enquanto o mundo for mundo E tiver perfume a frô Enquanto existir na mata O canário dobradô Enquanto existir o caboclo Que escreve versos de amor Enquanto existi viola Existirá o cantadô Já fui violero afamado Já fui grande trovadô Hoje estou véio cançado Minha vóis desafinô Vou guardar minha viola Lembrança do que passô Enquanto existi viola Existirá o cantadô A Viola e o Cantador

12 Cada vez que eu me alembro Do amigo Chico Mineiro Das viagens que nois fazia Ele era meu cumpanheiro Sinto uma tristeza Uma vontade de chorá Alembrando daqueles tempo Que não mais, hai de vortá Apesar d'eu ser patrão Eu tinha no coração O amigo Chico Mineiro Caboclo bão, decidido Na viola era delorido E era o peão dos boiadeiro Hoje, porém, com tristeza Recordando das proezas Da nossa viage e motim Viajemo mais de dez ano Vendendo boiada e comprano Por esse rincão sem fim O caboclo de nada temia Mas, porém chegou o dia Que o Chico apartou-se de mim Fizemo a última viagem Foi lá pro sertão de Goiás Fui eu e o Chico Mineiro Também foi o capataz Viagemo muitos dias Pra chegar em Ouro Fino Aonde nóis passemo a noite Numa festa do Divino A festa tava tão boa Mas antes não tivesse ido O Chico foi baleado Por um homem desconhecido Larguei de comprar boiada Mataram o meu companheiro Acabou o som da viola Acabou-se o Chico Mineiro Depois daquela tragédia Fiquei mais aborrecido Não sabia da nossa amizade Porque nós dois era unido Quando vi seu documento Me cortou meu coração Vim saber que o Chico Mineiro Era meu legitimo irmão. Chico Mineiro

13 Meu coração tá pisado/ Como a flôr que murcha e cai Pisado pelo desprezo/ Do amor quando desfaz Deixando a triste lembrança/ Adeus para nunca mais Moreninha linda/ Do meu bem querer É triste a saudade/ Longe de você Moreninha linda/ Do meu bem querer É triste a saudade/ Longe de você. O amor nasce sózinho/ Não é preciso plantar A paixão nasce no peito/ Farsidade no oiar Você nasceu para outro/ Eu nasci prá te amar. Moreninha linda/ Do meu bem querer É triste a saudade/ Longe de você Moreninha linda/ Do meu bem querer É triste a saudade/ Longe de você. Eu tenho meu canarinho/ Que canta quando me vê Eu canto por ter tristeza/ Canário por padecê Da saudade da floresta/ Eu saudade de você. Moreninha linda/ Do meu bem querer É triste a saudade/ Longe de você Moreninha linda/ Do meu bem querer É triste a saudade/ Longe de você.

14 Ao Rio Grande do Sul adorado Conservando lindas tradição Os gaúchos dançando arrasta-pé E as prendas enfeitando os bailão. Dança o xote e dança a vaneira Rancheira e também vaneirão Os gaúchos dançando arrasta-pé E as prendas enfeitando os bailâo. Nos bailãos se reúne as famílias Os gaúchos tomando mé E um viva para o Rio Grande Os gaúchos no arrasta-pé. Bailão Gaúcho

15 Eu tenho uma mula prêta/ Com sete parmo de artura A mula é descanelada/ Tem uma linda figura Tira fogo na carçada/ No rampão da ferradura Com a morena delicada/ Na garupa faz figura A mula fica enjoada/ Pisa só de andadura. O instinto na criação/ Veja o quanto que regula O defeito do mulão/ Eu sei que ninguém carcula Moça feia e marmanjão/ Na garupa a mula pula Chega a fazer cerração/ Todos pulos dessa mula Cabra muda de feição/ Sendo preta fica fula. Eu fui passear na cidade/ E só numa vorta que eu dei A mula deixou saudade/ No lugar onde eu passei Pro mulão de qualidade/ Quatro contos eu enjeitei Prá dizer mesmo a verdade/ Nem satisfação eu dei Fui dizendo boa tarde/ Prá minha casa vortei. Sortei a mula no pasto/ Veja o que me aconteceu Uma cobra venenosa/ A minha mula mordeu Com o veneno desta cobra/ A mula nem se mexeu Só durou mais quatro horas/ Depois a mula morreu Acabou-se a mula prêta/ Que tanto gosto me deu M O D A D A M U L A P R E T A

16 Lá vai a chalana, bem longe se vai Riscando o remanso do Rio Paraguai Ah, chalana sem querer tu aumentas minha dor Nessas águas tão serenas vai levando meu amor. Ah, chalana sem querer tu aumentas minha dor Nessas águas tão serenas vai levando meu amor. E assim ela se foi, nem de mim se despediu A chalana vai sumindo lá na curva do rio E se ela vai magoada, eu bem sei que tem razão, Fui ingrato e feri o seu pobre coração! Lá vai a chalana, bem longe se vai Riscando o remanso do Rio Paraguai Ah, chalana sem querer tu aumentas minha dor Nessas águas tão serenas vai levando meu amor. Ah, chalana sem querer tu aumentas minha dor Nessas águas tão serenas vai levando meu amor CHALANA

17 Já foi no morrê do dia Quando eu vi, com alegria Dois canarinho gorjeá Com bicada de ternura O casá trocava jura De eternamente se amá De repente, da gaiada Aonde tava posada As avezinha do amô Surgiu um gavião marvado Passando o bico encurvado Na canarinha e levô O canarinho, coitado Avuô desesperado Perseguindo o marfeitô Despois mais, veio vortando Muito triste soluçando Num gorjeá cheio de dô Dos óio do canarinho Eu vi moiado os cantinho De chorá pelo seu bem Uma dor foi me apertando E meus óio foi piscando Sem querê chorei também Chorei pois que nem saudade Daquela felicidade Que o destino me roubou O meu viver solitário É tal e quar deste canário Que perdeu o seu amô Destinos Iguais

18 Lá no arto da montanha, numa casinha estranha, toda feita de sapé, Parei uma noite a cavalo pra mor de dois estalo Que ouvi lá dentro bater. Apeei com muito jeito, ouvi um gemido perfeito, Uma voz cheia de dor: -Vancê, Tereza, descansa, jurei de fazer vingança prá mode do meu amô. Pela réstea da janela, por uma luzinha amarela De um lampião quase apagando, Vi uma cabocla no chão e um cabra tinha na mão Uma arma alumiando. Virei meu cavalo a galope, risquei de espora e chicote, Sangrei a anca do tá. Desci a montanha abaixo e galopiando meu macho O seu doutor foi chamá. Vortemo lá pra montanha, naquela casinha estranha, Eu e mais seu doutô. Topei um cabra assustado, que chamando nóis prum lado, a sua história contô. Há tempo eu fiz um ranchinho Pra minha cabocla morá Pois era ali nosso ninho Bem longe desse lugar. No arto lá da montanha Perto da luz do luar Vivi um ano feliz Sem nunca isso esperá E muito tempo passou Pensando em ser tão feliz Mas a Tereza, doutor, Felicidade não quis. Pois o sonho neste oiá Paguei caro meu amor Pra mor de outro caboclo Meu rancho ela abandonou. Senti meu sangue fervê Jurei a Tereza matá O meu alazão arriei E ela eu fui procurá. Agora já me vinguei É esse o fim de um amor Essa cabocla eu matei É a minha história, doutor. CABOCLA TEREZA

19 O amanhecê da minha roça, vem surgindo o clarão. Roceiro deixa a paióça pra fazê as prantação. O carro de boi chorando no arto do chapadão, Os passarinho cantando, começando um baruião, Este é o Brasir caboclo, este é o meu sertão. Casinha de paia Lá no ribeirão Uma linda cabocla E um cavalo bão O som de uma viola Alegra a solidão Isto é o Brasil caboclo Este é o meu sertão Choro da cascata Cai lá no grotão A lua de prata Ouvindo a canção Vóis da serenata Gemer do violão Isto é o Brasil caboclo Este é o meu sertão Sino da capela Dobra em oração Cigarra cantando Tarde de verão Cabocla sambando Noite de São João Isto é o Brasil Caboclo Este é o meu sertão. BRASIL CABOCLO

20 FICHA TÉCNICA DA APRESENTAÇÃO 1- CARRO DE BOI – Toada de Tonico. Foto do carro de boi de meu amigo João Erasmo Berchol, Dois Córregos. 2- PÉ DE IPÊ – Toada de Tonico. Foto da Internet. 3- CHICO MULATO – Toada de João Pacífico e Raul Torres. Foto de João Pacífico e o grande violonista Leandro Carvalho. 4- MENINO DA PORTEIRA – Cururu de Teddy Vieira e Luizinho. Foto da Internet. 5- TRISTEZA DO JECA – Toada de Angelino de Oliveira. Foto do quadro O Violeiro de José Ferraz de Almeida Jr, 1889, Itu. 6- ARRASTA-PÉ NA TUIA – Arrasta-pé de Tonico e Tinoco. Foto da antiga tuia da Fazenda Lageado, Botucatu. 7- CANA VERDE – Arrasta-pé de Tonico e Tinoco. Foto da praça Tonico e Tinoco, em São Manuel. Estátua da dupla. 8- A VIOLA E O CANTADOR – Cateretê de Chiquinho, Zé Paioça e Zé Tapera. Foto de Tinoco e dona Nadir.

21 9- CHICO MINEIRO – Toada de Tonico e Francisco Ribeiro. Foto do quadro Caipira Picando Fumo, de José Ferraz de Almeida Jr., 1889, Itu. 10- MORENINHA LINDA – Cana Verde de Tonico, Priminho e Maninho. Foto de capa de LP. 11- BAILÃO GAÚCHO – Vaneirão de Tinoco e Nadir. Foto de capa de LP. 12- MODA DA MULA PRETA – Cateretê de Raul Torres. Foto de capa de LP. 13- CHALANA – Rasqueado de Mário Zan e Arlindo Pinto. Foto da Internet. 14- DESTINOS IGUAIS – Toada de Ariowaldo Pires e Laureano. Foto de Tinoco e de meu amigo Ramiro Vióla, em Pratânea. 15- CABOCLA TEREZA – Toada de João Pacífico e Raul Torres. Foto da casinha da família Perez, no museu de Pratânea. 16- BRASIL CABOCLO – Toada de Tonico e Walter Amaral. Foto da Internet Realização de Paulo R.M.Castro –


Carregar ppt "Tonico e Tinoco, são sem dúvida alguma, os maiores cantadores de nossa alma cabocla. Não houve, não há e não haverá, com certeza absoluta, duas vozes."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google