A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1º Trimestre de 2002 1º Trimestre de 2002 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1º Trimestre de 2002 1º Trimestre de 2002 Diretoria de.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1º Trimestre de 2002 1º Trimestre de 2002 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1º Trimestre de 2002 1º Trimestre de 2002 Diretoria de."— Transcrição da apresentação:

1 1 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1º Trimestre de º Trimestre de 2002 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1º Trimestre de º Trimestre de 2002 Diretoria de Finanças e Participações - DFNDiretoria de Finanças e Participações - DFN Diretoria de Relações com InvestidoresDiretoria de Relações com Investidores

2 2 Lucro Líquido R$220 milhões Retorno sobre o Patrimônio Líquido 3% EBITDA R$406 milhões Patrimônio Líquido R$7.122 Milhões Dívida R$2.280 milhões Encargos R$55 milhões Debêntures R$625 milhões Destaques Financeiros

3 3 Listagem Bolsa de Nova York BOVESPA Nível I Governança Corporativa Destaques Institucionais cig cmig4

4 4 Acordo geral Do Setor Revitalização Do Setor Expansão Irapé Equacionamento financeiro Porto Estrela 112 MW Novos consumidores 58 mil Investimentos R$139,4 milhões Destaques Estratégicos Perdas de receita Custos não controláveis Compra de Energia livre Outros custos regulatórios Solução para O impasse do MAE Garantia da expansão Implementação da Estrutura do Setor ainda não desenvolvida

5 5 INDICADORES ECONÔMICOS Variação dos principais índices no 1º trim/2002

6 6 RESULTADO CONSOLIDADO

7 7

8 8 Acordo do Setor : recuperação de perdas

9 9 Acordo do Setor : recuperação de perdas

10 10 Acordo do Setor : recuperação de perdas Compra de energia será contabilizada como despesa operacional

11 11 Acordo do Setor : recuperação de perdas Compra de energia será contabilizada como despesa operacional

12 12 Acordo do Setor : recuperação de perdas Recuperação dos custos incorridos da parcela A no 1º trimestre de 2002 no 1º trimestre de 2002

13 13 Acordo do Setor : recuperação de perdas

14 14 Acordo do Setor : recuperação de perdas

15 15 Acordo do Setor : recuperação de perdas Consideradas todas as transações, Cemig ficará com um valor líquido de R$ 177 milhões

16 16 Ativo Passivo Valores em milhares de reais Balanço Patrimonial: controladora Variação reflete o acordo do Setor

17 17 Receita Operacional Líquida Despesas Operacionais Geração Interna de Caixa GIC Ganho Cambial Líquido Lucro (prejuízo) Líquido Margem Operacional (%) Margem GIC (%) Venda Direta (GWh) R$ MI em 31/03/ ,2 933,0 405,7 3,7 219,9 22,9 33, ,2 % 12,9 % 69,0 % - 107,1 % 37,8 % (13,6) % % var RESULTADO Controladora

18 18 EVOLUÇÃO DO LUCRO – R$ MI

19 19 Demonstrativo de resultados Controladora

20 20 Receita líquida aumentou 30% devido à recomposição tarifária Controladora

21 21 Despesas Valores em milhares de reais 1º TRIM º TRIM 2001 Variação Controláveis (2%) Não controláveis % Total % Custos não gerenciáveis aumentaram mais rapidamente Controladora

22 22 Energia comprada reflete ajuste do racionamento Controladora

23 23 Resultado Financeiro R$68,3 MI Resultado Financeiro (R$96,1 MI) Variação Cambial R$3,7 MI Despesas (R$82,5 MI ) Receita R$145,6 MI Receita R$88,9 MI Despesas (R$66,5 MI) Variação Cambial (R$122,9 MI) RESULTADO FINANCEIRO Até Março Variação do dólar: Até Mar/02: 0,14% Até Mar/01: 10,55% Ganhos cambiais em 2002 comparados a perdas cambiais em 2001 Controladora MEP – Controladas&Coligadas R$1,5 MI MEP – Controladas&Coligadas R$4,4 MI

24 24 Milhões de Reais Dívida externa reduzida por amortização do Eurobond Controladora

25 25 Vencimento da dívida Valores em milhões Não inclui dívida da FORLUZ

26 26 Resultado Não Operacional (R$7 MI) Resultado Não Operacional (R$22,7 MI) FORLUZ – Custeio Adm. (R$2,2 MI) Des. e Alienação de Bens (R$3,4 MI) Perdas projetos e outros (R$15,6 MI) FORLUZ – Custeio Adm. (R$2,2 MI) RESULTADO NÃO OPERACIONAL Perdas projetos e outros (R$1,4 MI) Des. e Alienação de Bens (R$4,9 MI) Até Março Resultado do 1º Trim. de 2002: orientação

27 27 BALANÇO ENERGÉTICO 1º TRIM. DE 2002 REQUISITOS Mercado cativo Mercado livre GWh GWh GWh Energia Total GWh Perdas 7,4 % 868 GWh Take auto produção 331 GWh RECURSOS GWh Venda ao Sistema Interligado

28 28 Racionamento reduziu volume de vendas em 13,6% -13.6% +5.1% -9.3% -21.9% -16.9% -19.1%

29 29 GANHOS DE PRODUTIVIDADE

30 30 Perspectivas 2002 Aumento tarifário da CEMIG A ANEEL publicou hoje, dia 5 de abril, a Resolução 176, que reajusta as tarifas de energia, fixa a nova taxa de fiscalização e estabelece novas receitas anuais de conexão da CEMIG, validas para o ciclo tarifário 2002/2003. Publicou também um aviso com o cronograma de revisão tarifária extraordinária que irá ocorrer durante os próximos doze meses e cujo resultado será a nova receita, a nova estrutura tarifária e o valor do X, que impactará as fórmulas de reajuste e os níveis da receita a partir de abril de A Resolução 176 aumentou as tarifas de energia da CEMIG em 10,5%, em função das seguintes variações principais: (1) Aumento dos itens não gerenciáveis : 4,40% (2) Aumento dos itens gerenciáveis: 4,78% (3) Total do reajuste9,18% (4) Aumento da CVA[1] :1,90% [1] (5) Expurgo dos custos da ASMAE[2] : -0,57% [2] (6) Total do aumento ( )10,51% [1][1] Conta de Variação dos Itens da Parcela A - CVA [1] [2][2] Custos da estrutura associada ao Mercado Atacadista de Energia, pagos durante 1999, 2000 e 2001, expurgados em 2002 pela ANEEL [2]

31 31 Planejamento de R$ 2,7 bilhões em 3 anos Base Econômica PROGRAMA DE INVESTIMENTOS

32 32 GRANDES PROJETOS

33 33 Valores em R$ 1000 Partes relacionadas


Carregar ppt "1 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1º Trimestre de 2002 1º Trimestre de 2002 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1º Trimestre de 2002 1º Trimestre de 2002 Diretoria de."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google