A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

TRIBUNAL DE IMPOSTOS E TAXAS ESTADO DE SÃO PAULO - TIT IMPARCIALIDADE E TRANSPARÊNCIA DO TIT-SP Painel III: Processo Administrativo Estadual em São Paulo.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "TRIBUNAL DE IMPOSTOS E TAXAS ESTADO DE SÃO PAULO - TIT IMPARCIALIDADE E TRANSPARÊNCIA DO TIT-SP Painel III: Processo Administrativo Estadual em São Paulo."— Transcrição da apresentação:

1 TRIBUNAL DE IMPOSTOS E TAXAS ESTADO DE SÃO PAULO - TIT IMPARCIALIDADE E TRANSPARÊNCIA DO TIT-SP Painel III: Processo Administrativo Estadual em São Paulo Evento: Prerrogativas e Funções do Contencioso Administrativo Fiscal Local: Escola de Direito da FGV-SP Local: Escola de Direito da FGV-SP Osvaldo Santos de Carvalho 1

2 IMPARCIALIDADE 2

3 Imparcial: Que não sacrifica a justiça ou a verdade a considerações particulares / Que não tem partido a favor nem contra (Dicionário Aurélio) A imparcialidade deve referir-se tanto ao ato de julgar quanto à pessoa do julgador Assim, deve-se garantir: a.a neutralidade da pessoa do julgador b.que o julgador possa livremente exercer seu ato de julgar Nesse sentido, a Lei /09 oferece a garantia legal da imparcialidade dos juízes, dos julgamentos e das decisões do TIT A estrutura do TIT foi elaborada também no sentido de dar efetividade à garantia legal da imparcialidade Considerações Iniciais 3

4 O TIT foi criado em 05/06/1935 e sempre foi formado por juízes contribuintes e fazendários – órgão paritário É órgão da Secretaria da Fazenda e subordinado à Coordenadoria da Administração Tributária Não obstante, as decisões do TIT são soberanas – não submetidas à homologação ou reversão por parte de qualquer autoridade administrativa A escolha dos juízes contribuintes não é livre pela Secretaria da Fazenda, sendo condicionada pelas entidades jurídicas e de representação de classe A Lei /09 garante a: a.livre apreciação das provas por parte dos juízes b.a vedação do exercício da função de julgar aos que se encontrarem impedidos Ao longo de seus quase 80 anos, o TIT conquistou o reconhecimento nacional da excelência de suas decisões e de seus juízes Tribunal de Impostos e Taxas 4

5 Nomeação pelo Governador do Estado; Mandato por período de 2 (dois) anos; Juízes servidores públicos, requisitos: i.portador de título universitário; ii.servidor da Secretaria da Fazenda ou Procurador do Estado, especializados em questões tributárias, indicados pelo Secretário da Fazenda. Juízes contribuintes, requisitos: i.portador de título universitário; ii.reputação ilibada e reconhecida especialização em matéria tributária; iii.mais de 5 (cinco) anos de efetiva atividade profissional no campo do Direito, inclusive no magistério e na magistratura; iv.indicados pelas entidades jurídicas ou de representação dos contribuintes. Juízes - Nomeação 5

6 16 Câmaras Julgadoras que julgam processos em 2ª instância administrativa 4 juízes por Câmara Paridade – 2 juízes fazendários e 2 juízes contribuintes por Câmara 1 Representante Fiscal, sem direito a voto – função precípua de defender a legislação e os interesses da Fazenda Pública do Estado Alternância na Presidência i.Câmaras ímpares – Presidência e Vice cabem aos juízes fazendários ii.Câmaras pares - Presidência e Vice cabem a juízes contribuintes iii.Sessões abertas a qualquer interessado iv.Em caso de empate na votação, o Presidente da Câmara possui o voto de qualidade Câmaras Julgadoras 6

7 Câmara Superior – 1 (uma) Última instância do contencioso administrativo tributário, com a finalidade de estabelecer a uniformização da jurisprudência do Tribunal 16 juízes Paridade - 8 juízes servidores públicos e 8 juízes contribuintes composta por juízes distintos daqueles que compõem as Câmaras Julgadoras Requisito: juízes que tenham, no mínimo, exercido 2 (dois) mandatos Presidente da Câmara Superior – Presidente do TIT – pode ser juiz servidor público ou contribuinte Vice-presidente do TIT – também pode ser juiz servidor público ou contribuinte Câmara Superior 7

8 TRANSPARÊNCIA 8

9 Transparência: qualidade do que não é ambíguo; clareza, limpidez (Dicionário Houaiss) Sistema Eletrônico e Novo Contencioso – Objetivos (dentre outros): conferir maior transparência e oferecer prestação de serviço de qualidade Não informatizar o caos – otimizar a logística antes de implantar o sistema eletrônico Opção pelo desenvolvimento do sistema na própria SEFAZ Novo contencioso administrativo tributário – Lei , de 18/03/2009 – a partir de 27/06/2009, com a edição do Decreto /2009 Transparência, Sistema Eletrônico e Novo Contencioso 9

10 ABRANGÊNCIA Lavratura eletrônica de autos de infração (AIIM) Processo Eletrônico – uso do meio eletrônico: i.no trâmite processual administrativo; ii.na comunicação dos atos; iii.na transmissão de peças processuais (petições, recursos, etc.). iv.na divulgação das decisões. Tempestividade de atos processuais: até à meia-noite do último dia de prazo Diário Eletrônico Procedimentos de arquivo, cobrança, representação de crime contra a ordem tributária e inscrição na dívida ativa, todos por meio eletrônico (futuramente) Sistema Eletrônico e Novo Contencioso 10

11 Divulgação da pauta de julgamentos com antecedência mínima de 5 dias em relação à data da sessão de julgamento Divulgação das decisões na íntegra i.A partir de 11/2010 – foi disponibilizada, no menu jurisprudência, a consulta à íntegra das decisões proferidas pelo TIT e pelas DTJs ii.Acórdãos do TIT desde 01/2009 – decisões das DTJs desde 11/2010 iii.Hoje: 68 mil decisões disponíveis e 660 mil downloads 04/05/2011 – implantação do Diário Eletrônico 23/08/2011 – disponibilização do Portal do ePAT A partir de 04/2012 – somente são lavrados AIIMs por via eletrônica 95% dos AIIMs nas DTJs são eletrônicos Hoje: AIIMs eletrônicos contra AIIMs em papel no contencioso administrativo tributário 28/03/2013 – julgamento eletrônico (provavelmente o 1º no Brasil) Situação 11

12 Celeridade: a) prazos controlados pelo sistema, b) atos praticados simultaneamente pelas partes, c) intimações e comunicações por meio eletrônico, d) fim do tempo consumido com a tramitação de processos em meio físico. Segurança: a) assinatura eletrônica e certificação digital, b) não há riscos de extravio de processos, c) banco de dados SEFAZ – 24 horas contínuas de armazenamento e back up das informações, d) provas e atos em geral digitalizados Preservação ambiental: redução gradual do uso de papel. Transparência: a) todos os atos são praticados eletronicamente, com imediata possibilidade de acesso pelas partes, b) extrato eletrônico – acompanhamento on line do trâmite processual. Processo Eletrônico - Vantagens 12

13 Praticidade: a) os autos podem ser acessados pelo interessado de qualquer lugar, sem necessidade de intervenção de qualquer servidor público, b) os atos processuais são feitos diretamente pelo contribuinte/representante. Integração com órgãos internos e externos à Fazenda: possibilidade de que outros órgãos utilizem o ePAT para suas tarefas. Exemplos: consultas tributárias, concessão de benefícios fiscais, lavratura eletrônica do AIIM, cobrança, sistema da Procuradoria, etc. Redução de custos e simplificação da logística: a) uso do Diário Eletrônico – a.1) o DOE não mais é utilizado para a publicação dos atos e comunicados do contencioso, a.2) somente as pessoas físicas e firmas individuais sem advogados serão intimados pelo correio, b) futuramente, os demais órgãos da SEFAZ também utilizarão o Diário Eletrônico Processo Eletrônico - Vantagens 13

14 Antiga reivindicação de advogados, contabilistas, juízes, fiscais, servidores, demais usuários do contencioso e interessados em geral. Parceria TIT/FIESP - Proporcionou a digitalização da íntegra das decisões sem custos para a Fazenda. O Sistema entrou no ar com cerca de decisões – hoje: decisões Multiplicidade de formas de consulta da jurisprudência do TIT: palavras, assuntos, número de AIIM, período de publicação, etc. Possibilita que as decisões sejam consultadas, impressas e utilizadas como paradigmas em recursos especiais: i.torna desnecessário o deslocamento às dependências do TIT para pesquisa de jurisprudência ii.facilita o acompanhamento das decisões do Tribunal e das DTJs. Sistema: Consultas à Integra das Decisões 14

15 Acessível pelo site do TIT. Mostra a tramitação completa desde a notificação do auto de infração até o pagamento ou inscrição em dívida. Permite o acesso direto às decisões e despachos proferidos pelas Delegacias de Julgamento e pelo TIT. Consulta disponível para processos digitais e em meio físico (papel). Consultas pelo nº AIIM, nome do autuado ou pelo número do processo. Extrato Eletrônico 15

16 Substitui o DOE para quaisquer publicações do TIT: Elimina os custos com o DOE e reduz os custos com correspondência. Acesso pelo site da Fazenda. Consulta pública e gratuita, 24 horas por dia. Permite o acesso direto ao conteúdo da decisão, do despacho, do ato ou do comunicado. Maior celeridade: muitas das decisões são publicadas no dia útil seguinte ao da sessão de julgamento. Usado para processos eletrônicos e físicos – futuramente será utilizado também por outros setores da Fazenda. Intimação pelo DE - exceção: pessoas credenciadas ePAT (a intimação ocorre pelo ePAT) e situações legais que exigem carta com AR (ex: pessoa física) Diário Eletrônico - DE 16

17 Funcionalidades – Módulo Contribuinte: Lista de Processos: i.Lista de AIIMs lavrados e seus detalhes ii.Vinculação e Desvinculação de procuradores iii.Substabelecimento Protocolos: exibe os protocolos de peças e documentos apresentados pelo usuário; Entrada de documentos: permite anexar peças e documentos ao processo; Acesso a informações sobre legislação vigente, manual e orientações gerais. Portal ePAT - Funcionalidades 17

18 O auto de infração (AIIM) é um dos instrumentos que o Fisco dispõe para coibir a indevida influência da tributação no ambiente de negócios - sonegação fiscal; Essa interferência causa diversos prejuízos à evolução empresarial, por proporcionar uma artificial vantagem competitiva – concorrência desleal; No entanto, o Contencioso Administrativo Tributário, deve garantir não só o Direito de Defesa do contribuinte, mas, também, conferir maior segurança jurídica ao Auto de Infração; A imparcialidade e transparência no contencioso administrativo garante a justiça fiscal e o Auto de infração (AIIM) é um instrumento que o Fisco dispõe para coibir a concorrência desleal decorrente da sonegação fiscal (função extrafiscal) e deve ser informado por esses critérios quando submetidos ao contencioso administrativo; As alterações introduzidas pela Lei /08 e a implantação do sistema eletrônico objetivam oferecer melhor qualidade da prestação jurisdicional administrativa, com mais celeridade, transparência e imparcialidade. Conclusões 18

19 OBRIGADO! 19


Carregar ppt "TRIBUNAL DE IMPOSTOS E TAXAS ESTADO DE SÃO PAULO - TIT IMPARCIALIDADE E TRANSPARÊNCIA DO TIT-SP Painel III: Processo Administrativo Estadual em São Paulo."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google