A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Módulo de Portuária e Construção Civil – AULA 1 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Módulo de Portuária e Construção Civil – AULA 1 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho."— Transcrição da apresentação:

1 Módulo de Portuária e Construção Civil – AULA 1 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho

2 Desenvolver e aplicar os conceitos de Segurança e Saúde no Trabalho na indústria da construção civil. COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO

3 INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO ICC - Indústria da Construção Civil - É uma das que apresentam as piores condições de segurança, em nível mundial. Com os avanços tecnológicos e investimentos na Segurança e Saúde do Trabalhador, no Brasil a ICC não é mais campeã em acidentes de trabalho. Hoje, a ICC, segundo dados de 2009/2010 do MPAS, ocupa o 7º lugar de acidentes de trabalho entre as atividades econômicas.

4 O TÉCNICO DE SEGURANÇA NA ICC A ICC é um dos setores que mais empregam o Técnico de Segurança. A partir de 50 funcionários já é necessário a contratação de um técnico (NR-4)

5 SEGURANÇA DO TRABALHO NA ICC O grande desafio da Segurança do Trabalho é conscientizar a mão-de-obra, em sua maioria sem a qualificação desejada.

6 SEGURANÇA DO TRABALHO NA ICC A Segurança do Trabalho tem papel estratégico na continuidade e qualidade da obra, através do treinamento, conscientização e aplicação das normas vigentes.

7 CERTIFICAÇÕESCERTIFICAÇÕES A modernização da ICC (Industria da Construção Civil), fez com que empresas busquem um desenvolvimento sustentável almejando as certificações de Qualidade, Meio Ambiente e Segurança de seus processos.

8 CERTIFICAÇÕESCERTIFICAÇÕES Todos ganham: a Empresa, a Sociedade, o Meio Ambiente, e, em especial, os Trabalhadores, que são melhor qualificados e treinados para execução de suas atividades!

9 Definições Básicas Risco: Combinação da probabilidade de ocorrência de um evento perigoso ou exposição (ões) com a gravidade da lesão ou doença que pode ser causada pelo evento ou exposição (ões). Perigo: Fonte, situação ou ato com potencial para provocar danos humanos em termos de lesão ou doença, ou uma combinação destas. Doença: Condição física ou mental adversa identificável, oriunda de, e/ou agravada por, uma atividade laboral e/ou situação relacionada ao trabalho.

10 Incidente: Evento relacionado ao trabalho no qual uma lesão ou doença (independente da gravidade) ou fatalidade ocorreu ou poderia ter ocorrido. Definições Básicas

11 Um acidente é um incidente que resultou em lesão, doença ou fatalidade. Um incidente no qual não ocorre lesão, doença ou fatalidade pode também ser denominado um "quase-acidente", "quase-perda", "ocorrência anormal" ou "ocorrência perigosa". Uma situação de emergência é um tipo particular de incidente.

12 Segurança e Saúde no Trabalho Segurança e Saúde no Trabalho: É a área de atuação que fornece e implementa todo conjunto de medidas que são adotadas visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade e a capacidade de trabalho do trabalhador. Acidente Acidente: É aquele que ocorre pelo exercício do trabalho, a serviço da empresa, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte ou a perda ou redução, permanente ou temporária, da capacidade para o trabalho. Definições Básicas

13 Fator Pessoal de Insegurança Fator Pessoal de Insegurança: São comportamentos emitidos pelo trabalhador decorrentes da execução das tarefas de forma contrária às normas de segurança provenientes de fatores físicos, emocionais, profissionais. Condição Insegura Condição Insegura: São deficiências, defeitos ou irregularidades técnicas na empresa que constituem riscos para a integridade física do trabalhador, para sua saúde e para os bens materiais da empresa.

14 Você sabia? * Boa parte dos acidentes de trabalho ocorre antes do horário do almoço. Estudos revelam que operários que iniciam o turno sem se alimentar têm crises de hipoglicemia (baixa taxa de açúcar no sangue) e acabam vítimas de tonturas e até desmaios por volta do meio-dia, principalmente se trabalhando em dias quentes.

15 Você sabia? * Uma obra segura é aquela que tem alvará de construção emitido pela prefeitura local, foi fiscalizada e liberada pela Secretaria Regional do Trabalho e pelo CREA, tem responsável técnico permanentemente no local e municia o canteiro da obras com equipamentos aprovados pelas normas de segurança.

16 HORA DE PENSAR ! Diante do que foi visto até agora, responda: Qual o grande desafio do Técnico de Segurança dentro de um canteiro de obra? *10 segundos para mandar as respostas!

17 RAMOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL CONSTRUÇÃO DE EDIFICAÇÕES CONSTRUÇÃO DE EDIFICAÇÕES (Moradias, comércio, instituições públicas, etc.) CONSTRUÇÃO PESADA CONSTRUÇÃO PESADA (Pontes, estradas, hidrelétricas, aeroportos, etc.)

18 A ICC SEGUNDO A NR 18 Consideram-se atividades da Indústria da Construção asconstantes do Quadro I, Código da Atividade Específica, da NR 4 - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho e as atividades e serviços de demolição, reparo, pintura, limpeza e manutenção de edifícios em geral, de qualquer número de pavimentos ou tipo de construção, inclusive manutenção de obras de urbanização e paisagismo.

19 CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADE ECONÔMICA – VERSÃO 2.0/2008 CNAEDENOMINAÇÃO GRAU DE RISCOS 41CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS Incorporação e empreendimento imobiliário Construção de Edifícios3 42OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA 42.1 Construção de rodovias, ferrovias, obras urbanas e obras- de-arte especiais Construção de rodovias e ferrovias Construção de obras-de-arte especiais Obras de urbanização - ruas, praças e calçadas Obras de infra-estrutura para energia elétrica, telecomunicações, água, esgoto e transporte por dutos

20 CNAEDENOMINAÇÃO GRAU DE RISCOS Obras para geração e distribuição de energia elétrica e para telecomunicações Construção de redes de abastecimento de água, coleta de esgoto e construções correlatas Construção de redes de transportes por dutos, exceto para água e esgoto Construção de outras obras de infra-estrutura Obras portuárias, marítimas e fluviais Montagem de instalações industriais e de estruturas metálicas Obras de engenharia civil não especificadas anteriormente 3 CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADE ECONÔMICA – VERSÃO 2.0/2008

21 CNAEDENOMINAÇÃO GRAU DE RISCOS 43SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO 43.1Demolição e preparação do terreno Demolição e preparação de canteiros de obras Perfuração e sondagens Obras de terraplanagem Serviços de preparação de terreno não especificado anteriormente Instalações elétricas, hidráulicas e outras instalações em construções Instalações elétricas3 CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADE ECONÔMICA – VERSÃO 2.0/2008

22 CNAEDENOMINAÇÃO GRAU DE RISCOS Instalações hidráulicas, de sistemas de ventilação e refrigeração Obras de instalações em construções não especificadas anteriormente Obras de acabamento Obras de acabamento3 43.9Outros serviços especializados para construção Obras de fundações Serviços especializados para construção não especificados anteriormente 3 CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADE ECONÔMICA – VERSÃO 2.0/2008

23 INCORPORAÇÃOINCORPORAÇÃO Empresário dono de construtora arca com todas as despesas da obra: Pagamentos dos trabalhadores Segurança do Trabalho Administração

24 NR-18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL Portaria nº 3.214/78 Ministério do Trabalho e Emprego NR - 18

25 NR-18 CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL 18.1 Objetivo e Campo de Aplicação 18.2 Comunicação Prévia 18.3 Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção - PCMAT 18.4 Áreas de Vivência 18.5 Demolição 18.6 Escavações, Fundações e Desmonte de Rochas 18.7 Carpintaria 18.8 Armações de Aço 18.9 Estruturas de Concreto

26 NR-18 CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL Estruturas Metálicas Operações de Soldagem e Corte a Quente Escadas, Rampas e Passarelas Medidas de Proteção contra Quedas de Altura Movimentação e Transporte de Materiais e Pessoas Andaimes e Plataformas de Trabalho Cabos de Aço e Cabos de Fibra Sintética Alvenaria, Revestimentos e Acabamentos Telhados e Coberturas Serviços em Flutuantes Locais Confinados

27 18.21 Instalações Elétricas Máquinas, Equipamentos e Ferramentas Diversas Equipamentos de Proteção Individual Armazenagem e Estocagem de Materiais Transporte de Trabalhadores em Veículos Automotores Proteção Contra Incêndio Sinalização de Segurança Treinamento Ordem e Limpeza Tapumes e Galerias NR-18 CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

28 18.31 Acidente Fatal Dados Estatísticos Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA nas empresas da Indústria da Construção Comitês Permanentes Sobre Condições e Meio Ambiente do Trabalho na Indústria da Construção Recomendações Técnicas de Procedimentos RTP Disposições Gerais Disposições Finais Disposições Transitórias Glossário NR-18 CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

29 NR - 18 Estabelece diretrizes de ordem administrativa, de planejamento e de organização, que objetivam a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos de segurança nos processos, nas condições e no meio ambiente de trabalho na indústria da construção.

30 É obrigatória a comunicação à Delegacia Regional do Trabalho, antes do início das atividades, das seguintes informações: a) endereço correto da obra; b) endereço correto e qualificação (CEI,CGC ou CPF) do contratante, empregador ou condomínio; c) tipo de obra; d) datas previstas do início e conclusão da obra; e) número máximo previsto de trabalhadores na obra. NR – Comunicação Prévia

31 NR Treinamento ADMISSIONAL Carga horária mínima de 6 horas. Ministrado dentro do horário de trabalho, antes do inicio do trabalho. Deve constar informações sobre: Informações sobre as condições e meio ambiente no trabalho; Riscos inerentes a função; Uso correto dos EPIs; Informações sobre EPCs existentes na empresa.

32 NR Treinamento PERIÓDICO O treinamento periódico deve ser ministrado: Sempre que se tornar necessário; Ao início de cada fase da obra Nos treinamentos, os trabalhadores devem receber cópias dos procedimentos e operações a serem realizadas com segurança.

33 Existem basicamente dois tipos de obras: VERTICAL HORIZONTAL ETAPAS DE UMA OBRA

34 Serviços preliminares Compactação de aterro Locação de obra Demolição, Escavação, Fundação e Desmonte de Rocha Estruturas de Concreto: Execução de Forma, Montagem de Armadura e Concretagem

35 ETAPAS DE UMA OBRA Estruturas Metálicas Alvenaria, Revestimentos e Acabamento (Reboco, Cerâmica, Pintura, Forro) Impermeabilização

36 ETAPAS DE UMA OBRA Cobertura Esquadrias Instalações Elétricas e Hidráulicas

37 AtividadeAtividade 1ª PARTE: Entreviste um mestre de obras ou Engenheiro com as seguintes perguntas: 1.Qual o pior acidente que você já viu ou ficou sabendo em uma obra de Construção Civil? 2.Cite os três principais riscos de uma obra, na sua opinião. 3.Como você faz para conscientizar os trabalhadores sobre a Prevenção de Acidentes?

38 AtividadeAtividade 2ª PARTE: Elabore em 1 página um roteiro para um Diálogo Diário de Segurança (DDS), com o tema PORQUE DEVO USAR EPI. Use sua criatividade: Ilustre, informe os principais tipos e sua finalidade (para construção civil) e conscientize com mensagem que sensibilize o trabalhador da construção. Esse roteiro, após usado no DDS, servirá como cartaz de conscientização. Capriche! Escolheremos os melhores e faremos um concurso para o melhor DDS da 1ª aula de Construção Civil!

39 3ª PARTE: O setor da construção civil possui o segundo maior número de empresas certificadas na ISO Faça uma pesquisa e aponte os três principais pontos que estão levando a ICC a buscar a certificação. Enumere-as e faça uma reflexão sobre cada uma delas, colocando sua opinião própria. Obrigatório citar a fonte de pesquisa.Utilizar fonte Arial 12 AtividadeAtividade

40 DICAS PARA SUA ATIVIDADE SER SFO!!! 40 Nossa atividade deve ter os seguintes tópicos: Capa: Capa: + Nome do Aluno + Nome do Polo + Nome do Tutor + Módulo + Disciplina + Nome do Professor + Nº da Atividade. Sumário: Sumário: Tópicos da atividade e sua localização na atividade (nº da página). Introdução: Introdução: Suas considerações sobre a atividade. Desenvolvimento: Desenvolvimento: Apresentação de todos os tópicos da atividade, atendendo ao solicitado pelo Professor, sempre mostrando sua própria produção. Lembrando que cada tópico corresponde a um subtítulo, que deve estar destacado no texto. Conclusão: Conclusão: Suas considerações finais. Devem ser exclusivamente suas! Bibliografia/Fonte de Pesquisa: Bibliografia/Fonte de Pesquisa: Links e livros consultados (Revistas técnicas também são uma ótima opção de pesquisa!) Utilize o Guia Minha Atividade é SFO! Disponível no AVA

41 Dúvidas Acesse o Fórum de Dúvidas e Discussões. Acesse o Fórum de Dúvidas e Discussões. 41


Carregar ppt "Módulo de Portuária e Construção Civil – AULA 1 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google