A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

NORMAS DE DESEMPENHO ABNT NBR15575:2012 APRESENTADOR: ENG. PAULO GRANDISKI 09/08/2012 ENG. PAULO GRANDISKI1.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "NORMAS DE DESEMPENHO ABNT NBR15575:2012 APRESENTADOR: ENG. PAULO GRANDISKI 09/08/2012 ENG. PAULO GRANDISKI1."— Transcrição da apresentação:

1 NORMAS DE DESEMPENHO ABNT NBR15575:2012 APRESENTADOR: ENG. PAULO GRANDISKI 09/08/2012 ENG. PAULO GRANDISKI1

2 A REVOLUÇÃO SILENCIOSA DESENCADEADA PELAS NOVAS NORMAS DE DESEMPENHO – Objetivos desta palestra – Parte 1 – Visão geral das mudanças de paradigma – Parte 2 – Detalhamento de alguns itens importantes e polêmicos ENG. PAULO GRANDISKI2

3 3

4 NBR-15575:2012 Parte 1 – Requisitos gerais Parte 2 – Requisitos para os sistemas estruturais Parte 3 – Requisitos para os sistemas de pisos Parte 4 – Requisitos para os sistemas de vedações verticais internos e externos - SVVIE Parte 5 – Requisitos para os sistemas de coberturas Parte 6 – Requisitos para os sistemas hidrosanitários Obs:Não cobrem Sistemas elétricos de edificações habitacionais – obedecer à NBR5410. ENG. PAULO GRANDISKI4

5 PARTE 1 MUDANÇAS DE PARADIGMA ENG. PAULO GRANDISKI5

6 MUDANÇA DE PARADIGMA -1 NBR :2012 INTRODUÇÃO REGRA GERAL: Os requisitos de desempenho agora são apresentados para prédios de quaisquer altura EXCEÇÕES: Requisitos aplicáveis somente para edificações de até cinco pavimentos serão especificados em suas respectivas seções. ENG. PAULO GRANDISKI6

7 MUDANÇA DE PARADIGMA - 2 MUDANÇA DE ESCOPO Antes estas normas seriam exígiveis para obras protocoladas a partir de 12/3/ AGORA APLICAM-SE A PRÉDIOS A SEREM INICIADOS A PARTIR DE 12/3/2013 (?) ITEM 1.2- ESTA PARTE 1 NÃO SE APLICA: a obras em andamento OU a edificações concluídas até a data da entrada em vigor desta Norma. a obras de reformas; a retrofit de edificações; a edificações provisórias. COMENTÁRIO: obras aprovadas antes de 12/3/2013 mas não iniciadas até essa data deverão atender às novas normas. ENG. PAULO GRANDISKI7

8 MUDANÇA DE PARADIGMA -3 FICAM EXPLICITADAS AS DIFERENÇAS ENTRE NORMAS DE DESEMPENHO E PRESCRITIVAS 3.30 NORMAS DE DESEMPENHO: perspectiva de desempenho, em que se define o resultado 3.31 NORMAS PRESCRITIVAS: abordagem de prescrição, em que se define a solução ITEM da PARTE 1: Quando uma Norma Brasileira requerida contiver requisitos suplementares a esta Norma, eles devem ser integralmente atendidos. ITEM da PARTE 1: Na ausência de Normas Brasileiras requeridas para sistemas, podem ser utilizadas Normas Internacionais requeridas relativas ao tema. ENG. PAULO GRANDISKI8

9 EXEMPLO DAS DIFERENÇAS ENTRE NORMAS PRESCRITIVAS E DE DESEMPENHO ITEM DA PARTE 1 A avaliação de desempenho busca analisar a adequação ao uso de um sistema ou de um processo construtivo destinado a atender uma função, independentemente da solução técnica adotada.... COBERTURA – Não se prescreve se deve ser com telhado, ou laje coberta com manta asfáltica ou cerâmica, mas sim que garanta a estanqueidade SISTEMAS DE VEDAÇÃO INTERNOS E EXTERNOS – Não se prescreve se deve ser com tijolos cerâmicos, de concreto ou dry- wall, mas sim que seu desempenho garanta a isolação acústica e térmica, a tolerância às movimentações aceitáveis da estrutura sem fissurar o revestimento, etc. ENG. PAULO GRANDISKI9

10 MUDANÇA DE PARADIGMA – 4 PRAZOS DE GARANTIA 3.34 prazo de garantia legal período de tempo previsto em lei que o consumidor dispõe para reclamar dos vícios (defeitos) verificados na compra de produtos duráveis 3.35 prazo de garantia certificada período de tempo, acima do prazo de garantia legal, oferecido voluntariamente pelo fornecedor (incorporador, construtor ou fabricante) na forma de certificado ou termo de garantia ou contrato, para que o consumidor possa reclamar dos vícios (defeitos) verificados na compra de seu produto. Este prazo pode ser diferenciado para cada um dos componentes do produto a critério do fornecedor OBSERVAÇÃO: Serão detalhados na palestra seguinte ENG. PAULO GRANDISKI10

11 MUDANÇA DE PARADIGMA – 5 DIFERENTES PRAZOS PARA DIFERENTES PADRÕES CONSTRUTIVOS M – Padrão Mínimo, com especificações que obrigatoriamente devem ser cumpridas em todas as obras I – Padrão Intermediário, com prazos sugeridos em mais 25% dos prazos do padrão M S – Padrão Superior, com prazos sugeridos em mais 50% dos prazos do padrão M ENG. PAULO GRANDISKI 11

12 ENG. PAULO GRANDISKI12 ESQUEMA GERAL DAS NORMAS DE DESEMPENHO

13 ENG. PAULO GRANDISKI13 LISTAGEM DE REQUISITOS DAS NORMAS DE DESEMPENHO NESTA APRESENTAÇÃO SERÃO DETALHADOS PEQUENOS EXEMPLOS DE CADA ITEM

14 NBR – REQUISITOS DO USUÁRIO 4.1 Generalidades Para os efeitos desta Norma, apresenta-se uma lista geral de requisitos dos usuários, descrita em 4.2 a 4.4 e utilizada como referência para o estabelecimento dos requisitos e critérios. Sendo atendidos os requisitos e critérios estabelecidos nesta Norma, considera-se para todos os efeitos que estejam atendidos os requisitos do usuário ENG. PAULO GRANDISKI14

15 NBR Incumbências dos intervenientes 5.1 Generalidades As incumbências técnicas de cada um dos intervenientes encontram-se estabelecidas em 5.2 a 5.5 e na ABNT NBR 5671: Fornecedor de insumo, material, componente e/ou sistema Cabe ao fornecedor de sistemas caracterizar o desempenho de acordo com esta Norma. que Convém que fabricantes de produtos, que sem Normas Brasileiras específicas ou que não tenham seus produtos com o desempenho caracterizado, forneçam resultados comprobatórios do desempenho de seus produtos com base nesta Norma ou em Normas específicas internacionais ou estrangeiras. ENG. PAULO GRANDISKI15

16 5 – Incumbências dos intervenientes 5.3 Projetista Os projetistas devem estabelecer a Vida Útil de Projeto (VUP) de cada sistema que compõe esta Norma, conforme a Seção 14. Cabe ao projetista o papel de especificar materiais, produtos e processos que atendam ao desempenho mínimo estabelecido nesta Norma com base nas normas requeridas e no desempenho declarado pelos fabricantes dos produtos a serem empregados em projeto. ] Quando as normas específicas de produtos não caracterizem desempenho, ou quando não existirem normas específicas, ou quando o fabricante não publicar o desempenho de seu produto, é recomendável ao projetista solicitar informações ao fabricante para balizar as decisões de especificação. Quando forem considerados valores de VUP maiores que os mínimos estabelecidos nesta Norma, estes devem constar dos projetos e/ou memorial de cálculo. ENG. PAULO GRANDISKI16

17 5 – Incumbências dos intervenientes 5.4 Construtor e incorporador Salvo convenção escrita, é da incumbência do incorporador, de seus prepostos e/ou dos projetistas envolvidos, dentro de suas respectivas competências, e não da empresa construtora, a identificação dos riscos previsíveis na época do projeto, devendo o incorporador, neste caso, providenciar os estudos técnicos requeridos e prover aos diferentes projetistas as informações necessárias. Como riscos previsíveis, exemplifica-se: presença de aterro sanitário na área de implantação do empreendimento, contaminação do lençol freático, presença de agentes agressivos no solo e outros riscos ambientais Ao construtor ou incorporador cabe elaborar o Manual de Uso, Operação e Manutenção, ou documento similar, conforme 3.26, atendendo às ABNT NBR e ABNT NBR 5674, que deve ser entregue ao proprietário da unidade quando da disponibilização da edificação para uso, cabendo também elaborar o manual das áreas comuns, que deve ser entregue ao condomínio O Manual de Uso, Operação e Manutenção da edificação (3.26) deve atender ao disposto na ABNT NBR 14037, com explicitação pelo menos dos prazos de garantia aplicáveis ao caso, previstos pelo construtor ou pelo incorporador e citados no Anexo D. NOTA Recomenda-se que os prazos de garantia estabelecidos no Manual de Uso, Operação e Manutenção, ou documento similar, sejam iguais ou maiores que os apresentados no Anexo D. ENG. PAULO GRANDISKI17

18 5 – Incumbências dos intervenientes 5.5 Usuário Ao usuário ou seu preposto cabe realizar a manutenção, de acordo com o estabelecido na ABNT NBR 5674 e o Manual de Uso, Operação e Manutenção, ou documento similar (ver 3.26). O usuário não pode efetuar modificações que piorem o desempenho original entregue pela construtora. ENG. PAULO GRANDISKI18

19 6.3 Diretrizes para implantação e entorno Implantação Para edifícios ou conjuntos habitacionais com local de implantação definido, os projetos de arquitetura, da estrutura, das fundações, contenções e outras eventuais obras geotécnicas devem ser desenvolvidos com base nas características do local da obra (topográficas, geológicas, etc.), avaliando-se convenientemente os riscos de deslizamentos, enchentes, erosões, vibrações transmitidas por vias férreas, vibrações transmitidas por trabalhos de terraplenagem e compactação do solo, ocorrência de subsidência do solo, presença de crateras em camadas profundas, presença de solos expansíveis ou colapsíveis, presença de camadas profundas deformáveis e outros. Devem ainda ser considerados riscos de explosões oriundas do confinamento de gases resultantes de aterros sanitários, solos contaminados, proximidade de pedreiras e outros, tomando-se as providências necessárias para que não ocorram prejuízos à segurança e à funcionalidade da obra. ENG. PAULO GRANDISKI19

20 6.3.2 Entorno Os projetos devem ainda prever as interações entre construções próximas, considerando-se convenientemente as eventuais sobreposições de bulbos de pressão, efeitos de grupo de estacas, rebaixamento do lençol freático e desconfinamento do solo em função do corte do terreno. Tais fenômenos também não podem prejudicar a segurança e a funcionalidade da obra, bem como de edificações vizinhas. O desempenho da edificação está intimamente associado a todos os projetos de implantação e ao desempenho das fundações, devendo ser atendidas as disposições das Normas aplicáveis, particularmente das – NBR8044 Projeto geotécnico – Procedimento – NBR5629 – Execução de tirantes ancorados no terreno – NBR11682 – Estabilidade de encostas – NBR6122 – Projeto e execução de fundações – NBR Discriminação de serviços para construção de edifícios - Procedimento ENG. PAULO GRANDISKI20

21 7 Desempenho estrutural Premissas de projeto Devem ser previstas nos projetos considerações sobre as condições de agressividade do solo, do ar e da água na época do projeto, prevendo-se as proteções aos sistemas estruturais e suas partes. ENG. PAULO GRANDISKI21

22 8 Segurança contra incêndio 8.1 Generalidades 8.2 Requisito – Dificultar o princípio do incêndio 8.3 Requisito – Facilitar a fuga em situação de incêndio 8.4 Requisito – Dificultar a inflamação generalizada 8.5 Dificultar a propagação do incêndio 8.6 Segurança estrutural ENG. PAULO GRANDISKI22

23 9.2 Requisito – Segurança na utilização do imóvel Critério – Segurança na utilização dos sistemas Os sistemas não podem apresentar: a) rupturas, instabilidades, tombamentos ou quedas que possam colocar em risco a integridade física dos ocupantes ou de transeuntes nas imediações do imóvel; b) partes expostas cortantes ou perfurantes; c) deformações e defeitos acima dos limites especificados nas ABNT NBR a ABNT NBR ENG. PAULO GRANDISKI23

24 9 Segurança no uso e na operação Premissas de projeto Devem ser previstas no projeto e na execução formas de minimizar, durante o uso da edificação, o risco de: a) queda de pessoas em altura: telhados, áticos, lajes de cobertura e quaisquer partes elevadas da construção; b) acessos não controlados aos riscos de quedas; c) queda de pessoas em função de rupturas das proteções as quais devem ser ensaiadas conforme ABNT NBR ou possuírem memorial de cálculo assinado por profissional responsável que comprove seu desempenho; d) queda de pessoas em função de irregularidades nos pisos, rampas e escadas, conforme a ABNT NBR ; e) ferimentos provocados por ruptura de subsistemas ou componentes, resultando em partes cortantes ou perfurantes; f) ferimentos ou contusões em função da operação das partes móveis de componentes, tais como janelas, portas, alçapões e outros; g) ferimentos ou contusões em função da dessolidarização ou da projeção de materiais ou componentes a partir das coberturas e das fachadas, tanques de lavar, pias e lavatórios, com ou sem pedestal, e de componentes ou equipamentos normalmente fixáveis em paredes; h) ferimentos ou contusões em função de explosão resultante de vazamento ou de confinamento do gás combustível ENG. PAULO GRANDISKI24

25 10 Estanqueidade 10.1 Generalidades A exposição à água de chuva, à umidade proveniente do solo e aquela proveniente do uso da edificação habitacional, devem ser consideradas em projeto, pois a umidade acelera os mecanismos de deterioração e acarreta a perda das condições de habitabilidade e de higiene do ambiente construído Requisito – Estanqueidade a fontes de umidade externas à edificação Assegurar estanqueidade às fontes de umidades externas ao sistema. ENG. PAULO GRANDISKI25

26 Premissas de projeto Devem ser previstos nos projetos a prevenção de infiltração da água de chuva e da umidade do solo nas habitações, por meio dos detalhes indicados a seguir: a) condições de implantação dos conjuntos habitacionais, de forma a drenar adequadamente a água de chuva incidente em ruas internas, lotes vizinhos ou mesmo no entorno próximo ao conjunto; b) impermeabilização de porões e subsolos, jardins contíguos às fachadas e quaisquer paredes em contato com o solo, ou pelo direcionamento das águas, sem prejuízo da utilização do ambiente e dos sistemas correlatos e sem comprometer a segurança estrutural. No caso de haver sistemas de impermeabilização, estes devem seguir a ABNT NBR 9575; c) impermeabilização de fundações e pisos em contato com o solo; d) ligação entre os diversos elementos da construção (tais como paredes e estrutura, telhado e paredes, corpo principal e pisos ou calçadas laterais). ENG. PAULO GRANDISKI26

27 10.3 Requisito – Estanqueidade a fontes de umidade internas à edificação Assegurar a estanqueidade à água utilizada na operação e manutenção do imóvel em condições normais de uso Critério – Estanqueidade à água utilizada na operação e manutenção do imóvel Devem ser previstos no projeto detalhes que assegurem a estanqueidade de partes do edifício que tenham a possibilidade de ficar em contato com a água gerada na ocupação ou manutenção do imóvel, devendo ser verificada a adequação das vinculações entre instalações de água, esgotos ou águas pluviais e estrutura, pisos e paredes, de forma que as tubulações não venham a ser rompidas ou desencaixadas por deformações impostas. ENG. PAULO GRANDISKI27

28 PARTE 2 Detalhamento de alguns itens importantes e polêmicos ENG. PAULO GRANDISKI28

29 11 Desempenho térmico Pode ser feito por simulação computacional ENG. PAULO GRANDISKI29

30 TABELA A1 Temperaturas típicas de capitais Brasileiras CIDADETemperatura mínima Temperatura máxima AM - MANAUS22,732,9 BA - SALVADOR21,330,0 SP – São Paulo11,728,0 RJ – Rio de Janeiro 18,430,2 RS – Porto Alegre 10,730,2 30 média das mínimas média das máximas

31 11.3 Requisitos de desempenho no verão Critério – Valores máximos de temperatura O valor máximo diário da temperatura do ar interior de recintos de permanência prolongada, tais como, salas e dormitórios, sem a presença de fontes internas de calor (ocupantes, lâmpadas, outros equipamentos em geral), deve ser sempre menor ou igual ao valor máximo diário da temperatura do ar exterior. O nível para aceitação é o M (denominado mínimo), ou seja, atende ao critério de mostrado na Tabela 2: ENG. PAULO GRANDISKI31

32 ENG. PAULO GRANDISKI32

33 Requisitos no inverno 11.4 Requisitos de desempenho no inverno Apresentar condições térmicas no interior do edifício habitacional melhores que do ambiente externo, no dia típico de inverno, conforme , nas zonas bioclimáticas 1 a 5. Nas zonas 6, 7 e 8 não é necessário realizar avaliação de desempenho térmico para inverno Critério – Valores mínimos de temperatura Os valores mínimos diários da temperatura do ar interior de recintos de permanência prolongada, tais como, salas e dormitórios, no dia típico de inverno, devem ser sempre maiores ou iguais à temperatura mínima externa acrescida de 3 °C. ENG. PAULO GRANDISKI33

34 ENG. PAULO GRANDISKI34

35 ZONAS BIOCLIMÁTICAS DO BRASIL, conforme NBR ENG. PAULO GRANDISKI DA PARTE 1 Requisitos de desempenho no inverno... Nas zonas 6, 7 e 8 não é necessário realizar avaliação de desempenho térmico no inverno

36 ENG. PAULO GRANDISKI36 ATENÇÃO

37 13 DESEMPENHO LUMÍNICO ENG. PAULO GRANDISKI37

38 13 – Desempenho lumínico Iluminação natural ENG. PAULO GRANDISKI38

39 ENG. PAULO GRANDISKI39

40 13 – Desempenho lumínico Iluminação artificial ENG. PAULO GRANDISKI40

41 ENG. PAULO GRANDISKI41 ANEXO E INFORMATIVO APRESENTA OS NÍVEIS PARA PADRÕES I e S

42 12 DESEMPENHO ACÚSTICO ENG. PAULO GRANDISKI42

43 ENG. PAULO GRANDISKI 43

44 ACÚSTICA NBR10151:2000 Acústica - Avaliação do ruído em áreas habitadas, visando o conforto da comunidade - Procedimento 4 páginas - com errata de 2003 No exterior as municipalidades indicam os níveis de ruído admitidos para cada tipo de via e localização ENG. PAULO GRANDISKI44

45 ENG. PAULO GRANDISKI45

46 PROBLEMAS COM ACÚSTICA 1 – RUIDOS EXTERNOS: Onde medir?A 2m da fachada, ao nível do térreo? Andares altos podem apresentar níveis bem acima, com influência de avenidas, estradas, etc. a mais de 600m de distância 3 – RUIDOS DE IMPACTO: Como medir? Na laje, como é entregue? Incluindo o acabamento previsto em manual? Conflitos das normas específicas com a norma de desempenho. AVANÇO PARA MELHORAR O CONFORTO ACÚSTICO: Norma NBR10152 – Conforto acústico em dormitórios – Versão em vigor: 45dB – Valor proposto na atual versão: 39dB ENG. PAULO GRANDISKI46 DIFERENÇAS ENTRE: DESEMPENHO ACÚSTICO NORMATIVO CONFORTO ACÚSTICO

47 PROGRESSO NA EXECUÇÃO - LAJE-ZERO Economiza o contra-piso Agrava o problema de isolação acústica! ENG. PAULO GRANDISKI47

48 ENG. PAULO GRANDISKI48

49 49

50 RUIDOS PROVOCADOS PELAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS NBR ANEXO B - INFORMATIVO ENG. PAULO GRANDISKI50 Consequências: uso de tubulações com maior espessura e/ou protegidas com camada de isolação acústica

51 PROBLEMAS COM PISOS NA NBR ENG. PAULO GRANDISKI51

52 PARTE 3 – PISOS O que são desníveis abruptos? Qual a tolerância máxima? Critério – Desníveis abruptos Para áreas privativas de um mesmo ambiente, eventuais desníveis abruptos no sistema de piso de até 5 mm não demandam tratamento especial. Desníveis abruptos superiores a 5 mm devem ter sinalização que garanta a visibilidade do desnível, por exemplo, por mudanças de cor, testeiras, faixas de sinalização. Para as áreas comuns deve ser atendida a ABNT NBR ENG. PAULO GRANDISKI52

53 PARTE 3 – PISOS O que são frestas? Qual a tolerância máxima? Critério – Frestas Os sistemas de pisos não podem apresentar abertura máxima de frestas (ou juntas sem preenchimento), entre componentes do piso, maior que 4 mm, excetuando-se o caso de juntas de movimentação em ambientes externos. ENG. PAULO GRANDISKI53

54 PARTE 3 - PISOS COMENTÁRIOS GERAIS Dúvidas levantadas pelo subgrupo da Comissão de Estudos Quais as cargas que representam queda de objetos sobre pisos cerâmicos? No caso de entrega de lajes-zero sem acabamento, as características devem ser medidas no estado entregue ou com se estivessem acabados? O problema do ensaio de determinação do coeficiente de atrito dinâmico pela máquina Tortus não conduz a resultados repetitivos Distinção entre áreas molhadas e áreas molháveis O problema da estanqueidade ENG. PAULO GRANDISKI54

55 NBR áreas molhadas áreas da edificação cuja condição de uso e exposição pode resultar na formação de lâmina dágua (por exemplo, banheiro com chuveiro, área de serviço e áreas descobertas) 3.7 áreas molháveis áreas da edificação que recebem respingos de água decorrentes da sua condição de uso e exposição e que não resulte na formação de lâmina dágua (por exemplo, banheiro sem chuveiro, cozinhas e sacadas cobertas) 3.8 áreas secas áreas onde, em condições normais de uso e exposição, a utilização direta de água (por exemplo, lavagem com mangueiras, baldes de água, etc.) não está prevista nem mesmo durante a operação de limpeza 10.3 da Parte 3 - Requisito – Estanqueidade de sistemas de pisos de áreas molháveis da habitação Áreas molháveis não são estanques e, portanto, o critério de estanqueidade não é aplicável. Esta informação deve constar no Manual de Uso, Operação e Manutenção. DÚVIDA: Como o Poder Judiciário aplicará o art. 927 se ocorrer falha de estanqueidade em área molhável? ENG. PAULO GRANDISKI55

56 NBR – Pisos (internos) ENG. PAULO GRANDISKI56 INEXISTÊNCIA NO MERCADO BRASILEIRO DE PLACAS CERÂMICAS, QUE, QUANDO MOLHADAS, ATENDAM A ESSAS EXIGÊNCIAS

57 Instalar ralos em áreas molháveis? Exigência não prevista na norma da ABNT Exigência prevista no Código Sanitário do Estado de São Paulo Caso real subjudice em São Paulo Diferença entre descontaminação e desinfecção (ver slide seguinte) ENG. PAULO GRANDISKI57

58 Comissão de Controle de Infecção da Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto ENG. PAULO GRANDISKI58

59 ENG. PAULO GRANDISKI59

60 14 –DURABILIDADE E MANUTENIBILIDADE 14.1 GENERALIDADES...O período de tempo compreendido entre o início de operação ou uso de um produto e o momento em que o seu desempenho deixa de atender aos requisitos do usuário preestabelecidos é denominado vida útil. ENG. PAULO GRANDISKI60

61 ENG. PAULO GRANDISKI61

62 Método de avaliação Análise do projeto. O projeto do edifício deve atender os parâmetros mínimos de VUP indicados na Tabela 7. Caso sejam adotados valores superiores aos da Tabela 7, estes devem ser explicitados no projeto. Os sistemas do edifício devem ser adequadamente detalhados e especificados em projeto, de modo a possibilitar a avaliação da sua Vida Útil de Projeto ENG. PAULO GRANDISKI62

63 da NBR O período de tempo a partir do qual se iniciam os prazos de vida útil deve ser sempre a data de conclusão do edifício habitacional, a qual, para efeitos desta Norma, é a data de expedição do Auto de Conclusão de Edificação ou Habite-se, documento legal que atesta a conclusão das obras. Critério diferente do adotado no Código de Defesa do Consumidor pode gerar conflitos ENG. PAULO GRANDISKI63

64 da NBR POLÊMICO Decorridos 50 % dos prazos de Vida Útil de Projeto (VUP) conforme Tabela 7, contados a partir do auto de conclusão da obra, sem a necessidade de intervenções com custo de manutenção e reposição iguais ou superiores à categoria D conforme Tabela C.3, desde que não previstas no Manual de Gestão de Manutenção, considera-se atendido o requisito de Vida Útil de Projeto (VUP), salvo prova objetiva em contrário ENG. PAULO GRANDISKI64

65 ENG. PAULO GRANDISKI65 OUTROS ITENS DA NBR

66 15- SAÚDE, HIGIENE E QUALIDADE DO AR 15.2 Requisito – Proliferação de microorganismos Propiciar condições de salubridade no interior da edificação, considerando as condições de umidade e temperatura no interior da unidade habitacional, aliadas ao tipo dos sistemas utilizados na construção Critério O requisito mencionado deve atender aos critérios fixados na legislação vigente Método de avaliação Verificação pelos métodos de ensaios estabelecidos na legislação vigente. ENG. PAULO GRANDISKI66

67 16 Funcionalidade e acessibilidade Critério – Altura mínima de pé direito A altura mínima de pé-direito não pode ser inferior a 2,50 m. Em vestíbulos, halls, corredores, instalações sanitárias e despensas é permitido que o pé- direito seja reduzido ao mínimo de 2,30 m. ENG. PAULO GRANDISKI67

68 17 Conforto tátil e antropodinâmico 17.2 Requisito – Conforto tátil e adaptação ergonômica Não prejudicar as atividades normais dos usuários, dos edifícios habitacionais, quanto ao caminhar, apoiar, limpar, brincar e ações semelhantes. Não apresentar rugosidades, contundências, depressões ou outras irregularidades nos elementos, componentes, equipamentos e quaisquer acessórios ou partes da edificação 17.3 Requisito – Adequação antropodinâmica de dispositivos de manobra Apresentar formato compatível com a anatomia humana. Não requerer esforços excessivos para a manobra e movimentação Critério – Força necessária para o acionamento de dispositivos de manobra Os componentes, equipamentos e dispositivos de manobra devem ser projetados, construídos e montados de forma a evitar que a força necessária para o acionamento não exceda 10 N nem o torque ultrapasse 20 N.m. ENG. PAULO GRANDISKI68

69 18 Adequação ambiental 18.2 Projeto e implantação de empreendimentos A implantação do empreendimento deve considerar os riscos de desconfinamento do solo, deslizamentos de taludes, enchentes, erosões, assoreamento de vales ou cursos dágua, lançamentos de esgoto a céu aberto, contaminação do solo ou da água por efluentes ou outras substâncias, além de outros riscos similares. Independentemente dessas recomendações, devem ser atendidos os requisitos das ABNT NBR 8044 e ABNT NBR 11682, bem como da legislação vigente. NBR8044 = Projeto geotécnico – Procedimento NBR = Estabilidade de encostas ENG. PAULO GRANDISKI69

70 NBR ANEXO F INFORMATIVO ENG. PAULO GRANDISKI70

71 ENG. PAULO GRANDISKI71 ANEXO F DA NBR INFORMATIVO

72 ENG. PAULO GRANDISKI72

73 ENG. PAULO GRANDISKI73 CONCLUSÃO FINAL: CHEGAMOS AO FINAL DA ESTRADA QUE PRETENDE CONDUZIR A CONSTRUÇÃO BRASILEIRA AO ESTADO DA ARTE DE CONSTRUIR TUPINIQUIM. RESTA TERMINAR SUA PAVIMENTAÇÃO... Você pode fazer a sua parte, votando na consulta nacional desta norma até 13set2012 Acesse clique em CB-2 – CONSTRUÇÃO CIVIL, faça sua inscrição (é rápida) e baixe o texto integral das seis Partes da NBR15575www.abnt.org.br/consultanacional

74 OBRIGADO PELA ATENÇÃO GRUPO DE DISCUSSÃO PERICIASEAVALIACOES ENG. PAULO GRANDISKI74


Carregar ppt "NORMAS DE DESEMPENHO ABNT NBR15575:2012 APRESENTADOR: ENG. PAULO GRANDISKI 09/08/2012 ENG. PAULO GRANDISKI1."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google