A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

METODOLOGIA CIENTÍFICA: PADRÕES NORMATIVOS PARA ELABORAÇÃO DE TCCS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "METODOLOGIA CIENTÍFICA: PADRÕES NORMATIVOS PARA ELABORAÇÃO DE TCCS."— Transcrição da apresentação:

1 METODOLOGIA CIENTÍFICA: PADRÕES NORMATIVOS PARA ELABORAÇÃO DE TCCS

2 A PRESENTAÇÃO A disciplina Metodologia Científica é iminentemente prática e deve estimular os estudantes para que busquem motivações para encontrar respostas às suas dúvidas. Se nos referimos a um curso superior estamos naturalmente nos referindo a uma Academia de Ciência e, como tal, as respostas aos problemas de aquisição de conhecimento deveriam ser buscadas através do rigor científico e apresentadas através das normas acadêmicas vigentes.

3 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC O TCC - Trabalho de Conclusão de Curso é compreendido como um Trabalho Acadêmico, que pode ser elaborado em diferentes formatos. De acordo com as Normas da ABNT*, os trabalhos acadêmicos têm diferentes nomenclaturas: Trabalho de Conclusão de Curso – TCC, Trabalho de Graduação Interdisciplinar – TGI, Trabalho de Conclusão de Curso de Especialização e/ou aperfeiçoamento e outros. * Associação Brasileira de Normas Técnicas.

4 TCC – Formato de Monografia Os Trabalhos de Conclusão de Curso, no formato de Monografia, de acordo com as Normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT (NBR 14724), obedecem a uma estrutura que se divide em três partes: Elementos Pré-textuais Elementos Textuais Elementos Pós-textuais

5 Capa (obrigatório) Lombada (obrigatório)* Folha de Rosto (obrigatório) Anverso da Folha de Rosto (obrigatório) Verso da Folha de Rosto (obrigatório) ** Errata (opcional) Folha de Aprovação (obrigatório) Dedicatória(s) (opcional) Agradecimento(s) (opcional) Epígrafe (opcional) * A lombada de acordo com a ABNT é um elemento opcional. ** Ficha Catalográfica Elementos Pré-textuais

6 Resumo na língua vernácula (obrigatório) Resumo em língua estrangeira (obrigatório) Lista de ilustrações (opcional) Lista de tabelas (opcional) Lista de abreviaturas e siglas (opcional) Lista de Símbolos (opcional) Sumário (obrigatório) Elementos Pré-textuais

7 Introdução Desenvolvimento Considerações Finais E lementos Textuais Fonte: Associação Brasileira de Normas Técnicas: NBR 14724/2002.

8 Referências (obrigatório) Glossário (opcional) Apêndice(s) (opcional) Anexo(s) (opcional) Índice(s) (opcional) Elementos Pós-textuais

9 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS

10 Seqüência dos Elementos: nome da instituição*. nome do curso. nome do autor. título. subtítulo (se houver, precedido por dois pontos). número de volumes (se houver mais de um, deve constar em cada capa a especificação do respectivo volume). local (cidade) da Instituição onde deve ser apresentado. ano de conclusão. * No caso das Instituições parceiras o nome da mesma vem após (abaixo) ao da ISEP. ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS CAPA

11 A capa dos TCCs dos Cursos Graduação e Pós- Graduação do ISEP, deve seguir os seguintes padrões: Encadernação à francesa. Azul Royal para a cópia entregue ao ISEP (todos os cursos). Cor da letra dourada para capa externa à francesa. Fonte 14 para a letra da capa (externa e interna). Letras maiúsculas e em negrito (externa e interna). PADRÃO DA CAPA

12 A lombada é definida como parte da capa do trabalho que reúne as margens internas das folhas. De acordo com a NBR é considerado um elemento opcional, porém dá mais estilo à encadernação e facilita a identificação da obra nas prateleiras da biblioteca. A lombada deve ser colocada na versão final, em encadernação à francesa. ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS LOMBADA

13 PADRÃO DA LOMBADA Deve conter as informações do nome do autor, do título, subtítulo (se houver) e ano de publicação. As informações devem ser dispostas longitudinalmente, de cima para baixo. A cor das letras deve ser dourada e a fonte tamanho 14.

14 Anverso da Folha de Rosto Elemento obrigatório que contém os elementos essenciais à identificação do trabalho, como: nome do autor, título, volume*, natureza do trabalho, orientador, local e ano. * Se houver mais de 1(um) volume. ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS FOLHA DE ROSTO Composta pelo Anverso e Verso da folha de rosto:

15 No anverso da folha de rosto dentre os elementos obrigatórios, consta a natureza do trabalho. Ex.: Orientador: Prof. Dr. Alfredo Moraes. ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS FOLHA DE ROSTO Monografia apresentada ao Instituto Superior de Educação de Pesqueira-ISEP, como parte dos requisitos para obtenção do título de Especialista em Filosofia.

16 Verso da Folha de Rosto No verso da folha de rosto deve conter a ficha catalográfica, devendo ser elaborada sob a orientação de Bibliotecários, sempre obedecendo as regras da NBR ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS FOLHA DE ROSTO

17 A folha de aprovação deve ser inserida após a folha de rosto. Na versão definitiva do TCC, com encadernação à francesa, a folha de aprovação deve estar assinada pelos membros da Banca. Seqüência dos Elementos: nome do autor (fonte 14/centralizado). título e subtítulo (fonte 12/centralizado). natureza do trabalho* (alinhado à direita). a expressão Aprovado em: (dia/mês/ano) (alinhado à esquerda). ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS FOLHA DE APROVAÇÃO

18 Abaixo, a expressão BANCA EXAMINADORA com o nome do professor por extenso, juntamente com a titulação e a vinculação institucional. Exemplo: BANCA EXAMINADORA _________________________ Prof. Me. Enildo Elias Instituto Superior de Educação de Pesqueira – ISEP Na versão definitiva (encadernação francesa), deve conter a folha de aprovação, com as respectivas assinaturas da banca examinadora. ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS FOLHA DE APROVAÇÃO (2)

19 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS DEDICATÓRIA, AGRADECIMENTOS E EPÍGRAFE Elementos opcionais colocados após a Folha de Aprovação e antes do resumo, conforme a seguinte ordem: Dedicatória. Agradecimentos. Epígrafe. OBS.: Cada um dos elementos devem vir em folhas individuais, a ABNT não determina regras para formatação destes elementos.

20 O termo de autorização caracteriza-se em um formulário que deverá ser preenchido, com a finalidade de autorizar o Instituto Superior de Educação de Pesqueira a disponibilizar o trabalho no acervo da sua Biblioteca, para efeito de consulta, empréstimo e através da Biblioteca Digital. Deverá ser entregue junto ao TCC, como um documento avulso. ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS TERMO DE AUTORIZAÇÃO

21 Resumo em Língua Vernácula Elemento obrigatório constituído de uma sequência de frases concisas e objetivas do tema desenvolvido no trabalho, sendo constituído de apenas um parágrafo. Deve conter o número mínimo de 150 palavras e máximo de 290 palavras, logo abaixo segue as palavras-chave. ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS RESUMO

22 Resumo em Língua Estrangeira Elemento obrigatório que possui as mesmas características do resumo da língua vernácula. Deve ser digitado em folha separada (em Inglês – Abstract, em Espanhol – Resumen, em Francês – Resume, por exemplo). ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS RESUMO

23 Existem alguns elementos que são opcionais, mas que possui relevância para um trabalho de pesquisa, tais como: Lista de Ilustrações (fotos, figuras, gráficos, quadros...). Lista de Tabelas. Lista de Abreviaturas e Siglas. Lista de Símbolos. ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS ELEMENTOS OPCIONAIS

24 Elemento obrigatório que deve preceder a parte textual do trabalho. Apresenta as seções e subseções acompanhadas de seus respectivos números de folhas. Deve apresentar a mesma ordem e grafia do conteúdo do trabalho. ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS SUMÁRIO

25 Constituído de 3 (três) partes fundamentais: Introdução. Desenvolvimento. Considerações Finais. ELEMENTOS TEXTUAIS

26 INTRODUÇÃO Parte introdutória do trabalho que deve conter obrigatoriamente os elementos a seguir, obedecendo a sequência: Tema. Delimitação do tema. Delimitação do problema. Hipóteses. Objetivos (geral e específicos). Justificativa. Metodologia. Obs.: Os elementos devem estar dispostos de forma textual, em uma sistemática lógica, não devendo ser colocados em tópicos ou enumerados.

27 DESENVOLVIMENTO É a parte central de um trabalho científico, nela são apresentados os argumentos que sustentam e justificam o objeto em estudo. Constará de seções, divididas em subseções. No desenvolvimento estará a fundamentação teórica, assim como uma seção que trate especificamente da metodologia adotada na pesquisa.

28 CONSIDERAÇÕES FINAIS Consiste numa síntese interpretativa dos principais argumentos expostos no desenvolvimento e dos resultados obtidos, podendo também apresentar recomendações para novos estudos sobre o tema abordado.

29 São os elementos que estão contidos após a parte textual, constituídos na seguinte seqüência: Referências (obrigatório). Glossário (opcional). Apêndice (opcional). Anexos (opcional). Índice (opcional). ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS

30 Elemento obrigatório em todo trabalho acadêmico e de pesquisa. As Referências correspondem à relação bibliográfica e não bibliográfica das obras citadas, consultadas ou indicadas pelo autor como fundamentais em relação ao conteúdo pesquisado. Inclui várias fontes de informação, livro, folheto, manual, guia, anais, catálogo, enciclopédia, dicionário, trabalhos acadêmicos (monografias, dissertações e teses), periódicos, artigos de revistas, CD Rom, fita de vídeo, mapas e pesquisas em bases de dados e sites. ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS REFERÊNCIAS

31 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS OPCIONAIS: Recomenda-se consultar a NBR Glossário. Apêndice. Anexos. Índice.

32 ARTIGO CIENTÍFICO

33 O Artigo Científico tem como característica principal ser uma abordagem concisa ou parcial de determinado assunto. De acordo com a ABNT, a NBR 6022 estabelece um sistema para apresentação dos elementos que constituem o artigo em publicação periódica científica impressa.

34 ESTRUTURA NORMATIVA – ARTIGO CIENTÍFICO ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS. ELEMENTOS TEXTUAIS. ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS.

35 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS Título. Subtítulo (se houver). Nome do Autor. Resumo (língua vernácula ou do texto). Palavras-chave (língua vernácula ou do texto).

36 TÍTULO E SUBTÍTULO O título é o termo que indica o conteúdo do artigo. Conforme a ABNT o título e subtítulo (se houver) devem figurar na página de abertura do artigo, diferenciados tipograficamente ou separados por dois pontos (:) e na língua do texto(NBR 6022, 2003, p.3).

37 NOME DO AUTOR O artigo pode ser elaborado por um ou diversos autores. A disposição do(s) nome(s) do(s) autor(es) deve vir situado no centro da página, abaixo do título do artigo, logo abaixo um breve currículo, endereço postal e eletrônico.

38 RESUMO O resumo é a síntese dos objetivos, metodologia e conclusões alcançados no artigo, tem a finalidade de representar de forma concisa o conteúdo do artigo. É um elemento obrigatório e deve ser redigido e elaborado de acordo com a ABNT - NBR – 6028 (2003), que estabelece um número mínimo de 100 e máximo de 250 palavras, para sua redação.

39 PALAVRAS-CHAVE São termos que indicam o conteúdo do artigo, ou seja, seus assuntos principais. É um elemento obrigatório, as palavras devem ser apresentadas abaixo da redação do resumo, alinhadas à margem esquerda, separadas entre si por ponto e também finalizadas por ponto, precedidas pela expressão em negrito Palavras-chave:

40 MODELO DA FOLHA DE ROSTO DO ARTIGO INFORMA Ç ÃO JUR Í DICA: O DESAFIO DO ATENDIMENTO NA ERA VIRTUAL[1] Adriana Carla Silva de Oliveira Estudante do curso de Especialização em Gestão de Serviços Jurídicos/UFPE e professora do ensino médio, da Sec. de Educação de Pernambuco Rua Nova, 69, Centenário, Pesqueira – PE CEP RESUMO Este trabalho tem por objetivo esbo ç ar sobre a utiliza ç ão da Tecnologia da Informa ç ão no âmbito do Poder Judici á rio Brasileiro, especificamente, quanto aos Servi ç os de Informa ç ão Jur í dica que podem ser disponibilizados pela Internet. A idealiza ç ão de servi ç os desta natureza surge da filosofia utilizada nos Portais de Informa ç ão, chamados e-gov, que possuem como princ í pio b á sico, ofertar a sociedade de forma integrada e cooperativa, servi ç os e produtos, com eficiente agilidade e comodidade. É poss í vel constatar que em se tratando de Biblioteca Jur í dica esta realidade ainda se mostra incipiente. Palavras-chave: Portais de Informa ç ão. Servi ç os de Informa ç ão Jur í dica. Atendimento Virtual. 1 INTRODU Ç ÃO As redes e os servi ç os informacionais e de comunica ç ão foram redefinidos em n í vel mundial, atrav é s das tecnologias da informa ç ão e da Internet. Não obstante, esta realidade tamb é m atinge ao Poder Judici á rio Brasileiro, onde este, mediante sua postura tradicional e conservadora se vê na necessidade de mudar para atender a este novo contexto. Autoria 100 à 250 palavras Mini currículo e endereços Espaço 1,5 entre linhas

41 ELEMENTOS TEXTUAIS Introdução. Desenvolvimento. Considerações Finais.

42 INTRODUÇÃO É a parte do artigo que expõe o tema abordado, onde se descrevem os critérios de pesquisa adotados, os objetivos, o problema, as hipóteses, a justificativa, a metodologia e a literatura consultada.

43 DESENVOLVIMENTO É a etapa que constitui a parte principal do texto e a mais extensa do artigo, pois expõe as principais idéias que fundamentam todo o trabalho científico. O desenvolvimento constará de duas ou três seções, divididas em subseções.

44 CONSIDERAÇÕES FINAIS De acordo com a ABNT-NBR 6022(2003) é a parte final do artigo, na qual se apresentam as conclusões correspondentes aos objetivos propostos, apresentando os resultados obtidos na pesquisa ou estudo. Deve ser breve, concisa, e referir-se às hipóteses levantadas e discutidas anteriormente.

45 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS Nota Explicativa. Referências. Glossário. Apêndices. Anexos.

46 NOTAS EXPLICATIVAS De acordo com a ABNT – NBR 6022(2003) nota explicativa é um recurso utilizado pelo autor para inserir comentários, esclarecimentos ou explanações que não possam ser incluídos no texto. A numeração das notas explicativas é feita em algarismos arábicos, seguindo uma seqüência única e consecutiva.

47 MODELO DA FOLHA DA CONSIDERAÇÕES FINAIS Ressalta-se a importância que a disponibilidade de fornecer um atendimento através da internet é um grande desafio. Não havendo como estabelecer uma forma padrão de determinar quais os serviços de atendimento são mais adequados ou mais eficientes no espaço virtual, pois, alguns fatores devem ser considerados no âmbito da instituição ou da Biblioteca, como a política institucional, o modelo de gestão, a infra- estrutura tecnológica e de pessoal, fatores fundamentais para o processo de idealização, execução e manutenção dos serviços na Internet. Estes serviços pressupõem uma estrutura que favoreça a disponibilidade de serviços e o acesso a informações de forma atualizada, especializada e de qualidade. CONSIDERAÇÕES FINAIS Foi possível constatar no estudo uma grande possibilidade de idealização de Serviços de Atendimento utilizando a estrutura já existente nas Instituições, em específicos as ferramentas da Internet. Porém, conforme o preâmbulo deste texto descreve, o Poder Judiciário nos últimos anos vem passando por um processo de modernização na sua gestão, ocasionado pela própria sociedade e pela inserção das Tecnologias da Informação. Utilizar-se dessa estrutura tecnológica, para otimizar os serviços disponíveis aos clientes, em específico, aos usuários de instituições jurídicas, é um grande desafio aos profissionais da área. Seqüência no texto

48 REFERÊNCIAS De acordo com a ABNT – NBR 6023 (2002), as referências correspondem à relação bibliográfica e não bibliográfica das obras citadas, consultadas ou indicadas pelo autor como fundamentais em relação ao conteúdo pesquisado. As referências são alinhadas somente à margem esquerda do texto, utiliza-se espaço simples entre as linhas de uma mesma referência e dois espaços simples entre cada indicação.

49 REFERÊNCIAS BRASIL. Constituição Federal da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, DINIZ, Maria Helena. Dicionário Jurídico: J – P. São Paulo: Saraiva, v. 3. ______. Dicionário Jurídico: D - I. São Paulo: Saraiva, v. 2. NASCIMENTO, Alcione Maria do. Uso de novas tecnologias e o profissional da informação. Disponível em:http://www.biblio.ufpe.br/discentes/alcione/trabalho1.htm>.http://www.biblio.ufpe.br/discentes/alcione/trabalho1.htm Acesso em: 13 mar OLIVEIRA, Adriana Carla Silva de. Qualidade do Serviço de Informação Digital: um estudo exploratório em web sites de programas de pós-graduação. Natal: UFRN, (Dissertação de Mestrado). PASSOS, Edilenice. O Futuro da Biblioteca Jurídica. Brasília: Infolegis, Disponível no site:. Acesso em: 9 ago RESENDE, Ana Paula de. Centro de informação Jurídica: eletrônico e virtual. Ciência da Informação, Brasília, v. 29, n. 1, p , jan. /abr MODELO DE ELABORAÇÃO DE REFERÊNCIAS Espaço Simples Dois espaços simples

50 Glossário. Apêndice. Anexos. Índice ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS OPCIONAIS Recomenda-se consultar a NBR

51 As folhas devem apresentar margem esquerda e superior de 3cm e direita e inferior de 2cm; Os títulos das seções devem começar na parte superior da mancha e ser separados do texto que os sucede por 2 (dois) espaços de 1,5 entrelinhas. Os títulos das subseções devem ser separados do texto que os precede e que os sucede por 2 (dois) espaços 1,5 entrelinhas. REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO

52 REQUISITOS BÁSICOS A quantidade de páginas para Monografia obedece ao número mínimo de 25 folhas e máximo de 100 folhas; A quantidade de páginas para Artigo Científico obedece ao número mínimo de 08 folhas e o máximo de 20 folhas; Folha de aprovação assinada pelo Orientador e pela Banca Examinadora; Formato para entrega: uma cópia impressa e uma cópia em CD-Rom; Termo de Autorização assinalado e assinado, pelo(s) autor(es) e orientador.

53 Fonte de tamanho 12. Tipo Times News Roman. Cor preta. Papel A4. No caso de citações com mais de três linhas, notas de rodapé, paginação e legendas das ilustrações e tabelas, utiliza-se a fonte menor de tamanho 10. FORMATO E MARGEM

54 Todo o texto deve ser digitado com 1,5 entrelinhas. Usa-se espaço simples para: Citações com mais de 3 (três) linhas. Notas de rodapé. Referências. Legendas das ilustrações e tabelas. Ficha catalográfica. Natureza do trabalho. Nome da instituição a que é submetida. Área de concentração. ESPACEJAMENTO

55 Para a paginação, deve-se contar a partir da folha de rosto, mas o número só aparecerá na primeira página da parte textual, ou seja, na Introdução. Deve ser em algarismos arábicos, no canto superior direito da folha, a 2cm da borda superior da folha. PAGINAÇÃO

56 Para evidenciar a sistematização do conteúdo do trabalho, deve-se adotar a numeração progressiva para as seções do texto (NBR 6024). Seção Primária 1 CAIXA ALTA E NEGRITO Seção Secundária 1.1 CAIXA ALTA E SEM NEGRITO Seção Terciária Caixa baixa e com negrito Seção Quaternária Caixa baixa e sem negrito Seção Quinária Caixa baixa e sem negrito Após a seção quinária recomenda-se não subdividir mais e adotar o uso de alíneas: a).... b)... a) alínea Não se usa ponto após a numeração, apenas 1(um) espaço de caractere. NUMERAÇÃO PROGRESSIVA

57 Todo o trabalho deve ser impresso em papel branco, em formato A4 (21cm x 29,7cm), com letras na cor preta, salvo a capa e lombada conforme orientações específicas. REGRAS GERAIS IMPRESSÃO

58 A encadernação definitiva do TCC deverá seguir alguns critérios obrigatórios: Encadernação à francesa. Deve conter a folha de aprovação assinada pelos membros da Banca. Azul Royal para a cópia entregue ao ISEP (todos os cursos) Cor das letras dourada. Fonte 14 para a Letra da capa. Letras maiúsculas e em negrito. REGRAS GERAIS ENCADERNAÇÃO

59 REGRAS GERAIS PARA DEPÓSITO DO TCC O TCC deve ser entregue na Secretaria do ISEP que procederá o protocolamento da entrega; Na entrega deve conter: 1(um) exemplar original (impresso); 1(um) exemplar em meio eletrônico, CD-ROM em formato.pdf (sem senha de segurança) ou no caso de alguns conteúdos em.rtf; Termo de Autorização.

60 ELABORAÇÃO DE CITAÇÕES, NOTAS DE RODAPÉ E REFERÊNCIAS

61 NORMALIZAÇÃO BIBLIOGRÁFICA PARA ELABORAÇÃO DE CITAÇÕES, NOTAS DE RODAPÉ E REFERÊNCIAS As normas adotadas para regulamentação e padronização das citações, notas de rodapé e referências - elementos utilizados em todos os tipo de TCC, são baseadas na ABNT- NBR 10520, que padroniza as citações e notas de rodapé e a NBR 6023 que padroniza as referências.

62 CITAÇÕES

63 São Informações retiradas de outras fontes mencionadas no texto para complementar as idéias do autor da pesquisa, embasando o assunto abordado, dando respaldo à sua interpretação. CITAÇÕES

64 Sempre que o pensamento de um autor for mencionado é necessário colocar seu sobrenome e ano da obra no momento da citação, em respeito aos direitos autorais. A referência completa da obra citada também deve constar nas referências. As chamadas pelo sobrenome do autor devem vir em letras maiúscula, quando optar por colocar dentro do parêntese, e minúscula, quando optar por colocar fora do parêntese CITAÇÕES

65 CITAÇÃO DIRETA. CITAÇÃO INDIRETA. CITAÇÃO DE CITAÇÃO. TIPOS DE CITAÇÕES

66 CITAÇÕES DIRETAS São transcrições literais de um texto ou parte dele, ou seja, quando um texto citado for transcrito fielmente obedecendo às características originais quanto à redação, ortografia e pontuação. As citações diretas podem ser transcritas de duas formas: Com até três linhas Com mais de três linhas

67 Citações com até três linhas: São apresentadas dentro do texto destacadas entre aspas duplas. Por se tratar de uma citação direta, a indicação da paginação é obrigatória. Exemplo: Camélias são flores lindas – tão perfeitas, algumas brancas, outras vermelhas (ALVES, 2003, p. 58). Segundo Alves (2003, p. 58), Camélias são flores lindas – tão perfeitas, algumas brancas, outras vermelhas. CITAÇÕES DIRETAS

68 68 Devem obedecer ao recuo de quatro centímetros da margem esquerda, sem aspas, com fonte menor que a do texto e espacejamento simples entre linhas. Exemplo: CITAÇÕES DIRETAS Citações com mais de três linhas: Há quatro instituições básicas que não podem ser esquecidas, quando se pretende entender o que foi o séculoXIX, e suas conseqüência para o século imediatamente posterior. Dessas instituições duas são de natureza econômica e duas de natureza política (MOTTA, 1986, p. 49).

69 Trata-se de um texto baseado em uma obra consultada. Nas citações indiretas reproduz-se fielmente as idéias contidas no texto consultado, embora seja escrito com outras palavras. Não dispensa a indicação de autoria. Exemplo: Segundo Alves (2003), os poetas são criaturas que aprendem a brincar com as palavras e delas fazer belas frases. CITAÇÕES INDIRETAS

70 É a menção de parte de um texto do qual não se teve acesso ao documento original e se tomou conhecimento através de uma outra fonte. Deve-se usar primeiramente o nome do autor ao qual não se teve acesso, e o ano dessa referida obra, se houver, seguido da expressão latina apud ou citado por. Logo após, deverá vir autor da obra consultada, ano e número da página. Exemplo: Segundo Cesarine (1990 apud SOUZA, 1994, p. 482) da mesma forma que a Universidade é o retrato da sociedade, um currículo é também a cara da instituição. CITAÇÃO DE CITAÇÃO

71 É a padronização das indicações das fontes citadas no texto, que, de acordo com a ABNT – NBR pode ser numérico ou autor-data. Qualquer que seja o método adotado, este deve ser seguido durante todo o trabalho, permitindo sua correlação com a lista de referências ou as notas de rodapé. SISTEMA DE CHAMADA

72 No sistema autor-data, a indicação da fonte é feita pelo sobrenome do autor, entidade ou título, seguido da data de publicação do documento e da paginação. Os dados completos sobre a obra constarão na lista de referências. TIPOS DE SISTEMA DE CHAMADA SISTEMA AUTOR-DATA

73 TIPOS DE SISTEMA DE CHAMADA SISTEMA AUTOR-DATA Exemplo: No texto: A habilidade humana é a qualidade que o administrador deve ter para poder trabalhar (VICO MAÑAS, 1993, p. 51). Na lista de referências: VICO MAÑAS, Antônio. Gestão de tecnologia. São Paulo: Érica, 1993, p. 51.

74 No sistema numérico, a indicação da fonte é feita por algarismos arábicos em ordem crescente, alinhada ao texto, entre parêntese ou situado pouco acima da linha do texto após a pontuação que fecha a citação. Este sistema numérico remete para a lista de referência ao final do trabalho, que deve obedecer à mesma ordem numérica que aparece no texto. O sistema numérico não deve ser utilizado quando, no trabalho, há notas de rodapé. TIPOS DE SISTEMA DE CHAMADA SISTEMA NUMÉRICO

75 Exemplo: Diz Severino: o discurso científico é fundamentalmente raciocínio. (10) Diz Severino: o discurso científico é fundamental raciocínio. 10 Nas referências: 10. SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 21. ed. São Paulo: Cortez, TIPOS DE SISTEMA DE CHAMADA SISTEMA NUMÉRICO

76 NOTAS DE RODAPÉ

77 São notas que aparecem no pé da página e servem para referenciar citações, tecer comentários ou observações pessoais do autor, e ainda abordar pontos que não aparecem no texto. As notas de rodapé podem ser notas de referência, quando fazem referência a alguma citação no texto, ou notas explicativas, que servem para explicar algum conteúdo do trabalho que não pode ser colocado no corpo do texto. A numeração das notas deve ser feita em algarismos arábicos, com numeração única e consecutiva. NOTAS DE RODAPÉ

78 Notas de Referências Exemplo: ____________ 8 RUIZ, J. A. Metodologia científica: guia para eficiência nos estudos. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1996.

79 NOTAS EXPLICATIVAS Exemplo: No texto: Vimos as principais características do pensamento filosófico e quando a filosofia nasce na Grécia. Vimos também os traços que constituem o ideal científico. 1 No rodapé da página: ____________ 1 Veja-se sobretudo a unidade 4, capítulos 5 e 6.

80 REFERÊNCIAS

81 Trata-se da reunião padronizada das principais informações de um documento consultado na pesquisa, de forma que facilite sua identificação. Os documentos a serem referenciados podem vir apresentados nos mais diversos formatos: impressos, eletrônicos, sonoros, tridimensionais. Elementos essenciais: Autor. Título e subtítulo. Edição(quando houver). Local. Editora. Ano de publicação. REFERÊNCIAS

82 Alinhadas à margem esquerda. Espaço simples entrelinhas e dois simples entre as referências. Pontuação uniforme seguindo o padrão internacional. REFERÊNCIAS APRESENTAÇÃO:

83 REFERÊNCIAS APRESENTAÇÃO : O título principal da obra referenciada deve ser destacado com o uso de um recurso tipográfico (negrito, itálico ou grifo), que deve ser seguido em todas as referências. Quando a obra referenciada tiver entrada pelo título, este será destacado pelo uso de letras maiúsculas na primeira palavra. Quando o título tiver início com artigos (definido e indefinido) e palavras monossilábicas, a palavra que o sucede também será apresentada em letra maiúscula. O uso de elementos complementares (nº de pág., volume, tomo...) deverá ser padronizado para todas as referências no mesmo documento.

84 REFERÊNCIAS: LOCALIZAÇÃO As referências poderão ser encontradas em: a) Rodapé. b) No fim do texto ou capítulo. c) Em listas de referências. d) Antecedendo resumos, resenhas e recensões.

85 REFERÊNCIAS EXEMPLOS: LIVRO: BERLO, D. K. O processo de comunicação: introdução à teoria e a prática. 9.ed. São Paulo: Martins Fontes, p. MONOGRAFIA: BARBALHO, Liege. Colunismo social: de Hollywood ao Potengi Monografia (Curso de Comunicação Social) – Universidade Potiguar, Natal, PARTE DE LIVRO: MEDAVAR, J. Os intelectuais e a propaganda. In: BRANCO, R. C.; MARTENSEN, R. L.; REIS, F. História da propaganda no Brasil. São Paulo: T. A. Queiroz, p.7-19.

86 REFERÊNCIAS EXEMPLOS: PUBLICAÇÕES PERIÓDICAS: INDÚSTRIA BRASILEIRA: Revista da Confederação Nacional da Indústria. Brasília: Sistema CNI, PARTE DE REVISTA, BOLETIM: EDUCAÇÃO. São Paulo: Segmento, ano 6, n. 69, jan p. ARTIGO OU MATERIA DE REVISTA: MAUËS, F. Sem ranking. Educação. São Paulo, ano 6, n. 69, p , jan

87 REFERÊNCIAS EXPLEMPLOS: TRABALHO APRESENTADO EM EVENTO: GEHRING, Sônia. Uma experiência com a tradução de poesias. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS DE LITERATURA DE LÍNGUA INGLESA, 18., 1986, Guarulhos. Anais...Guarulhos: Universidade de Guarulhos, LEGISLAÇÃO : BRASIL. Congresso. Senado. Resolução nº 64, de 13 de dezembro de Diário Oficial da União, Brasília, 17 dez p. 3. BRASIL. Congresso. Senado. Resolução nº 6, de 09 de outubro de Revista Jurídica Consulex, ano 6, p. 63, out.2002.

88 REFERÊNCIAS EXPLEMPLOS: MONOGRAFIA NO TODO EM MEIO ELETRÔNICO: BARRETO, Lima. O triste fim de Policarpo Quaresma. 17. ed. São Paulo: Ática, Disponível em:. Acesso em: 18 jun ARTIGO E/OU MATERIA DE REVISTA EM MEIO ELETRÔNICO: CIONI, Beatrice. Correlations between morphologic paltal dimensions and me cranio-facial balance. Virtual Journal of Orthodonties, Ferenze, jul Disponível em:. Acesso em: 27 jul


Carregar ppt "METODOLOGIA CIENTÍFICA: PADRÕES NORMATIVOS PARA ELABORAÇÃO DE TCCS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google