A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Implementação de um programa de hipotermia para encefalopatia hipóxico-isquêmica: Experiência de 2 anos em uma simples UTI Neonatal S A Zanelli et al Rafael.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Implementação de um programa de hipotermia para encefalopatia hipóxico-isquêmica: Experiência de 2 anos em uma simples UTI Neonatal S A Zanelli et al Rafael."— Transcrição da apresentação:

1 Implementação de um programa de hipotermia para encefalopatia hipóxico-isquêmica: Experiência de 2 anos em uma simples UTI Neonatal S A Zanelli et al Rafael Andrade Orientador: Dr. Jefferson G. Resende Unidade de Neonatologia do Hospital Regional da Asa Sul 01/9/2008

2 I. Introdução Encefalopatia hipóxico isquêmica (HIE) afeta aproximadamente de 1 à 2 crianças em cada 1000 nascimentos à termo.Encefalopatia hipóxico isquêmica (HIE) afeta aproximadamente de 1 à 2 crianças em cada 1000 nascimentos à termo. Mortalidade de 10-20%.Mortalidade de 10-20%. Risco de sequela permanente em mais de 25% dos sobreviventesRisco de sequela permanente em mais de 25% dos sobreviventes

3 I. Introdução Em estudos randomizados sobre tratamento da HIE com hipotermia mostrou redução da mortalidade e nas seqüelas neurológicas.Em estudos randomizados sobre tratamento da HIE com hipotermia mostrou redução da mortalidade e nas seqüelas neurológicas. Em 2006 foi estabelecido um rigoroso protocolo que identifica crianças que se beneficiaram com o resfriamento e estabelece o modo e duração do resfriamento e estuda a longo prazo a segurança e eficácia da terapia.Em 2006 foi estabelecido um rigoroso protocolo que identifica crianças que se beneficiaram com o resfriamento e estabelece o modo e duração do resfriamento e estuda a longo prazo a segurança e eficácia da terapia.

4 I. Introdução Neste artigo foi descrito 2 anos de experiência com a implementação da hipotermia no tratamento de crianças à termo e próximas do termo que foram vítimas de HIE perinatal.Neste artigo foi descrito 2 anos de experiência com a implementação da hipotermia no tratamento de crianças à termo e próximas do termo que foram vítimas de HIE perinatal.

5 II Programa Foi incluído no programa as crianças que apresentaram pelo menos um evento de lesão hipoxico isquêmica e tendo pelo menos dois indicadores de encefalopatia mod./grave.Foi incluído no programa as crianças que apresentaram pelo menos um evento de lesão hipoxico isquêmica e tendo pelo menos dois indicadores de encefalopatia mod./grave. Parentes do pacientes selecionados receberam informação escrita.Parentes do pacientes selecionados receberam informação escrita. Crianças incluídas: 1 evento hipoxico isquêmico antenatal e posnatal.Crianças incluídas: 1 evento hipoxico isquêmico antenatal e posnatal. Não foram excluídas crianças com mal formação congênita.Não foram excluídas crianças com mal formação congênita.

6

7 III Técnica A hipotermia é mantida usando um cobertor térmico de água com servocontrol.A hipotermia é mantida usando um cobertor térmico de água com servocontrol. Mantida temperatura retal na faixa de 33-33,5ºC.Mantida temperatura retal na faixa de 33-33,5ºC.

8 IV Considerações Para crianças nascidas em outros unidades: foi iniciado um protocolo para iniciação do resfriamento assim que suspeito.Para crianças nascidas em outros unidades: foi iniciado um protocolo para iniciação do resfriamento assim que suspeito. Crianças de termo ou próximas de termo com suspeita de asfixia perinatal devem ser resfriadas com compressas frias na cabeça e tronco com monitorizarão da temperatura retal constantemente e as compressas são retiradas quando a temperatura retal alcança 34ºC para evitar resfriamento excessivo.Crianças de termo ou próximas de termo com suspeita de asfixia perinatal devem ser resfriadas com compressas frias na cabeça e tronco com monitorizarão da temperatura retal constantemente e as compressas são retiradas quando a temperatura retal alcança 34ºC para evitar resfriamento excessivo. Assim que a temperatura desejada é alcançada a criança é transportada em incubadora desligada. A temperatura retal deve ser mantida entre 33-33,5ºC e encaminhada ao serviço. Assim que a temperatura desejada é alcançada a criança é transportada em incubadora desligada. A temperatura retal deve ser mantida entre 33-33,5ºC e encaminhada ao serviço.

9 Depois de 72hs de hipotermia a criança é aquecida lentamente (8h) até que temperatura retal se estabilize em 36ºCDepois de 72hs de hipotermia a criança é aquecida lentamente (8h) até que temperatura retal se estabilize em 36ºC Enfermeiras são orientadas para evitar hipertermia.Enfermeiras são orientadas para evitar hipertermia.

10 Treinamento Foi realizado treinamento durante dois meses para enfermeiras, auxiliares, médicos.Foi realizado treinamento durante dois meses para enfermeiras, auxiliares, médicos. Médicos que efetuam o transporte receberam uma formação especial para a avaliação e início da terapêutica.Médicos que efetuam o transporte receberam uma formação especial para a avaliação e início da terapêutica.

11 Implementação do programa Nos primeiros dois anos de programa 21 neonatos apresentaram evidência de HIE mod/grave.Nos primeiros dois anos de programa 21 neonatos apresentaram evidência de HIE mod/grave. 3 pacientes tiverem nascimento normal mas desenvolveram HIE a seguir3 pacientes tiverem nascimento normal mas desenvolveram HIE a seguir 2 paciente fora da idade gestacional do protocolo foram inclusos.2 paciente fora da idade gestacional do protocolo foram inclusos.

12 15 pacientes (71%) nasceram em outro hospital.15 pacientes (71%) nasceram em outro hospital. 4 deles não foram resfriados à tempo.4 deles não foram resfriados à tempo. 11 pacientes restantes referidos ao hospital foram admitidos com temp retal de 34-36ºC, o resfriamento desses pacientes foi iniciado com 0,7-4,3h de idade.11 pacientes restantes referidos ao hospital foram admitidos com temp retal de 34-36ºC, o resfriamento desses pacientes foi iniciado com 0,7-4,3h de idade. 9 pacientes foram admitidos com temperatura abaixo do desejado.9 pacientes foram admitidos com temperatura abaixo do desejado. Não foram observados eventos adversos graves relacionados à hipotermia (1=arritmia ventricular, 1=plaquetopenia).Não foram observados eventos adversos graves relacionados à hipotermia (1=arritmia ventricular, 1=plaquetopenia).

13 Avaliação neonatal.

14 Avaliação neonatal I.EEG 21 EEG foram realizados de 1-3 dias de idade os laudos foram dados por 2 neurologistas.(normal, levemente normal, moderadamente anormal e gravemente anormal.)21 EEG foram realizados de 1-3 dias de idade os laudos foram dados por 2 neurologistas.(normal, levemente normal, moderadamente anormal e gravemente anormal.) Resultados:Resultados: 15 pacientes (71%) tinham EEG alterados (moderado à severa encefalopatia de 1-3 dias de vida)15 pacientes (71%) tinham EEG alterados (moderado à severa encefalopatia de 1-3 dias de vida) 12 pacientes foram tratados com fenobarbital devido à suspeita clinica de convulsões12 pacientes foram tratados com fenobarbital devido à suspeita clinica de convulsões 2 pacientes convulsões documentadas pelo EEG2 pacientes convulsões documentadas pelo EEG

15 Avaliação Neonatal II. RNM RNM obtidas de 4-6 dias de vida foram realizadas em 17 doentes sobreviventes.RNM obtidas de 4-6 dias de vida foram realizadas em 17 doentes sobreviventes. 1 paciente no 4ºddv RNM mostrou encefalopatia grave.1 paciente no 4ºddv RNM mostrou encefalopatia grave. Achados: sinal anormal em gânglios da base, área límbica da cápsula interna, e substancia branca. As lesões foram classificadas em leve moderada e grave.Achados: sinal anormal em gânglios da base, área límbica da cápsula interna, e substancia branca. As lesões foram classificadas em leve moderada e grave.

16 Avaliação Neonatal II. RNM 7 exames foram alterados: 3 tiveram lesão da substancia branca 3 tiveram lesão da substancia branca 1 lesão em gânglios da base 1 lesão em gânglios da base 2 lesão de substancias branca e gânglios da base 2 lesão de substancias branca e gânglios da base 1 com lesões corticais. 1 com lesões corticais.

17 Resultados. 4 pacientes morreram nos primeiros 4 dias de vida por encefalopatia grave.4 pacientes morreram nos primeiros 4 dias de vida por encefalopatia grave. 17 restantes eram avaliados a cada 6 meses( neonatologistas, pediatras, terapia ocupacional e neurologistas.)17 restantes eram avaliados a cada 6 meses( neonatologistas, pediatras, terapia ocupacional e neurologistas.) Dos 17 pacientes, 14 tiveram pelo menos uma visita à UCIN.Dos 17 pacientes, 14 tiveram pelo menos uma visita à UCIN. Bayley III teste para avaliação neurológica e também avaliação motora.Bayley III teste para avaliação neurológica e também avaliação motora.

18 5 pacientes foram avaliados pelo método de Bayley e Gross motor5 pacientes foram avaliados pelo método de Bayley e Gross motor * Três doentes tinham Bayley teste e Gross Motor Function normal. * Três doentes tinham Bayley teste e Gross Motor Function normal. * Uma tinha deficiência moderada. * Uma tinha deficiência moderada. * Um tinha deficiência grave. * Um tinha deficiência grave.

19 Discussão Terapia promissora para crianças nascidas à termo com história de lesão hipóxica-isquêmica perinatal.Terapia promissora para crianças nascidas à termo com história de lesão hipóxica-isquêmica perinatal. O resfriamento deve ser iniciado o quanto antes e é chave para um bom desenvolvimento terapêutico.O resfriamento deve ser iniciado o quanto antes e é chave para um bom desenvolvimento terapêutico. Treinamento de equipes multidisciplinares.Treinamento de equipes multidisciplinares. Uso de EEG de alta amplitude para estimar o grau de encefalopatia, mostra uma boa correlação com o diagnóstico e acompanhamento e graduar o encefalopatia na admissão.Uso de EEG de alta amplitude para estimar o grau de encefalopatia, mostra uma boa correlação com o diagnóstico e acompanhamento e graduar o encefalopatia na admissão.

20 Abstract Hypothermia has been shown to be neuroprotective in some newborns with moderate-to-severe perinatal hypoxic-ischemic encephalopathy (HIE). In 2006, the American Academy of Pediatrics recommended that institutions that choose to use therapeutic hypothermia do so in the context of a rigorous protocol, with systematic collection of patient data including neurodevelopmental follow-up. In this report, we describe our experience with implementation of a 'Hypothermia for HIE' program in a single tertiary care Neonatal Intensive Care Unit (NICU). Important components of the program include detailed protocols, staff and outreach education, early initiation of cooling in both inborn and outborn patients, maintaining stable hypothermia during neonatal transport, and comprehensive neurologic evaluation including serial EEGs, brain MRI and neurodevelopmental follow-up. In the first 2 years of the program, we have used hypothermia therapy in 21 patients, 18 with perinatal and 3 with early postnatal events leading to HIE. Eleven of fifteen outborn patients were cooled prior to and during transport, resulting in initiation of therapy 3 h sooner than if therapy had been delayed until arrival at our center. While lowering the body temperature of encephalopathic newborns is not difficult, addressing the complex medical problems of this vulnerable group of patients requires an experienced multidisciplinary team in regional referral centers.

21 Consultem as referências do artigo du Plessis AJ, Volpe JJ. Perinatal brain injury in the preterm and term newborn. Curr Opin Neurol 2002; 15: 151–157. | Article | PubMed | ISI | ArticlePubMedISIArticlePubMedISI Thornberg E, Thiringer K, Odeback A, Milsom I. Birth asphyxia: incidence, clinical course and outcome in a Swedish population. Acta Paediatr 1995; 84: 927–932. | Article | PubMed | ChemPort | ArticlePubMedChemPortArticlePubMedChemPort Dixon G, Badawi N, Kurinczuk JJ, Keogh JM, Silburn SR, Zubrick SR et al. Early developmental outcomes after newborn encephalopathy. Pediatrics 2002; 109: 26–33. | Article | PubMed | ArticlePubMedArticlePubMed Robertson CM, Finer NN, Grace MG. School performance of survivors of neonatal encephalopathy associated with birth asphyxia at term. J Pediatr 1989; 114: 753– 760. | Article | PubMed | ChemPort | ArticlePubMedChemPortArticlePubMedChemPort Eicher DJ, Wagner CL, Katikaneni LP, Hulsey TC, Bass WT, Kaufman DA et al. Moderate hypothermia in neonatal encephalopathy: efficacy outcomes. Pediatr Neurol 2005; 32: 11– 17. | Article | PubMed | ISI | ArticlePubMedISIArticlePubMedISI Gluckman PD, Wyatt JS, Azzopardi D, Ballard R, Edwards AD, Ferriero DM et al. Selective head cooling with mild systemic hypothermia after neonatal encephalopathy: multicentre randomised trial. Lancet 2005; 365: 663–670. | PubMed | ISI | PubMedISIPubMedISI

22 Shankaran S, Laptook AR, Ehrenkranz RA, Tyson JE, McDonald SA, Donovan EF et al. Whole-body hypothermia for neonates with hypoxic-ischemic encephalopathy. N Engl J Med 2005; 353: 1574– | Article | PubMed | ISI | ChemPort | ArticlePubMedISIChemPortArticlePubMedISIChemPort Eicher DJ, Wagner CL, Katikaneni LP, Hulsey TC, Bass WT, Kaufman DA et al. Moderate hypothermia in neonatal encephalopathy: safety outcomes. Pediatr Neurol 2005; 32: 18–24. | Article | PubMed | ArticlePubMedArticlePubMed Blackmon LR, Stark AR. Hypothermia: a neuroprotective therapy for neonatal hypoxic-ischemic encephalopathy. Pediatrics 2006; 117: 942– 948. | Article | PubMed | ArticlePubMedArticlePubMed Higgins RD, Raju TN, Perlman J, Azzopardi DV, Blackmon LR, Clark RH. Hypothermia and perinatal asphyxia: executive summary of the National Institute of Child Health and Human Development workshop. J Pediatr 2006; 148: 170–175. | Article | PubMed | ArticlePubMedArticlePubMed Kattwinkel J, Cook LJ, Nowacek G, Bailey C, Crosby WM, Hurt H. Regionalized perinatal education. Semin Neonatol 2004; 9: 155– 165. | Article | PubMed | ArticlePubMedArticlePubMed Laptook AR, Corbett RJ. The effects of temperature on hypoxic-ischemic brain injury. Clin Perinatol 2002; 29: 623–649, vi. | Article | PubMed | ArticlePubMedArticlePubMed

23 Perlman JM. Hyperthermia in the delivery: potential impact on neonatal mortality and morbidity. Clin Perinatol 2006; 33: 55–63, vi. | Article | PubMed | ArticlePubMedArticlePubMed Mercuri E, Ricci D, Cowan FM, Lessing D, Frisone MF, Haataja L et al. Head growth in infants with hypoxic-ischemic encephalopathy: correlation with neonatal magnetic resonance imaging. Pediatrics 2000; 106: 235–243. | Article | PubMed | ChemPort | ArticlePubMedChemPortArticlePubMedChemPort Rutherford MA, Azzopardi D, Whitelaw A, Cowan F, Renowden S, Edwards AD et al. Mild hypothermia and the distribution of cerebral lesions in neonates with hypoxic-ischemic encephalopathy. Pediatrics 2005; 116: 1001–1006. | Article | PubMed | ISI | ArticlePubMedISIArticlePubMedISI Gesell A, Amatruda CS. Developmental Diagnosis. 2nd edn. Paul B Hoeber, Medical Book Department of Harper and Brothers: New York, Rutherford M, Ward P, Allsop J, Malamatentiou C, Counsell S. Magnetic resonance imaging in neonatal encephalopathy. Early Hum Dev 2005; 81: 13–25. | Article | PubMed | ArticlePubMedArticlePubMed Toet MC, van der MW, de Vries LS, Uiterwaal CS, van Huffelen KC. Comparison between simultaneously recorded amplitude integrated electroencephalogram (cerebral function monitor) and standard electroencephalogram in neonates. Pediatrics 2002; 109: 772– 779. | Article | PubMed | ArticlePubMedArticlePubMed Shellhaas RA, Soaita AI, Clancy RR. Sensitivity of amplitude-integrated electroencephalography for neonatal seizure detection. Pediatrics 2007; 120: 770–777. | Article | PubMed | ArticlePubMedArticlePubMed

24 Consultem também: Estratégias para a proteção do cérebro: uso da hipotermia Autor(es): Richard Polin (EUA). Realizado por Paulo R. Margotto


Carregar ppt "Implementação de um programa de hipotermia para encefalopatia hipóxico-isquêmica: Experiência de 2 anos em uma simples UTI Neonatal S A Zanelli et al Rafael."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google