A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Sonia Maria Olhas Gouvêa EP HUMANIZAÇÃO. Quadrilátero Atenção Gestão Controle Social Formação em Saúde Baseado na Unidade de aprendizagem, trabalho e.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Sonia Maria Olhas Gouvêa EP HUMANIZAÇÃO. Quadrilátero Atenção Gestão Controle Social Formação em Saúde Baseado na Unidade de aprendizagem, trabalho e."— Transcrição da apresentação:

1 Sonia Maria Olhas Gouvêa EP HUMANIZAÇÃO

2 Quadrilátero Atenção Gestão Controle Social Formação em Saúde Baseado na Unidade de aprendizagem, trabalho e relações na produção do cuidado Curso de Formação de Facilitadores de Educação Permanente em Saúde EP

3 Quadrilátero Atenção Gestão Controle Social Formação em Saúde Baseado na Unidade de aprendizagem, trabalho e relações na produção do cuidado Curso de Formação de Facilitadores de Educação Permanente em Saúde EP

4 DIRETRIZ DA SAS Prover ações e serviços de saúde com garantia de acesso equânime a uma atenção integral, resolutiva, de qualidade, humanizada e em tempo adequado. Através da organização e desenvolvimento De redes de atenção a saúde EP HUMANIZAÇÃO

5 FUNDAMENTO NORMATIVO DA RAS Art. 198 da CF/88: As ações e os serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e hierarquizada e constituem um sistema único organizado de acordo com as diretrizes de descentralização, atendimento integral e participação da comunidade. Lei 8.080, 1990: Art. 7º, inciso II: (...) integralidade de assistência, entendida como conjunto articulado e contínuo das ações e serviços preventivos, curativos, individuais e coletivos (....) Art. 10º aponta arranjos organizacionais para as redes loco-regionais através de consórcios intermunicipais e distritos de saúde como forma de integrar e articular recursos e aumentar a cobertura das ações. Portaria de 30/12/2010: Estabelece diretrizes para organização da RAS no âmbito da SUS

6 O CONCEITO DE REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE É a organização horizontal de serviços de saúde, com o centro de comunicação na atenção primária à saúde, que permite prestar uma assistência contínua a determinada população – no tempo certo, no lugar certo, com o custo certo e com a qualidade certa – e que se responsabiliza pelos resultados sanitários e econômicos relativos a essa população. FONTE: MENDES (2002) EP HUMANIZAÇÃO

7 APS FONTE: MENDES (2002) SISTEMA FRAGMENTADO SISTEMA EM REDE Portaria nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010 Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). EP HUMANIZAÇÃO

8 Os usuários do SUS caminham nestas Redes para buscar a Atenção a sua Saúde, e suas necessidades atendidas. REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE EP HUMANIZAÇÃO

9 FONTE: MENDES (2002) EP HUMANIZAÇÃO

10 Atenção Primária à Saúde - APS Atenção de primeiro contato. Contínua, global e coordenada que se proporciona à população sem distinção de gênero, ou enfermidade, ou sistema orgânico (Bárbara Starfield)

11 CONCEITO ATENÇÃO BÁSICA conjunto de ações de caráter individual e coletivo, situadas no primeiro nível de atenção dos sistemas de saúde voltadas para a promoção da saúde, prevenção de agravos, tratamento e reabilitação conjunto de ações de caráter individual e coletivo, situadas no primeiro nível de atenção dos sistemas de saúde voltadas para a promoção da saúde, prevenção de agravos, tratamento e reabilitação Atenção Básica não pode ser entendida como ações simples, Atenção Básica não pode ser entendida como ações simples, mas como EP HUMANIZAÇÃO

12 Primeiro nível do sistema: complexo mas com baixa densidade tecnológica (cuidado: não se usa mais baixa complexidade) Problemas freqüentes (não simples) Problemas não diferenciados/ incertos Princípios da APS: Confusões EP HUMANIZAÇÃO

13 REDES, em essência, correspondem à articulação entre serviços e sistemas de saúde, e às relações entre atores que aí atuam, mediante relações de interdependência entre os pontos da Rede. REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE APS FONTE: MENDES (2002) EP HUMANIZAÇÃO

14 OS PRINCÍPIOS ORGANIZATIVOS DAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE E SUA DINÂMICA ECONOMIA DE ESCALA (tecnologia) ECONOMIA DE ESCOPO (recursos) QUALIDADE FONTE: MENDES (2002) ACESSO: Ingresso, Entrada, Passagem... EP HUMANIZAÇÃO

15 DESAFIOS PARA CONSTUÇÃO DE REDES DE ATENÇÃO FORTALECIMENTO DA ATENÇÃO BÁSICA AB ORGANIZAÇÃO DAS REFERÊNCIAS DE MÉDIA COMPLEXIDADE E APOIO DIAGNÓSTICO ORGANIZAÇÃO DAS REDES DE ALTA COMPLEXIDADE DO SUS ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO HOSPITALAR EP HUMANIZAÇÃO

16 Romper com a fragmentação dos serviços e trabalhar de forma articulada dentro do município. Para isso é necessário investir em espaços de integração dos atores envolvidos na gestão e no cuidado. Construir as Redes nas Regiões de Saúde, estabelecidas no Pacto pela Saúde. DESAFIOS PARA CONSTUÇÃO DE REDES DE ATENÇÃO EP HUMANIZAÇÃO

17

18

19 AS CARACTERÍSTICAS DA RAS Formação de relações horizontais entre os pontos de atenção, tendo ABS como centro de comunicação Centralidade nas necessidades de saúde da população Responsabilização por atenção contínua e integral Cuidado multiprofissional Compartilhamento de objetivos e compromissos com resultados sanitários e econômicos EP HUMANIZAÇÃO

20 AS EVIDÊNCIAS SOBRE AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE (Mendes, 2009) MELHORAM OS RESULTADOS SANITÁRIOS NAS CONDIÇÕES CRÔNICAS DIMINUEM AS REFERÊNCIAS À ESPECIALISTAS E A HOSPITAIS AUMENTAM A EFICIÊNCIA DOS SISTEMAS DE ATENÇÃO À SAÚDE PRODUZEM SERVIÇOS MAIS RESOLUTIVOS - CUSTO/EFETIVIDADE AUMENTAM A SATISFAÇÃO DAS PESSOAS USUÁRIAS FONTES: WEINGARTEN ET AL. (1985); OSMAN ET AL. (1996); BERNABEI et al. (1998);MCCULLOCH et al. (1998); BYNG et al.(1998); WAGNER (1998); REUBEN et al. (1999);MALCOM et al. (2000);SIMON et al. (2001); WAGNER et al. (2001); DOUGHTY et al. (2002); UNUTZER et al. (2002); GILBODY et al. (2003); POLONSKY et al. (2003);GRIFFIN & GIMONTH (2004); KATON et al. (2004); SMITH et al. (2004); VETER et al. (2004); SINGH (2005); NUNO (2008); TOSEN & HAM (2008); ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE (2010)

21 AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE O Ministério da Saúde está priorizando a construção de três redes temáticas prioritárias: Atenção obstétrica e neonatal (Rede Cegonha), Urgência e Emergência Atenção Psicossocial (Enfrentamento do Álcool, Crack, e outras Drogas) E também a: Atenção oncológica (a partir da intensificação da prevenção e controle do câncer de mama e colo do útero) 21

22 REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS A organização da rede tem a finalidade de articular e integrar todos os equipamentos de saúde objetivando ampliar e qualificar o acesso humanizado e integral aos usuários em situação de urgência nos serviços de saúde de forma ágil e oportuna.

23 REDE DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA

24

25 SAMU 192 UPA 24H HOSPITAL ATENÇÃO DOMICILIAR Acolhimento Informação Qualificação profissional Regulação COMPONENTES E INTERFACES DA REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO E MAIOR RESOLUTIVIDADE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO FN - SUS SALA DE ESTABILIZAÇÃO ATENÇÃO BÁSICA

26 REDE CEGONHA Objetivos: Fomentar a implementação de um novo modelo de atenção ao parto, nascimento e à saúde da criança; Organizar rede de atenção que garanta acesso, acolhimento e resolutividade; Reduzir a mortalidade materna e infantil com ênfase no componente neonatal.

27

28 REDE CEGONHA REDE CEGONHA

29 REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL

30 Rede de saúde mental integrada, articulada e efetiva nos diferentes pontos de atenção para atender as pessoas em sofrimento e/ou com demandas decorrentes dos transtornos mentais e/ou do consumo de álcool, crack e outras drogas;

31 REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Deve-se considerar as especificidades loco-regionais; Ênfase nos serviços com base comunitária, caracterizados por plasticidade de se adequar às necessidades dos usuários e familiares e não os mesmos se adequarem aos serviços; Atua na perspectiva territorial, conhecendo suas dimensões, gerando e transformando lugares e relações.

32 REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DIRETRIZES Respeito aos direitos humanos, garantindo a autonomia, a liberdade e o exercício da cidadania; Promoção da equidade, reconhecendo os determinantes sociais da saúde; Garantia do acesso e da qualidade dos serviços, ofertando cuidado integral e assistência multiprofissional, sob a lógica interdisciplinar; Ênfase em serviços de base territorial e comunitária, diversificando as estratégias de cuidado com participação e controle social dos usuários e de seus familiares;

33 REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DIRETRIZES Organização dos serviços em rede de atenção à saúde regionalizada, com estabelecimento de ações intersetoriais para garantir a integralidade do cuidado; Desenvolvimento da lógica do cuidado centrado nas necessidades das pessoas com transtornos mentais, incluídos os decorrentes do uso de substâncias psicoativas

34 REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Objetivos Ampliar o acesso à atenção psicossocial da população em geral; Promover a vinculação das pessoas em sofrimento/transtornos mentais e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas e suas famílias aos pontos de atenção; Garantir a articulação e integração dos pontos de atenção das redes de saúde no território, qualificando o cuidado por meio do acolhimento, do acompanhamento contínuo e da atenção às urgências.

35 Componentes da Rede de Atenção Psicossocial

36 REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL

37 LINHAS DO CUIDADO O que é Linha do Cuidado? Linha do cuidado é a imagem pensada para expressar os fluxos assistenciais seguros e garantidos ao usuário, no sentido de atender às suas necessidades de saúde.

38 Exemplo de Linha de Cuidado

39 O que é necessário para o funcionamento das Redes?

40

41 MAPA DA SAÚDE Desenvolvido de forma contínua e articulada entre as três esferas de governo – responsabilidade dos entes federados. Ascendente e integrado, compatibilizando, no âmbito dos planos de saúde, as necessidades das políticas de saúde com a disponibilidade orçamentária dos recursos. Observa as Diretrizes Nacionais estabelecidas pelo CNS e as prioridades definidas pelos Conselhos de Saúde. Planejamento da saúde no âmbito estadual feito de forma Regionalizada. O MAPA DA SAÚDE AUXILIA A IDENTIFICAÇÃO DAS NECESSIDADES DE SAÚDE Planejamento do SUS: Pressupostos

42 MAPA DA SAÚDE As necessidades de saúde da população são base para planejamento do SUS. Identificadas por critérios epidemiológicos, demográficos, sócioeconômicos, culturais, cobertura de serviços, entre outros. Orientam a decisão dos gestores. Subsidiam a definição das diretrizes, objetivos e metas da saúde; a elaboração da Programação Anual de Saúde; e a conformação das redes de atenção à saúde. O MAPA DA SAÚDE AUXILIA A IDENTIFICAÇÃO DAS NECESSIDADES DE SAÚDE Planejamento do SUS: Pressupostos

43 Conceito Educação no trabalho, pelo trabalho e para o trabalho nos diferentes serviços cuja finalidade é melhorar a Saúde da população. Rovere (1994) Objeto Processo educacional que entende o processo de trabalho em saúde como eixo definidor e configurador de demandas educacionais Processo educacional que entende o processo de trabalho em saúde como eixo definidor e configurador de demandas educacionais Transformação do processo de trabalho, orientado para a melhoria da qualidade dos serviços e para a eqüidade no cuidado e no acesso aos serviços de saúde Transformação do processo de trabalho, orientado para a melhoria da qualidade dos serviços e para a eqüidade no cuidado e no acesso aos serviços de saúde Educação Permanente em Saúde

44 Conceito Atividade de ensino após o curso de graduação com finalidades mais restritas de atualização, aquisição de novas informações e/ou atividades de duração definida e através de metodologias tradicionais. – Ricas (1994) Atividade de ensino após o curso de graduação com finalidades mais restritas de atualização, aquisição de novas informações e/ou atividades de duração definida e através de metodologias tradicionais. – Ricas (1994) Conjunto de experiências que se seguem à formação inicial e que permitem ao trabalhador manter, aumentar ou melhorar a sua competência para que ela seja compatível com o desenvolvimento de suas responsabilidades - Davini (1994) Conjunto de experiências que se seguem à formação inicial e que permitem ao trabalhador manter, aumentar ou melhorar a sua competência para que ela seja compatível com o desenvolvimento de suas responsabilidades - Davini (1994) Educação Continuada

45 Principais diferenças entre Educação Continuada e Permanente segundo aspectos chaves (Olho Mágico.Londrina,v.9,n.1,p.68-73,jan/abr.2002) Principais diferenças entre Educação Continuada e Permanente segundo aspectos chaves (Olho Mágico.Londrina,v.9,n.1,p.68-73,jan/abr.2002) AspectoEducação ContinuadaEducação Permanente População alvoUniprofissionalMultiprofissional Inserção no mercado de trabalho Prática autônomaPrática institucionalizada EnfoqueTemas de especialidadesProblemas de saúde Objetivo principal Atualização técnico- científica Transformação das práticas técnicas e sociais PeriodicidadeEsporádicaContínua MetodologiaPedagogia da transmissão Pedagogia da problematização (centrada na resolução de problemas) Resultados Apropriação de conhecimento Mudança das práticas

46 Educação em Saúde Processo de mudança nos conhecimentos, atitudes, crenças, comportamentos e práticas do indivíduo, em relação à sua saúde, da sua família e da comunidade - CAHP – Conhecimentos, Atitudes, Habilidades e Práticas Processo de mudança nos conhecimentos, atitudes, crenças, comportamentos e práticas do indivíduo, em relação à sua saúde, da sua família e da comunidade - CAHP – Conhecimentos, Atitudes, Habilidades e Práticas

47 Opções Pedagógicas segundo Bordenave Opções Pedagógicas segundo Bordenave

48 Educação tradicional ou bancária educador postura autoritária ou paternalista postura autoritária ou paternalista Exposição Oral Centrada nos conteúdos, idéias, conhecimentos Centrada nos conteúdos, idéias, conhecimentos educando postura passiva, de obediência postura passiva, de obediência Recebe e repete as informações Recebe e repete as informações Pedagogia da Transmissão

49 Consequências - Elevada absorção de informação - hábito de tomar notas e memorizar - passividade, falta de atitude crítica - profundo respeito às fontes de informação - distância entre teoria e prática - tendência ao racionalismo radical - preferência pela especulação teórica - falta de problematização da realidade - Elevada absorção de informação - hábito de tomar notas e memorizar - passividade, falta de atitude crítica - profundo respeito às fontes de informação - distância entre teoria e prática - tendência ao racionalismo radical - preferência pela especulação teórica - falta de problematização da realidade Âmbito individual

50 Pedagogia da Transmissão - adoção inadequada de informação e tecnologia de países desenvolvidos - adoção indiscriminada de modelos de pensamento elaborado em outras regiões (inadaptação cultural) - conformismo - individualismo e falta de participação e cooperação - falta de conhecimento da própria realidade (imitação de padrões intelectuais, artísticos e institucionais estrangeiros) - submissão à dominação e ao colonialismo - manutenção da divisão de classes sociais - adoção inadequada de informação e tecnologia de países desenvolvidos - adoção indiscriminada de modelos de pensamento elaborado em outras regiões (inadaptação cultural) - conformismo - individualismo e falta de participação e cooperação - falta de conhecimento da própria realidade (imitação de padrões intelectuais, artísticos e institucionais estrangeiros) - submissão à dominação e ao colonialismo - manutenção da divisão de classes sociais Consequências Âmbito social

51 Pedagogia do Condicionamento Educação condutora ou condicionadora Enfatiza resultados comportamentais Enfatiza resultados comportamentais educando Ativos, individualistas, competitivos Ativos, individualistas, competitivos associada ao behaviorismo (Watson e Skinner) e reflexologia (Pavlov) associada ao behaviorismo (Watson e Skinner) e reflexologia (Pavlov) postura autoritária, persuasiva postura autoritária, persuasiva Transmissão de conteúdos e habilidades (seqüência de passos Predeterminados) Transmissão de conteúdos e habilidades (seqüência de passos Predeterminados) Estímulo – Resposta - Reforço educador: programador, instrutor educador: programador, instrutor

52 Pedagogia do Condicionamento - aluno ativo, emitindo respostas que o sistema permitir - alta eficiência da aprendizagem de dados e processos - o aluno não questiona objetivos, métodos, nem participa em sua seleção - o aluno não problematiza a realidade - o aluno não critica mensagens, nem conteúdos do programa - o tipo e a oportunidade dos reforços são determinados pelo programador do sistema - tendência ao individualismo - tendência à competitividade - tendência a renunciar à originalidade e criatividade individual - aluno ativo, emitindo respostas que o sistema permitir - alta eficiência da aprendizagem de dados e processos - o aluno não questiona objetivos, métodos, nem participa em sua seleção - o aluno não problematiza a realidade - o aluno não critica mensagens, nem conteúdos do programa - o tipo e a oportunidade dos reforços são determinados pelo programador do sistema - tendência ao individualismo - tendência à competitividade - tendência a renunciar à originalidade e criatividade individual Consequências Âmbito individual

53 - tendência à robotização da população – ênfase na produtividade e eficiência - costumes de dependência de uma fonte externa - não desenvolvimento de consciência crítica e de cooperação - eliminação do conflito como ingrediente vital da aprendizagem social - suscetibilidade dos programas à manipulação ideológica ou tecnológica - ausência de dialética professor-conteúdo - dependência de fontes estrangeiras de programas, equipamentos e métodos - tendência ao conformismo - tendência à robotização da população – ênfase na produtividade e eficiência - costumes de dependência de uma fonte externa - não desenvolvimento de consciência crítica e de cooperação - eliminação do conflito como ingrediente vital da aprendizagem social - suscetibilidade dos programas à manipulação ideológica ou tecnológica - ausência de dialética professor-conteúdo - dependência de fontes estrangeiras de programas, equipamentos e métodos - tendência ao conformismo Pedagogia do Condicionamento Consequências Âmbito social

54 ff Pedagogia da Problematização Educação Problematizadora Educador facilitador do processo ensino aprendizagem postura democrática ênfase na resolução de problemas educando sujeito da ação educativa EP

55 - aluno ativo, observando, formulando perguntas, expressando percepções e opiniões - aluno motivado pela percepção de problemas reais cuja solução se converte num reforço - aprendizagem ligados a aspectos da realidade - desenvolvimento de habilidades intelectuais de observação, análise, avaliação - aluno ativo, observando, formulando perguntas, expressando percepções e opiniões - aluno motivado pela percepção de problemas reais cuja solução se converte num reforço - aprendizagem ligados a aspectos da realidade - desenvolvimento de habilidades intelectuais de observação, análise, avaliação Pedagogia da Problematização Consequências Âmbito individual

56 - população conhecedora da sua realidade - cooperação na busca de solução a problemas comuns - métodos e recursos adequados à realidade - criações tecnológicas viáveis com a realidade - resistência à dominações - população conhecedora da sua realidade - cooperação na busca de solução a problemas comuns - métodos e recursos adequados à realidade - criações tecnológicas viáveis com a realidade - resistência à dominações Pedagogia da Problematização Consequências Âmbito social

57 2 eixos aprendizagem por descoberta/ aprendizagem receptiva aprendizagem por descoberta/ aprendizagem receptiva relações substanciais dos conceitos antigos com o conteúdo novo a ser aprendido relações substanciais dos conceitos antigos com o conteúdo novo a ser aprendido 3 vantagens em relação a aprendizagem memorística 3 vantagens em relação a aprendizagem memorística 1ª - conhecimento é retido e lembrado por mais tempo 2ª - aumento da capacidade de aprender outros conteúdos de maneira mais fácil, mesmo se a informação original for esquecida 3ª - uma vez esquecida, facilita a aprendizagem seguinte – reaprendizagem 1ª - conhecimento é retido e lembrado por mais tempo 2ª - aumento da capacidade de aprender outros conteúdos de maneira mais fácil, mesmo se a informação original for esquecida 3ª - uma vez esquecida, facilita a aprendizagem seguinte – reaprendizagem Aprendizagem Significativa

58 A aprendizagem é mais significativa à medida que o novo conteúdo é incorporado às estruturas de conhecimento de um aluno e adquire significado para ele a partir da relação com seu conhecimento prévio. A aprendizagem é mais significativa à medida que o novo conteúdo é incorporado às estruturas de conhecimento de um aluno e adquire significado para ele a partir da relação com seu conhecimento prévio. Para que a aprendizagem significativa ocorra: - é preciso entender um processo de modificação do conhecimento, em vez de comportamento em um sentido externo e observável - é preciso reconhecer a importância que os processos mentais têm nesse desenvolvimento Para que a aprendizagem significativa ocorra: - é preciso entender um processo de modificação do conhecimento, em vez de comportamento em um sentido externo e observável - é preciso reconhecer a importância que os processos mentais têm nesse desenvolvimento

59 O caminho não se faz no início ou no fim mas no meio da travessia O caminho não se faz no início ou no fim mas no meio da travessia Guimarães Rosa

60 Para alcançar o sucesso, não basta que tenhamos talento. Devemos sobretudo cultivar a constância, o método e a organização. (autor desconhecido) Para alcançar o sucesso, não basta que tenhamos talento. Devemos sobretudo cultivar a constância, o método e a organização. (autor desconhecido)

61 CDQ/SUS – DRS XV – SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Obrigada! EP HUMANIZAÇÃO


Carregar ppt "Sonia Maria Olhas Gouvêa EP HUMANIZAÇÃO. Quadrilátero Atenção Gestão Controle Social Formação em Saúde Baseado na Unidade de aprendizagem, trabalho e."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google