A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

VI SIMPOSIUM MULTIDISCIPLINAR XVIII CICLO DE ENFERMAGEM 19 de MAIO de 2006 Enfermeira Cristiane Carvalho Hospital Santa Izabel Salvador - Bahia.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "VI SIMPOSIUM MULTIDISCIPLINAR XVIII CICLO DE ENFERMAGEM 19 de MAIO de 2006 Enfermeira Cristiane Carvalho Hospital Santa Izabel Salvador - Bahia."— Transcrição da apresentação:

1 VI SIMPOSIUM MULTIDISCIPLINAR XVIII CICLO DE ENFERMAGEM 19 de MAIO de 2006 Enfermeira Cristiane Carvalho Hospital Santa Izabel Salvador - Bahia

2 Ética no uso das Células Tronco

3 Aspectos éticos Células-tronco embrionárias possuem o atributo da pluripotência; 90% dos embriões gerados em clínicas de fertilização, não geram vida; Embriões de má qualidade mantém a capacidade de gerar linhagens de CT embrionárias; As CT embrionárias podem produzir células e órgãos geneticamente idênticos ao de um paciente; É ético deixar um paciente morrer para preservar um embrião cujo destino é o lixo?

4 Os fins justificam os meios? FIM MEIO Cientistas esperam aliviar o sofrimento humano com o uso de células tronco Consumo de embriões humanos doados, embriões estes que nunca serão colocados em um útero e que seriam normalmente descartados.

5 Regulamentação no uso de Células Tronco Lei de Biossegurança (1995) Proíbe as pesquisas com embriões humanos e a manipulação com células tronco. Lei de Biossegurança (Lei n o – 22/03/05) Cristiane Carvalho

6 LEI DE BIOSSEGURANÇA Aprovada em Março de 2005 Produção e comercialização dos transgênicos (organismos geneticamente modificados) Pesquisa com células tronco embrionárias para fins terapêuticos.

7 Células Tronco A aprovação da Lei Há mais de 03 anos

8

9 Pesquisa Clínica Boas Práticas Clínicas (GCP:Good Clinical Practices) – publicadas em maio 1996 é um conjunto de normas e orientações éticas. Declaração de Helsinque: é dever do médico, na pesquisa clínica, proteger a vida, saúde, privacidade e dignidade do ser humano.

10 Fases da Pesquisa Clínica FASE I: medicamentos utilizados pela primeira vez em seres humanos saudáveis.20 a 100 indivíduos. FASE II: demonstrar a atividade e segurança do medicamento,diferentes dosagens e indicações.100 a 300 indivíduos. FASE III: estudos multicêntricos, comparar os tratamentos e estabelecer superioridade de um sobre o outro.300 a 3000 indivíduos. FASE IV: estudos realizados após o lançamento do produto.

11 Ética na Pesquisa com Seres Humanos CONEP – COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA EM PESQUISA CNS- CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE CEP- COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA

12 Equipe de Pesquisa Clínica Investigador Principal Sub-Investigador Coordenador de Pesquisa Clínica Patrocinador Monitor de Pesquisa Clínica

13 Proteção ao Ser Humano TCLE Termo de Consentimento Livre e Esclarecido Consentimento escrito, assinado e datado; Proteção do sujeito de pesquisa e do próprio investigador; Analisar o quê e porquê o projeto está sendo desenvolvido.

14 EMRTCC HOSPITAL SANTA IZABEL- BA CENTRO ÂNCORA EM CARDIOPATIA CHAGÁSICA CENTRO COLABORADOR EM INFARTO AGUDO

15 Experiência em Cardiopatia Chagásica Crônica Critérios de Inclusão Diagnóstico de ICC de etiologia chagásica. CF III e IV estáveis há mais de 1 mês Uso de terapia medicamentosa otimizada. Fração de ejeção do VE inferior a 35% pelo ecocardiograma. Ambos os sexos. Idade entre 20 e 75 anos. Cristiane Carvalho

16 Experiência em Cardiopatia Chagásica Crônica Critérios de Exclusão Doença valvar primária, não corrigida, hemodinamicamente importante. Incapacidade de compreender o procedimento Internação hospitalar por IC descompensada < 30 dias Presença de outras afecções patológicas sistêmicas associadas tais como: infecções ou neoplasias, desordens auto-imunes, doenças neuro-degenerativas, previamente diagnosticadas. Portador de CDI Obstrução de coronária significativa Cristiane Carvalho

17 Dinâmica do estudo Seleção Otimização Coleta Cate/Injeção Cél. Tronco/Placebo -60dD02 h 6 m1 ano Avaliação basal Aval. de desfechos

18 Transplante de Células Tronco

19

20 A Enfermagem no TACMO Explicação do Procedimento; Colher assinatura do TCLE; Programação do internamento, ECO, Ventriculografia; Aplicar questionário de qualidade de vida (Minnesota) Instalar Holter; Realizar teste de corredor – 06 min. Agendar procedimento com a hemodinâmica; Reservar leito em unidade semi-intensiva; Preparar o paciente para cateterismo; Preparar material; Auxiliar no aspirado da medula óssea; Auxiliar no cateterismo e implante de células tronco; Acompanhar sinais vitais pós procedimento na unidade de semi- intensiva;

21 A Enfermagem no TACMO Orientar para alta; Preparar agenda de acompanhamento (marcação de consultas e exames) Educação do paciente e familiares garantindo a aderência a dieta / medicações e identificação precoce dos sintomas de descompensação ou eventos possíveis de tratamento/prevenção fora do hospital; Monitorização a distância por linha telefônica (automonitorização de peso, sinais vitais, sintomas de descompensação) Referência e contra-referência em decorrência das co-morbidades; Monitorização da anticoagulação e ajuste de dose de diurético pela enfermeira;

22 NUNCA DUVIDE DA CAPACIDADE DE UM PEQUENO GRUPO DE CIDADÃOS PARA MUDAR OS RUMOS DO PLANETA. NA VERDADE,ELES SÃO A ÚNICA ESPERANÇA DE QUE ISSO POSSA OCORRER. DESCONHECIDO Cristiane Carvalho


Carregar ppt "VI SIMPOSIUM MULTIDISCIPLINAR XVIII CICLO DE ENFERMAGEM 19 de MAIO de 2006 Enfermeira Cristiane Carvalho Hospital Santa Izabel Salvador - Bahia."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google