A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

COMISSÃO DE ENSINO Como definir o grau de dificuldade do jogo COMISSÃO DE ARBITRAGEM PROPOSTA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "COMISSÃO DE ENSINO Como definir o grau de dificuldade do jogo COMISSÃO DE ARBITRAGEM PROPOSTA."— Transcrição da apresentação:

1 COMISSÃO DE ENSINO Como definir o grau de dificuldade do jogo COMISSÃO DE ARBITRAGEM PROPOSTA

2 COMISSÃO DE ENSINO ATUAÇÃO DO ÁRBITRO EXCELENTE ÓTIMA BOA REGULAR RUIM BAIXAMÉDIAALTA DIFICULDADE DA PARTIDA PARÂMETROS PARA DEFINIÇÃO DO GRAU DE DIFICULDADE A primeira coisa a se fazer é definir o GRAU DE DIFICULDADE DA PARTIDA. É preciso seguir alguns parâmetros básicos como, por exemplo, o comportamento dos jogadores.

3 COMISSÃO DE ENSINO ATUAÇÃO DO ÁRBITRO EXCELENTE ÓTIMA BOA REGULAR RUIM BAIXAMÉDIAALTA DIFICULDADE DA PARTIDA BAIXAMÉDIAALTA Jogadores, substitutos ou membros das comissões técnicas reclamam acintosamente de todas as decisões do árbitro ou seus assistentes. O árbitro se vê obrigado a se afastar dos jogadores. Clique para continuar a ver as justificativas. Jogadores de ambas as equipes se envolvem em conflitos após marcações de faltas. As jogadas são disputadas duramente, obrigando o árbitro a fazer uma leitura mais profunda dos lances. Definido o grau de dificuldade da partida parte-se para a avaliação da atuação do árbitro. ATUAÇÃO DO ÁRBITRO EXCELENTE ÓTIMA BOA REGULAR BOA O árbitro controlou os jogadores sem ter que aplicar cartões? Se aplicou cartões, foi de forma correta? O remédio aplicado ajudou a baixar a temperatura do jogo? O árbitro demonstrou ter personalidade e autoridade sem ser autoritário?

4 COMISSÃO DE ENSINO O que deve ser observado: O árbitro e seus assistentes são os condutores da partida, as suas interferências implicam diretamente nas reações dos jogadores e membros da comissão técnica. Assim sendo, é importante observar, como o árbitro agiu para minimizar as atitudes dos envolvidos. As ações tomadas pelo árbitro ajudaram a controlar a partida? Foi necessária a aplicação de cartões para solucionar o problema? Se houve aplicação de cartões, estes obedeceram ao que estabelece a regra 12?

5 COMISSÃO DE ENSINO Houve necessidade de interferência disciplinar durante a partida? Se houve. A interferência foi? (como: verbal, através de cartões amarelos e/ou vermelhos, presença na jogada, procedimentos na arbitragem, outros) Resolveu? A autoridade do árbitro é fundamental para o controle do jogo, portanto, deve-se estabelecer uma relação entre as suas ações e os resultados obtidos. Desta forma, poderíamos definir a dificuldade do jogo a partir das seguintes questões:

6 COMISSÃO DE ENSINO Houve a necessidade de aplicação de cartões amarelos ou vermelhos? A aplicação dos cartões vermelhos foi em decorrência do segundo amarelo? Houve a necessidade de paralisar a partida para chamar a atenção de algum membro do banco de reservas? Houve a necessidade de paralisar a partida para expulsar algum membro do banco de reservas?

7 COMISSÃO DE ENSINO O quarto árbitro teve dificuldades em coordenar as ações dos membros do banco de reservas? O quarto árbitro respeitou as regras 3 e 4 e a circular 1224 da FIFA? Os assistentes marcaram faltas para auxiliar o árbitro? O assistente número 1 esteve sob pressão por parte dos jogadores, e/ou membros oficiais das áreas técnicas?

8 COMISSÃO DE ENSINO Ao analisar as respostas das perguntas anteriores, podemos criar um cenário onde classificaremos o grau de dificuldade do jogo e, a partir desta classificação, definir a classificação da atuação do árbitro. Os assistentes executaram a técnica esperar e ver para regra 6 e impedimentos? Os assistentes executaram os deslocamentos dentro dos protocolos?

9 COMISSÃO DE ENSINO O grau de dificuldade da partida está relacionado com as distintas situações ocorridas na partida (em tese nenhum antecedente deve ser considerado – ex. rivalidade, briga de torcedores, opiniões da imprensa e etc.); O assessor deve considerar a conduta de todos os profissionais que atuam no jogo (jogadores, treinadores, torcedores, assim como outras ocorrências especiais etc). O grau de dificuldade deverá ter relação direta com a nota final (individual); Fonte: Relatório Assessor CBF

10 COMISSÃO DE ENSINO Erros que definam um encontro ou falta de controle da partida deve enquadrar a atuação em ruim ou muito ruim; Ao contrário se sua firme atuação reverte um quadro complicado inicialmente, tal feito deve ser relevado; Fonte: Relatório Assessor CBF

11 COMISSÃO DE ENSINO Baixa dificuldade: partidas comuns; com poucas infrações; com disputas com baixa intensidade; com lances de fácil interpretação. Enfim, partidas que não necessitam de ações fortes do árbitro, de fácil controle; CLASSIFICAÇÃO DAS PARTIDAS QUANTO À DIFICULDADE Média dificuldade: partidas que oscilam entre lances fáceis e difíceis; que exigem, vez por outra, atuação forte do arbitro; com cartões amarelos e/ou vermelhos claros; com disputas de média intensidade; com lances de áreas de fácil interpretação; Alta Dificuldade: partidas que exigem grandes decisões: pênaltis, expulsões, gols e impedimentos ajustados, jogadas violentas, condutas violentas; confrontos etc. Fonte: Manual Assessor CBF

12 COMISSÃO DE ENSINO JUSTIFICATIVAS DO GRAU DE DIFICULDADE

13 COMISSÃO DE ENSINO Apesar de ser um jogo decisivo com 3 expulsões do Flamengo, e mais o técnico, não foi uma partida violenta. Poucas faltas. BOTAFOGO X FLAMENGO - JUNIORES DIFICULDADE - MÉDIA Três expulsões de jogadores e mais o técnico, não reflete, que a partida teve um grau de dificuldade MÉDIO. Faltou uma explicação mais consistente para justificar o grau definido pelo observador.

14 COMISSÃO DE ENSINO CABOFRIENSE X FLAMENGO – TAÇA RIO DIFICULDADE DA PARTIDA: BAIXA NÚMERO DE FALTAS: 41 NÚMERO DE CARTÕES AMARELO: 13 BAIXO NÍVEL TÉCNICO DOS JOGADORES. OS JOGADORES DE AMBAS AS EQUIPES NÃO DEMONSTRARAM VONTADE PARA A DISPUTA. A JUSTIFICATIVA PARA O GRAU BAIXO DADO PELO OBSERVADOR NÃO ESTÁ COERENTE COM A QUANTIDADE DE FALTAS E O NÚMERO DE CARTÕES AMARELOS. POR EXEMPLO: COMO QUE AS EQUIPES NÃO DEMONSTRARAM VONTADE PARA A DISPUTA SE A QUANTIDADE DE FALTAS FOI 41?

15 COMISSÃO DE ENSINO BANGU X FLUMINENSE – SUB-17 DIFICULDADE DA PARTIDA: MÉDIA Um jogo tranquilo não oferecendo muitas dificuldades para a equipe de arbitragem. Se não ofereceu MUITAS dificuldades, é porque houve dificuldades, logo, o jogo não pode ter sido tranquilo. Se um jogo é tranquilo, então a dificuldade deve ser BAIXA e não MÉDIA.

16 COMISSÃO DE ENSINO Houve necessidade de interferência disciplinar durante a partida? SIM NÃO Resolveu? NÃO SIMBAIXA

17 COMISSÃO DE ENSINO Houve a necessidade de aplicação de cartões amarelos? SIM O cartão amarelo foi aplicado, somente seguindo orientação da regra 12? NÃO O cartão amarelo foi aplicado para manter o controle do jogo? SIM Resolveu? NÃO SIM MÉDIA BAIXA

18 COMISSÃO DE ENSINO Houve a necessidade de aplicação de cartões vermelhos? SIM O cartão vermelho foi aplicado em decorrência do segundo amarelo? MÉDIA NÃO O cartão vermelho foi aplicado para manter o controle do jogo? SIM Resolveu? NÃO SIM ALTA


Carregar ppt "COMISSÃO DE ENSINO Como definir o grau de dificuldade do jogo COMISSÃO DE ARBITRAGEM PROPOSTA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google