A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Quando as Medicinas Familiar e Interna se unem… Consulta de Cessação Tabágica! Catarina Dias (1), Filomena Mina (2) (1) Interna de Formação Específica.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Quando as Medicinas Familiar e Interna se unem… Consulta de Cessação Tabágica! Catarina Dias (1), Filomena Mina (2) (1) Interna de Formação Específica."— Transcrição da apresentação:

1 Quando as Medicinas Familiar e Interna se unem… Consulta de Cessação Tabágica! Catarina Dias (1), Filomena Mina (2) (1) Interna de Formação Específica em Medicina Interna do Hospital Central do Funchal (2) Chefe de Serviço de Medicina Geral e Familiar do Centro de Saúde do Santo da Serra SERVIÇO DE SAÚDE DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA, E.P.E. XXXVII JORNADAS MÉDICAS DAS ILHAS ATLÂNTICAS- 12 a 15 OUTUBRO 2011

2 Introdução Está na origem de 30% dos cancros e é uma das principais causas de doenças CV e respiratórias. Na UE meio milhão de pessoas morrem por ano devido ao consumo do tabaco, prevendo-se a continuação do aumento da taxa de mortalidade neste novo século (estabilização prevista para 2020)

3 Introdução SITUAÇÃO EM PORTUGAL É a principal causa de morte evitável. Em 2005: 11,7% óbitos (total de mortes). 18% dos adultos fumam e a prevalência do tabagismo em adolescentes subiu dramaticamente desde 1990 Em relação ao álcool : mata 3 vezes mais, tem uma carga global da doença 3,5 vezes maior ( Disability Adjusted Life Years - DALYs para as doenças atribuíveis ao Tabagismo foram de anos) e gera custos para o SNS 2,6 vezes superiores.. Do ponto de vista económico: Custos de internamentos atribuíveis ao tabagismo = 126,2 milhões de total: 490 milhões de. Custos em ambulatório = 364 milhões de A cessação tabágica total da população pouparia 171 milhões de ao SNS

4 Projecto da Consulta de Cessação Tabágica

5 Objectivos Gerais Reduzir o nº de fumadores Reduzir a morbilidade, os internamentos e a mortalidade prematura por doenças atribuíveis ao tabaco. Ganhos em saúde e qualidade de vida Redução dos custos económicos, individuais e sociais.

6 Objectivos Específicos Incentivar a aquisição de estilos de vida e hábitos saudáveis Aumentar a proporção de população fisicamente activa Prevenir e/ou gerir distúrbios de ansiedade e aumento ponderal.

7 Equipa Secretariado Clínico Enfermeiro(a) Médica(s) Psicóloga (por referência médica) Nutricionista (por referência médica) O próprio doente Cônjuges, familiares, namorados, colegas de emprego, amigos

8 Papel da Equipa CONSULTA DE ENFERMAGEM: Colheita de dados (questionário acerca dos hábitos de vida, teste de Fagerström, avaliação do grau de motivação) Avaliação de sinais vitais, peso e nível de monóxido de carbono (CO). CONSULTA MÉDICA Análise e integração da informação Questionados os antecedentes e a medicação habitual Explicados os objectivos da consulta Traçado um plano adaptado e negociado com cada doente.

9 Material Balança com escala numérica para medição da altura Aparelho aneróide de medição da tensão arterial Monitor de medição de CO com bucais, adaptadores e kit de calibração. Processos individuais, fichas clínicas e questionários todos em formato A4 Sinalização para certificação de «Centro de Saúde sem tabaco» Folhetos informativos e outros materiais pedagógicos dirigidos aos utentes do centro de saúde e da consulta de cessação tabágica.

10 Critérios de Referenciação FUMADOR (que) : Fuma 20 cigarros/dia Apresenta dependência física moderada ou elevada - pontuação > 3 no Teste de Fagerström MOTIVADO, em fase de preparação ou que encara seriamente deixar de fumar nos próximos 30 dias Falhou tentativas anteriores, mesmo com tratamento farmacológico adequado Apresenta cardiopatia isquémica com < 8 semanas de evolução, com patologias crónicas não controladas (arritmias cardíacas, HTA, nefropatia, hepatopatia, cardiopatia, etc) ou doença psiquiátrica sob medicação crónica Com necessidades especiais de abordagem – comportamentos aditivos (álcool, drogas ilícitas, cafeísmo, benzodiazepinas, jogo, internet, etc)

11 Este projeto teve boa aceitação por parte da equipa e dos doentes. Número crescente da referenciação e procura da consulta (2010 – 15 doentes em 11 meses ; 2011 – 16 doentes em 7 meses) A maior parte dos doentes apresentou como motivo para deixar de fumar, questões de saúde e financeiras. Além da estimulação por parte da equipa, verificou-se ainda um incentivar entre os doentes no sentido de se desafiarem a deixar de fumar. Resultados

12 Discussão e Conclusão A abordagem multidisciplinar nesta população- alvo e a motivação da equipa são fulcrais na concretização dos objectivos Abordagem de cada doente deverá ser efectuada com a devida individualidade e especifidade, e apoiando e envolvendo as pessoas que o rodeia no sentido de se obter resultados mais consistentes e duradouros. Nesta consulta o doente faz parte de equipa e colabora ativamente na sua libertação do tabagismo.

13 Obrigada pela vossa atenção! BILBIOGRAFIA Programa Nacional de Intervenção Integrada sobre Determinantes da Saúde Relacionados com os Estilos de Vida – Ministério da Saúde Rebelo, P.; Consulta de cessação tabágica – uma proposta para a Medicina Geral e Familiar - Rev Port Clin Geral 2004;20:87-98 Circular Informativa da Direcção Geral de Saúde - Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica – Normas de Boas Práticas na Cessação Tabágica - No: 51/DSPCD -28/12/2009 Gouveia, M., Borges M., Cortez-Pinto H., et al - Estudo Comparativo Dos Custos E Carga Da Doença Do Tabagısmo E Alcoolısmo Em Portugal - Centro de Estudos Aplicados, FCEE, Universidade Católica PortuguesaCentro de Estudos de Medicina Baseada na Evidência e Unidade de Nutrição e Metabolismo da Faculdade de Medicina de Lisboa, 2008.


Carregar ppt "Quando as Medicinas Familiar e Interna se unem… Consulta de Cessação Tabágica! Catarina Dias (1), Filomena Mina (2) (1) Interna de Formação Específica."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google