A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

EXPERIÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL Vânila Cardoso André de Moraes 1.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "EXPERIÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL Vânila Cardoso André de Moraes 1."— Transcrição da apresentação:

1 EXPERIÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL Vânila Cardoso André de Moraes 1

2 CONTEXTO DA MODERNIDADE Na atualidade, o sistema judicial encontra-se em uma grave crise, e apesar do aumento do número de juízes e varas, o número de demandas não deixa de crescer( 92,2 milhões -10% em 4 anos), acarretando a demora na prestação jurisdicional, aliado a isto cada vez estamos diante judicialização das políticas públicas entre outras questões que atuam como uma espécie de cenário da vida em que o magistrado é compelido a atuar. 2

3 Estamos vivendo uma crise de legitimidade do Poder Judiciário e as Escolas de Magistratura cumprem um papel fundamental para alterar este quadro ao propiciar um ambiente de formação diferenciado, avaliação dos problemas sociais e pesquisa institucional. MEGADESAFIOS DO PODER JUDICIÁRIO 3

4 FUNDAMENTOS Emenda Constitucional n. 45/04. Resolução n. 01, de 6 de junho de 2011 da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento da Magistratura- ENFAM que determina o número mínimo de 480 horas para o Curso de Formação; 4

5 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS A formação dos juízes deve observar não só as características do ramo do Poder Judiciário a que pertence decorrentes da sua competência constitucional e suas especificidades locais, como também as demandas de ordem técnica e humana a que estão sujeitos os magistrados. Educação Judicial: a formação do magistrado é um ponto fundamental na transformação do Judiciário, considerando a necessidade de se dar especial relevo ao elemento humano que tem a árdua missão de julgar. ( Ministro Sálvio de Figueiredo Teixeira) 5

6 A filosofia que permeia o projeto do curso de formação inicial do TRF da 1ª Região está sintonizada aos atos normativos que exigem um treinamento aprofundado tanto no que se refere ao seu conteúdo quanto à metodologia. A educação judicial, enfim, deve ter por objeto primeiro a missão de sensibilizar a consciência do juiz, de modo a internalizar a nova perspectiva e responsabilidade que o seu ingresso na instituição representam.Lex – Jurisprudência do Supremo Tribunal Federal nº 228, pag

7 Importa que se construa uma nova identidade não apenas técnica, mas também humanista, poissomente o julgador consciente poderá se desincumbir satisfatoriamente da missão de realizar o justo concreto. 7

8 A quebra de paradigma no aperfeiçoamento pode se dar através de cursos criados a partir de uma metodologia crítica e participativa( metodologia ativa), por meio da qual o conhecimento seja construído em conjunto, pensando-se novas soluções e não simplesmente se repetindo mantras tecnicistas. Nesse campo, é possível se cogitar da aplicação de treinamentos que se pautem pela resolução de casos concretos, pelo diálogo interdisciplinar com técnicos e profissionais de outras áreas, pela discussão conjunta de problemas, boas-práticas e métodos gerenciais de varas e pela ambientação do juiz na realidade vivida pelas partes em litígio, através de visitas e imersões, por exemplo. ( Ex Escola da França e metodolgia adotada na 1R. 8

9 METODOLOGIA Métodos: afirmativos, interrogativos e ativos. AFIRMATIVOS – métodos expositivos INTERROGATIVOS –Método questão- resposta ATIVOS –Colocação de uma resolução para solução. Priorização dos métodos ativos 9

10 ANDRAGOGIA Nos adultos, a aprendizagem é orientada para a resolução de problemas e tarefas com que se confrontam na sua vida cotidiana, o que desaconselha uma lógica centrada nos conteúdos, uma vez que estão dispostos a iniciar um processo de aprendizagem desde que compreendam a sua utilidade. São os fatores de ordem interna que os motivam para a aprendizagem: satisfação, auto-estima, qualidade de vida, entre outros. 10

11 . Os novos magistrados participaram de visitas a presídios, órgãos públicos e interagiram com o corpo técnico de outras áreas e instituições ( ver o problema na perspectiva do outro). Num segundo momento do curso, o espaço da sala de aula cedeu de vez o seu lugar ao treinamento prático dos juízes, que passaram a atuar em varas federais sob tutoria dos juízes mais antigos, desenvolvendo trabalhos selecionados para a aplicação prática do conhecimento construído ao longo da primeira etapa do curso. 11

12 Enfim, é possível que a mudança no ensino do direito primeiro se processe organicamente, de dentro para fora de instituições como a magistratura. Se os juízes repensarem a sua capacitação à luz de novas técnicas de aprendizagem isso se refletirá na demanda criada pelos órgãos públicos no mercado e, principalmente, na concretização de uma prática mais rica, humana e sensível ao clamor por uma justiça que esteja centrada não mais no individualismo, mas na alteridade. 12

13 MISSÃO DO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL Promover a formação inicial dos juízes federais para o exercício da atividade jurisdicional, propiciando o desenvolvimento ético, técnico-jurídico, humanístico e multidisciplinar. 13

14 Necessária a realização de um trabalho preparatório (reuniões presenciais e repasse de informações) junto à Presidência, Corregedoria, Direção Geral, Direção do Foro e juízes para elaboração de uma rede cooperativa de apoio à realização do Curso. Reunião com os Coordenadores de Módulo e de Prática para exposição das diretrizes gerais. 14

15 DIVISÃO DO CURSO EM 2 ETAPAS Etapa teórica/prática- que consiste em 3oo horas realizada em Brasília Etapa prática/ambientação – 180 horas realizado nas maiores Seções Judiciárias da 1ª. Região: Brasilia, Belo Horizonte e Salvador. 15

16 ATORES DA FORMAÇÃO INICIAL MANUAL EXECUTIVO DO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL – CENTRO DE ESTUDOS JUDICIÁRIOS Coordenadores Gerais do Curso de Formação Coordenadores de Módulos ( de Estudo e de Prática Jurisdicional) Orientadores de Prática Jurisdicional Corpo docente 16

17 COORDENADORES GERAIS – são aqueles (magistrados e desembargadores) responsáveis por elaborar o planejamento e acompanhar a execução do Curso de Formação, de acordo com as orientações da Direção da Escola 17

18 COORDENADORES DE MÓDULO Coordenadores de Módulos de Estudo- são os magistrados responsáveis por detalhar o conteúdo programático do módulo e implementar a sua execução, de acordo com as orientações dos Coordenadores Gerais. Coordenadores de Módulos de Prática – magistrados responsáveis pro organizar a atividade de prática a ser desenvolvida pelos novos juízes 18

19 Orientadores de prática jurisdicional – magistrados responsáveis pelas unidades que receberão os novos juízes no período de prática jurisdicional. Corpo docente 19

20 CONTEÚDO MÍNIMO DO CURSO DE FORMAÇÃO ( art. 5º da Resolução n. 1 da ENFAM) : Elaboração de decisões e sentenças e realizações de audiências. Relações interpessoais e interinstitucionais. Deontologia da magistratura. Ética Administração judiciária, incluindo gestão administrativa e de pessoas Capacitação em recursos e informações 20

21 Difusão da cultura da conciliação como busca da paz social Técnicas de conciliação e psicologias judiciárias Impacto social e econômico das decisões judiciais 21

22 I - ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE RECURSO HUMANOS Módulo I – Total: 33,6 h/a. Objetivos de sensibilizar o novo magistrado para a liderança e o trabalho cooperativo 22

23 II- Tribunais Superiores e Estrutura Administrativa da Justiça Federal Módulo II – 33,6 h/a Visitas ao Tribunal Regional Federal da 1ª. Região com participação em Sessão de Julgamento. Visitas ao CNJ, STF, CJF e CEJ, ENFAM. Contato com o Presidente, Corregedor e informações a respeito da estrutura administrativa do Tribunal – DIGES,SECBE/Pró-social, ASMAG etc. 23

24 III - ÉTICA Módulo III – 33,6 h/a A ética na atividade jurisdicional. Análise de dispositivos constitucionais relacionados à deontologia jurídica. Princípios da Conduta Judicial de Bangarole e o Código de Ética da Magistratura Nacional do CNJ. Estudo de casos concretos. 24

25 Mesas redondas envolvendo desembargadores, juízes federais titulares e substitutos a respeito do temas: Preservação da dignidade e das prerrogativas do cargo e abuso no seu exercício ( experiências e análises de casos concretos e os reflexos na prestação jurisdicinal) Relacionamento entre magistrados atuantes em um mesmo órgão jurisdicional ( debates entre juízes federais e substitutos) Participação dos novos juízes como mediadores dos debates. 25

26 IV -Relacionamento interpessoal e interinstitucional nas causas de interesse da Justiça Federal Modulo IV - 67 h/a Mesa redonda :Apresentação dos interlocutores da Justiça Federal: MPF, DPU, OAB, Procuradoria da Fazenda Nacional, Procuradoria Federal, AGU. Debates realizados em painéis com todos interlocutores a respeito de temas relevantes para a Justiça Federal. 26

27 Mesa redonda: ética e relacionamento entre juízes e advogados. Estudo de caso: Raposa do Sol – experiência no cumprimento de decisão judicial do STF, quando se fazem necessárias ações externas. 27

28 V- Mídia e Poder Judiciário Módulo V – 16,8h/a Contratação de curso: Media Training Mesa redonda: Midia e Poder Judiciário: Juiz Federal, Jornalistas, Chefe da Assessoria e Comunicação Social. Estudo de casos ( Exposições dos Juízes pela imprensa) 28

29 VI – Administração e Gestão Judiciária Módulo VI – 56 h/a Direção do Foro e Coordenação de Subseção Licitação e contratos administrativos aplicados ao Poder Judiciário. Organização e funcionamento dos juízos: boas práticas em varas cíveis, criminais, execução fiscal e juizados. 29

30 Gerenciamento do processo virtual Simplificação de procedimentos e perícias nos Juizados Especiais Federais Primeiros passos em uma nova vara federal Gestão estratégica: Metas do Poder Judiciário 30

31 Aqui é importante oportunizar aos Juízes a apresentação de propostas para melhoria do Poder Judiciário, inclusive novas perspectivas de gestão. 31

32 VII – Impacto social e Econômico das decisões judiciais Módulo VII – 42 h/a Custos sociais e econômicos na utilização do Poder Judiciário. 32

33 VIII-Audiências cíveis, técnicas de conciliação e esvaziamento de conflito Técnicas de conciliação – Curso a ser ministrado pelo CNJ Mutirão de conciliação – participação efetiva em um mutirão, sob a supervisão de juízes federais. 33

34 IX- Prática criminal: técnicas de elaboração de decisões e sentenças criminais Módulo IX – 42 h/a Prática criminal: técnicas de elaboração de decisões e sentenças criminais.Técnicas de interrogatório e oitiva de testemunhas. Estrutura formal da audiência criminal e nulidades mais comumente observadas. Estudos de caso s e exercícios 34

35 X- Prática Cível: técnicas de elaboração de decisões interlocutórias e sentenças Módulo XI -Técnicas de sentenças Estudo de casos concretos e elaboração de exercícios. 35

36 XI- Capacitação em tecnologia da informação. XII Módulo: 42 h/a Apresentação dos sistemas informatizados : CNIS e PLENUS Cadastro de interpectações telefônicas de bens apreendidos- SNBA BACENJUD, INFOJUD, Junta Comercial e RENAJUD Treinamento Sistema JEF-Virtual e Sitema E- JUR 36

37 Relatórios estatísticos extraídos da Corregedoria- Regional. 37

38 XII – Prática Jurisdicional Preparatória Ambientação nas varas federais Cível - 13 A 17/05/2013 – Criminal – 20 a 24/05/2013 Execução Fiscal – 27 a 31/05/2013 Juizados Especiais Federais 03 a 07/06/2013 Total- 168 h/a 38

39 Agendamento de audiências para o período da formação – Acompanhamento em Secretaria e da prolação das decisões judiciais. Coordenadores da Prática e Orientadores da Prática Jurisdicional ( Juízes titulares) 39

40 Atuação nas varas cível, penal, execução fiscal, previdenciário, Juizados e agrária. Autorização do Tribunal para a prática de atos decisórios e realização das audiências. 40

41 CONCLUSÃO A capacitação profissional é um bem imaterial que se reverte de forma benéfica para a instituição sob diversas formas, portanto, deve ser uma prioridade da Administração. Nada contribui mais para a melhoria da eficiência da Justiça que a capacitação dos magistrados. ( Stefam Voigt( professor de economia da Universidade de Haburgo/Alemanha, com base em dados coletados na Comissão Européia para Eficiência da Justiça) 41

42 AS ESCOLAS DE MAGISTRATURA FEDERAL TEM A MISSÃO PRECIPUA DE SE TORNAREM CENTROS DE EVOLUÇÃO DO CONHECIMENTO, VOLTADAS PARA A SOLUÇÃO DOS CONFLITOS, A PARTIR DE UMA VISÁO ÉTICA, HUMANITÁRIA, TÉCNICA, INTERDISCIPLINAR E GERENCIAL, CUMPRINDO, ASSIM, O SEU PAPEL INSTITUCIONAL DE PRESERVAÇÃO DO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO. 42

43 Muito Obrigada! 43


Carregar ppt "EXPERIÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL Vânila Cardoso André de Moraes 1."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google