A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

AS PERSPECTIVAS DA AGROPECUÁRIA BRASILEIRA : O CURTO E O MÉDIO PRAZOS FERNANDO HOMEM DE MELO 1/31 FAESC – FEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DE SANTA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "AS PERSPECTIVAS DA AGROPECUÁRIA BRASILEIRA : O CURTO E O MÉDIO PRAZOS FERNANDO HOMEM DE MELO 1/31 FAESC – FEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DE SANTA."— Transcrição da apresentação:

1 AS PERSPECTIVAS DA AGROPECUÁRIA BRASILEIRA : O CURTO E O MÉDIO PRAZOS FERNANDO HOMEM DE MELO 1/31 FAESC – FEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DE SANTA CATARINA FLORIANÓPOLIS – SC Professor Titular FEA-USP

2 ALGUNS DADOS BÁSICOS DE CURTO-PRAZO 2/31 1) O DESEMPENHO RECENTE DA ÁREA COM GRÃOS (CONAB) 2007/08 : 5,0% (Antes da Crise) 2007/08 : 5,0% (Antes da Crise) 2008/09 : 0,4% (Crise Internacional) 2008/09 : 0,4% (Crise Internacional) 2009/10 : 0,3% (Crise Internacional) 2009/10 : 0,3% (Crise Internacional) 2010/11 : 3,1% (Recuperação) 2010/11 : 3,1% (Recuperação)

3 ALGUNS DADOS BÁSICOS DE CURTO-PRAZO 3/31 3) O CURTO-PRAZO : A SAFRA 2010/11 2)O CONSUMO (EM TONELADAS) DE FERTILIZANTES (ANDA) 2007 : (Antes da Crise) 2007 : (Antes da Crise) 2008 : (Crise Internacional) 2008 : (Crise Internacional) 2009 : (Crise Internacional) 2009 : (Crise Internacional) 2010 : (Recuperação) 2010 : (Recuperação)

4 TABELA 1 ESTIMATIVAS PARA ÁREA PLANTADA NO BRASIL (EM Ha) NAS SAFRAS 2009/10 E 2010/11 PRODUTOS2009/102010/11 VARIAÇÃO (%) Algodão835,71.304,756,1 Arroz2.764,82.832,92,5 Feijão Total3.608,83.912,68,4 Feijão – 1ª1.410,11.472,24,4 Feijão – 2ª1.444,91.648,614,1 Feijão – 3ª753,8792,45,1 Milho Total12.966, ,61,1 Milho – 1ª7.724,07.695,9- 0,4 Milho – 2ª5.242,95.410,73,2 Soja23.467, ,42,8 Outros3.586,93.329,3- 7,2 Total s/Trigo44.960, ,63,8 Total Geral47.388, ,43,1 4/31 Fonte: CONAB, 02/2011

5 GRÁFICO 1 EVOLUÇÃO DO ÍNDICE TOTAL DE PREÇOS REAIS RECEBIDOS DURANTE 2007, 2008, 2009 E 2010 (02/1990 = 100) Fonte: IEA para dados básicos; nossa elaboração 5/31

6 GRÁFICO 2 EVOLUÇÃO DO ÍNDICE DE PREÇOS INTERNACIONAIS DE PRODUTOS AGRÍCOLAS – 01/2007 a 12/2010 (1989 = 100) Fonte: As Bolsas de New York (Café, Suco de Laranja, Algodão, Açúcar e Cacau) e de Chicago (Soja e Derivados, Milho e Trigo) 6/31

7 A FORMAÇÃO DOS PREÇOS AGRÍCOLAS (EM R$/t) EM UMA ECONOMIA ABERTA AO EXTERIOR 7/31 1) PRINCIPAIS VARIÁVEIS DETERMINANTES: 1) PRINCIPAIS VARIÁVEIS DETERMINANTES: Preços Internacionais (P x ) em US$/t Preços Internacionais (P x ) em US$/t Taxa de Câmbio (E) : R$ / US$ Taxa de Câmbio (E) : R$ / US$ Custos de Comercialização (CC) em R$/t Custos de Comercialização (CC) em R$/t P I = (P x ) (E) - CC sendo P I Preços aos Produtores

8 A FORMAÇÃO DOS PREÇOS AGRÍCOLAS (EM R$/t) EM UMA ECONOMIA ABERTA AO EXTERIOR 8/31 2) EXEMPLO : SOJA EM 16/02/10 P x (Chicago) : US$ 498/t P x (Chicago) : US$ 498/t E (Câmbio) : R$ 1,67 / US$ E (Câmbio) : R$ 1,67 / US$ (P x ) (E) : R$ 832/t ou R$ 49,92/saca (P x ) (E) : R$ 832/t ou R$ 49,92/saca Ponta Grossa – PR : R$ 48,14/saca Ponta Grossa – PR : R$ 48,14/saca Rondonópolis – MT : R$ 41,06/saca Rondonópolis – MT : R$ 41,06/saca

9 TABELA 2 VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO DE VINTE PRODUTOS AGRÍCOLAS NO BRASIL (Milhões R$) ANOS VALORES (R$ Milhões) E Favorável E Desfavorável P x Favorável Crise Externa Aumentos em P x 2011 (est) Fonte: José Garcia Gasques, MAPA, 01/2011 9/31

10 TABELA 3 PERSPECTIVAS DE PREÇOS AGRÍCOLAS EM 2011 E COMPARAÇÃO COM 2010 (R$/SACA), EXCETO CAFÉ, SUCO DE LARANJA, AÇÚCAR E CACAU, R$/t, E ALGODÃO, R$/t) 10/31 Fontes: Nossa elaboração com dados das Bolsas de Chicago e New York para Px (US$/t) e Banco Central para a taxa de câmbio (R$/US$). A taxa de câmbio média em 2010 foi de R$ 1,759/US$. A taxa média prevista para 2011 (Boletim FOCUS) é de R$ 1,700/US$. Os valores referem-se ao dia 17/02/11 e o Boletim FOCUS de 11/02/11 PRODUTO (P x ) (E) (est) VARIAÇÃO (%) Café323,1604,987,2 Suco de Laranja5.618,26.372,813,4 Algodão54,5100,384,0 Açúcar868,91.049,220,8 Cacau5.176,75.789,511,8 Soja40,652,830,0 Trigo22,534,051,1 Milho17,727,655,9 ÍNDICE TOTAL100,0140,740,7

11 O MÉDIO PRAZO: FATORES DE DEMANDA E DE OFERTA 11/31 1) AS MUDANÇAS EM DEMANDAS NA DÉCADA PASSADA 1) AS MUDANÇAS EM DEMANDAS NA DÉCADA PASSADA a) O Maior Crescimento Econômico dos Países Emergentes (BRICS e Outros) : Maior Demanda de Alimentos (Efeito- Renda Maior) Maior Demanda de Alimentos (Efeito- Renda Maior) Efeito Graduação : Crescimento das Classes de Média-Renda e Mudanças nos Hábitos de Consumo (Carnes, Leite e Frutas) Efeito Graduação : Crescimento das Classes de Média-Renda e Mudanças nos Hábitos de Consumo (Carnes, Leite e Frutas)

12 O MÉDIO PRAZO: FATORES DE DEMANDA E DE OFERTA 12/31 Grandes Aumentos nas Demandas de Grãos (Milho e Soja) como Ração. Taxas de Conversão Grandes Aumentos nas Demandas de Grãos (Milho e Soja) como Ração. Taxas de Conversão b) As Novas Demandas Mundiais por Cereais, Oleaginosas e Cana-de-Açúcar para a Produção de Biocombustíveis c) A Crise Econômica Internacional de 09/2008 (2009 e 2010)

13 O MÉDIO PRAZO: FATORES DE DEMANDA E DE OFERTA 13/31 d) O Início da Recuperação Econômica nos Países Desenvolvidos em Crise Árabe e Preço do Petróleo e) Política Monetária Frouxa nos Países Desenvolvidos: Juros Baixos / Negativos e Aplicações em Commodities / Agrícolas – 2º semestre de ) BRASIL E A OFERTA DE PRODUTOS AGRÍCOLAS : GRANDES GANHOS DE PRODUTIVIDADE. ÁREAS DISPONIVEIS? 2) BRASIL E A OFERTA DE PRODUTOS AGRÍCOLAS : GRANDES GANHOS DE PRODUTIVIDADE. ÁREAS DISPONIVEIS?

14 AS NOVAS DEMANDAS MUNDIAIS POR BIOCOMBUSTÍVEIS (José Garcia Gasques – MAPA – 07/2007) 14/31 ETANOL: ETANOL: Brasil : cana-de-açúcar Brasil : cana-de-açúcar Outros Produtores de cana-de-açúcar : Tailândia, Austrália, África do Sul, Índia, Colômbia e Cuba Outros Produtores de cana-de-açúcar : Tailândia, Austrália, África do Sul, Índia, Colômbia e Cuba Estados Unidos : milho (118 milhões de toneladas em 2011 e limite superior de 136 milhões de toneladas) Estados Unidos : milho (118 milhões de toneladas em 2011 e limite superior de 136 milhões de toneladas) União Européia: trigo e milho União Européia: trigo e milho

15 AS NOVAS DEMANDAS MUNDIAIS POR BIOCOMBUSTÍVEIS (José Garcia Gasques – MAPA – 07/2007) 15/31 BIODIESEL: BIODIESEL: União Européia : óleos de colza, girassol, soja e de palma. Importações União Européia : óleos de colza, girassol, soja e de palma. Importações Estados Unidos : óleo de soja (16,7 milhões de toneladas de soja, cerca de 20% da produção americana) Estados Unidos : óleo de soja (16,7 milhões de toneladas de soja, cerca de 20% da produção americana) Brasil : principalmente óleo de soja (mais de 80%), outros óleos : mamona, girassol, algodão Brasil : principalmente óleo de soja (mais de 80%), outros óleos : mamona, girassol, algodão

16 AS NOVAS DEMANDAS MUNDIAIS POR BIOCOMBUSTÍVEIS (José Garcia Gasques – MAPA – 07/2007) 16/31 BIOCOMBUSTÍVEIS (Estados Unidos e União Európeia) : BIOCOMBUSTÍVEIS (Estados Unidos e União Európeia) : 2005 : 12,1 milhões hectares 2005 : 12,1 milhões hectares 2010 : 27,6 milhões hectares 2010 : 27,6 milhões hectares 2020 : 40,0 milhões hectares 2020 : 40,0 milhões hectares Fontes: Cereais (75%) e Oleaginosas Fontes: Cereais (75%) e Oleaginosas

17 TABELA 4 OS AUMENTOS DE PREÇOS (EM %) DE PRODUTOS AGRÍCOLAS COMO RESULTADO DOS PROGRAMAS MUNDIAIS DE BIOCOMBUSTÍVEIS 17/31 Fonte: Gasques et alli citando Rosegrant, M. W. et alli, 12/2006. O valores entre parêntesis referem-se às variações dos preços em 2010 relativamente à média de 2003/05 (Tabela 5). As previsões para 2010 e 2020 (1) assumem inexistência de melhoria tecnológica. A de 2020 (2) assume mudanças de produtividade e conversão de celulose. PRODUTOS (1)2020 (2) Mandioca Milho20 (85)4123 Oleaginosas (Soja) 26 (58)7643 Açúcar de Beterraba Cana-de- Açúcar (Açúcar) 26 (179)6643 Trigo11 (75)3016

18 18/31 TABELA 5 PREÇOS DE PRODUTOS AGRÍCOLAS NAS BOLSAS INTERNACIONAIS DURANTE 2003/05 – 2010 (US$/t) E 2011 (est.) PERÍODO / ANO AlgodãoSojaTrigoMilhoCafé Suco de Laranja AçúcarCacau ÍNDICE TOTAL (1989 = 100) 2003/ , , , ,7 4º T / , , ,3 1º S / ,6 2º S / , (P) ,9 (39,9%) Fonte:- Bolsas de New York e de Chicago com base em dados diários. Nossa elaboração para o Índice Total (ponderações da produção brasileira). A letra P representa previsão em 18 de fevereiro

19 TABELA 6 OS ESTOQUES MUNDIAIS DE GRÃOS RELATIVAMENTE AO CONSUMO ANUAL (EM %) 19/31 ANOSARROZMILHOSOJATRIGOALGODÃO 99/0036,131,616,728,846,0 01/0233,423,817,534,649,8 03/0420,716,118,822,541,5 05/0619,617,824,323,647,2 06/0719,012,425,019,543,2 08/0921,018,919,926,155,0 09/1021,617,828,730,337,1 10/11 (est)20,815,222,826,836,7 Fonte: USDA – Departamento de Agricultura dos Estados Unidos

20 A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA : GRANDE COMPETITIVIDADE INTERNACIONAL ATRAVÉS DE GANHOS DE PRODUTIVIDADE E REDUÇÃO DE CUSTOS 20/31 Grande Crescimento da Produção com Preços Declinantes : Ganho dos Consumidores Pobres. A Produção mais que Dobrou entre 1990 e 2010 (Gráfico 3) Grande Crescimento da Produção com Preços Declinantes : Ganho dos Consumidores Pobres. A Produção mais que Dobrou entre 1990 e 2010 (Gráfico 3) Pecuária : Crescimento da Produção com Ligeira Diminuição da Área Cultivada Pecuária : Crescimento da Produção com Ligeira Diminuição da Área Cultivada Acentuados Aumentos de Produtividade – EFEITO EMBRAPA (1973) Acentuados Aumentos de Produtividade – EFEITO EMBRAPA (1973) Lavouras : Crescimento da Produção, da Produtividade e da Área Cultivada Lavouras : Crescimento da Produção, da Produtividade e da Área Cultivada

21 GRÁFICO 3 EVOLUÇÃO DOS ÍNDICES DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA TOTAL E DE PREÇOS RECEBIDOS PELOS PRODUTORES NO BRASIL, 1990 / /31 Fonte: Gasques, Bastos e Bachi, op. cit. para o índice de produção e nossa elaboração, com dados básicos do Instituto de Economia Agrícola, para o índice de preços

22 ANOS LAVOURAS TEMPORÁRIAS (29) LAVOURAS PERMANENTES (35) PASTAGENSTOTAL TABELA 7 AS ÁREAS CULTIVADAS NO BRASIL (EM has ) E OS GANHOS DE PRODUTIVIDADE Fonte: Gasques et alli – MAPA – Segundo Miranda (EMBRAPA) considerando as exigências legais, a área disponível é de apenas mil hectares 22/31

23 OS CRESCIMENTOS DA PRODUÇÃO, ÁREA E PRODUTIVIDADE DURANTE 1975/2008 (TAXAS ANUAIS MÉDIAS – EM %) 23/31 Área Cultivada : 0,185% ao ano Área Cultivada : 0,185% ao ano Produção : 3,730% ao ano Produção : 3,730% ao ano Produtividade da Terra : 3,545% ao ano Produtividade da Terra : 3,545% ao ano

24 A ECONOMIA BRASILEIRA A PARTIR DE 1990 : AS MUDANÇAS MAIS IMPORTANTES 24/31 A Mais Importante: A Abertura Comercial Significativas reduções das tarifas de importação de produtos e insumos (inclusive agrícolas) Significativas reduções das tarifas de importação de produtos e insumos (inclusive agrícolas) MERCOSUL em 1992 MERCOSUL em 1992 Lei Kandir em 1996

25 A ECONOMIA BRASILEIRA A PARTIR DE 1990 : AS MUDANÇAS MAIS IMPORTANTES 25/31 O Plano Real : eliminação da inflação e a âncora cambial O Plano Real : eliminação da inflação e a âncora cambial A Reforma (forçada) do regime cambial em 1999 : taxas de câmbio flutuantes, taxa apreciada nos últimos anos A Reforma (forçada) do regime cambial em 1999 : taxas de câmbio flutuantes, taxa apreciada nos últimos anos A Maturidade da EMBRAPA : 20 anos em 1993 e 38 anos em 2011 A Maturidade da EMBRAPA : 20 anos em 1993 e 38 anos em 2011

26 A ECONOMIA BRASILEIRA A PARTIR DE 1990 : AS MUDANÇAS MAIS IMPORTANTES 26/31 A introdução da biotecnologia na década passada : soja, milho e algodão; legislação de direitos de propriedade A introdução da biotecnologia na década passada : soja, milho e algodão; legislação de direitos de propriedade Fracasso das negociações internacionais – RODADA DOHA Fracasso das negociações internacionais – RODADA DOHA A substancial melhoria dos preços internacionais na década passada (Tabela 5) A substancial melhoria dos preços internacionais na década passada (Tabela 5)

27 A ECONOMIA BRASILEIRA A PARTIR DE 1990 : AS MUDANÇAS MAIS IMPORTANTES 27/31 O aprofundamento (exagerado?) da questão ambiental. O aprofundamento (exagerado?) da questão ambiental. DESEQUILIBRIO NO CRESCIMENTO AGRÍCOLA a)1990/99 : 3,01% ao ano a) 1990/99 : 3,01% ao ano b) 2000/08 : 5,59% ao ano

28 TABELA 8 AS TAXAS ANUAIS MÉDIAS DE CRESCIMENTO DA ÁREA CULTIVADA (COM LAVOURAS), DA PRODUTIVIDADE DA TERRA E DA PRODUÇÃO (EM % AO ANO) DURANTE 1990/2008 PRODUTOS COMERCIALIZÁVEIS (EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO) PR. NÃO COMERCIALIZÁVEIS (DOMÉSTICOS) PRODUÇÃO3,951,50 ÁREA CULTIVADA 1,80- 1,12 PRODUTIVIDADE2,152,62 Fonte: Matsubara, M., FEA-USP, /31

29 A ECONOMIA BRASILEIRA A PARTIR DE 1990 : AS MUDANÇAS MAIS IMPORTANTES 29/31 PRODUTOS COMERCIALIZÁVEIS: Arroz, Milho, Laranja, Trigo, Cacau, Fumo, Algodão, Amendoim, Café, Cana-de-Açúcar, Soja e Mamona PRODUTOS COMERCIALIZÁVEIS: Arroz, Milho, Laranja, Trigo, Cacau, Fumo, Algodão, Amendoim, Café, Cana-de-Açúcar, Soja e Mamona PRODUTOS NÃO-COMERCIALIZÁVEIS: Batata Doce, Cebola, Feijão, Mandioca, Abacaxi, Coco, Batata, Uva, Tomate e Banana PRODUTOS NÃO-COMERCIALIZÁVEIS: Batata Doce, Cebola, Feijão, Mandioca, Abacaxi, Coco, Batata, Uva, Tomate e Banana RESULTADO IMPORTANTE : EFEITO EMBRAPA?) : RESULTADO IMPORTANTE : EFEITO EMBRAPA?) : Eliminação do desequilíbrio no crescimento das produtividades dos dois grupos de produtos Eliminação do desequilíbrio no crescimento das produtividades dos dois grupos de produtos

30 AGROPECUÁRIA BRASILEIRA NO FUTURO : DESAFIOS E PROBLEMAS 30/31 1) Crescimento Sustentável: Atendimento das Demandas Interna e Externa 2) Crescimentos da Área Cultivada e da Produtividade 3) Apoio Continuado à EMBRAPA (Produtividade) 4) Necessidade de Acordo Racional com os Ambientalistas. CÓDIGO FLORESTAL. A Questão da Área Cultivável Total

31 AGROPECUÁRIA BRASILEIRA NO FUTURO : DESAFIOS E PROBLEMAS 31/31 5) O Desafio da Ocupação Produtiva dos Cerrados (Milhões de Hectares). A Saída Norte 6) Redução dos Custos de Comercialização: Transportes e Portos. Ferrovias : Ferro Norte, Norte-Sul, Oeste-Leste. Rodovias : BR-163 8) Reexaminar a Tributação sobre a Agricultura 7) Cautela com a Taxa de Câmbio


Carregar ppt "AS PERSPECTIVAS DA AGROPECUÁRIA BRASILEIRA : O CURTO E O MÉDIO PRAZOS FERNANDO HOMEM DE MELO 1/31 FAESC – FEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DE SANTA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google