A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Ministrante: Prof. Me. Marcos de Oliveira, Filósofo e Psicanalista. O bebê, que vê a mãe basicamente como o objeto que satisfaz todos os seus desejos -

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Ministrante: Prof. Me. Marcos de Oliveira, Filósofo e Psicanalista. O bebê, que vê a mãe basicamente como o objeto que satisfaz todos os seus desejos -"— Transcrição da apresentação:

1 Ministrante: Prof. Me. Marcos de Oliveira, Filósofo e Psicanalista. O bebê, que vê a mãe basicamente como o objeto que satisfaz todos os seus desejos - o seio bom, por assim dizer – logo começa a reagir a essas gratificações e ao seu carinho criando sentimentos de amor em relações a ela como pessoa. Contudo, esse primeiro amor já é perturbado em suas raízes por impulsos agressivos. O amor e o ódio lutam entre si na mente da criança; essa luta continua presente de certa forma pelo resto da vida e pode se tornar fonte de perigo nas relações humanas (Klein, p.p , 1996).

2 O DESENVOLVIMENTO HUMANO (INFÂNCIA) Nesta primeira face o ego se transforma de um estado não-integrado (esquizoide) em uma estrutura coesa e relativamente unívoca. DO DESAMPARO AO SENSO DE PESSOALIDADE 1-Dependência Absoluta. 1-Dependência Absoluta. Neste primeiro estado o bebê necessita totalmente dos cuidados paternais. Como elemento passivo, ainda não interagi como ser consciente, apenas está em posição de se beneficiar ou de sofrer distúrbios da modelação ambiental.

3 2-Dependência Relativa. 2-Dependência Relativa. Neste novo momento o núcleo central do ego já encontra- se relativamente estruturado, assim, o cuidado materno torna-se uma relação pessoal. 3- Emancipação Psíquica. 3- Emancipação Psíquica. A criança já é capaz de se nutrir do acúmulo de recordações do cuidado materno, por isso, depende menos do cuidado real oferecido pelos Pais.

4 AGRESSIVIDADE INATA A tendência inata no sentido de integração sempre dependerá do equilíbrio da vida instintiva do bebê; sua agressividade deverá ser transformada em afeto de vinculação (amor). Chamamos de identificação primária o canal afetivo pelo qual essa transformação se realiza psiquicamente. A falha ambiental deste fenômeno de identificação primária é a raiz da predisposição a distúrbios afetivos e a tendência antissocial.

5 A CAPACIDADE DE SE PREOCUPAR Segundo a visão do psicanalista Winnicott (1983) a capacidade de uma criança se preocupar com o outro [...] pressupõe uma organização complexa do ego, que não se pode considerar de outro modo que não seja o de uma conquista [...]. Para este pensador inglês o desenvolvimento da capacidade afetiva de se vincular aos outros, deve ser entendido como um sinal de crescimento e de integração do ego.

6 PROVISÃO AMBIENTAL SUFICIENTEMENTE BOA A criança está em fusão com sua mãe, por isso, a mesma é o verdadeiro lugar de existência do infante, daí o fato deste primeiro objeto ser habitualmente denominado de ambiente mãe. Winnicott ressaltou da seguinte maneira a importância do cuidado materno:

7 As bases da saúde mental do indivíduo, no sentido de ausência de psicose ou predisposição à mesma (esquizofrenia), são lançadas por este cuidado materno, que quando vai bem dificilmente é percebido, e é uma continuação da provisão fisiológica que caracteriza o estado pré-natal. [...] a esquizofrenia ou a psicose infantil ou uma predisposição à psicose em uma data posterior se relacionam com uma falha da provisão ambiental (Winnicott, 1983, p.49). Se o cuidado materno falhar por algum motivo, segundo o ponto de vista psicanalítico, o infante corre um grande risco de não nascer integralmente; ao invés, a personalidade embotada começa a se construir baseada em defesas contra os fracassos relacionais.

8 A FUNÇÃO PATERNA Para a psicanálise o pai desempenha um importante papel na montagem psíquica de um indivíduo. O pai é o símbolo da normatividade externa por isso, sua imagem aponta para o compromisso com a Lei. A imagem paterna, ou se quisermos, a função paterna, inaugura o plano das oposições que interrompe o desejo incestuoso da criança pela mãe, ele introduz uma privação que leva à razão. O controle instintual só é possível assim.

9 EFEITOS DA FUNÇÃO PATERNA 1) Promove a castração simbólica 2) Introduz o sujeito na Lei (contrato social) 3) Solidificar o superego A falta de tal imagem pode levar a distúrbios no psiquismo.

10 O CARÁTER E A LEI DE FORA O termo castração nesse contexto de formação identitária, não tem uma conotação negativa, apenas significa uma ação psíquica capaz de produzir uma nova ordenação mental. Se como afirmamos anteriormente, a mãe se configura como tese primária da existência, o pai surge no universo psíquico da criança como antítese daquilo que o bebê e a mãe são. A díade mãe-bebê transforma-se, pela força do aparecimento de um novo elemento, em tríade. O pai surge como um outro dialético, capaz de suspender o desejo incestuoso pela mãe, por este ato de interdição, a mãe é dessexualizada como objeto primário e, assim, o infante identifica-se com a imagem do dono da mãe.

11 Com a triangulação originária, a criança se des- indentifica com o objeto-mãe e se identifica com o objeto-pai, para no final do processo dialético, chamado por Freud de complexo de Édipo, também se des-indentificar do segundo objeto. Ao fazer isto a criança não expurga totalmente os objetos primários de seu mundo interno, apenas promove dialeticamente uma síntese a partir dos resíduos imagéticos interiorizados e, através deste movimento, emancipa-se e fixa- se identitariamente como pessoa. Podemos chamar essa série dialética de: dialética-do-ser-para-ser. Segundo o que foi ensinado por Freud, a identificação secundária com o pai é muito importante para estabelecer um vínculo mais permanente entre o Eu e o mundo social. Para o mestre de Viena, a imagem do Pai é a representação da lei externa, uma metáfora da normatividade societária.

12 Mesmo aqueles que aculturam, não estão totalmente cônscios dos motivos de seu trabalho. Antes de a criança internalizar os seus pais como ideal, a mesma já está internalizada pelos mesmos como ideal familiar. Freud em seu artigo A Guisa de Introdução ao Narcisismo, explicou da seguinte maneira essa transação narcísica: A criança deve satisfazer os sonhos e os desejos nunca realizados dos pais, tornando-se um grande homem e herói no lugar do pai, ou desposar um príncipe, a título de indenização tardia da mãe. O ponto mais vulnerável do sistema narcísico, a imortalidade do Eu, tão duramente encurralada pela realidade, ganha, assim, um refúgio seguro abrigando-se na criança. O comovente amor parental, no fundo tão infantil, não é outra coisa senão o narcisismo renascido dos pais, que, ao se transformar em amor objetal, acaba por revelar inequivocamente sua antiga natureza (Freud, 2004, p.110).

13

14

15 O PENSAR EMPÁTICO O primeiro espelho da criatura humana é o rosto da mãe: a sua expressão, o seu olhar, a sua voz. [...] É como se o bebê pensasse: olho e sou visto, logo, existo! (D. Winnicott) O significado moral do mundo é um efeito colateral do tipo de relação que nos formou mais intimamente, portanto, uma moral humanista deve ser sentida e não compreendida intelectualmente.

16 O tipo de ética que aplicamos no contato com os nossos filhos, servirá sempre como filtro ou amplificador das tendências circunstanciais da vida social. O foco de atenção do raciocínio moral é determinado pelos valores internalizados pelo sujeito, assim sendo, a qualidade relacional da chamada ação social é sempre um sintoma de uma longa história de formatação pessoal.

17 Um ambiente primário positivo sedimenta os seguintes sentimentos necessários: 1) Auto Confiança 2) Autoestima 3) Amor Próprio 4) Empatia

18 O filósofo Mario Sergio Cortella escreveu o seguinte sobre a midiatização do cotidiano de uma criança moderna: Uma criança dos centros urbanos, a partir dos dois anos de idade, assiste, em média três horas diárias de televisão, o que resulta em mais de horas como espectadora durante um ano (sem contar as outras mídias eletrônicas como rádio, cinema e computador); ao chegar aos sete anos, idade escolar obrigatória, ela já assistiu a mais de horas de programação televisiva (Cortella, 2011, p. 48)

19 CRONOLOGIA PSICOAFETIVA 1ª Fase: Dependência absoluta 2ª Fase: Transicionalidade 3ª Fase: Maturidade Complexo de Édipo

20 TENDÊNCIAS NEURÓTICAS PASSIVAS: Um estado de carência prolongado normalmente se exterioriza pelos seguintes sintomas: 1)Necessidade indiscriminada de agradar e de ser estimado por todos; 2)Uma vivência pautada na meta de satisfazer às expectativas dos outros; 3)Fraqueza em defender seus próprios direitos; 4)Medo fóbico de ser abandonado; 5)Pavor de ficar sozinho.

21 Alguns desenvolvem uma necessidade neurótica de poder para eclipsar suas angustias: 1)Desejo de dominar pelo simples prazer de mandar; 2)Desrespeito essencial pelos outros, por seus sentimentos e opiniões. 3)Horror a situações incontroláveis; 4)Orgulho de sua capacidade de explorar outros; 5)Autoimagem exagerada (narcisismo). Os sintomas neuróticos, como fobias, depressões e uso de drogas lícitas e ilícitas, são em última análise, respostas existenciais aos conflitos internos. TENDÊNCIAS NEURÓTICAS ATIVAS:


Carregar ppt "Ministrante: Prof. Me. Marcos de Oliveira, Filósofo e Psicanalista. O bebê, que vê a mãe basicamente como o objeto que satisfaz todos os seus desejos -"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google