A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

(Catequistas. Século XXI. p )

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "(Catequistas. Século XXI. p )"— Transcrição da apresentação:

1 (Catequistas. Século XXI. p. 153-158)
Curso de iniciação à Catequese A CATEQUESE ACTIVA  (Catequistas. Século XXI. p ) Departamento Arquidiocesano da Catequese

2 A CATEQUESE ACTIVA ACTIVIDADE FINAL Tem como objectivo:
concretizar no catecismo da criança o que de mais importante se transmitiu; avaliar e melhor o grau de aprendizagem; personalizar e conduzir a uma maior vivência. Concretiza-se um três pequenos momentos: a) - reflectir através das gravuras e texto do catecismo; b) - saber o que deve decorar (doutrina e fórmulas); c) - viver – recordar o compromisso

3 A CATEQUESE ACTIVA O metodologia da catequese exposta não é constituída por passos ou momentos cronologicamente sucessivos ou separados e independentes. Ao contrário, apresentam-se muito interligados e interdependentes. O que é realmente importante é que o acto catequético dinamize os três elementos referidos e que, ao longo da catequese, se vá amadurecendo a fé do catequizando na linha duma confissão de fé cada vez mais madura e consciente e, sobretudo, arreigada à Palavra de Deus e mais significativa para a vida de cada dia.

4 A CATEQUESE ACTIVA 2. Importância das actividades no decorrer da catequese A actividade criativa ou criadora é uma necessidade de todo o homem: “o homem nasce Criador” Conjunto de actividades coordenadas e programadas antecipadamente e que fazem parte integrante da acção catequética. Nada de “fazer por fazer...” (ou activismo); todas as actividades devem estar programadas para responderem ao objectivo concreto de cada uma das catequeses.

5 Objectivos das actividades
A CATEQUESE ACTIVA Objectivos das actividades As actividades" são pois, momentos metodológicos que temos de ter em conta na hora de educar na Fé, de fazer catequese, para seja possível atingir por elas o “objectivo” criativo da catequese que queremos. ACTIVIDADE INTERIOR ACTIVIDA EXTERIOR Os objectivos das actividades em catequese são a motivação ou preparação do encontro, a explicitação, assimilação, interiorização, expressão pessoal, comprovação, revisão, compromisso, etc...

6 A CATEQUESE ACTIVA A catequese activa implica: a simpatia pessoal do catequista exercícios ou trabalhos (dinâmicas), etc.. os meios activos (indutivos) Para uma catequese activa contam não só as actividades, mas também a maneira como é conduzida a catequese: o ambiente de respeito; a expressão corporal do catequista; o tom de voz próprio de cada momento; o levantar e o sentar dos catequizandos; a vivacidade dos diálogos... São pequenos aspectos que devem ser cuidadosamente preparado e posto em prática.

7 As actividades dividem-se em vários tipos:
A CATEQUESE ACTIVA Classificação das actividades as actividades podem ser classificadas em dois grandes grupos, quanto aos intervenientes: individuais e grupais. São individuais as que podem ser desenvolvidas apenas por um catequizando; São colectivas, as que implicam a colaboração de vários, como facilmente se compreende. As actividades dividem-se em vários tipos: verbais expressão plástica dinâmicas expressão escrita.

8 A CATEQUESE ACTIVA Actividades verbais Diálogo, consulta a documentos, sínteses; Partilha oral, jograis, leituras dialogadas; Narrativa, fórum, entrevista, ressonâncias; Chuva de ideias; Foto-linguagem, foto-palavra; Foto-mensagem, diapositivos.

9 A CATEQUESE ACTIVA Expressão plástica Desenho, pintura, modelagem; Diapositivos, ilustrações, composições; Mapas, cartazes, painéis; etc.. Notas soltas, mas importantes - No desenho para os mais pequenos deve ter-se o cuidado de não impor mas sim propor.. Os mais retraídos se preferirem, podem escrever em vez de desenhar. Não distribuir o material sem que os catequizandos tenham pensado no que vão fazer. No final pedir-lhes que contem o que fizeram.

10 A CATEQUESE ACTIVA - O catequista guardará todos os trabalhos e, no fim do Ano organizará uma pastinha que entrega aos catequizandos como recordação. Entretanto deve explicar-se aos pais os valores do trabalho para que eles não caiam na tentação de os criticar negativamente. - Os diapositivos não são mais do que desenhos. Distribui-se o material, o papel vegetal ou outro suporte, já com os quadradinhos e os catequizandos desenham lá dentro. Depois, no mesmo encontro ou noutro projectam-se para todos verem. - Nunca corrigir erros ortográficos nem cair na tentação de premiar os trabalhos melhores. O que conta é o que representam, não a perfeição.

11 A CATEQUESE ACTIVA Dinâmicas Audição musical, expressão corporal; Mímica, representações, dramatizações; Canto, jograis, recolecções; Celebrações, visitas, poemas; Orações espontâneas; Montagens audiovisuais; Diaporamas, puzzles, Etc..

12 Completar frases ou textos; Folhas de análise, composições;
A CATEQUESE ACTIVA Expressão escrita Resposta a questionários; Completar frases ou textos; Folhas de análise, composições; Composição de orações ou frases; Sínteses escritas, dísticos; Etc..

13 A CATEQUESE ACTIVA Critérios e cuidados na escolha das actividades - A pessoa e o grupo de destinatários; - A finalidade e/ou o momento dentro do processo catequético; - As circunstâncias (o ambiente, o espaço e o tempo disponível); - Os elementos e estrutura da própria actividade. - Nunca propor uma actividade só para entreter;

14 A CATEQUESE ACTIVA Cuidados a ter na proposta de actividades em Catequese: - Analisar se as actividades propostas nos Guias são adequadas aos grupos que temos; - Nunca impor, mas sempre propor; - Apresentar as actividades de modo claro, completo, atraente e preciso; - Nunca troçar dum trabalho menos bem feito, nem permitir que o façam.

15 As actividades implicam o catequista e o catequizando.
São um meio e não um fim em si mesmas. Por isso, o problema não é só de criatividade, mas de coerência e selecção ajustada, em correspondência com todos os elementos que intervêm no processo educativo ou catequético. Assim, as actividades deverão ser suficientes, variadas, coerentes e ajustadas, significativas, complementares. Não basta a participação exterior. Trata-se da actividade interna na qual ninguém pode substituir ninguém (Cf. DGC, nº 157).

16  A tarefa do catequista é a de tentar que se produza esse movimento interior que capacita para reconhecer, a partir da própria realidade, a Palavra de Deus que convida a viver como filhos de Deus renovados no Espírito (Cf. DGC, nº 156). É em função desta finalidade que se escolhem determinadas actividades e não outras. A catequese não poderá enquadrar-se em nenhum esquema, recurso ou técnica, nem é resultado da acção do catequista. Actividades, materiais e catequista não passam de ajudas – quase imprescindíveis – para que a pessoa/grupo viva os vários momentos da catequese.ova a actividade e dinamismo interiores.

17 PARA CELEBRAR Tu és a suprema interrogação para muitos e também o máximo interrogante.  Tu és o mistério escondido, desde há séculos em Deus.  Tu és a força criadora, a face visível do Altíssimo invisível, a revelação do mesmo Deus, o Santo de Israel. Tu és o sacramento de Deus, Epifania do divino em nossa vida mortal.  Tu és o Amor encarnado, o mais distante e o mais perto, “todo outro e todo omnipresente”.  Tu és o Caminho, a Porta, a Verdade e a Vida. Tu és o fundamento da minha fé e das esperanças do mundo; és o Cristo de Deus, o Salvador.


Carregar ppt "(Catequistas. Século XXI. p )"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google