A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

VARIZES DOS MEMBROS INFERIORES PROF. ABDO FARRET NETO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "VARIZES DOS MEMBROS INFERIORES PROF. ABDO FARRET NETO."— Transcrição da apresentação:

1 VARIZES DOS MEMBROS INFERIORES PROF. ABDO FARRET NETO

2 ANAMNESE QUEIXA PRINCIPAL Veias salientes, Varizes Inchaço (Edema) Cansaço/dor postural e vespertina, com piora no período menstrual Alteração da cor da pele Estética!

3 H. PREGRESSA e COMORBIDADES V. Primárias... – Gestações – Obesidade, Ortostatismo prolongado, Sedentarismo V. Secundárias... – TVP/Tromboflebites de Repetição (TROMBOFILIAS) – Traumas (TVP, FAV...) – Internação hospitalar recente – Uso de drogas injetáveis (hospitalizações, adidos a drogas)

4 O EXAME CLÍNICO DO PAC. VARICOSO Ortostatismo, 360º – Observar e palpar o trajeto das Varizes – Identificar as origens dos refluxos – Localização de Perfurantes

5 O EXAME CLÍNICO DO PAC. VARICOSO Supina – Afastar insuficiência ARTERIAL! (Pulsos, Alt. tróficas)

6 O EXAME CLÍNICO DO PAC. VARICOSO Supina – Dermatoesclerose, hiperpigmentação – Edema unilat: 90% = origem venosa crônica (bilat e tempo curto hipoalbuminemia) – Assimetrias, medidas circunferência de tornozelos, panturrilhas e coxas

7 O EXAME CLÍNICO DO PAC. VARICOSO Supina – Presença de cordões fibrosos, colaterais venosas – Frêmitos, sopros – Inspeção dos pés, artrites, anquiloses,

8 Classificação CEAP: C línica, E tiologia, A natomia, Fisio P atologia CEAP 0 = sem sinais visíveis ou palpáveis de doença venosa CEAP 1 = Telangiectasias < 1mm; Varizes reticulares 1 a 3mm; CEAP 2 = Veias varicosas > 3mm

9 Classificação CEAP: Clínica, Etiologia, Anatomia, FisioPatologia CEAP 3 = Edemas de origem venosa CEAP 4a = Alterações tróficas (eczemas, hiperpigmentação) CEAP 4b = Alterações tróficas (atrofia branca, lipodermatoesclerose)

10 Classificação CEAP: Clínica, Etiologia, Anatomia, FisioPatologia CEAP 5 = Alterações tróficas + úlcera cicatrizada CEAP 6 = Alterações tróficas + úlcera Aberta

11 EXAMES COMPLEMENTARES ECODOPPLER (DUPLEX-SCAN)

12 EXAMES COMPLEMENTARES ECODOPPLER (DUPLEX-SCAN)

13 EXAMES COMPLEMENTARES ECODOPPLER (DUPLEX-SCAN)

14 EXAMES COMPLEMENTAES PLETISMOGRAFIA FLEBOGRAFIA FLEBO POR RM FLEBO POR ANGIO TC UTILIZADOS EM SITUAÇÕES ESPECIAIS !

15 EXAMES COMPLEMENTARES PLETISMOGRAFIA FLEBOGRAFIA

16 EXAMES COMPLEMENTAES FLEBO POR RM – Angio RM venosa

17 EXAMES COMPLEMENTAES FLEBO POR RM – Angio RM venosa

18 EXAMES COMPLEMENTAES FLEBO POR ANGIO TC

19 VARIZES DOS MMII DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL – Veias visíveis X Varizes (tortuosas e dilatadas) – Varizes primárias X secundárias !!! – Doença de Shamberg (Púrpura idiopática)

20 TRATAMENTO CONVENCIONAL DAS VARIZES DE MMII O DIAGNÓSTICO ETIOLÓGICO –> dita o tratamento mais adequado Esclarecer sobre o CARÁTER EVOLUTIVO da doença <> reavaliações periódicas O paciente deve participar ATIVAMENTE do tratamento, afastando fatores agravantes

21 TRATAMENTO CLÍNICO Medidas Gerais – Evitar sedentarismo, obesidade, ortostatismos prolongados. – Repouso em posição de Trendelemburg. Terapia Compressiva – I Suave: 15 – 20mmHg <> uso profilático – II Média: 20 – 30mmHg <> varizes insipientes, edemas e na gravidez – III Alta 30 – 40mmHg <> insuficiência venosa avançada e edemas importantes

22 TRATAMENTO CLÍNICO Medicamentos Venoativos – Reforçam o tônus da parede venosa, – Efeito anti-inflamatório, – Ajudam na drenagem linfática, a permeabilidade capilar Tópicos – Proteger e hidratar a pele – Combater eczemas e micoses cutâneas Escleroterapia Estética Varicorragias Ajudar na cicatrização em algumas úlceras venosas

23 TRATAMENTO CIRÚRGICO Contra-indicações – Úlcera Infectada – Isquemia no membro afetado por varizes – PULSOS (+) ! – Sistema Venoso Profundo ocluído ou ausente - História, Ecodoppler, Flebografia s/n – Gravidez – Discrasias sanguíneas – Linfedema...

24 TRATAMENTO CIRÚRGICO Safenectomia Interna (parcial, total) Safenectomia Externa (parcial, total)

25 TRATAMENTO CIRÚRGICO Termoablação: Radiofrequência, Laser.

26 TRATAMENTO CIRÚRGICO Ligadura de perfurantes

27 TRATAMENTO CIRÚRGICO Radiofrequência para perfurantes

28 TRATAMENTO CIRÚRGICO Excisões de colaterais varicosas

29 TRATAMENTO CIRÚRGICO Excisões de colaterais varicosas

30 TRATAMENTO CIRÚRGICO Excisões de colaterais varicosas

31 TRATAMENTO CIRÚRGICO Excisões de colaterais varicosas

32 ESCLEROTERAPIA Convencional Com Espuma, Crio-escleroterapia, Laser

33 TRATAMENTOS - RESUMO TELANGIECTASIAS (Microvarizes) – Escleroterapia VARIZES PRIMÁRIAS – Tto. Clínico (paliativo) – Tto. Cirúrgico VARIZES SECUNDÁRIAS – Tratar a Causa qdo. possível INSUFICIÊNCIA VENOSA DO SISTEMA PROFUNDO – Tto. Clínico – Tto. Cirúrgico em situações especiais

34 CONCLUSÃO A doença varicosa é de aparecimento freqüente na prática médica, sendo suas manifestações clínicas de intensidade bastante variáveis.

35 CONCLUSÃO O correto diagnóstico e tratamento das varizes, promovem o alívio das queixas imediatas, evitando ou reduzindo complicações que tirem o paciente do convívio da sociedade.

36 AULA DISPONÍVEL NOS SITES – – EM AULAS E PALESTRAS


Carregar ppt "VARIZES DOS MEMBROS INFERIORES PROF. ABDO FARRET NETO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google