A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O drama de um alcoólatra Psicografado por: Divaldo Pereira Franco Espírito: M....

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O drama de um alcoólatra Psicografado por: Divaldo Pereira Franco Espírito: M...."— Transcrição da apresentação:

1

2 O drama de um alcoólatra Psicografado por: Divaldo Pereira Franco Espírito: M....

3 A garganta arde-me. Parece que são brasas queimando e queimando... Tenho que tomar uma dose! Estou sóbrio. Necessito de um trago! Eu me recuso o nome de alcoólatra. Tomo somente aperitivos de fim de semana: sábado e domingo e nada mais.

4 É claro que, durante a semana, eu tomo um pouco de estímulo aqui, uma dose ligeira ali, um coquetel à tarde, antes do jantar, mas não sou alcoólatra. Dizem que o alcoólatra é aquele que tem delirium tremens. Eu não cheguei a este ponto. Às vezes, fico é desvairado. Essas alucinações, porém, ocorrem porque eu ando adoentado, mas não é da bebida.

5 Tenho amigos que bebem muito mais do que eu, e no entanto, não são alcoólatras. Reconheço que tenho o organismo fraco; uma dose ligeira, às vezes, atordoa-me. É natural. Eu não espanco a esposa nem maltrato meus filhos. O que falam a este respeito é mentira. Devem ser salteadores que entram na minha casa, fazem isto por mim, e ela, depois, acusa-me.

6 Necessito de uma dose urgente, porque estou a ponto de enlouquecer. Ando também todo quebrado. Foi o acidente. Eu não vi direito o que ia acontecer.

7 Tenho a impressão que era uma alucinação. Passei a ter tantas! O baque foi surdo. Mas, ante aquele monstro crescendo na minha frente, fiquei petrificado. Passou por cima de mim, esmigalhando-me os ossos. Depois, foi aquele escuro, e a dor selvagem. Após, caí num túnel profundo. Não sei!

8 Muitos fantasmas surgiram em volta de mim, querendo beber pela minha boca. Eu também estou querendo beber! Tenho necessidade de ingerir um copo. Não é que eu seja viciado. É verdade que a bebida degrada o homem. Já fui internado. A mulher traiu-me; todavia, mesmo ali eu tomei até álcool. Não ia morrer abstêmio. Fiquei bom!

9 Uma reunião social, um trabalho, e já surge o uísque. Trata-se de uma bebida elegante que se usa, sem ser vício. É que hoje estou com mais sede. Ando procurando quem me sirva um gole. Então eu me acalmo, advém-me a lucidez e aí me dou conta de que estou no lugar em que não sei se é onde estou... Eu preciso de um trago para encontrar-me comigo mesmo. É isto que eu sofro, é o inferno.

10 Eu tropeço com alcoólatras, mas eu não o sou; eles sim. Estão delirando e gritam. Talvez, eu esteja internado novamente. Mas, é tão sombrio tudo isto; é muito sombrio aqui. É muito enigmático tudo isto; tudo é muito enigmático. Eu preciso de um trago para aplacar esta sede ou me tornarei violento.

11 Eu o conseguirei de qualquer forma. Se for necessário roubar e matar, pois, eu o farei. Necessito de acalmar esta sede que me devora, que arde em mim. Lá vem o caminhão! Salve-me alguém! Lá vem o caminhão outra vez. Isto é um delírio, certamente. Lá vem, olha o monstro! Vai engolir-me, vai engolir-me! M....

12 Nota: Apesar de carinhosamente trazido à reunião, este espírito prosseguiu sofrendo, mesmo após o socorro de que foi alvo. Como não há violência nas Leis de Deus, tão logo ele se reconheceu melhor, não conseguindo vencer o vício que lhe instalara graves lesões no períspirito, deixou-se atrair ao sítio donde fora recolhido, retornando à aflição que o desarvora. Não obstante, periodicamente será assistido pelos Bons espíritos, até o momento em que consiga iniciar a sua reeducação.

13 Montagem: Lucas Milagre Música: Livre-Arbítrio – Nando Cordel 2012 Mensagem retirada do livro Depois da Vida, psicografado por Divaldo Franco, através de Espíritos Diversos.

14 FIM


Carregar ppt "O drama de um alcoólatra Psicografado por: Divaldo Pereira Franco Espírito: M...."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google