A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Profª Vivian Zaboetzki Dutra. É a interrupção da gravidez antes da viabilidade fetal (menos de 20 semanas). Tipos de aborto: Espontâneo: acontece sem.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Profª Vivian Zaboetzki Dutra. É a interrupção da gravidez antes da viabilidade fetal (menos de 20 semanas). Tipos de aborto: Espontâneo: acontece sem."— Transcrição da apresentação:

1 Profª Vivian Zaboetzki Dutra

2

3 É a interrupção da gravidez antes da viabilidade fetal (menos de 20 semanas). Tipos de aborto: Espontâneo: acontece sem qualquer interferência externa. Provocado ou induzido: ocorre em decorrência da destruição (por meio de sucção, injeção de substâncias tóxicas na cavidade uterina, curetagem, etc.) do ovo sadio e normalmente implantado. Podendo ser: b.1) Terapêutico: Estupro ou risco de vida materna; b.2) Criminoso: não existe indicação legal Sinais e Sintomas: Dor (tipo cólica) no baixo-ventre e hemorragia exteriorizada por via vaginal.

4 Formas clínicas e Tratamento específico. Ameaça de abortamento : neste caso, existe a possibilidade de a gravidez prosseguir (70 a 80%). Abortamento iminente: neste também existe a possibilidade de a gestação prosseguir, porém em menor porcentagem (20 a 30%). O tratamento compõe-se de: medidas de apoio psicológico(tranqüilizar sem exibir otimismo); repouso no leito(evitando excesso de movimentos); administração de medicamentos antiespasmódico e analgésicos prescrito; abstinência sexual. Abortamento inevitável: neste caso, a gravidez não tem mais possibilidade de proseguir, pois a paciente apresenta cólicas intensas, colo dilatado em mais de 2cm e sangramento abundante. Abortamento em evolução: o ovo já se desprendeu, mas não foi expluso. Abortamento incompleto : neste, apenas parte do ovo foi expulso, continuando as cólicas e hemorragia. O tratamento, nestes casos, depende do sangramento. Caso esteja profuso, o médico deverá intervir com rapidez. Abortamento completo : aqui, após as cólicas e sangramento acentuados, elimina-se todo o produto da concepção. O tratamento consta de observação do sangramento e de repouso. Abortamento infectado : neste caso, há penetração de agentes patogênicos na cavidade uterina. O tratamento consta, inicialmente, da remoção do foco infeccioso, de antibioticoterapia e acompanhamento da resposta orgânica ao tratamento.

5 Cuidados de Enfermagem: manter a paciente em repouso e aquecida; verificar e registrar o sinais vitais; observar e registrar o sangramento vaginal; observar e comunicar à enfereira ou médico, caso a paciente apresente sinais de choque; administrar medicação prescrita; encaminhar e orientar a paciente quanto aos exames complementares. fazer tricotomia pubiana; nos casos de abortamento provocado, esclarecer a paciente quanto aos seus riscos; nos casos de ameaça de aborto e abortamento iminente, evitáveis, orientar e incentivar quanto às consultas pré-natais; nos casos de abortamento habitual, orientar a paciente quanto à importância de um acompanhamento médico antes de engravidar novamente.

6

7 É a implantação do ovo fora do seu lugar normal (cavidade uterina). Pode ser classificada em: Tubária: quando o ovo se implanta na tuba uterina. Ovárica: quando o ovo se implanta no ovário. Abdominal: quando o ovo se implanta na cavidade abdominal.

8

9 Causas: atraso na captação do óvulo; interrupção ou atraso na migração do ovo; sequelas de salpingites; anomalias tubárias. Sinais e sintomas: História de atraso menstrual: Dor na fossa ilíaca direita ou esquerda (depende do lado acometido); discreto sangramento; presença de todos os sinais de inicio da gravidez; Ruptura seguida de: Dor súbita e forte; sinais de choque; sangramento vaginal (pode ou não estar presente). Tratamento: cirúrgico.

10 Cuidados de Enfermagem: preparo psicológico; observação e registro dos sinais vitais; orientar a paciente quanto aos exames complementares (exame ginecológico e tipagem sanguínea); observar e registrar perdas sanguíneas; puncionar veia calibrosa pra infusão de medicamentos e volume (CPM); observar e comunicar a enfermeira ou médico sinais de choque; tricotomia abdominal e pubiana; encaminhar ao CO ou CC; após a cirurgia: cuidados pós-operatórios gerais.

11

12 É também conhecida como vômitos incoercíveis ou perniciosos da prenhez. Ocorre quando as náuseas e vômitos na gravidez se intensificam, tornando-se uma sintomatologia grave, o que requer hospitalização, devido a repercussão clínica de seus efeitos. As causas permanecem obscuras; tem sido atribuída a fatores alérgicos, a reflexos endócrinos.

13 Sinais e sintomas : Náuseas e vômitos persistentes, impossibilitando a ingestão de qualquer alimento; epigastralgia; soluços; pirose gástrica; sede intensa; perda de peso; desidratação; deficiência nutricional. Em casos não tratados, instala-se cetose, icterícia, febre, neurite periférica, levando a morte da gestante por insuficiência hepatorrenal. Tratamento: Combate ao enjôo matinal; hospitalização; repouso; alimentação ponderal; combate a desidratação; vitaminoterapia; uso de tranqüilizantes, sedativos e anti- histáminicos; balanço hídrico rigoroso; acompanhamento psicológico.

14 Cuidados de Enfermagem: manter a paciente em repouso; observar e instalar infusões venosas; controlar náuseas e vômitos; anotar líquidos ingeridos e eliminados; observar a aceitação da dieta, que deve ser conforme a prescrição médica; providenciar material para higiene oral, sempre que necessário; verificar sinais vitais.

15

16 É a degeneração cística das vilosidades coriônicas, que se apresentam sobre a forma de aglomerado de vesículas, semelhante a um cacho de uva. Causa: Desconhecida Sinais e sintomas: Náuseas e vômitos freqüentes; aumento rápido do útero, desproporcional a idade gestacional; útero de consistência mole; hipertensão, edema e proteinúria antes de 24º semana; hemorragias espontâneas, indolores e sem causa aparente; diminuição do volume uterino após o sangramento; eliminações de vesículas por via vaginal; alterações no estado geral da paciente: emagrecimento, palidez, dispnéia, taquicardia; ausência de BCF, de esqueleto e de movimentos fetais. Tratamento: esvaziamento uterino; acompanhamento clínico; dosagem de gonadotrofina coriônica (HCG) até total inativação; quimioterapia.

17

18 Cuidados de Enfermagem: apoio psicológico; observar e registrar perdas vaginais; verificar e registrar sinais vitais; observar sinais de choque e comunicá-los imediatamente à enfermeira ou ao médico; administrar os medicamentos prescritos; fazer tricotomia pubiana e perianal.

19

20 É uma patologia do sistema amniótico, que se caracteriza pela alteração da quantidade normal do líquido amniótico. Próximo ao termo, essa quantidade varia entre 500 a 1700ml. Causas: desconhecida, estando freqüentemente associada a malformações fetais e gestações complicadas. Sendo que a instalação pode ser súbita ou gradual.

21 Define-se como sendo o volume excessivo de líquido amniótico. Existem duas formas, aguda e crônica. A primeira é rara, surge mais precocemente (2º trimestre), podendo atingir volumes superiores a três litros. A segunda mais freqüente tem inicio os últimos meses de gravidez, podendo o aumento de líquido ser gradual. Na forma crônica, o prognóstico fetal é melhor. O diagnóstico é feito através de observação clínica: aumento do útero em desproporção com a idade gestacional; dificuldade na ausculta e determinação da posição e partes fetais; distensão do abdome com sua pele lisa e brilhante; atonia uterina; desconforto respiratório. Tratamento: Faz-se a retirada do excesso de líquido pela amniocentese, isso quando as condições maternas exigirem. Tal procedimento é realizado pelo médico, com os cuidados necessários.

22

23 É a redução acentuada na quantidade de líquido amniótico. O diagnóstico antes do parto raramente é determinado: observa-se um volume uterino pequeno; certifica-se pelo pequeno escoamento do líquido, configurando-se o chamado parto seco.

24

25

26 É o deslocamento precoce da placenta, ou seja, antes da expulsão do feto. Qualquer área de deslocamento (parcial ou total), provoca hemorragia, que pode ser interna ou externa. Este é um dos acidentes mais sérios em obstetrícia, sendo responsável por altos índices de óbito fetal e materno, caso não haja intervenção imediata. Causas: Desconhecida, podendo ser associada com: Traumatismo sobre o ventre; cordão umbilical muito curto; toxemia gravídica; hipertonia uterina.

27 Sintomas: Dor abdominal súbita, violenta e persistente; sinais de choque; hipertonia uterina; BCF evidenciando sofrimento fetal; Hemorragia (externa: eliminações de sangue e coágulos por via vaginal; interna: útero hipertônico (sem contração e relaxamento alternados), volume aumentado. Tratamento: Fica na dependência do grau de deslocamento, das perdas sanguíneas e do estágio do trabalho de parto.

28

29 Cuidados de Enfermagem: ouvir as queixas da paciente para detectar precocemente o acidente; palpar o abdome para identificar hipertonia uterina; verificar os sinais vitais com freqüência; comunicar imediatamente à enfermeira ou ao médico quando vigente alguma anormalidade durante o trabalho de parto; puncionar veia calibrosa e observar infusões venosas; auscultar BCF com freqüência; preparar e encaminhar a paciente ao CO, conforme orientação médica

30

31 É a inserção ou implantação da placenta no segmento inferior do útero. Tipos: Total: a placenta cobre completamente do orifício cervical. Parcial: a placenta cobre apenas parte do orifício cervical. Marginal: a placenta atinge a margem do orifício cervical não o obstruindo. Causas: Desconhecida, ocorrendo frequentemente em multíparas e em mulheres com antecedentes de aborto e ou curetagem.

32

33 Sinais e sintomas: O sinal clássico do quadro é hemorragia indolor, sem causa aparente, ocorrendo, via de regra, no 3º trimestre. O sangue é vermelho vivo, sem coágulos. Tratamento: Hospitalização e repouso; controle dos sinais vitais; controle do BCF; tipagem sanguínea; hematócrito controlado. Cuidados de Enfermagem: verificar e anotar os sinais vitais, especialmente PA; observar e registrar perdas sanguíneas; auscultar e registrar BCF; comunicar à enfermeira ou médico em casos de sangramento abundante e/ou BCF alterado; após o parto, observar o sangramento.

34

35 Consiste na rotura das membranas antes do trabalho de parto, situação que aumenta a morbi- mortalidade materna e perinatal, advinda da possibilidade de infecção da cavidade uterina. Tal possibilidade aumenta com o número de horas decorridas entre a rotura das membranas e o parto. É responsável pela maioria dos casos de infecção puerperal. Causas: Variáveis, podendo entre outras causas ser atribuída: a fragilidade das membranas, a processos inflamatórios; a apresentações anômalas.

36

37 Diagnóstico: no caso de rotura baixa, o diagnóstico é evidente, dada a quantidade de líquido que escoa pela vagina. Tratamento: varia conforme a idade gestacional. Cuidados de Enfermagem: atenção às queixas da paciente; tranquilizar a paciente; manter roupas de cama sempre limpas; administrar medicação COM; anotar eliminações por via vaginal. verificar os sinais vitais.

38

39 O corpo precisa produzir insulina extra para atender às necessidades do bebê principalmente da metade da gravidez em diante. O nível de açúcar no sangue pode subir devido às mudanças hormonais da gravidez, que interferem na ação da insulina. Exames pré-natais: glicemia de jejum e curva glicêmica. O excesso de açúcar no sangue atravessa a placenta e chega ao bebê, fazendo com que ele cresça demais. Um bebê muito grande pode dificultar o parto. Mais propenso a ter icterícia e hipoglicemia após o parto, e a apresentar problemas respiratórios.

40

41 A DHEG é uma das principais causas de morbidade e mortalidade materna e perinatal, ocorre em cerca de 10% de todas as gestações, mais comuns em mulheres: Nulíparas, em gestação múltipla, com hipertensão há mais de quatro anos, história de hipertensão em gravidez prévia, presença de doença renal, história familiar de pré-eclâmpsia

42 Hipertensão arterial crônica : Corresponde a hipertensão de qualquer etiologia (nível P.A:140/90mmhg) presente antes da gravidez ou diagnosticada até a 20ª semana de gestação e permanece após o purpério. Mulheres hipertensas que engravidam tem maior risco de desenvolver pré-eclâmpsia e eclâmpsia.

43 Pré-eclâmpsia: Na presença da tríade clássica - hipertensão, edema e proteinúria( > 300mg/24h), geralmente ocorre após a 20 ª semana de gestação, perda progressiva de função renal, disfunção hepática, plaquetopenia.

44 Pré-eclâmpsia: Na presença da tríade clássica - hipertensão, edema e proteinúria( > 300mg/24h), geralmente ocorre após a 20 ª semana de gestação, perda progressiva de função renal, disfunção hepática, plaquetopenia.

45 Eclâmpsia: Na presença de convulsões ou coma, pode ocorrer na gravidez, no parto e purpério imediato. Sinais eclâmpsia iminente: visão, turva,diplopia,escotomas cintilantes,cefaléia, tontura e perda consciência, insuficiência cardíaca,edema pulmonar, hemorragia retiniana, exsudatos, edema de papila,restrição de crescimento fetal e Oligodrâmnio.

46 Tratamento não medicamentoso da hipertensão: Dieta com teor reduzido de sódio(< 2,4 g /dia), ingestão de frutas, verduras, legumes, cereais integrais, leguminosas, leite e derivados desnatados, redução da ingestão de gorduras saturadas, trans e colesterol, atividade física regular (caminhadas de duas a três vezes/semana), hidroginástica. Tratamento medicamentoso na hipertensão: A meta principal do tratamento é reduzir o risco materno, mas a escolha do medicamento é mais dirigida para a segurança do feto. Gestantes com hipertensão leve/moderada: podem ser tratadas com metildopa ou betabloqueadores (risco:diminuem a perfusão placentária), sempre que possível suspender a medicação realizando rigorosa monitorização dos níveis pressóricos e dos sinais de pré- eclâmpsia.

47 Tratamento na pré-eclâmpsia: Indicativos de urgência: P.A Diastólica > ou =110mmHg com ausência de sintomatologia clínica. Drogas mais utilizadas: Hidrazalina, Nefidipina, Furosemida. Indicativos de emergência: P.A Diastólica > ou =110mmHg com presença de sintomatologia clínica. O controle pressórico deve ser rápido, no máximo em 1 ou 2 horas.

48 Tratamento na eclâmpsia: Manter as V.A livres para reduzir o risco de aspiração, oxigenação com instalação de cateter nasal ou máscara de oxigênio úmido (5l/min), sondagem vesical de demora, punção venosa em veia calibrosa, terapia anti-hipertensiva e anticonvulsivante. Sulfato de magnésio : Droga anticonvulsivante de escolha, a grande vantagem sobre as demais anticonvulsivantes consiste no fato de não produzir depressão do sistema nervoso central, mais importante que interromper uma convulsão já iniciada é a prevenção de uma nova crise. Esquema misto EV/IM para transferência da gestante: Administrar Sulfato de magnésio 4g (4 amp. a 10% ou 2 amp. a 20%), EV lentamente em 20 min, logo após aplicar mais 10g de Sulfato de magnésio a 50% ( 2 amp.) divididas em duas aplicações IM, uma amp. (5 g) em cada glúteo profundamente.

49 Síndrome de HELLP "HELLP" significa os três principais elementos da síndrome: (H) hemólise, (EL) enzimas hepáticas elevadas e (LP) baixa contagem de plaquetas. A hemólise envolve a destruição dos glóbulos vermelhos. Embora a causa da HELLP ainda não seja completamente entendida, a síndrome pode levar a insuficiência cardíaca e pulmonar, hemorragia interna, acidente vascular cerebral e outras complicações graves na mãe. Ela também pode levar a placenta a se descolar prematuramente da parede uterina, o que pode resultar em morte fetal. Outras complicações sérias para o feto incluem crescimento uterino restrito e síndrome da angústia respiratória. A maioria das mulheres afetadas desenvolve HELLP no terceiro trimestre, embora a condição às vezes se desenvolva no segundo trimestre ou na semana seguinte ao parto.

50 Sintomas e diagnóstico : Fadiga, mal-estar generalizado, dor na parte superior direita do abdome, náuseas e vômitos, dor de cabeça, retenção de líquidos acompanhada por ganho de peso, convulsões. A síndrome de HELLP é difícil de diagnosticar, pois se assemelha aos sintomas de outras doenças. Por isso, deve-se procurar atendimento a fim de realizar diagnóstico diferencial.

51

52 A mulher é suscetível a ITU pela anatomia(uretra mais curta); Hábitos de higiene, as relações sexuais, traumatismos da uretra,a gravidez, o climatério(devido ao hipoestrogenismo),a menopausa,o diabetes,os cálculos renais são fatores predisponentes. E. coli que é o patógeno responsável por 80% das infecções urinárias. Na gravidez há diminuição da imunidade celular. Estima-se que 15% das gravidas são susceptíveis a um quadro de infecção urinária. Tratamento: Antibioticoterapia.

53 Para entender melhor as ITUs, veja abaixo como podem ocorrer: Bacteriúria assintomática A cultura de urina (urocultura) é positiva em gestantes sem sintomas Cistite A urocultura é positiva, existe pus na urina, dor para urinar (final da micção), micções freqüentes e urina de quatro ou mais vezes à noite Pielonefrite aguda Urocultura positiva, pus em grande quantidade na urina, febre, dor à percussão (batidas com o punho) da região lombar, regular ou mau estado geral, podendo evoluir com pus no sangue (septicemia)


Carregar ppt "Profª Vivian Zaboetzki Dutra. É a interrupção da gravidez antes da viabilidade fetal (menos de 20 semanas). Tipos de aborto: Espontâneo: acontece sem."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google