A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

4 – RESÍDUOS SÓLIDOS ORIGEM E COMPOSIÇÃO Centro de Ciências Humanas Letras e Artes Departamento de Geografia Curso de especialização em Gestão Ambiental.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "4 – RESÍDUOS SÓLIDOS ORIGEM E COMPOSIÇÃO Centro de Ciências Humanas Letras e Artes Departamento de Geografia Curso de especialização em Gestão Ambiental."— Transcrição da apresentação:

1

2 4 – RESÍDUOS SÓLIDOS ORIGEM E COMPOSIÇÃO Centro de Ciências Humanas Letras e Artes Departamento de Geografia Curso de especialização em Gestão Ambiental Urbana Disciplina: Gestão dos Resíduos Sólidos e Limpeza Urbana Professor: Sérgio Bezerra Pinheiro

3

4 O QUE É LIXO? DENOMINA-SE LIXO OS RESTOS DAS ATIVIDADES HUMANAS, CONSIDERADOS PELOS GERADORES COMO INÚTEIS OU DESCARTÁVEIS. NORMALMENTE, APRESENTA-SE SOB ESTADO SÓLIDO, SEMI-SÓLIDO OU SEMI-LÍQUIDO. ( ABNT, 1987)

5 DEDEONDEONDEVEM OVEM OLIXO?LIXO?DEDEONDEONDEVEM OVEM OLIXO?LIXO? O lixo é fruto das diversas atividades da população, podendo ter origem nas:

6 GERAÇÃO DE RESÍDUOS A geração de resíduos domiciliares no Brasil é de cerca de 0,6 a 0,7 kg/hab./dia e mais 0,3 kg/hab./dia de resíduos de varrição, capina, poda, entulho, etc. Algumas cidades com São Paulo e Rio de Janeiro essa produção pode alcançar 1,3 kg/hab./dia.

7 C U R I O S I D A D E S C U R I O S I D A D E S

8 O LIXO E O MEIO AMBIENTE

9 TEMPO DE DECOMPOSIÇÃO DO LIXO

10 DESTINAÇÃO DO LIXO NO BRASIL

11 Os lixões são grandes áreas onde o lixo é lançado a céu aberto, sem qualquer critério ou cuidado, contaminando o ambiente e ameaçando a saúde da população.

12 Características do lixo: devem ser determinadas através de amostragem seguindo procedimento da NBR /87. As características devem ser determinadas pois a partir das mesmas é possível se determinar a melhor tecnologia para acondicionamento, tratamento e ou reaproveitamento e destinação final do resíduo. Características Físicas dos RS Urbanos a)Composição gravimétrica b)Peso específico Média p/ RSU ~ 250 (kg/m 3 ) c)Teor de umidade d)Compressibilidade ou grau de compactação e)Geração per capita - 0,5 a 0,9 Kg/hab.dia média para o Brasil.

13 a) Composição Gravimétrica

14 Fonte: IDEMA, 2002

15 Os materiais têxteis estão presentes em maior quantidade nos municípios onde existe indústrias e cooperativas de confecções de pequeno porte. O maior percentual foi identificado em Caicó 12,24%; A quantidade de inertes variou de 10,98% no município de Parnamirim, até 55,92% no município de Macau. A média de 35,51% demonstra que os inertes são os maiores componentes em peso dos resíduos sólidos, dentre os municípios pesquisados. De uma maneira geral, pode-se observar que a composição dos resíduos gerados nos municípios do Rio Grande do Norte tem características peculiares de acordo com a região, atividade econômica e o poder aquisitivo da população.

16 O percentual de matéria orgânica (restos de alimentos) varia de 69,19% em Parnamirim a 16,12% em Caicó, pode ser explicado pelo forte hábito da população nas cidades de menor porte, nas periferias das maiores cidades e tradicionalmente em algumas regiões do Estado, da reutilização dos restos de alimento para nutrição animal, principalmente de suínos

17 Lixo misturado oriundo da descarga dos caminhões Tambores de 200 litros Amostra com 400 litros Pilha "A" ) Descarregar os caminhões em local previamente escolhido; 2) Coletar, na pilha resultante da descarga depois de homogeneizada, quatro amostras de 200 litros cada (utilizar tambores), três na base em pontos eqüidistantes e uma no topo. Antes da coleta proceder o rompimento dos receptáculos, (sacos plásticos em geral) e homogeneizar o máximo possível os resíduos nas partes a serem amostradas. O IPT/ CEMPRE aconselha amostras de 100 litros; 3) Compor uma pilha "A", com o material de duas amostras (2ª e 4ª), misturado e homogeneizando o máximo possível; Determinação da Caracterização Gravimétrica QUARTEAMENTO

18 Amostra com 400 litros Pilha "A" Amostra com 200 litros Pilha "B" Recipientes de 50 litros ) Coletar da pilha "A" 04, quatro amostras de 100 litros cada em pontos distintos na massa do lixo; 5) Selecionar duas amostras (1ª e 3ª) e formar uma pilha "B"; 6) Compor uma pilha "B", com o material amostrado, misturado e homogeneizando o máximo possível; 7) Coletar da pilha "B" 04, quatro amostras de 50 litros cada em pontos distintos na massa do lixo; 8) Separar duas amostras; 9) Fazer a caracterização com uma amostra final de 100 litros Amostra de 100 litros para separação e pesagem Recipientes de 100 litros

19 9 A caracterização é feita após a separação dos materiais, pesagem de cada classe obtida e cálculo das percentagens individuais. Por exemplo: Metal (%) = Peso da fração metal (kg) x 100 Peso total da amostra (kg) Amostra de 100 litros para separação e pesagem

20 Determinação da Caracterização Gravimétrica QUARTEAMENTO

21 SEMANA1ª 2ª3ª DATA29/Mar 30/Mar08/Abr16/Abr17/AbrTOTAL% DIA/SEMANASEG TERQUISEXSÁB M. Orgânica5,1008,85011,1006,80010,60010,00052,4535,96 Papel/ Papelão 5,000 1,4502,2003,9000,80018,3512,58 Plástico Duro0,5000,6250,9001,2000,8000,3004,332,97 Têxtil0,4001,3000,2000,5000,3002,701,85 Couro1,0001,000,69 Borracha0,200 0,400,27 Madeira1,0000,4000,1001,501,03 Folhas e Galhos 11,0008,4003,3000,10022,8015,63 Coco1,6003,4005,003,43 Ossos0,00 Inertes1,5001,8005,0009,3002,50020,1013,78 Baterias0,0500,0400,090,06 TOTAL28,60022,56029,35016,60032,50016,240145,85 Exemplo: Caracterização dos resíduos sólidos da cidade de Natal – Trechos da zona Leste (PINHEIRO, 1999)

22 b) Peso Específico É o peso dos resíduos em função do volume por eles ocupados, expresso em kg/m 3. Sua determinação é fundamental para o dimensionamento da frota de coleta, conteineres e caçambas estacionárias. Peso específico = Peso os resíduos (kg) Volume dos resíduos (m 3 ) Exemplo: Com as informações dos Trechos da zona Leste (PINHEIRO, 1999), vamos determinar o Peso Específico dos resíduos. Peso específico = 145,85 kg = 243,08 kg/m 3 6 amostras x 0,1 m 3

23 c) Teor de Umidade Esta característica tem influência decisiva, principalmente nos processos de tratamento e destinação do lixo. Varia muito em função das estações do ano e da incidência de chuvas. Tem influencia direta sobre a velocidade de decomposição da matéria orgânica, na produção de chorume, no calor específico e no peso específico. d) Compressibilidade ou Grau de Compactação Também conhecida como grau de compactação, indica a redução de volume que uma massa de lixo pode sofrer, quando submetida a uma pressão determinada. A compressividade do lixo situa-se entre 1:3 e 1:4 para uma pressão equivalente a 4 kg/cm2. Tais valores são utilizados para dimensionamento de equipamentos compactadores.

24 e) Geração per capita Relaciona quantidade do lixo gerado diariamente e o número de habitantes de determinada região. Muitos técnicos consideram de 0,5 a 0,8 kg/habitante/dia como a faixa de variação média para o Brasil. Fundamental para se projetar todas as unidades que compõem o sistema de limpeza urbana. Exemplo: Fonte: PINHEIRO, 2000

25 QUANTO PRODUZIMOS DE RESÍDUOS NA Região Metropolitana de Natal? São produzidos cerca de 735 toneladas de resíduos sólidos domiciliares por dia

26 Características Químicas dos RS Urbanos a)Poder calorífico b)pH c)Relação C/N d)Teor de matéria Orgânica e)Teor de cinzas, fósforo, cálcio, potássio, resíduos minerais totais e solúvel, e gorduras

27 a) Poder calorífico Indica a capacidade potencial de um material desprender determinada quantidade de calor quando submetido à queima. Informação importante para sistemas de queima de resíduos que objetivem alcançar temperaturas elevadas visando não só a sua redução mas a geração de calor. O Poder Calorífico médio do lixo domiciliar situa-se na faixa de kcal/kg. b) pH Indica o teor de acidez ou alcalinidade dos resíduos. Em geral situa-se na faixa de 5 a 7

28 c) Relação C/N Indica o grau de decomposição da matéria orgânica do lixo nos processos de tratamento/disposição final. Em geral essa relação encontra-se na ordem de 35/1 a 20/1. d) Teor de matéria Orgânica, de cinzas, fósforo, cálcio, potássio, resíduos minerais totais e solúvel, e gorduras Importante conhecer, principalmente quando se estudam processos de tratamento aplicáveis ao lixo.

29 Características Biológicas São aquelas determinadas pela população microbiana e pelos agentes patogênicos presentes nos resíduos. São importantes pois em conjunto com as características químicas, permitem que sejam selecionados os métodos de tratamento e disposição final mais adequados. O seu conhecimento tem sido utilizado no desenvolvimento de inibidores de cheiro e de retardadores (inibidores de cheiro em veículos de coleta)/aceleradores da decomposição da matéria orgânica (aceleradores de compostagem)

30 Fatores que influenciam as características os resíduos sólidos: a) Climáticos: Chuvaaumento do teor de umidade Outono aumento da quantidade de folhas Verãoaumento das embalagens de bebidas b) Épocas especiais: Carnavalaumento do teor das embalagens de bebidas Férias escolaresaumento da população em locais de veraneio Natal/ano novoaumento das embalagens de bebidas aumento de matéria orgânica

31 c) Demográficos: População Urbanaquanto maior a população urbana, maior a geração per capta d) Socio econômicos: Nível Culturalquanto maior o nível cultural, maior a incidência de materiais recicláveis e menor a incidência de matéria orgânica Poder aquisitivoquanto maior o nível cultural, maior a a incidência de materiais recicláveis e menor a incidência de matéria orgânica Nível educacionalquanto maior o nível cultural, menor a incidência de matéria orgânica

32


Carregar ppt "4 – RESÍDUOS SÓLIDOS ORIGEM E COMPOSIÇÃO Centro de Ciências Humanas Letras e Artes Departamento de Geografia Curso de especialização em Gestão Ambiental."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google