A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

VIRTUDES - 4ª SÉRIE C - TANCREDO DE ALMEIDA NEVES Professora: Sargimara Gomes dos Santos Professora Mediadora: Elenir Borlot Souza Barbosa Pedagoga: Márcia.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "VIRTUDES - 4ª SÉRIE C - TANCREDO DE ALMEIDA NEVES Professora: Sargimara Gomes dos Santos Professora Mediadora: Elenir Borlot Souza Barbosa Pedagoga: Márcia."— Transcrição da apresentação:

1

2 VIRTUDES - 4ª SÉRIE C - TANCREDO DE ALMEIDA NEVES Professora: Sargimara Gomes dos Santos Professora Mediadora: Elenir Borlot Souza Barbosa Pedagoga: Márcia Sagrillo Estagiário - Laboratório de Informática: Frainer Becker Apoio Pedagógico: Kellem Camargo

3 Mais que ensinar a ler e escrever, o Professor deve educar para a vida. Educar para vida é resgatar na sociedade conturbada de hoje, o respeito e o amor a si mesmo e ao próximo. Não podemos crer que educamos para vida, se nossos alunos não sabem valorizar sentimentos e atos que tornam a nossa existência mais digna e menos irracional. Resgatar as virtudes esquecidas, é formar indivíduos cheios de graça, é proporcionar um presente melhor e acreditar que o futuro será maravilhoso. E ele será!! Justificativa:

4 Objetivos: Estimular atitudes de boas maneiras; Resgatar gestos e ações que propiciem um melhor convívio escolar e familiar; Estimular a liberdade de expressão; Conhecer e utilizar os recursos tecnológicos:Word, PowerPoint e Paint; Estimular a criatividade;

5 Recursos: Livros de contos infantis relacionados a virtudes; Tecnológicos: Word, Paint e PowerPoint. Leitura e releitura de textos;

6 Desenvolvimento: Leitura de contos infantis relacionados a virtudes, Leitura de contos infantis relacionados a virtudes, Discussão dos textos e desenhos dos livros; Discussão dos textos e desenhos dos livros; Digitação dos textos no Word e utilização dos recursos do programa; Digitação dos textos no Word e utilização dos recursos do programa; Reeleitura das ilustrações no Paint; Reeleitura das ilustrações no Paint; Montagem dos trabalhos realizados no Powerpoint; Montagem dos trabalhos realizados no Powerpoint; Montagem de um painel; Montagem de um painel; Exposição dos trabalhos na Mostra Cultural da EMEF TAN. Exposição dos trabalhos na Mostra Cultural da EMEF TAN.

7

8 CHAPEUZINHO VERMELHO E A OBEDIÊNCIA Chapeuzinho vermelho era uma linda menina. Sua avó havia feito para ela um lindo capuz vermelho e de tanto usá-lo, deram-lhe este nome. Ela adorava os pássaros e estava sempre alimentando­-os. Certo dia a mãe de chapeuzinho fez um delicioso bolo para a vovozinha que estava doente. Colocou o doce numa cesta e disse para, leve este bolo a casa da vovó, mas lembre-se: não converse com estranhos no caminho porque o bosque é muito perigoso. E lá foi a menina cantando. Era precioso atravessar toda a floresta, toda mas de repente, em uma curva do caminho, chapeuzinho foi surpreendida pelo lobo: - Aonde vai essa bela menina? - A casa da vovó que fica do outro lado do bosque - É o que há dentro da Cesta ? - Um bolo que mamãe fez para minha vovó que está doente. E foram conversando, até que o lobo propôs a chapeuzinho que levasse flores junto com a cesta, dizendo que a vovó ficaria mas feliz Ótima idéia, obrigado seu lobo ! Disse a inocente menina, que havia esquecido da recomendação de sua mãe e dera conversa para o lobo mau! chapeuzinho colheu distraidamente um lido buquê de flores silvestres. Enquanto isso, o lobo tomou um atalho e chegou antes dela á casa da vovó. Toc...toc...toc... Bateu á porta. Quem está ai? disse a vozinha. Sou eu sua netinha, chapeuzinho vermelho ! respondeu o lobo disfarçando a voz. Entre, minha querida. Falou a avó sem desconfiar de nada. Mas a vovó levou um enorme susto ao abrir a porta e dar de cara com o lobo mau. rapidamente ele trancou a pobrezinha no armário, vestiu sua camisola, seus óculos e deito-se na cama. Então o lobo ouviu alguém batendo á porta.

9 Vovóóó chequei. Sou eu chapeuzinho. - Entre, querida não posso me levanta... disse o lobo. Quando chapeuzinho viu a avó achou-a muito esquisita e perguntou : Vovó, por que essas orelha tão grandes? perguntou curiosa. É pra te ouvir melhor Mas, vovó, e esse nariz enorme, pra que serve? É pra te cheirar melhor... E pra que dentes tão grandes e afiados? É pra comer esse bolo todinho!!! Mas quando pulou da cama o lobo caiu e fez um enorme estrondo. O caçador que era vizinho da Vovó logo foi ver o que era e socorreu Chapeuzinho vermelho. Fora daqui, seu danado se queria comer, deveria pedir, como foste mentiroso e malvado não vai ganhar nenhum pedaço! O Lobo saiu correndo pois sabia que o caçador era um homem muito bravo. Chapeuzinho agradeceu ao amigo, mas ficou triste ao percebe que tudo aquilo tinha acontecido por não ter escutado sua Mãe. A Vovó saiu do armário e deu um abraço em sua netinha. Agora querida, aprendeste a lição: Nada de falar com estranhos para não ter confusão. E assim todos ficaram felizes, até o lobo malvado que aprendeu a ser educado. MORAL : ESSA HISTÓRIA NOS ENSINA QUE DEVEMOS OBEDECER AOS NOSSOS PAIS, POIS ELES POSSUEM MAS EXPERIÊNCIA DO QUE NÓS, FILHOS.

10 Alice no País das Maravilhas Alice estava muito entediada pois fazia muito calor. Encostou-se numa árvore quando viu passar um coelho muito apressado, que ao ver o horário, Exclamou: - Estou atrasado! Ele era realmente esquisito. Ela não teve dúvidas, foi logo atrás dele o coelho entrou em um buraco ao lado de uma árvore. Alice sem pensar como sairia dali depois, jogou- se atrás dele. Ela foi caindo, caindo, no que parecia ser um buraco sem fundo. Quando finalmente chegou, a primeira coisa que viu foi um corredor. Tentou achar uma saída, mas no fim do corredor entrou uma sala com uma mesa no centro e várias portas trancadas. Uma delas era bem pequena, sem ter o que fazer, bebeu um copo de água. Surpreendentemente começou a diminuir. Ficou tão pequena que passava na porta. Mas não tinha chave para abrir...

11 Então, viu um biscoito lindo em uma caixa E beliscou só um pedacinho. Mas logo cresceu, cresceu tanto que fico gigante. Ela Começou a chorar, chorou tanto que suas lágrimas tornaram-se um rio e acabaram derrubando as portas. Alice saiu em um lindo jardim. Tinha que ter muito cuidado ao comer, tudo poderia fazê-la esticar ou encolher, que coisa esquisita! Estava parada pensando nisto, quando viu aquele coelho maluco outra vez. Ele chegou perto dela e disse: - Corra! Busque minhas luvas, estão ali em casa. Alice entrou, e percebeu que já estava pequena de novo. Encontrou as luvas em cima da cama, e pegou-as para o coelho. A rainha esperava pelo coelho para uma partida de golfe. Ele chegou se desculpando muito, pois ela era muito brava e por qualquer motivo mandava cortar a cabeça daqueles que a desagradavam. Quando saiu, o coelho pegou Alice, as luvas e correu o mais rápido possível. Chegaram a um palácio. O rei e a rainha eram cartas de baralho. Começou a pensar como era estranho receber ordens de um bichinho e imaginou se sua gata resolvesse dar-lhe ordens: - Cuide bem desta toca, quero comer um rato hoje, trate de pegá-lo para mim, Alice. Sua mãe não concordaria e mandaria Mimi embora. A gargalhada de Alice, ao ver a rainha dar a primeira tacada, deixou a rainha furiosa. Ela ordenou que seus guardas prendessem Alice. Alice tentou correr mas todos se atiraram em cima dela. Sentiu então que alguém sacudia um pouco seu braço. Virou-se para ver quem era e acordou com sua irmã a chamando para o chá. Tudo havia sido apenas sonho. Mas para Alice tudo tinha sido tão real, ela contaria para todos suas aventuras no país das maravilhas. ESSA HISTÓRIA NOS ENSINA QUE É PRECISO TER CORAGEM PARA PODER PERSEGUIR OS NOSSOS SONHOS.

12 A galinha dos Ovos de Ouro e a Paciência Era uma vez um pobre fazendeiro chamado João. Ele tinha uma criação de galinhas; que era o único sustento e de sua família. Todos os dias bem cedinho, sua esposa buscava todos os ovos que havia no galinheiro. Para que João pudesse vendê-los na feira. Um belo dia, a esposa de João estava no galinheiro juntando os ovos quando Teve uma surpresa... - O que será isso! – Exclamou assustada, para sua surpresa entre todos os ovos havia um especial, ele era de ouro! Dona Amália correu para mostrar para o marido ovo de ouro? Estamos rico! Comemorou João. Mas os dia se passaram, e nenhum outro ovo de ovo de ouro foi encontrado no galinheiro sete dias depois outro maravilhosa surpresa...

13 João !João !Olhe aqui, outro ovo!- gritou alegre dona Amália. Que estranho, esta galinha põe ovo de ouro uma vez por semana. - falou João, intrigado.- semana que vem ficaremos espiando para descobrir que é esta danadinho! – concluiu dona Amália. Passados mais sete dias, os dois se esconderam no galinheiro, para vigiar as galinhas: João, é esta aqui, acabou de colocar este lindo ovo! Amália tive uma idéia vamos mata esta galinha, dentro dela deve ter um maravilhoso tesouro. Dona Amália, como era mais esperta e paciente que João, respondeu: - meu querido marido, não devemos troca o certo pelo duvidoso. Esta galinha é o nosso único tesouro. Não devemos matá-la ! Amiguinhos, lembrar o que aconteceu na outra história em que o impaciente João matou a galinha? Dentro não havia tesouro algum, e ele passou o resto de seus dias pobre, porque não teve paciência e nem gratidão pela galinha com o nosso João a história termina diferente... João concordou que não deveria trocar o certo pelo duvidoso, e que com um pouco de paciência teriam ovos de ouro para toda a vida. Hoje eles vivem em um lindo castelo, e querem saber o que aconteceu com a galinha? Continua botando ovos de ouro até hoje!

14 A PEQUENA SEREIA Era uma vez uma bela Sereiazinha que sonhava em conhecer o mundo dos humanos. Ela era a filha mais nova do rei Netuno e morava com suas irmãs bem no fundo do oceano. A pequena sereia só poderia ir à superfície quando completasse 15 anos. Enquanto esperava seu aniversário, ela brincava com seus amigos Luilui, a lula;e Estela, a estrela do mar. Eles adoravam vê-la cantando. Dançavam e pulavam imitando gente.A voz de Colarina era a mais bela dos 7 mares. Chegou o grande dia. Colarina se despediu de todos e nadou rápido até a superfície. Ao chegar, viu um enorme navio. Lá dentro estava tendo uma festa e todos estavam se divertindo muito. Mas, distraídos, não perceberam que uma imensa tempestade se aproximava. Com o forte vendaval, o navio acabou naufragando. Muito assustada, a pequena sereia já ia mergulhando para voltar para casa quando ouviu um grito de socorro. Ela nadou depressa e conseguiu salvar um rapaz, levando- o até uma pedra próxima à praia. O jovem agradeceu e perguntou quem era aquela moça tão bela. Colarina disse-lhe seu nome e cantou para ele. Antes de adormecer, o rapaz falou que era um príncipe que jamais se esqueceria dela.

15 Quando Coralina voltou, contou a todos a bela história que havia vivido e todos perceberam que sereiazinha estava apaixonada. Luilui e Estela tentavam distraí-la, mas ela só pensava em voltar à superfície para reencontrá-lo. Decidiu então tornar-se humana para se casar com seu amado. Então, foi procurar a malvada bruxa do mar. A maldosa bruxa ouviu toda a história e respondeu: - Posso ajudá-la e torná-la uma humana, mas tomarei a sua linda voz. Triste, a pequena sereia não viu outra solução e concordou. A bruxa do mar lhe deu uma porção mágica para beber e Coralina adormeceu. Acordou na praia. O príncipe que passeava por ali a encontrou. Ficou encantado com sua beleza e levou-a para o castelo. Lá o príncipe contou a ela, que havia prometido se casar com a jovem que salvara sua vida e que esta seria reconhecida pela sua linda voz.. Coralina ficou muito triste porque assim ele jamais descobriria que ela era seu grande amor. Certa noite, Estela foi até a praia e a viu muito triste. Então a amiga Estela voltou até o fundo do oceano e disse a todos o que estava acontecendo, mas não teve coragem de ir falar com a bruxa para pedir a voz da sereiazinha de volta. Mara e Bel, as ostras, primas de Estela, produziram então um lindo colar de pérolas e Luilui voltou para encontrar Coralina. Com o colar, Coralina pôde cantar novamente para o príncipe, que logo a reconheceu. Eles se casaram e foram muito felizes. Nessa história aprendemos que devemos ser perseverantes para conquistarmos tudo o que desejamos.

16 A BONDOSA PASTORADE GANSOS Em um reino muito distante, vivia uma linda princesa chamada Elisa. A jovem havia sido prometida para um príncipe de outro reino. Quando foi fazer a viagem para se casar com o príncipe, a rainha ordenou que fossem com ela uma de suas criadas, e Falada, o melhor cavalo do reino. Durante a viajem, a criada mostrou-se muito mal educada, e quando pararam á beira de um riacho, a princesa pediu: - Por favor, traga-me um pouco de água em minha taça de ouro. - Deixe de ser preguiçosa e pegue você mesma. - Respondeu a criada. A princesa ficou muito triste, mas como era muito bondosa, não disse nada. Quando estava quase chegando, a criada teve uma idéia. Elisa obedeceu e a criada vestiu as roupas dela, dizendo que se ela contasse o que havia acontecido a alguém, morreria. Falada, prestou muita atenção ao que aconteceu e não aprovou a atitude da criada. Chegando ao palácio, elas foram recebidas com muita alegria,a o príncipe correu em direção á criada, pensando que fosse a princesa com quem se casaria. A malvada então falou: - Esta é minha criada, ela veio me fazendo companhia. Por favor, arrumem um trabalho para que ela tenha o que fazer. O rei pensou que tipo de trabalho poderia dar para uma moça tão bonita e delicada, e por fim disse: Ela ajudará o pastor de gansos, será uma tarefa agradável para esta bela moça. A falsa princesa ainda pediu ao príncipe que prendesse a Falada em um celeiro, com medo que ele contasse a verdade ao rei. Elisa ficou muito triste, pois ela adorava cavalgar pelos campos em seu lindo cavalo. Um dia, quando Elisa e o pastor de gansos passaram pelo celeiro, Falada disse:

17 - Conte a verdade, conte a verdade, que triste sina para uma linda princesa. O pastor, muito assustado com o que ouviu, perguntou o que Falada tinha dito: - Nada importante.- respondeu a princesa – Apenas um cordial cumprimento. Nos dias que se passaram aquilo sempre se repetia, e o pasto foi ficando cada vez mais intrigado com o que Falada dizia. O jovem resolveu contar ao rei o que estava acontecendo. Assim, o rei mandou chamar imediatamente a pastora de gansos. Elisa foi levada até o rei e contou toda a verdade. Ele decidiu que mandaria corta a cabeça da impostora. Quando ouviu isso, a princesa implorou que não aplicasse tão severo castigo. O rei ficou feliz em saber que seu filho se casaria com uma jovem tão generosa. O príncipe aprovou sua nova noiva, os dois se casaram e foram muito felizes.

18 C INDERELA HUMILDADE Era uma vez um viúvo que tinha uma filha muito bondosa. Ele casou-se novamente e passou a criar também duas enteadas. Depois de alguns anos, este senhor veio a falecer. A madrasta da moça revelou-se uma mulher muito má e passou a maltratá-la, obrigando-a a fazer todo o serviço de casa. As filhas da malvada deram-lhe roupas velhas e rasgadas para vestir e passaram a chamá-la Cinderela. Certo dia o rei mandou convidar todas as moças do reino para um grande baile. Nesta festa o príncipe deveria escolher uma noiva. Cinderela queria muito ir, mas suas irmãs zombaram dela dizendo que o jovem príncipe jamais olharia para uma moça suja e feia como ela. Suas irmãs e a madrasta foram ao baile e a deixaram sozinha. Ela ficou muito triste. Mas, de repente, uma linda fada surgiu. - Sou sua fada madrinha, não chore, pois em breve estarás dançando no baile ! Dizendo isto transformou uma abóbora em uma belíssima carruagem, deu-lhe um lindo vestido e sapatinhos de cristal. - Mas lembre-se : o encanto se acabará à meia-noite, e tudo voltará ao normal... Ao chegar ao baile, todos ficaram admirados com a beleza de Cinderela. O príncipe dançou com ela a noite inteira. De tão feliz, a moça esqueceu-se da hora e quando olhou o relógio já era quase meia-noite. Assustada, saiu correndo sem nem se despedir do moço.príncipe. apaixonado, ele a seguiu, mas encontrou somente um sapatinhos de cristal na escada e nem sinal daquela jovem encantadora.no outro dia todos comentavam sobre a misteriosa O O príncipe decretou que se casaria com a dona do sapatinho de cristal. Assim, ele percorreu todo o reino em busca de sua amada. Quase todas as jovens já haviam experimentado o sapatinho e em nenhuma havia servido, pois ele era pequeno e delicado como a dona. O pobre príncipe já estava perdendo as esperanças de reencontrar a moça por quem havia se apaixonado. Mas um dia ele finalmente chegou à casa de Cinderela. Lá suas irmãs fizeram de tudo para tentar calçar o sapatinho, mas não coube nem um dedo. Elas disseram que então ele poderia ir embora, pois não havia mais moças ali. Mas o príncipe ouviu uma voz muito doce e suave que vinha da cozinha. Insistiu em experimentar mesmo na empregada da casa. Contrariadas, as irmãs chamaram Cinderela. Tão logo ela calçou o sapatinho, e suas roupas transformaram-se novamente no belo vestido do baile. O príncipe ficou muito feliz e levou Cinderela para o castelo. Lá eles se casaram ainda naquele dia e foram felizes para sempre. MORAL ´´ ESSA HISTÓRIA NOS ENSINA QUE DEVEMOS SER HUMILDES, POIS SÓ ASSIM REALIZAREMOS OS NOSSOS SONHOS. ´´

19 RESPONSÁVEL PINÓQUIO Depois que Pinóquio virou um menino de verdade, ele começou a ir á escola todos os dia. Um dia, estava no recreio conversando com seus amigo quando Joãozinho Comentou: - Sabe pessoal, ouvi falar de um ilha maravilhosa, onde as crianças não precisam ir para a escola. - Eu conheço essa ilha,as crianças que vão para lá viram burrinhos. Respondeu Pinóquio. As crianças não acreditaram nele e no dia seguinte, partiram para a ilha em companhia de João Honesto e Gedeão. Pinóquio foi junto para tentar ajudá-los. No caminho, foi tentando fazer as crianças desistirem daí idéia, mas João Honesto percebeu que Pinóquio estava fazendo e empurrou o menino para fora da carroça. Pinóquio chamou o Grilo Falante e na mesma hora ele apareceu: - Em apuros de novo Pinóquio! Será que você não vai mudar nunca! - Reclamou o grilo. Pinóquio contou o que estava acontecendo e pediu ajuda para salvar seus amigos. Os dois seguiram em direção á ilha, mas quando chegaram, já era tarde... - Pinóquio, desculpa por não ter acreditado em você. - Falou, muito triste, Joãozinho. - Quero voltar para a escola! - Falou Anita, que virou uma linda burrinha de fita cor-de-rosa. - Sinto muito pessoal, mas acho que chequei tarde demais. –Respondeu Pinóquio. Depois disso, a Fada Azul resolveu dar uma lição nos dois malvados. - Que os dois se transfomem em burrinhos, e fiquem assim até que se arrependam sinceramente de suas maldade. E assim aconteceu, João Honesto e Gedeão puxaram a carroça que levou as crianças de volta para a escola. No caminho, os dois sentiram na pele as conseqüências de suas maldade. Passado algum tempo, a Fada Azul percebeu que eles estavam arrependidos. Ela os livrou do feitiço e construiu um lindo parque de diversões para os dois cuidarem. João Honesto e Gedeão viraram amigos das crianças que vão ao parque brincar todos os dias.

20 A BELA E A FERA – AMOR Era uma vez um comerciante que viajava muito e costumava sempre trazer uma flor para sua filha. Ela era muito linda e graciosa. Até no nome: Bela. Certo dia, voltando de uma longa Viagem, o comerciante enxergou de longe um lindo jardim. Foi até lá para apanhar uma rosa. Mas quando ia fazê-lo, ouviu uma voz muito doce que lhe disse: - Gentio senhor, sou uma rosa encantada, só sairei daqui se for colhida por uma jovem dócil e bonita. O homem levou um imenso susto e saiu correndo. Ao chegar em casa contou a história para sua filha, Bela. A moça, muito curiosa, esperou o pai dormir e resolveu ir procurar o tal jardim. Seguiu o caminho que seu pai havia descrito e encontrou o lugar. Era um castelo que parecia estar abandonado. Encontrou a rosa, ia pegá-la, quando surgiu do castelo uma terrível Fera que bradou: - Quem é você? Por que ia apanhar minha rosa preferida? - Meu nome é Bela. Vim porque meu pai me contou sobre esta rosa que fala e eu queria conhecê-la. -Não importa! Por isto serás minha prisioneira! - disse a fera. Bela falou que não podia deixar seu pai só. Implorou para a fera que deixasse partir, ela prometeu que jamais voltaria, mas a fera nem importou com o pedido. O tempo foi passando e Bela foi conquistando o coração da fera com sua ternura e carinho. Os dois tornaram- se grandes amigos. Certo dia, Bela perguntou: -Por que você me fez sua prisioneira, se por trás dessa imagem tão horrenda se esconde um nobre coração? E a fera respondeu: - Eu me sinto muito só, por isso te obriguei a ficar. Naquele mesmo dia a fera libertou-a, pois percebeu que estava apaixonado e que Bela estava muito triste. Bela contou tudo ao pai e ele viu nos olhos da filha o brilho do amor. E disse-lhe: - Querida, vamos até o castelo. Quando chegaram, encontraram a fera muito doente. Bela então deu-lhe um belo beijo de amor. Naquele momento, o horrível monstro transformou-se em um encantado príncipe. Então, ele contou à Bela que havia sido enfeitiçado e que só seria libertado com sincero beijo de amor e que aquela rosa falante era uma fada. Ele se casaram e viveram muito felizes.

21 O PERDÃO DO PATINHO FEIO Depois que o patinho feio descobriu que era um lindo cisne; ele resolveu que iria viver para sempre em uma linda lagoa junto a vários outros cisnes. Um dia, chegou um cisne muito lindo, e imediatamente o patinho se apaixonou por ela. Os dois se olharam e o patinho falou: -Como é o seu nome? -É Lara e o seu? Muito envergonhado ele respondeu : -Meu nome é patinho feio. O patinho contou sua história para Lara, que ficou muito indignada e declarou; -De hoje em diante seu nome será Pedro, um belo nome para um lindo cisne.A partir daquele dia, os dois começaram a namorar, e passado algum tempo, Lara já estava chocando sua primeira ninhada. Pedro estava muito ansioso a espera de seus filhotes, quando numa linda manhã, os ovos começaram a se quebrar. nasceram vários cisnezinhos, alguns parecidos com Pedro e outros com Lara. – Lindos: – Eram elogios que ouviam de todos que iam conhecer os filhotes. muito diferente do que o patinho feio ouvia quando nascera. Embora muito feliz com sua nova família, às vezes o patinho feio se lembrava da mamãe pata e de seus irmãozinhos. ele sentia muita saudades. um dia ele contou isso a Lara, que respondeu: - Vamos procurar a sua família – E se eles ainda me acharem, feio? – perguntou, inseguro; o patinho. – Pedro, você e um lido cisne e agora possui uma família que lhe ama. eles resolveram que no dia seguinte procurariam a fazenda onde morava a familiares patos. Ao final da tarde chegaram lá, e fora recebido por Joça, o cachorro que cuidava da porteira. – Patinho, quanto tempo que belo cisne você se tornou! E que linda família! os dois abraçaram-se e Joca os levou ate a mamãe Pata. Quando dona pata reencontrou seu filho querido, correu para abraçá-lo, e disse; - Meu filho, nunca mais nos abandone te amamos muito. O patinho percebeu que já deveria ter perdoado sua família há muito tempo atrás, mas agora estava pronto para morar novamente naquela fazenda, no mesmo dia, foi organizada uma linda festa para o patinho e sua nova família. Todos os animaizinhos da fazenda estava lá para dar as boas vindas aos novos moradores.

22 O CORAJOSO BAMBI Depois que Bambi virou o príncipe da floresta, sua vida tornou-se bastante agitada. Sempre havia algum animal em perigo, e Bambi precisava de toda sua força e coragem para salvá-lo. Olhos de mel ficava muito preocupada mas sabia que não podia decepcionar seus súditos. Um dia olhos de mel e Bambi estavam fazendo um piquenique nas margens do riacho, quando ouviram: - Socorrooooooo!!!! - Bambi tem alguém em perigo !- Exclamou olhos de mel. Era o senhor coelho, que resolveu atravessar o rio em um tronco que estava sendo arrastado pela correnteza. Em um minuto, Bambi entrou na água e salvou o Senhor coelho. - Muito obrigado amigo! - Agradeceu o coelho. Quando chegou o inverno, foi aberta a temporada de caça, e todos os animais ficaram com muito medo. - Os caçadores estão de volta ! Os caçadores estão de volta! Gritava a Dona coruja para todos que encontrava. Bambi estava muito preocupado com a segurança de todos, porque havia caçadores por toda a floresta. Ele resolveu procurar o acampamento dos caçadores para ver se descobria alguma forma de proteger seus amigos. Quando estava quase chegando, ouviu um choro de criança. Olhou naquela direção e viu um grande tigre carregando um menino. - Socorroooo ! - gritava desesperado o menino. Naquele momento Bambi percebeu que o menino corria risco de vida. Ele decidiu que tinha que salvá-lo. Bambi correu na direção do tigre e ordenou : - Solte imediatamente esta criança. - De jeito nenhum. - Respondeu o tigre – estou levando para casa o nosso almoço. - Solte-o pois é um menino indefeso ! - retrucou Bambi. - Ele é nosso inimigo, os caçadores já mataram muitos de nós! Então, o tigre pulou na direção de Bambi e os dois começaram a lutar ferozmente. Foi uma grande luta, pois o tigre era muito forte e ágil. Bambi era o Príncipe da Floresta e não podia decepcionar seus súditos. Assim, com muita coragem e habilidade, ele conseguiu vencer o tigre, que saiu correndo, furioso. Bambi devolveu o menino ao acampamento e foi recebido como um verdadeiro herói. Os caçadores prometeram que iriam embora e nunca mais voltariam àquela floresta. Bambi ainda foi nomeado Príncipe dos caçadores, em homenagem à sua coragem. Daquele dia em diante, os animais nunca mais tiveram medo de caçadores.

23 JOÃO E O PÉ DE FEIJÃO Era uma vez um menino chamado João que vivia com sua mãe no meio do bosque, sua mãe percebeu que não havia mais nada para come e mandou seu filho, vender a única coisa que tinham a vaquinha Mimosa. lá foi João. No caminho ele encontrou um senhor que perguntou um senho que pergunto lhe aonde ia. João contou sua história para o misterioso homem que lhe propôs uma troca estanha. Você me a vaquinha e eu lhe dou três semente, elas são magicas. João chegou muito contente em casa para conta para sua mãe mas recebeu a maio bronca filho, você trocou a única coisa que tínhamos para comer. Como pode acredita em um estranho mas são feijões mágicos, mamãe chateada jogou as sementes pela janela. Muito triste o menino e a mãe foram dormir. Mas no meio da noite João acordou com um barulho estranho. olhou pela janela e viu um gigante pé de feijão. curioso começou a subi para ver o que avia lá em cima. Ao chega ao topo, viu um lindo e gigantesco castelo. João foi entrando de mansinho logo na entrada viu uma galinha presa em uma gaiola ela parecia muito triste, então o menino lhe perguntou: -Por que está presa ai amiguinha mas antes que a ave pudesse responde, o menino ouviu um grande barulho e tudo começou a treme.assustado, Joãozinho correu para escondeste se. Era um gigante. ele parou e falou: - Hum! Sinto cheiro de criança com um bom molho para acompanha que a criatura devorada meninos como ele, e ficou com muito medo o gigante estava quase achando João, quando agalinha botou um ovo de ouro. - Estava na hora vou guardá-lo junto ao meu tesouro. João já ia embora e lembrou-se de agradece a galinha, que lhe pediu para levá-la junto com ele.João conseguiu soltá-la, mas quando ia passando pela porta, o gigante voltou e começou a corre atrás dele. Como João era mais rápido e conseguiu fugi, ao chegar em casa apresou-se em cortar o pé de feijão para que o gigante não pode-se e matá-lo. O gigante ficou lá em cima inconformado com a perda de sua ave de estimação. A mãe de João acordou com o barulho do pé de feijão caindo. O menino contou tudo o que tinha acontecido. mas ela simplesmente riu e falou: Ora! Filho, uma galinha que bota ovos de ouro só você crê nisso! Naquele momento a galinha botou um ovo de ouro. Desde então, eles jamais passaram fome e ajudaram todos que precisavam por isso, foram muita felizes.

24 OS TRES PORQUINHOS RESPONSABILIDADES Era uma vez três porquinhos: Arquiteto, Brincalhão e Preguiçoso. Cada um foi construir sua casa na floresta, onde havia um lobo muito feroz. Arquiteto começou a construir sua casa de tijolos e cimento... mas os outros dois riram muito dele e disseram: - Desse jeito você vai perde todo o verão trabalhando. Brincalhão disse: - A minha será de madeira. - Uma casinha de palha, que já está muito bom. Disse Preguiçoso. Preguiçoso foi o primeiro a acabar e foi ver Brincalhão. - Quanto trabalho! Nem tem lobo nenhum, se tiver, eu não tenho medo! Disse Preguiçoso, já procurando uma sombra para deitar. Brincalhão cuidou de por apenas um prego aqui e outro acolá nas madeiras e logo correu para brincar. Eles brincaram muito e a toda hora passavam na construção de Arquiteto para debochar do irmão trabalhador. Mas o porquinho só respondia : - Quero ver quando o lobo aparecer! Depois que arquiteto terminou, correu para brincar com seus irmãos. Foi viu, lá longe, o malvado lobo se aproximado porquinhos. Assustado, Preguiçoso e Brincalhão correram para suas casas. O lobo chegou na casa de preguiçoso, encheu os pulmões e assoprou. a casa foi para os ares. então preguiçoso correu para a casa de brincalhão. O lobo encheu seus pulmões e assoprou bem forte. quando abriu os olhos, a casa estava no chão, mas os porquinhos já havia fugido. chegaram na casa de arquiteto gritando: - Rápido, abra a porta! é o lobo! Ele acolheu seus irmãos e trancou a porta. O lobo chegou e repetiu tudinho que já havia dito na casa dos outros porquinhos. E eles responderam: - Daqui nós não vamos sair, não! só que desta vez, o lobo soprou mas a casa nem se mexeu. inconformado, o lobo resolveu entrar pela chaminé. Mas os irmãos ouviram o barulho e ascenderam o fogo. Assim, quando o lobo chegou á lareira, saltou de volta em um só pulo: -Ai, ai, ai, socorro! Ai, ai, ai... E foi embora correndo! Os irmãos de Arquiteto aprenderam sua lição e resolveram construir cada um sua bela casinha de tijolos. e eles viveram felizes... Mas o lobo... Morre de medo de porquinhos. MORAL ESSA HISTÓRIA NOS ENSINOU QUE DEVEMOS SER RESPONSÁVEIS E NÃO TER PREGUIÇA DE FAZER NOSSAS OBRIGAÇÕES BEM FEITAS.

25 Conclusão: A partir da realização deste projeto os alunos obtiveram resultados positivos no que diz respeito a atitudes da turma em relação aos colegas e em família. Aprendemos o que é uma família. Não brigamos mais com no início do ano. compreendemos o valor de uma amizade. Não é legal desprezar os outros. Estas e outras frases foram ditas pelos alunos ao término do trabalhos realizados no decorrer do projeto. Sargimara Gomes dos Santos


Carregar ppt "VIRTUDES - 4ª SÉRIE C - TANCREDO DE ALMEIDA NEVES Professora: Sargimara Gomes dos Santos Professora Mediadora: Elenir Borlot Souza Barbosa Pedagoga: Márcia."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google