A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Sistema de Informações de Crédito - SCR. 2 Agenda da apresentação O que é o SCR? Principais normativos Acesso Consulta de dados de clientes Correção de.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Sistema de Informações de Crédito - SCR. 2 Agenda da apresentação O que é o SCR? Principais normativos Acesso Consulta de dados de clientes Correção de."— Transcrição da apresentação:

1 Sistema de Informações de Crédito - SCR

2 2 Agenda da apresentação O que é o SCR? Principais normativos Acesso Consulta de dados de clientes Correção de dados Cadastramento de medidas judiciais Documentos Validação de documentos Envio e acompanhamento dos cadocs

3 O que é o SCR?

4 4 O SCR é o sistema que sucedeu a Central de Risco com: –mais informações; –funcionalidades que melhoram a gestão do sistema nas instituições; –facilidade de acesso aos dados; –preocupação constante com qualidade da informação; –maior flexibilidade para futuras evoluções

5 5 O que é o SCR? Qual o principal objetivo do SCR? Ampliar a capacidade de monitoramento das instituições financeiras, auxiliando a área de supervisão bancária a detectar riscos e agir preventivamente.

6 6 O que é o SCR? proteção dos recursos dos cidadãos na IF instrumento de gestão de crédito Outros objetivos

7 7 O que é o SCR? SFN –Dívida de cada cliente em 8 faixas de vencimento Dados da própria IF –Os mesmos para o SFN CRC SCR SFN –dívida de cada cliente em 21 faixas de vencimento, segregada por Modalidade / Submodalidade Exposição em moeda estrangeira ou Reais –Dados comportamentais do cliente Maior responsabilidade total Relacionamento com o SFN Dados da própria IF –Todos devolvidos para o SFN –Classificação de risco A ser acrescido –Risco indireto SCR

8 8 O que é o SCR? arquivos.txt leiaute fixo crítica de variação relevante na carteira consulta clientes um a um CRCSCR arquivos.xml leiautes parametrizados cerca de 500 críticas várias formas de consulta

9 9 O que é o SCR? Correções de dados Validação Qualidade carga de dados Base de Dados do DataWarehouse DW Base de Dados Operacional Consulta Supervisão Consulta IFs Consulta At. Público Consulta Individual Consulta Público Medidas Judiciais

10 10 Central de Risco Leiaute do 3010

11 11 SCR Leiaute do 3020 –IF com operações de crédito:

12 Principais normativos

13 13 Normativos Circular 3.098, de 20/03/02 –Dispõe sobre a remessa de dados ao SCR Carta-Circular 3.043, de 26/09/02 –Dispõe sobre os procedimentos na remessa de informações. Carta-Circular 3.025, de 21/06/02 –Dispõe sobre a estruturação dos arquivos e os status possíveis dos documentos. Comunicado 9.671, de 27/06/02 –Divulga as regras de consistência sintática dos documentos.

14 14 Normativos Comunicado , de 07/11/02 Para viabilizar o acesso das IFs ao SCR, o master da instituição deverá: –1º - Atribuir o serviço às dependências da instituição transação PTRA800 –2º - Cadastrar os usuários transação PTRA700 serviço SSCR300 - Transmissão/recepção de documentos –Envia os docs 3020, 3030, 3026, 3081 –Recebe os arquivos 3025, 3082

15 15 Normativos Comunicado , de 22/05/03 Autorização para envio de documentos por outra cooperativa/SCM Se cooperativa/SCM não tiver acesso a Correio Eletrônico (Sisbacen), enviar carta para: Bacen Desig/Gerência-Técnica de sua jurisdição

16 16 Normativos Carta-Circular 3.024, de 20/06/ Cadastro de responsáveis Obrigatório: o de diretor responsável pelo SCR no site do Bacen Facultativo: o de outros funcionários

17 17 Circular 3.214, de 11/12/03 Registro de responsável técnico no Unicad Normativos

18 18 Normativos Circular 3.310, de 11/01/06 –Ingresso no SCR das SCMs e cooperativas com carteira menor que R$2Milhões a partir da data-base junho/06 –Continua obrigatório o envio do cadoc 3010 até a data-base maio/06 Comunicado , de 12/01/06 –Liberação do SCR _ testes a partir de janeiro/06

19 Acessos

20 20 Acesso Para viabilizar o acesso das IFs ao SCR, o master da instituição deverá: –1º - Atribuir o serviço às dependências da instituição transação PTRA800 –2º - Cadastrar os usuários transação PTRA700

21 21 Acesso Perfis disponibilizados para as IFs: –SSCR300 - Transmissão/recepção de documentos Envia os docs 3020, 3030, 3026, 3081 Recebe os arquivos 3025, 3082 –SSCR019 - Consulta Faz consultas diversas, inclusive de cliente –SSCR026 - Solicitação de Arquivo via Web Solicita arquivos e faz consultas –SSCR020 - Correção Corrige dados e faz consultas –SSCR022 - Jurídico Registra decisões judiciais ou vícios de contrato Cadastramento das IFs nos serviços Comunicados e

22 Consultas de dados de clientes

23 23 Consultas Lei Complementar 105 –Art. 1º - As instituições financeiras conservarão sigilo em suas operações ativas e passivas e serviços prestados. § 3o Não constitui violação do dever de sigilo: –I – a troca de informações entre instituições financeiras, para fins cadastrais, inclusive por intermédio de centrais de risco, observadas as normas baixadas pelo Conselho Monetário Nacional e pelo Banco Central do Brasil; Resolução 2.724/00 – Art. 3. As instituições mencionadas no art. 1. poderão consultar as informações consolidadas por cliente constantes do sistema, desde que obtida autorização específica do cliente para essa finalidade.

24 24 Consultas Autorização para acesso aos dados do cliente é imprescindível –Em qualquer hipótese de forma de acesso ao SCR Caso 1 –Autorização deve ser conferida no momento da efetivação da consulta / envio do Documento 3081 Caso 2 –Considera as autorizações informadas no Doc3020 da última data-base Autorizações retiradas devem ser corrigidas pela web antes da solicitação do arquivo Acesso via web Geração de Arquivo – Clientes solicitados Doc 3081 Geração de Arquivo – Clientes em carteira

25 25 Consultas As IFs podem realizar consultas de quatro formas, sempre com autorização do devedor: consultas individuais, via site do SCR –não há limite, mas a resposta pode demorar devolução do 3020, via site do SCR –único arquivo, tipo 3082, com todos os clientes da IF que autorizaram consulta solicitação no 3081 e recebimento do 3082, via PSTAW10 –limite: 80 solicitações/mês, com até 50 mil clientes em cada Web Service - aplicativo da própria IF, que se comunica diretamente com o sistema do Bacen –consulta rápida de clientes/data-base, um por um –tecnologia de cara implementação

26 26 Consultas Tarifação – Circular 3.276/2005 –Consultas via web R$1,00 por consulta (cliente/data-base) Isenção nas primeiras 500 consultas –Consultas via web service R$0,10 por consulta (cliente/data-base) Sem isenção –Consultas via arquivos R$0,03 por consulta (cliente/data-base) Isenção nas primeiras consultas

27 27 Consultas Geração de Arquivo – Clientes solicitados Geração de Arquivo – Clientes em carteira 12...ClientesAÑA...ÑAAutorizações Acesso via web Acesso via web-service InstituiçãoFinanceira BancoCentral web Acesso via web 1 – Na página do sistema, IF identifica o cliente pelo CNPJ/CPF 2 – IF consulta o cliente a) consulta às próprias informações b) consulta às informações no SFN 1 – Instituição prepara documento 3081 com clientes cujas informações deseja receber 2 – Instituição envia documento para Banco Central pelo PSTAW10 3 – Banco Central recebe o arquivo 4 – À noite, Banco Central calcula as dívidas consolidadas do cliente em relação ao SFN 5 – Banco Central disponibiliza arquivo 3082 no PSTAW10 6 – Instituição recebe arquivo Geração de Arquivo – Clientes solicitados Geração de Arquivo – Clientes em carteira 1 – Instituição envia documento 3020 com seus devedores, preenchendo a tag Autorização 2 – Documento é processado e aceito na base de dados do SCR 3 – Instituição acessa a internet e solicita a geração de arquivos para sua carteira de clientes 4 – A noite, Banco Central busca na data-base mais recente, clientes que têm autorização 5 – Banco Central obtém as dívidas consolidadas do cliente em relação ao SFN 6 – Banco Central disponibiliza arquivo 3082 no PSTAW10 7 – Instituição recebe arquivo Acesso via web-service 1 – Na página do sistema, IF recebe arquivos necessários para instalar web-service 2 – Computador da IF organiza as demandas para consulta 3 – Computador da IF encaminha solicitação de consulta ao SFN por meio do serviço web service 4 – Computador do Banco Central recebe pedido, processa e transmite informações on line 5 – Computador da IF recebe informações

28 28 Funcionalidades na Web Consultar Informações do Cliente (IFs) - Internet

29 29 Consultar Informações de Clientes

30 30 Consultar Informações de Clientes

31 31 Consultar Informações de Clientes

32 32 Consultar Informações de Clientes

33 33 Consultar Informações de Clientes

34 34 Consultar Informações de Clientes

35 35 Consultar Informações de Clientes

36 36 Consultar Informações de Clientes

37 37 Funcionalidades na Web Consultar Condição de Processamento

38 38 Consulta de Condição de Processamento

39 39 Consulta de Condição de Processamento

40 40 Consultas

41 41 Consultas via Doc3081 Doc Consulta dos Dados dos Clientes no SCR –Formato XML eXtended Markup Language –Schema Schema é uma biblioteca de regras para o validador aplicar sobre o documento XML disponibilizado na página de leiautes

42 42 Consultas via Doc3081 Regras e limites para solicitação de 3082 por Doc3081 –Quantidade de cliente por arquivo: máximo de –Quantidade de arquivos por mês: máximo de 80 Em função da demanda, esses limites podem ser alterados –Regras CPF (11 dígitos) e CNPJ (8 dígitos): –CPFs/CNPJs incorretos ainda não são verificados Doc3081 esperado apenas depois do Doc3020 da respectiva data-base ser Processado –Se enviado, documento será rejeitado

43 43 Consultas via Carteira 3020 – Abril Cliente 1A Cliente 22A Cliente 34ÑA Cliente 83A 3020 – Maio Cliente 1A Cliente 22A Cliente 34A Cliente 83A 3020 – Junho Cliente 14A Cliente 25ÑA Cliente 34ÑA Cliente 109A 1 – Estamos no mês de maio e solicito a geração de arquivos para a data-base Maio. Quais clientes constarão do Doc 3082? Cliente 1 Cliente 22 Cliente 34 Cliente 83 Cliente 14 Cliente 25 Cliente 34 Cliente – Chegou um novo arquivo e solicito a geração de informação para a data-base Maio. Quais Clientes constarão do Doc 3082? a – Por que o cliente 1 não é informado? b – Por que o cliente 109 é informado? a – E se solicito a geração para a data-base Abril? b – Por que nesse caso o cliente 34 é informado? Cliente 1 Cliente 22 Cliente 34 Cliente 83

44 44 Funcionalidades na Web Solicitar Arquivo Consolidado de Clientes no SFN

45 45 Solicitação de Arquivos

46 46 Solicitação de Arquivos

47 47 Solicitação de Arquivos

48 48 Consultas - regras e limites Regras e limites para solicitação de 3082 via web –Impossibilidade de acesso (previsto) 7 dias –3 dias antes e 3 dias depois da data-limite de envio do 3030 e do 3020 Solicitações que estiverem na fila serão geradas se houver janela de processamento –Limite máximo de solicitações Podem ser solicitados no máximo 3 arquivos por mês para quaisquer data-bases Recomendamos às instituições baixar a base de dados mais antiga –mensalmente a base de dados é atualizada e a data-base mais antiga é retirada Atenção: o envio de Doc3081 e o acesso web podem continuar nesse período

49 49 Consultas – regras e limites Regras de geração de arquivo –A geração dos Arq3082 solicitados via Doc3081 antecede a geração dos Arq3082 solicitados via web Documentos 3081 prevalecem sobre solicitações via web –A geração de arquivo compete com a carga de dados no BD Operacional dos documentos 3030/3020/3026 de qualquer IF Processo de geração de arquivos ocorre de forma escalonada para evitar sobreposições

50 50 Respostas às consultas Independentemente da forma de solicitação de arquivo, o leiaute de devolução será idêntico A geração do arquivo é sempre Batch –Solicitar Arquivo Consolidado dos Clientes no SFN –Doc3081 – Consulta dos Dados de Clientes no SFN ClientesAÑA...ÑAAutorizações

51 51 Respostas às consultas Arq3082 – Leiaute disponível na WEB –Clientes sem dívida no sistema – aparecem no arquivo de retorno sem dados –Cliente com CNPJ/CPF mal formatado – aparecem no arquivo de retorno sem dados Diversas informações sobre a geração do arquivo, as operações e o cliente. –Dados das operações com maior abertura

52 52 Exemplo Arq 3082

53 53 Envio doc 3081 pode gerar mensagens de erro –Se houver erro: Relatório com mensagens de erro Regras aplicáveis são idênticas às da etapa 1 de qualquer arquivo Se não houver erro: –Arquivo 3082 Consulta ao processamento –Independentemente do modo de solicitação, a consulta será realizada na opção Consulta solicitação de arquivo Arq 3082 solicitado por arquivo

54 54 Funcionalidades na Web Consultar Solicitação de Arquivo Consolidado de Clientes no SFN

55 55 Consulta de Solicitação de Arquivos

56 56 Consulta de Solicitação de Arquivos

57 57 Consulta de Solicitação de Arquivos

58 Correção de dados

59 59 Correção de dados Opções para IF corrigir arquivos enviados com erro –Documento 3020 Substituição de documentos Corrigir informações prestadas Doc 3020 Consultar Correções realizadas Doc 3020 –Documento 3030 Substituição de documentos –Documento 3026 Substituição de documentos Diferentemente da Central de Risco, no SCR não há necessidade de solicitação, nem qualquer outro contato preliminar com o Desig, para correção de dados ou substituição de documentos.

60 60 Funcionalidades na Web Corrigir Dados do Documento 3020

61 61 Correção de Dados do Doc 3020

62 62 Correção de Dados do Doc 3020

63 63 Correção de Dados do Doc 3020

64 64 Correção de Dados do Doc 3020

65 65 Correção de Dados do Doc 3020

66 66 Correção de Dados do Doc 3020

67 67 Funcionalidades na Web Consultar Correção de Dados do Documento 3020

68 68 Consultar Correção de Dados do Doc 3020

69 69 Consultar Correção de Dados do Doc 3020

70 70 Consultar Correção de Dados do Doc 3020

71 Cadastramento de Medidas Judiciais

72 72 Exclusão de dados –Cliente –Operação Marcação de operação como sub judice Exclusão de dados por vícios de contrato –Fraude –Coação –Dolo –Indução ao erro Artigo 138 e seguintes da Lei /2002 Cadastramento de Medidas Judiciais

73 73 Funcionalidades na Web Registro de Decisões Judiciais

74 74 Registro de Decisões Judiciais

75 75 Registro de Decisões Judiciais

76 76 Registro de Decisões Judiciais

77 77 Funcionalidades na Web Consultar Informações de Processamento

78 78 Consulta de Informações de Processamento

79 79 Consulta de Informações de Processamento

80 80 Consulta de Informações de Processamento

81 81 Consulta de Informações de Processamento

82 82 Consulta de Informações de Processamento

83 83 Consulta de Informações de Processamento

84 84 Documentos Documentos de envio mensal de dados –3030 – Dados agregados –3020 – Dados individualizados Prazo: todo dia 20 Documento e arquivo de envio semestral –3025 – Solicitações de devedores efetuadas pelo Bacen –3026 – Dados enviados pelas IFs Prazo: 20/abril e 20/outubro Documento e arquivo de devolução de dados –3081 – Solicitação de geração de arquivos pelas IFs –3082 – Arquivo de dívida consolidada gerado pelo Bacen

85 Cadoc 3030 Dados agregados de risco de crédito Documentos

86 86 Documentos –Consolidação de toda a carteira de crédito –Dados agregados com características comuns: Mod, Classif Risco Oper, Faixa Vr, Tipo Cliente, Tipo Controle, Localização, Origem Recursos, Natureza, Caract Especial, Vinc Moeda Estrangeira e Prazo em Dobro para Provisionamento Carta-Circular 3043, de 26/09/2002 –Clientes não identificados –Compatibilização com o Cadoc 4010 Cadoc 3030

87 Cadoc 3020 Dados individualizados de risco de crédito Documentos

88 88 Cadoc Informações Responsabilidade Total igual ou superior a R$ 5 mil –Operações Não Relevantes iguais ou maiores que R$ 5 mil e inferiores a R$ 5 milhões dados individualizados, operação por operação –Operações Relevantes iguais ou maiores que R$ 5 milhões dados individualizados, operação por operação dados adicionais –Operações Consolidadas menores que $ 5 mil dados individualizados consolidados por modalidade e classificação de risco.

89 89 Responsabilidade Total Créditos a vencer Créditos a vencer Créditos vencidos Créditos vencidos Carteira Ativa (A) (ou carteira classificada) Carteira Ativa (A) (ou carteira classificada) Prejuízo (B) Prejuízo (B) Carteira de Crédito (A + B) Carteira de Crédito (A + B) Repasses Interfinanceiros (C) Repasses Interfinanceiros (C) Coobrigações (D) Coobrigações (D) Responsabilidade Total (A+B+C+D) Responsabilidade Total (A+B+C+D) Crédito a Liberar (E) Crédito a Liberar (E) Risco Total (A+B+C+D+E) Risco Total (A+B+C+D+E)

90 90 Responsabilidade Total Exemplo de cálculo de RT –Cliente com uma só operação na IF: um cheque especial de R$10.000,00 limite de R$5mil: Circular 2999, de 24/08/2000 em todas as hipóteses acima, essas informações constarão, obrigatoriamente, no cadoc 3030

91 91 Cadoc 3020 Informações comuns a todos os clientes : –Código identificador do cliente CNPJ/CPF ou Código interno de devedor no exterior ou Código interno do devedor sem CNPJ ou CPF –Tipo de cliente –Autorização –Porte do cliente (PJ) –Tipo de controle (PJ) –Início do relacionamento do cliente com a IF abertura de conta corrente ou outra data relevante

92 92 Cadoc 3020 –Código do contrato código alfa numérico interno não se pode ter dois contratos com o mesmo cliente, código e modalidade –Origem dos recursos distinção entre livre e direcionado –Taxa Referencial ou Indexador pré, pós, flutuante, índice de preços e outros –Variação cambial Sem variação, e principais moedas –Natureza da operação Operações próprias Operações transferidas e cedidas –Modalidade Cada operação acima de R$ 5 mil conterá:

93 93 –Taxa efetiva anual encargos e demais despesas incidentes no curso da operação –CEP CEP da dependência de concessão da operação –Classificação de risco da operação Res –Distribuição dos vencimentos 24 faixas 2 faixas para créditos baixados como prejuízo –Característica especial renegociação recuperação do prejuízo cobrança judicial outros –Datas da contratação da operação do vencimento da última parcela –Garantidores pessoais CNPJ ou CPF de todos os garantidores pessoais –Garantias tipo, valor, data da avaliação Cadoc 3020 Informações adicionais para todas operações acima de R$ 5 milhões Cada operação acima de R$ 5 mil conterá (cont.):

94 Cadoc 3026 Dados individualizados complementares Documentos

95 95 Doc 3026 Dados sobre clientes pertencentes a conglomerados econômicos: –código do conglomerado econômico –identificação dos participantes do conglomerado econômico –tipo de participante do conglomerado econômico Dados de clientes solicitados pelo Bacen, via Arq3025: –dados de balanço –classificação de risco atribuída por agência de classificação de risco, caso a instituição a utilize

96 Validação

97 97 Validação –Validação –Envio e acompanhamento dos cadocs –Etapa 1 – Validação Sintática Características básicas do XML Anatomia dos documentos Validador Relatórios: erros e correção –Etapa 2 – Validação Semântica –Próximos passos

98 98 Validação Instituição Financeira Documento Protocolo Documento Internet PSTA Etapas de Validação 210 Base de Dados

99 99 Validação erro Documento Rejeitado erro correto Documento Aceito correto erro Análise do cadoc indício Validação Etapa 1 Sintática Validação Etapa 2 Semântica Doc (Novo) Validação Etapa 0

100 100 Validação Validação Etapa Zero –regras não codificadas Erro de XML no cabeçalho Documento da data-base imediatamente anterior inexistente Documento não previsto para a instituição na data-base Doc 3030 não disponível para comparação com o Doc 3020 Data-base do documento ainda não ocorrida Instituição remetente não está autorizada a enviar o cadoc

101 101 Validação Validação Etapa 1 (Sintática) – verificação da estrutura e formatação do arquivo utilização de XML Schema (XSD) cerca de 400 críticas –tags –tipos de dados informados –códigos –campos obrigatórios

102 102 Validação Validação Etapa 2 (Semântica) – verificação da consistência das informações aferição da compatibilidade interna dos dados Cadoc 3030 x Cadoc 4010 Cadoc 3020 x Cadoc 3030 cerca de 150 críticas –habilitadas e não habilitadas –Regras de Erro (documento rejeitado) –Regras de Indícios »podem ser flexibilizadas

103 Etapa I Validação Sintática -Características básicas do XML -Anatomia dos documentos -Validador: erros

104 104 XML: o que é? É um acrônimo de eXtensible Markup Language Um arquivo XML é um arquivo TXT usando a extensão.xml Espaços, linhas e endentações são irrelevantes Arquivo.xml é aberto nos navegadores e endentado automaticamente É uma tecnologia recente, em evolução, com uso cada vez mais difundido, concomitante à internet

105 105 XML: noções básicas é idêntico a Exceto por tags vazias, toda tag inicial deve fazer par com uma tag final toda tag inicia c/ Maiúscula minúscula

106 106 XML: noções básicas Todas as tags fechadas Sem tags cruzadas Valores de atributos entre aspas José Costa

107 107 XML: noções básicas Que 4 erros há nas tags seguintes? José Maiúsculas e minúsculas Tag não foi aberta Tag está cruzada Atributo sem aspas

108 108 XML: noções básicas Um parser validador é um programa que lê o XML, checa se é bem formado, depois vê se todos os seus elementos atendem às especificações do XSD A Validação Sintática é restrita ao leiaute do documento

109 109 XML: noções básicas XML: arquivos.xsd –são arquivos que especificam os elementos do XML: quais elementos podem existir quais atributos eles podem conter quais elementos podem estar agrupados em outros elementos (a estrutura do doc XML) qual a ordem em que os elementos podem ser agrupados

110 110 XML: noções básicas XSD é um tipo de arquivo XML: é um XMLSchema É uma transcrição, para o padrão XML, das especificações de um leiaute Novas versões de leiautes requerem atualização dos schemas Atualize sempre seus schemas

111 111 XML: noções básicas Leiaute (.xsd) define datas no formato AAAA- MM-DD e no intervalo >31/12/1900 e <01/01/2050:

112 112 Informações do 3020 Blocos com clientes individualizados com responsabilidade total igual ou superior a R$ 5 mil operações iguais ou maiores que R$ 5 mil dados individualizados, operação por operação operações detalhadas operações menores que R$ 5 mil dados consolidados pelo conjunto dos dados operações relevantes: maiores que R$ 5 milhões iguais ou maiores que R$ 5 milhões dados individualizados, operação por operação dados adicionais

113 113 Anatomia do 3020 no XML Se for aberto no Internet Explorer (extensão.XML), linhas são automaticamente endentadas linha identificando 3020, data-base, CNPJ e tipo de arquivo Cada cliente individualizado em um bloco 1a linha obrigatóriaÚltima linha do arquivo, fechando o bloco iniciado com

114 114 Leiaute do 3020

115 115 Anatomia do 3020 no XML Informações detalhadas do cliente Informações detalhadas da operação não relevante

116 116 Leiaute do 3020

117 117 Leiaute do 3020

118 118 Anatomia do 3020 no XML Informações detalhadas do cliente Informações detalhadas das operações consolidadas

119 119 Leiaute do 3020

120 120 Anatomia do 3020 no XML Devem ser informadas todas as operações consolidadas e não relevantes de clientes individuais (RT>R$5.000) Todas as OpCons e OpNRel do mesmo cliente (qualquer ordem)

121 121 Informações do 3030 Blocos com clientes agregados com qualquer responsabilidade total Consolidar dados pelos seguintes critérios: Modalidade Classificação de Risco da Operação Faixa de Valor Tipo de Cliente Tipo de Controle Localização Origem dos Recursos Natureza Característica Especial Vinculação à Moeda Estrangeira Prazo em Dobro para Provisionamento

122 122 Anatomia do 3030 no XML Não há clientes individualizados, apenas blocos agregando operações com características comuns 1a linha obrigatória Linha identificando cadoc 3030, database, CNPJ e tipo de arquivo Fim do arquivo

123 123 Leiaute do 3030

124 124 Anatomia do 3030 no XML Cada bloco agrega todas as operações, de todos os clientes, com mesmas Modalidade, Classificação de Risco da Operação, Faixa de Valor, Tipo de Cliente, Tipo de Controle, Localização, Origem dos Recursos, Natureza, Característica Especial, Vinculação à Moeda Estrangeira e Prazo em Dobro para Provisionamento Campos não obrigatórios (tipo de controle, característica especial, vinculação a moeda estrangeira e prazo em dobro): ver leiaute para o significado de não informar

125 125 Leiaute do 3030

126 126 Validador No arquivo que contém o Validador, há um documento Word (Orientação Básica para Validação Sintática dos Arquivos do SCR), com todas as instruções para sua instalação, além de exemplo para interpretação das mensagens de erro.

127 127 Interpretação de erro In element 'ClassCli' : Value ' ' must be one of [AA, A, B, C, D, E, F, G, H] Tag ClassCli só admite valores AA, A, …, H

128 Envio e acompanhamento dos cadocs

129 129 Envio

130 130 Envio

131 131 Acompanhamento Resultado de processamento PSTAW10: Transmissão / Envia um arquivo pela internet no envio, o sistema fornece o número de protocolo PSTA300: Consultar utilizando o número de protocolo. Acompanhar eventos. Verificar evento de referência que informa existir relatório-resposta no PSTAW10.

132 132 Acompanhamento - arquivos R001 (ou T001)

133 133 Acompanhamento

134 134 PSTA300: acompanhamento Código para ver protocolos de cadocs enviados Marque com X e pressione Enter p/ ver detalhes

135 135 PSTA300: acompanhamento Pressione F11 p/ ver resposta Protocolo sendo detalhado (se a opção F11 não aparecer, é por que ainda não foi enviada resposta)

136 136 PSTA300: acompanhamento Pressione F11 para voltar ao cadoc enviado Protocolo da resposta

137 137 PSTA300: acompanhamento Eventos do protocolo no detalhe

138 138 PSTA300: Acompanhamento Evento 71 – Arquivo apenas recebido no Bacen, mas antes das etapas de validação no SCR. Evento 30 – Arquivo recusado. Evento 50 – Arquivo processado/conferido. Sem problemas. Evento 67 – Não foi enviado arquivo; somente teste de conectividade. Evento 76 - Arquivo interceptado no percurso entre dois sistemas. Necessária a intervenção manual.

139 Etapa 2 Validação Semântica

140 140 Validação –As críticas da Validação Semântica são divididas em oito grupos Códigos H e J – Validações Internas do Doc 3030 Código G – Comparação do Doc 3030 com o Cosif Código K – Comparação com a Data-base Anterior – Doc 3030 Códigos F e I – Validações Internas do Doc 3020 Código E – Comparação do Doc 3020 com o Doc 3030 Código L – Comparação com a Data-base anterior – Doc 3020 Código M – Validação Interna do Doc 3026 Código N – Comparação das Contas de Balanço – Doc 3026

141 141 Validação Fila Por que se deve enviar primeiramente o documento 3030? Instituição envia mais de um documento novo(s) –O sistema pode processar dois documentos da mesma data- base? –Qual documento o sistema irá escolher para processar? –O que acontece com os demais documentos?

142 142 Validação Questionamento –Instituição providencia o envio de novo documento sem responder ao questionamento do Bacen O que ocorre com o documento que está questionado? E com o mais recente?

143 143 Validação Pilar para validação: o balancete –As modalidades de crédito correspondem às rubricas contábeis –As IFs devem realizar a vinculação dos produtos com as modalidades –tratamentos diferentes enquanto não há balancete outros

144 144 Validação Comparação com o Cosif O SCR processa seus documentos quando ainda não há 4010? revalidação particularidades dos trimestres

145 145 Validação Revalidação –Instituição substitui balancete O que ocorre com os documentos já aceitos no SCR? Durante o processo de revalidação, os dados já enviados ficam disponíveis para consulta?

146 146 Validação Revalidação –Instituição envia documentos do SCR antes do balancete prazos dos cadocs do SCR prazos do cadoc 4010 »balancetes nos trimestres O que ocorre com os documentos do SCR que são enviados antes de o balancete da mesma data-base ser aceito? E quando chegar o balancete? A instituição acompanha o reprocessamento?

147 147 Validação Data-base x Remessa –Data-base é a informação externamente divulgada do processamento daquele mês Dispensado Processado Não disponível –Remessa é um arquivo enviado pela instituição financeira, podendo se repetir para um mesmo mês Processado Pendente Aguardando esclarecimento Rejeitado

148 148 Validação Substituição de documentos no SCR –Instituição providencia o envio de documento para substituir outro (já aceito) O que ocorre com o documento que está carregado na base de dados? Durante o processo de revalidação, os dados anteriores ficam disponíveis para consulta? Se for substituição do cadoc 3030, o que ocorre com o 3020 já aceito?

149 149 Validação –As críticas da Validação Semântica são divididas em oito grupos Códigos H e J – Validações Internas do Doc 3030 Código G – Comparação do Doc 3030 com o Cosif Código K – Comparação com a Data-base Anterior – Doc 3030 Códigos F e I – Validações Internas do Doc 3020 Código E – Comparação do Doc 3020 com o Doc 3030 Código L – Comparação com a Data-base anterior – Doc 3020 Código M – Validação Interna do Doc 3026 Código N – Comparação das Contas de Balanço – Doc 3026

150 150 Validação Semântica Algumas comparações efetuadas pelo sistema entre os cadocs 3030 e 4010 de uma instituição financeira fictícia

151 151 Validação Semântica Críticas G sujeitas à conferência

152 152 Validação Semântica Críticas G sujeitas à conferência Crítica G01

153 153 Validação Semântica Críticas G sujeitas à conferência

154 154 Validação Semântica Críticas G sujeitas à conferência

155 155 Validação Semântica Críticas G sujeitas à conferência

156 156 Validação Semântica Críticas G sujeitas à conferência

157 157 Validação Semântica Críticas G sujeitas à conferência

158 158 Validação Semântica Críticas G sujeitas à conferência

159 159 Validação Semântica O SCR e o Código de Defesa do Consumidor – CONTROLE – Baixa de Créditos de Liquidação Duvidosa – Créditos Baixados nos últimos 12 meses – Créditos Baixados entre 13 e 48 meses – Créditos Baixados há mais de 48 meses ou vencidos há mais de cinco anos Carta-Circular 3043, de 26/09/2002

160 160 Validação Semântica Críticas G sujeitas à conferência

161 161 Validação Semântica Críticas G sujeitas à conferência

162 162 Validação Semântica Críticas G sujeitas à conferência

163 163 Validação Semântica Críticas G sujeitas à conferência

164 Próximos passos

165 165 Próximos passos A qualidade dos dados enviados será avaliada constantemente –na entrada de dados, com rigor crescente –nas atividades de gestão de base de dados e de fiscalização indireta –nas atividades de fiscalização direta –por meio das reclamações do próprio devedor

166 166 Próximos passos Devo continuar enviando o Documento 3010? Sim. A CRC continuará recebendo o Cadoc 3010 até a data-base maio/2006. Quando iniciar o envio dos novos documentos? Como testes: a partir da data-base janeiro/2006 Como documento real: a partir da data-base junho/2006

167 167 Próximos passos Testes para Cooperativas –Datas-base janeiro a maio/2006 Realizado no ambiente de homologação –O envio e a aprovação do documento não o incorpora a base de dados definitiva Inclui todas as fases do processo –Envio de dados pelo PSTAW10 –Crítica dos arquivos –Avaliação pelos analistas de qualidade do Banco Central –Devolução de mensagens de erro ou aprovação Arquivos a serem enviados –Doc 3020 T320 –Doc 3030 T330 –Doc3026T326 Arquivos de resposta –Resultado de processamento T001

168 168 Próximos passos Envio definitivo –A partir da data-base junho/2006 Realizado no ambiente de produção –A aprovação do documento o incorpora à base de dados definitiva, o que não dispensa verificações futuras Arquivos a serem enviados –Doc 3020 R320 –Doc 3030 R330 –Doc 3026 R326 Arquivos de resposta –Resultado de processamento R001

169 169 Próximos passos Penalidades –advertência –multa pecuniária –suspensão do acesso à consulta de dados do cliente

170 170 Informações na internet –http://www.bcb.gov.br/?COOPCREDITO: roteiro PassoaPasso –http://www.bcb.gov.br/?SCRMANUIF: manuais e glossário –http://www.bcb.gov.br/?SCRLEIAUTES: leiautes, críticas, Validador, schemas

171 171 Contatos Atendimento na regional à qual a IF esteja vinculada –Belo Horizonte: (31) , , –Brasília: (61) e –Porto Alegre: (51) e –Recife: (81) e –Rio de Janeiro: (21) e SCR


Carregar ppt "Sistema de Informações de Crédito - SCR. 2 Agenda da apresentação O que é o SCR? Principais normativos Acesso Consulta de dados de clientes Correção de."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google