A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS"— Transcrição da apresentação:

1 EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS
Prof. Clodoaldo Meneguello Cardoso organizador

2 PNEDH – 2006 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS
Introdução PNEDH – 2006 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS SDH – Presidência da República

3 III. Educação Não-formal IV. Educação dos Profissionais dos
Introdução - PNEDH – 2006 GRANDES ÁREAS I. Educação Básica II. Educação Superior III. Educação Não-formal IV. Educação dos Profissionais dos Sistemas de Justiça e Segurança V. Educação e Mídia

4 EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO   DIRETRIZES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS Processo: / / 2012

5 Participantes da construção do documento
DNEDH – 2012 Participantes da construção do documento Órgãos governamentais Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDHPR) Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (SECADI) Secretaria de Educação Superior (SESU) Secretaria de Articulação com os Sistemas de Ensino (SASE) Secretaria de Educação Básica (SEB) Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos (CNEDH)

6 Participantes da construção do documento
DNEDH – 2012 Participantes da construção do documento Outras instituições Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas Centro de Defesa da Vida e dos Direitos Humanos Carmem Bascarán de Açailândia, MA Diretoria de Cidadania e Direitos Humanos (DCDH) da Secretaria de Educação / DF Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de SP Grupo de Estudos e Pesquisas em Sexualidades, Educação e Gênero (GEPSEX) da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) Observatório de Educação em Direitos Humanos (OEDH) dos campi da Universidade Estadual de São Paulo (UNESP) de Bauru e de Araraquara) 

7 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos INTRODUÇÃO
Os Direitos Humanos são frutos da luta pelo reconhecimento, realização e universalização da dignidade humana, histórica e socialmente construídos

8 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos INTRODUÇÃO
As profundas contradições que marcam a sociedade brasileira indicam a existência de graves violações dos Direitos Humanos em consequência da exclusão social, econômica, política e cultural que promovem a pobreza, as desigualdades, as discriminações, os autoritarismos, enfim, as múltiplas formas de violências contra a pessoa humana.

9 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos INTRODUÇÃO
A Educação em Direitos Humanos está comprometida com a formação de sujeitos de direitos e de responsabilidades para influenciar na construção e na consolidação da democracia como um processo para o fortalecimento de comunidades e grupos tradicionalmente excluídos dos seus direitos.

10 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos
Contexto histórico dos Direitos Humanos e da Educação em Direitos Humanos

11 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Contexto histórico dos Direitos Humanos
A ideia de Direitos Humanos diz respeito a um conjunto de direitos internacionalmente reconhecidos, como os direitos civis, políticos, sociais, econômicos, culturais e ambientais, sejam eles individuais, coletivos, transindividuais ou difusos, que se referem à necessidade de igualdade e de defesa da dignidade humana.

12 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Contexto histórico dos Direitos Humanos
Direitos Humanos têm se convertido em formas de luta contra as situações de desigualdades sócio-econômicas, as discriminações sobre as diversidades de gênero, de etnia, de raça, de orientação sexual, de deficiências, e contra outras formas de opressões vinculadas ao controle do poder por minorias sociais. .

13 O Bill of Rights das Revoluções Inglesas (1640 e 1688-89);
Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Contexto histórico dos Direitos Humanos Cultura de Direitos, inicia-se ainda no bojo dos movimentos contrários ao Antigo Regime. O Bill of Rights das Revoluções Inglesas (1640 e ); A Declaração de Virgínia (1776); A Declaração do Homem e do Cidadão (1791), no âmbito da Revolução Francesa.

14 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Contexto histórico dos Direitos Humanos
Do século XIX até a primeira metade do século XX, com os movimentos socialistas, a chamada Cultura de Direitos incorporou dimensões econômicas e sociais por meio das quais se passou a combater as desigualdades e as opressões sócio-econômicas.

15 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Contexto histórico dos Direitos Humanos
Século XX. O impacto das duas grandes guerras impulsionou a criação da ONU (1945) como um organismo regulador da ordem internacional, bem como a elaboração da Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948).

16 Pacto internacional dos direitos civis e políticos
Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Contexto histórico dos Direitos Humanos 1966 Pacto internacional dos direitos civis e políticos Pacto internacional dos direitos econômicos e sociais.

17 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Contexto histórico dos Direitos Humanos
Novos processos históricos apontaram para outras situações de violações dos Direitos Humanos. Nos anos de , por exemplo, o amplo processo de implantação de ditaduras militares na América Latina.

18 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Contexto histórico dos Direitos Humanos
Anos 80. Direitos Humanos no Brasil ganhará maior evidência em agendas públicas ou ações populares a partir das lutas e movimentos de oposição ao regime ditatorial, pelo processo de redemocratização.

19 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Contexto histórico da Educação em DH
No Brasil, assim como em outras países da América Latina, a EDH nasce no contexto da repressão ditatorial a partir do encontro entre educadores/as, populares e militantes dos Direitos Humanos.

20 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Contexto histórico da Educação em DH
Documentos > Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos (SDH ) > Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH III – 2009) > Conferência Nacional de Educação (MEC / CONAE – 2010) > Diretrizes Gerais para a Educação Básica (MEC – 2010) > Plano Nacional de Educação (PNE – 2011 a 2020) > Diretrizes Nacionais de Educação em DH (CNE/ MEC-2012)

21 Fundamentos da Educação em Direitos Humanos
Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Fundamentos da Educação em Direitos Humanos

22 > Formação ética: valores humanizadores
Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Fundamentos da Educação em DH > Formação ética: valores humanizadores > Formação crítica: juízos reflexivos conjunturais e estruturais numa perspectiva histórica.  > A formação política: emancipação dos sujeitos de direitos, promovendo o empoderamento de grupos e indivíduos para articipação na sociedade civil.

23 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Fundamentos da Educação em DH
Proposta. Contribuir para formação de indivíduos e transformação da sociedade brasileira em que persiste uma cultura e estrutura, construídas historicamente, marcadas por autoritarismos, privilégios, discriminações, preconceitos e profundas desigualdades sócio-econômicas.

24 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Fundamentos da Educação em DH
Princípios Dignidade Humana: Na nossa cultura, dignidade humana esta relacionada a ideia de sujeito, ou seja um indivíduo capaz de autonomia de pensar e de ser, não podendo, portanto, nunca ser tratado como objeto. A dimensão de sujeito se forma na convivência coletiva com outros sujeitos.

25 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Fundamentos da Educação em DH
Princípios Valorização da diversidade : enfrentamento dos preconceitos e das discriminações, garantindo que diferenças não sejam transformadas em desigualdades. Dessa forma, igualdade e diferença são valores indissociáveis que podem impulsionar a equidade social.

26 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Fundamentos da Educação em DH
Princípios Igualdade de Direitos: condição de igualdade nas relações entre os seres humanos e no acesso aos direitos civis, políticos, econômicos, sociais, culturais e ambientais a todos os cidadãos e cidadãs, sem distinção de cor, credo, nacionalidade, orientação sexual, local de moradia, etc.

27 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Fundamentos da Educação em DH
Princípios Laicidade do Estado: Respeitando todas as crenças religiosas, assim como as não crenças, o Estado deve manter-se imparcial diante dos conflitos e disputas do campo religioso, desde que não atentem contra os direitos fundamentais da pessoa humana.

28 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Fundamentos da Educação em DH
Princípios Democracia na Educação: A democracia política deve estar fundada na democracia social e participativa: igualdade ao acesso aos bens sociais e cidadania ativa com participação política das organizações sociais. As relações democráticas devem ser a base das organizações sociais, incluindo a escola e o ensino.

29 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Fundamentos da Educação em DH
Princípios Sustentabilidade socioambiental: A EDH estimula o respeito ao espaço público como bem coletivo e de utilização democrática. Está comprometida com o incentivo e promoção de um desenvolvimento sustentável que preserve a diversidade da vida e das culturas, para a sobrevivência da humanidade de hoje e das futuras gerações.

30 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Fundamentos da Educação em DH
Princípios Transversalidade, vivência e globalidade: Os DH se caracterizam pelo seu caráter transversal e, por isso, devem ser trabalhados a partir do diálogo interdisciplinar e fundamentalmente vivencial. Deve envolver toda a comunidade escolar/acadêmica e estimular os diálogos entre as perspectivas locais, regionais, nacionais e mundiais.

31 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Fundamentos da Educação em DH
Objetivos Contribuir para a construção de sociedades que valorizem e desenvolvam condições para a garantia da dignidade humana. Desenvolver a sensibilidade ética nas relações interpessoais, em que cada indivíduo seja capaz de perceber o outro em sua condição humana. Formar vivência cotidiana dos Direitos Humanos como forma de vida e de organização social, política, econômica e cultural .

32 Ambiente educacional como espaço e tempo dos DH e da EDH
Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Ambiente educacional como espaço e tempo dos DH e da EDH

33 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Ambiente educacional da Educação em DH
Os espaços e tempos dos processos educativos que se desenvolvem intra e extramuros escolares/acadêmicos nas relações interpessoais, bem como na interação entre instituições, com ambiente natural, comunidade local e sociedade de um modo geral.

34 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Ambiente educacional da Educação em DH
Ambiente promotor dos Direitos Humanos liga-se ao respeito às diferenças, garantindo a realização de práticas democráticas e inclusivas, livres de preconceitos, discriminações, violências, assédios e abusos sexuais, dentre outras formas de violação à dignidade humana.

35 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos
Educação em Direitos Humanos nas Instituições de Educação Básica e Educação Superior

36 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Educação em DH na Educação Básica
A escola de educação básica é um espaço privilegiado de formação pelas contribuições que possibilitam o desenvolvimento do ser humano, com a socialização e apreensão de conhecimentos acumulados historicamente. É condição essencial para a democratização da sociedade.

37 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Educação em DH na Educação Básica
Modalidades: educação infantil, ensino fundamental, ensino médio, educação de jovens e adultos, educação no campo, educação indígena, educação quilombola, educação especial, dentre outras.

38 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Educação em DH na Educação Básica
A vivência da EDH, nesse nível de ensino, deve ter o cotidiano como referência para analisá-lo, compreendê-lo e modificá-lo. Isso requer o exercício da cidadania ativa de todos/as os/as envolvidos/as com a educação básica.

39 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Educação em DH na Educação Básica
Conteúdos Associados ao desenvolvimento de valores e de comportamentos éticos na perspectiva de que o ser humano é sempre e incompleto em termos da sua formação. Daí a necessidade permanente de conhecer, construir e reconstruir regras de convivência em sociedade.

40 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Educação em DH na Educação Básica
Conteúdos Relacionados à realidade social, ambiental, política e cultural, dialogando com as problemáticas que estão próximas da realidade dos estudantes.

41 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Educação em DH na Educação Básica
Princípios > Presença da Educação em Direitos Humanos na formação inicial e continuada dos/as profissionais da educação, na elaboração do projeto político pedagógico, nos materiais didático-pedagógicos, no modelo de gestão e na avaliação das aprendizagens.

42 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Educação em DH na Educação Básica
Princípios A prática escolar orientada para a Educação em Direitos Humanos, assegurando o seu caráter transversal e a relação dialógica entre os diversos atores sociais.

43 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Educação em DH na Educação Básica
Princípios Estudantes estimulados/as para que sejam protagonistas da construção de sua educação, com o incentivo do fortalecimento de sua organização estudantil em grêmios escolares e em outros espaços de participação coletiva.

44 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Educação em DH na Educação Básica
Princípios Participação da comunidade educativa (escola e comunidade) na construção e efetivação das ações da Educação em Direitos Humanos.

45 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Educação em DH na Educação Básica
Metodologias > construir normas de disciplinas e de organização da escola, com a participação direta dos/as estudantes; > discutir questões relacionadas à vida da comunidade, tais como problemas de saúde, saneamento básico, educação, moradia, poluição dos rios e defesa do meio ambiente, transporte, entre outros;

46 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Educação em DH na Educação Básica
Metodologias > trazer para a sala de aula exemplos de discriminações e preconceitos comuns na sociedade, a partir de situação-problema e discutir formas de resolvê-las; > tratar as datas comemorativas que permeiam o calendário escolar de forma articulada com os conteúdos dos Direitos Humanos de forma transversal, interdisciplinar e disciplinar;

47 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Educação em DH na Educação Básica
Metodologias > trabalhar os conteúdos curriculares integrando-os aos conteúdos da área de DH, através das diferentes linguagens; musical, corporal, teatral, literária, plástica, poética, entre outras, com metodologias ativa, participativa e problematizadora.

48 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Educação em DH na Educação Superior
Responsabilidade das IES com a formação de cidadãos/ãs éticos/as comprometidos/as com a defesa dos direitos humanos, além da responsabilidade de gerar conhecimento visando atender os atuais desafios dos direitos humanos, como a erradicação da pobreza, do preconceito e da discriminação.

49 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Educação em DH na Educação Superior
Educação em Direitos Humanos deve contribuir para a construção de valores que visam a práxis transformadora em vista de uma sociedade mais justa e solidária. A inserção da Educação em Direitos Humanos na Educação Superior deve ser transversalizada abrangendo o ensino, a pesquisa, a extensão e a gestão.

50 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Educação em DH na Educação Superior
ENSINO. DH nos projetos pedagógicos dos cursos e suas atividades curriculares, podem ser incluídos como conteúdos complementares e flexíveis, por meio de seminários e atividades interdisciplinares, como disciplinas obrigatórias e/ou optativas. A EDH propõe ação transversal e interdisciplinar, numa perspectiva crítica de currículo.

51 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Educação em DH na Educação Superior
PESQUISA. Incentivo a criação de núcleos de estudos e pesquisas com atuação em temáticas como violência, direitos humanos, segurança pública, criança e adolescente, relações de gênero, identidade de gênero, diversidade de orientação sexual, diversidade cultural, dentre outros.

52 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Educação em DH na Educação Superior
EXTENSÃO. Compromisso das universidades com a promoção e a defesa dos Direitos Humanos, atendendo demandas de intervenção por meio da aproximação com os segmentos sociais em situação de exclusão social e violação de direitos, assim como os movimentos sociais e a gestão pública, como forma de contribuição para a consolidação da democracia.

53 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Educação em DH na Educação Superior
GESTÃO. Os DH devem ser incorporados na cultura e gestão organizacional, no modo de mediação de conflitos, na forma de lidar e reparar processos de violações, na representação institucional e intervenção social junto às esferas públicas de cidadania, a exemplo da participação das IES em conselhos, comitês e fóruns de direitos e políticas públicas.

54 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos
D E S A F I O S

55 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos D E S A F I O S
PRIMEIRO. A formação da grande maioria dos/as profissionais da educação nas diferentes áreas do conhecimento, uma vez que as questões pertinentes aos Direitos Humanos não fizeram e, em geral, não fazem parte dos cursos de graduação e pós-graduação, nem mesmo da Educação Básica.

56 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos D E S A F I O S
SEGUNDO. Valorização dos/as profissionais da educação que deverão ser tratados/as como sujeitos de direitos, garantindo condições dignas de trabalho que atendam as necessidades básicas e do exercício profissional, políticas de profissionalização, plano de carreira etc.

57 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos D E S A F I O S
TERCEIRO. Socialização dos estudos e experiências bem sucedidas na área dos Direitos Humanos, promovendo encontros, seminários, colóquios e publicações de caráter interdisciplinar a fim de divulgar os novos conhecimentos produzidos na área.

58 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos D E S A F I O S
QUARTO. Respeito às diversidades, fruto da luta de vários movimentos sociais, ainda se apresenta como necessidade urgente no ambiente educacional, dadas as recorrentes situações de preconceitos e discriminações que nele ocorrem.

59 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos D E S A F I O S
QUINTO. Compreensão ampla da participação democrática requerida pela EDH. Há necessidade de representação de todos os segmentos que integram a comunidade escolar e acadêmica em seus diferentes tempos e espaços. atores que compõem o ambiente escolar.

60 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos D E S A F I O S
SEXTO. Necessidade de criação de políticas de produção de materiais didáticos e paradidáticos, tendo como princípios orientadores o respeito à dignidade humana, a diversidade cultural e socioambiental, para a consolidação de uma cultura de Direitos Humanos nos sistemas de ensino.

61 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos D E S A F I O S
SÉTIMO. Reconhecimento da importância da EDH e sua relação com a mídia e as tecnologias da informação e comunicação. O caráter crítico da informação e da comunicação deverá se pautar nos DH, favorecendo a democratização do acesso e a reflexão dos conteúdos veiculados.

62 Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos D E S A F I O S
OITAVO. Efetivação dos marcos teórico-práticos do diálogo intercultural ao nível local e global, de modo a garantir o reconhecimento e valorização das diversidades socioculturais, o combate às múltiplas opressões, o exercício da tolerância e da solidariedade, tendo em vista a construção de uma cultura em direitos humanos.

63 OBSERVATÓRIO DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS / UNESP Av. Eng
OBSERVATÓRIO DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS / UNESP Av. Eng. Luiz Edmundo Carrijo Coube, n.º 14-01, sala Vargem Limpa CEP Bauru-SP / Tels.: (14) /


Carregar ppt "EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google