A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ESTRATÉGIAS DE INTERNACIONALIZAÇÃO DA MARCOPOLO" SR. JOSÉ MARTINS 19/08/2004.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ESTRATÉGIAS DE INTERNACIONALIZAÇÃO DA MARCOPOLO" SR. JOSÉ MARTINS 19/08/2004."— Transcrição da apresentação:

1 ESTRATÉGIAS DE INTERNACIONALIZAÇÃO DA MARCOPOLO" SR. JOSÉ MARTINS 19/08/2004

2 Fundaçãoagosto de 1949 LocalizaçãoCaxias do Sul - RS Área construída m² Área total m² Capacidade de produção - Brasil70 un/dia Capacidade de produção - Grupo 110 un/dia Funcionários Representantes de VendasBrasil25 Exterior32 Volare64 I. VISÃO GERAL DA MARCOPOLO 2

3 Fonte: FABUS/SIMEFRE - OICA * Fabus em 2001 foram inclusos os números da marca Caio, arrendada pela Induscar, não associada da Fabus; ** Dados até junho; II. PRODUÇÃO BRASILEIRA DE ÔNIBUS ANOMI (unidades) Participação (%) ME (unidades) Participação (%) Total ,77668, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ** , ,

4 * III. PRODUÇÃO TOTAL GRUPO MARCOPOLO (MI + ME) Fonte: Marcopolo * Até junho 4

5 2004 * Rodoviário60,364,9 50,745,844,651,8 Urbano50,944,946,543,346,141,031,6 Micros34,538,540,945,9 54,759,5 Minis24,131,743,834,7--- TOTAL48,147,049,845,346,043,438,7 Obs.: Volare e Furgões não são computados para efeito de participação de mercado; IV. PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO BRASILEIRA (%) * Até junho 5

6 2004* BRASIL Marcopolo Ciferal TOTAL BRASIL EXTERIOR México Portugal Argentina---- África do Sul Colômbia TOTAL EXTERIOR TOTAL GERAL V. PRODUÇÃO MARCOPOLO – MUNDIAL CONSOLIDADA POR EMPRESA – (UN) Fonte: Marcopolo * até junho 6

7 VI. PRODUÇÃO MARCOPOLO MUNDIAL CONSOLIDADA (POR PRODUTOS E MERCADOS EM UNIDADES) 2004* PRODUTOS/ MERCADOS MIMETOTALMIMETOTALMIMETOTAL Rodoviários Urbanos Micros Mini (LCV) SUBTOTAL Volare e Furgões Produção Total Fonte: Marcopolo * Até junho 7

8 VII. RECEITA LÍQUIDA – EM R$ MILHÕES * Até junho 8

9 VIII. LUCRO LÍQUIDO EM MILHÕES E ROE (%) LUCRO LÍQUIDO (R$ MM) ROE (%) * Até junho 9

10 IX. MERCADO MUNDIAL DE ÔNIBUS (UNIÃO EUROPÉIA) EUROPA OCIDENTAL 2000 = = AUSTRÁLIA E PACÍFICO 2000 = = E.U.A / CANADÁ 2000 = = MÉXICO 2000 = = CHINA 2000 = = COREA DO SUL 2000 = = SUDESTE ÁSIA (FAR EAST) 2000 = = JAPÃO 2000 = = AMÉRICA CENTRAL E SUL /CARIBE 2000 = = EUROPA ORIENTAL E ÍNDIA 2000 = = R E S U M O 2000 = = Marcopolo tem 6,5% mercado Mundial ÁFRICA 2000 = =

11 X. ESTRATÉGIAS DE CRESCIMENTO INTERNACIONALIZAÇÃO VERTICALIZAÇÃO TECNOLOGIA PRÓPRIA SISTEMAS DE TRANSPORTES 11

12 XI. INTERNACIONALIZAÇÃO Internacionalização ocorre quando uma empresa decide tornar-se uma empresa multinacional. Esse processo pode ser feito: Através do controle 100% da empresa brasileira. Através de operações de joint – venture com empresas localizadas nos países para onde a empresa brasileira quer se implantar. Joint-ventures poderão ser feitas com controle majoritário, minoritário ou 50%/50%. É importante não confundir contratos de cessão de tecnologia, exportação de componentes ou produtos completos com Internacionalização. 12

13 XII. POR QUE A MARCOPOLO SE INTERNACIONALIZOU? Os processos de exportação passam primeiramente por exportações de produtos completos (CBU). Surgem as barreiras de importação, impondo impostos elevados, pois os países todos querem se industrializar. No caso Marcopolo, há muitos anos atrás resolvemos penetrar nesses países com produtos desmontados CKD ou SKD, vendendo nossa tecnologia. Surge aí o risco de criar competidores em potencial, que após término contratos, passam a ser proprietários da tecnologia. A solução é estabelecer-se no país alvo, em joint-venture ou independentemente. 13

14 XIII. REQUISITOS PARA INTERNACIONALIZAÇÃO Pesquisa mercado. Aceitação do produto – preço, qualidade, performance, adaptação às leis locais. Conhecer a legislação local – comercial, técnica, sindical, financeira, etc. Mão-de-obra disponível. Logística – Infra-estrutura. Disponibilidade de matérias – primas locais e potenciais fornecedores de componentes. Exigências de índices de nacionalização progressiva. Barreiras alfandegárias – importação de componentes. 14

15 XIII. REQUISITOS PARA INTERNACIONALIZAÇÃO Financiamento disponível. Inserção do país alvo em Mercados Comuns. Costumes, religião, alimentação, habitação. Adaptação dos executivos expatriados. Existência de redes de distribuição dos seus produtos. Existência de sistemas adequados onde seu produto irá operar. Adaptação do produto ao uso local. Sistemas de transportes existentes – Infra-estrutura viária – Tarifas – Sistemas Regulamentados ou não. Operações estatais ou privadas. 15

16 XIV. ESTRATÉGIAS DA MARCOPOLO: VERTICALIZAÇÃO Por verticalização entende-se a produção dos componentes necessários na montagem das carrocerias. Marcopolo produz poltronas, janelas, portas, porta – pacotes, estruturas, componentes de fibra, componentes de termoplásticos, ar condicionado, toaletes, etc. Sem dominar a verticalização é difícil estabelecer os planos de nacionalização progressiva exigidos por todos governos. Sem verticalização há risco de a tecnologia ser burlada. Sem verticalização perde-se a flexibilidade de adaptar o produto ao uso local. 16

17 XIV. ESTRATÉGIAS DA MARCOPOLO: TECNOLOGIA PRÓPRIA A única maneira de ter liberdade de mercado é ser dono da própria tecnologia. Se uma empresa compra tecnologia estará sempre limitada a não penetrar nos territórios do cedente daquela tecnologia. Isso restringe mercado e o processo de internacionalização fica limitado. O domínio da própria tecnologia é talvez o ponto mais forte da Marcopolo na sua caminhada rumo à internacionalização. 17

18 XIV. ESTRATÉGIAS DA MARCOPOLO: SISTEMAS DE TRANSPORTE No segmento que operamos as empresas operadoras estão perdendo sua individualidade. Passam a fazer parte de um Sistema Integrado de Transporte. Aqui no Brasil, Jaime Lerner foi o pioneiro com o Sistema Integrado de Curitiba. Surgiu depois ABC, Porto Alegre, Criciúma, Goiânia, Belo Horizonte e outras cidades estão se estruturando. Bogotá – Projeto Transmilenio. Marcopolo já está preparada para junto com os processos de Internacionalização, comercializar pacotes completos com o sistema de transporte mais adequado às cidades. 18

19 XV. PROCESSOS EMPREGADOS NA EXPORTAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO CBU – Completely Built Up CKD – Completely Knocked Down SKD – Semi Knocked Down PKD – Partial Knocked Down 19

20 XVI. CONSIDERAÇÕES NA DECISÃO DO PROCESSO IlustraçãoProcesso Frete Aproximado US$ Unidade Taxa de Importação Investi mento (US$) Quantidade por ano Possível Forneced or Local CBU5.500,00 Por unidade 25%010% PKD4.500,00 Por unidade %200 M150,15% SKD1.750,00 2 Unid CNT %1,5 - 2,5 MM % CKD1.167,00 3 Unid. CTN 40 0 – 5%5-6 MM % 20

21 XVII. ESTRATÉGIAS DA MARCOPOLO I. INTERNACIONALIZAÇÃO A)PORTUGAL: Foi o primeiro passo. Colocamos a empresa na União Européia Operação 100% Marcopolo. Mercado estável /ano. Grande número de competidores. Produto não bem adequado ao mercado. Mão-de-obra não especializada. Falta de experiência resultou numa operação pequena – 10 unidades/mês. A partir de 2002, com Euro favorável, reestruturamos a operação completamente e passamos a operar forte no sistema PKD. Já em 2004, deveremos atingir 20 un/mês. 21

22 B) ARGENTINA: fábrica em Rio Cuarto. Operação em CKD e SKD – chegamos a produzir 100 unidades/mês com 35% de market share. Crise econômica em 2001, obrigou-nos hibernar a empresa. Estima-se que o mercado argentino volte a reagir forte a partir de Vendas já estão retornando, dependendo mercado fábrica poderá ser reaberta a partir de XVII. ESTRATÉGIAS DA MARCOPOLO I. INTERNACIONALIZAÇÃO 22

23 XVII. ESTRATÉGIAS DA MARCOPOLO I. INTERNACIONALIZAÇÃO C) MÉXICO: 2000 Implantamos a empresa POLOMEX, em Águas Calientes 100% Marcopolo. Daimler Chrysler, em função de ser uma operação bem sucedida, propôs uma joint-venture onde Daimler Chrysler participaria com 26% no capital. Feita a joint-venture, Daimler Chrysler convidou POLOMEX a transferir-se para própria fábrica da Daimler Chrysler, em Monterrey. 23

24 XVII. ESTRATÉGIAS DA MARCOPOLO I. INTERNACIONALIZAÇÃO Atualmente POLOMEX está em Monterrey, sendo a operação internacional mais bem sucedida da Marcopolo. Produção de 1423 un/mês, em 2001, 1964 em 2002, 1687 em Todos os erros cometidos na Argentina e Portugal foram corrigidos, no México. México pertence ao mercado comum NAFTA. 24

25 XVII. ESTRATÉGIAS DA MARCOPOLO I. INTERNACIONALIZAÇÃO D) COLÔMBIA: 2001 Fábrica em Bogotá, em associação 50/50 com Superbus, fábrica de ônibus do grupo FANALCA. Operação muito bem sucedida. Produção em 2001 – 375 unidades e em 2002 – e unidades em Colômbia faz parte do Mercado Comum Pacto Andino. 25

26 E) ÁFRICA DO SUL: 2001 Compramos a fábrica da Volvo em Johannesburg – 100% Marcopolo Operação bem sucedida. Fábrica com grandes perspectivas de crescimento. Produção em 2001 – 120 unidades e em 2002 – 204. Em 2003 produção de 399. Mercado Comum – Cone Sul da África (não é um Mercado Comum Oficial). XVII. ESTRATÉGIAS DA MARCOPOLO I. INTERNACIONALIZAÇÃO 26

27 XVII. ESTRATÉGIAS DA MARCOPOLO I. INTERNACIONALIZAÇÃO F) CHINA: 2002 Venda de tecnologia para Iveco. Operação de US$ 12,5 milhões de dólares. Montagem micro, urbano, high decker. China é o maior mercado mundial – ônibus/ano. Venda tecnologia foi condicionada à instalação de uma fábrica de componentes para toda indústria de ônibus na China. 27

28 Índia – 1 bilhão de habitantes. Pacific Rim – 600 milhões habitantes (Indonésia, Tailândia, Singapura, Malásia, Filipinas, Burma, Vietnam). Rússia/Leste Europeu – 300 milhões de habitantes. Irã – 70 milhões de habitantes. USA – Bom mercado para mini e microônibus - mais ou menos a 9.000/ano XVIII. OUTROS MERCADOS EM POTENCIAL 28

29 MERCOSUL – Brasil e Argentina. PACTO ANDINO – Colômbia. NAFTA – México. UNIÃO EUROPÉIA – Portugal. CONE SUL ÁFRICA – África do Sul. FAR EAST – China. CARICOM – México e Colômbia. ECOWAS – Nigéria (futuro). MAGREB (Norte África) – Via Portugal e Marrocos. CAFTA – CENTRO AMERICA – Colômbia e México. XIX. POSICIONAMENTO MARCOPOLO NOS MERCADOS COMUNS 29

30 XX. ESTRUTURA CORPORATIVA MARCOPOLO S.A. Unidades: Ana Rech e Planalto Caxias do Sul – RS CIFERAL S.A Duque de Caxias - RJ MARCOPOLO Portugal POLOMEX México MVC São José dos Pinhais- PR MARCOPOLO África do Sul MARCOPOLO Argentina MARCOPOLO Colômbia MARCOPOLO China POLOPLAST México MVC CAXIAS DO SUL Unidade: Caxias do Sul - RS MVC China MVC Duque de Caxias - RJ MVC Catalão - GO 30

31 Portugal ÁSIA EUROPA OCEANIA ÁFRICA AMÉRICA DO SUL AMÉRICA DO NORTE África do Sul China Rio de Janeiro Caxias do Sul Argentina Colômbia México RODOVIARIO MARÍTIMO OCEANO GLACIAL ANTÁRTICO OCEANOÍNDICO OCEANOATLÂNTICO OCEANOPACÍFICO OCEANOPACÍFICO OCEANO GLACIAL ÁRTICO Coligada: Marcopolo South África Distância: Rodoviário: 970 Km Marítimo: 6100 Km Modal/Tempo Viagem: Rodoviário: 03 dias Marítimo: 12 dias Tempo total: 22 dias Tipo de produto: Urbano Torino Coligada: China Distância: Rodoviário Km Marítimo: Km Modal/Tempo Viagem: Rodoviário: 02 dias Marítimo: 45 dias Tempo total: 50 dias Tipo de produto: Micro/Viale Coligada: Marcopolo Latinoamérica SA Distância: Rodoviário: 1950 Km Modal/Tempo Viagem: Rodoviário: 02 dias Tipo de produto: Urbano Torino/Micro/Viale Coligada: Superpolo SA Distância: Rodoviário: 570 Km Marítimo: 8300 Km Modal/Tempo Viagem: Rodoviário: 03 dias Marítimo: 14 dias Tempo total: 20 dias Tipo de produto: Urbano Articulado/Viale Coligada: Polomex SA de CV Distância: Rodoviário Km Marítimo: 8600 Km Modal/Tempo Viagem: Rodoviário: 03 dias Marítimo: 17 dias Tempo total: 25 dias Tipo de produto: MP 100/MP 120/Andare Coligada: Marcopolo Indústria de Carroceria SA Distância: Rodoviário: 970 Km Marítimo: 8500 Km Modal/Tempo Viagem: Rodoviário: 03 dias Marítimo: 17 dias Tempo total: 25 dias Tipo de produto: Viaggio II/Alegro SE Coligada: Ciferal Com Ind e Partic SA Distância: Rodoviário: 1580 Km Modal/Tempo Viagem: Rodoviário: 02 dias Tempo total: 02 dias Tipo de produto: Urbano Turquesa/Fratello/Viale XXI. MAPA ROTA COLIGADAS CKD 31

32 XXII. MERCADOS DE EXPORTAÇÃO MARCOPOLO 32

33 NOSSAS FÁBRICAS

34 MARCOPOLO PLANALTO Caxias do Sul/RS - Brasil 34

35 MARCOPOLO ANA RECH Caxias do Sul/RS - Brasil 35

36 CIFERAL Duque de Caxias - RJ 36

37 MARCOPOLO INDÚSTRIA DE CARROÇARIAS S.A Coimbra - Portugal 37

38 MARCOPOLO LATINOAMÉRICA S.A Rio Cuarto - Córdoba - Argentina 38

39 Monterrey - México POLOMEX S.A. DE C.V 39

40 Johannesburg - África do Sul MARCOPOLO SOUTH AFRICA (PTY) LTD. 40

41 Bogotá - Colômbia SUPERPOLO S.A 41

42 Changzhou - China TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA 42

43 São José dos Pinhais/PR - Brasil MVC SÃO JOSÉ DOS PINHAIS 43

44 Catalão/GO - Brasil MVC CATALÃO 44

45 Xerém/RJ - Brasil MVC XERÉM 45

46 MVC CAXIAS DO SUL Caxias do Sul/RS - Brasil 46

47 MVC MÉXICO Monterrey - México 47

48 NOSSOSPRODUTOS

49 TORINO VIALE 49

50 TORINO ARTICULADO VIALE ARTICULADO 50

51 TORINO BIARTICULADO VIALE BIARTICULADO 51

52 TROLLEYBUS VIALE HÍBRIDO 52

53 VIALE HI 53

54 PARADISO 1200 PARADISO

55 PARADISO 1800 DD 55

56 PARADISO

57 PARADISO

58 58

59 59

60 60

61 61

62 VOLARE A6 & A8 – MARCOPOLO PLANALTO VOLARE A6 VOLARE A8 62

63 TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CBC – IVECO - CHINA VIALE LOW ENTRY PARADISO 1200 HD 63

64 TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CBC – IVECO - CHINA SENIOR 64

65 PKD 65

66 PKD 66

67 SKD/CKD SKD (semi-montada) Principais componentes já montados CKD (completamente desmontada) Carroceria completamente desmontada 67

68 PROCESSO VACUUM FORMING Peças internas da cabine Painéis Tomadas de ar Pára-choques / defletores 68

69 PROCESSO VACUUM FORMING Carenagens para caixas eletrônicas Painéis Pára-lamas Telefones públicos 69

70 PROCESSO EM FIBERPRINT Paradas de ônibus Lâminas em fibra de vidro 70

71 PROCESSO RTM Calha de ar condicionadoMóveis para postos de gasolina Peças frontais Escadas 71

72 CASA FIBERPRINT 72

73 CASA FIBERPRINT 73

74 COMPONENTES AGCO 74

75 75

76 PONTOS FORTES E VANTAGENS COMPETITIVAS DA MARCOPOLO Objetivo Corporativo: Liderança de Mercado Empresa internacionalizada Tecnologia própria Sistemas de produção verticalizados Foco no cliente Linha completa e diversificada de produtos Instalações preparadas para altos volumes Fabricação e processos confiáveis e modernos Constante desenvolvimento interno de produtos e tecnologia Flexibilidade para adaptar-se ao chassi e especificação do cliente Produção com baixo custo e alta qualidade 76

77 PONTOS FORTES E VANTAGENS COMPETITIVAS DA MARCOPOLO Competitiva globalmente em qualidade e preços Cultura Marcopolo Grande habilidade no Management Equipe disposta a ser expatriada Alta capacidade em treinamento Certificação ISO 9001, OHSAS e ISO Assistência Técnica e Rede de Pós Venda Gerenciamento Profissionalizado Forte imagem mundial Grupo capitalizado, finanças saudável e balanço publicado Organização com fácil acesso a mercados capitais 77

78

79 Observações: Esta apresentação contém informações futuras. Tais informações não são apenas fatos históricos, mas refletem os desejos e as expectativas da administração da Companhia. As palavras antecipa, deseja, espera, prevê, pretende, planeja, prediz, projeta, almeja e similares, pretendem identificar afirmações que, necessariamente, envolvem riscos previsíveis e imprevisíveis. Riscos previsíveis incluem incertezas, que não são limitadas ao impacto da competitividade dos preços e serviços, aceitação dos serviços no mercado, transições de serviço da Companhia e seus competidores, aprovação regulamentar, moeda, flutuação da moeda, mudanças no mix de serviços oferecidos e outros riscos descritos nos relatórios da Companhia. Esta apresentação está atualizada até a presente data e a Marcopolo não se obriga a atualizá-la mediante novas informações e/ou acontecimentos futuros.


Carregar ppt "ESTRATÉGIAS DE INTERNACIONALIZAÇÃO DA MARCOPOLO" SR. JOSÉ MARTINS 19/08/2004."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google