A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

S EMINÁRIO O RIENTADO Nº 23 Desidratação Frederico Rodrigues Gonçalo Alves Gonçalo Godinho Gonçalo Fernandes Gonçalo Nogueira Helena Ribeiro Henrique Arruda.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "S EMINÁRIO O RIENTADO Nº 23 Desidratação Frederico Rodrigues Gonçalo Alves Gonçalo Godinho Gonçalo Fernandes Gonçalo Nogueira Helena Ribeiro Henrique Arruda."— Transcrição da apresentação:

1 S EMINÁRIO O RIENTADO Nº 23 Desidratação Frederico Rodrigues Gonçalo Alves Gonçalo Godinho Gonçalo Fernandes Gonçalo Nogueira Helena Ribeiro Henrique Arruda Hugo Cordeiro Hugo Seixas Inês Conde Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Bioquímica II - 1º Ano

2 Objectivos Importância da água em sistemas biológicos Modificações electrolíticas e compromisso funcional Principais órgãos envolvidos no controlo hidroelectrolítico e principais alvos de disfunções hidroelectrolíticas

3 Constituinte Fundamental dos Seres Vivos Organismo humano 70 a 80% H 2 O Distribuição Variável entre os tecidos Compartimentos celulares Intracelular (28 L) Extracelular (14 L) Fluídos Fluído intersticial (11 L) Plasma sanguíneo (3 L) Água

4 Meio onde se processam as reacções biológicas Veículo de transporte de substâncias a excretar e de nutrientes Meio onde se encontram os componentes celulares Solvente universal Importância

5 Electrólitos Substâncias que em solução aquosa têm carga. Funções Principais - Manutenção da pressão osmótica do sangue - Criar potencial de membrana essencial à passagem do impulso eléctrico

6 Distúrbio electrolítico Níveis anormais de electrólitos no corpo, podendo conduzir a problemas cardíacos, mal funcionamento neuronal, mal funcionamento orgânico e em última instância a morte

7 Órgãos envolvidos no controlo hidroelectrolítico Rins Complexo hipotálamo-hipófise Controla o funcionamento do organismo Mantem a concentração de electrólitos no sangue constantes Regula volume de líquido corporal

8 Órgãos envolvidos no controlo hidroelectrolítico Glândulas Supra-renais Intestino Absorção de água, nutrientes e sais Produz hormonas necessárias ao controlo do equilíbrio hidroelectrolítico

9 Leve (1º grau)Moderada (2º grau)Grave (3º grau) Estado geralIrritada, com sede,Mais agitada, muita sede,Deprimida, comatosa, dorme mal e poucoraramente dormenão chora mais BocaSeca, lábios vermelhos,Muito seca, lábiosLábios cianóticos língua seca e saburrosaàs vezes cianóticos OlhosNormaisFundosMuito fundos LágrimasPresentesAusentes FontanelaNormalDeprimidaMuito deprimida PeleQuente, seca,Extremidades frias,Pele fria, acinzentada, elasticidade normalelasticidade diminuídaelasticidade muito diminuída PulsosNormaisFinosMuito finos EnchimentoNormalLentificadoMuito lentificado capilar*(até 3 s)(3 a 10 s)(mais de 10 s) Perda de peso2,5 a 5%5 a 10%Acima de 10% Déficit estimado25 a 50 ml/kg50 a 100 ml/kg> 100 ml/kg Desidratação Desidratação é a contracção do volume extracelular causada por perdas hidroelectrolíticas. A gravidade está intimamente relacionada com a amplitude do défice em relação às reservas corporais e da relação entre o défice de água e de electrólitos

10 Desidratação Tipos de Desidratação VasosFluído IntersticialCélulas Hipotónica (8-20%) perda de electrólitos + significativa do que de água + hipotónico Concentração mantém-se Isotónica (70-90%) perda de electrólitos e água Concentração mantém-se Hipertónica (2-10%) Perda de água + significativa do que de electrólitos + hipertónico Concentração mantém-se Movimento de água

11 Hipotónica Caracterizada por sódio sérico menor que 130 mEq/l. Há uma depleção de sódio e água, porém com uma perda proporcional excessiva de sódio em relação à perda hídrica. Isotónica Caracterizada por sódio sérico entre 135 mEq/l e 150mEq/l. Há uma perda de electólitos e água na mesma proporção Hipertónica Caracterizada por sódio sérico maior que 150 mEq/l. Há depleção de sódio e água, porém com uma perda proporcional maior de água. Desidratação

12 Causas

13 Perda de água corporal Urina – é excretada pelos rins e maioritariamente constituída por água. O principal mecanismo pelo qual o corpo mantém um equilíbrio entre a ingestão e a excreção de água. Fezes – é também uma das formas de perder água, embora seja num volume muito reduzido. Esta perda torna-se grave em caso de diarreia intensa. Perdas insensíveis – respiração, libertação de vapor de água, e através da pele, por difusão. Sudorese – esta perda também é variável, porque depende muito do nível de actividade física e da temperatura ambiente. Quanto mais intensa for a actividade física e mais elevada for a temperatura do ar, maior é a necessidade de hidratação.

14 Para uma desidratação hipotónica, o tratamento consiste em repor, rapidamente, a perda excessiva de eletrólitos no organismo. Administra-se soro fisiológico à base de citrato de sódio, cloreto de potássio e cloreto de sódio. O tratamento indicado para restabelecer a hiponatrémia, passa pela administração de 100 ml de NaCl a 3%. Para restabelecer a hipocaliémia deve-se administrar potássio entre 0,2 a 0,4 mEq/kg/h durante 4 a 6 horas. Tratamento

15 C ASO CLÍNICO Identificação Indivíduo caucasiano do sexo masculino com 41 anos de idade Constituição robusta Fraqueza muscular, confusão mental, sudação abundante, cãimbras, hematoma na coxa direita e respiração acelerada Sintomas Exame Objectivo Diminuição da pressão arterial (58/45 mmHg N:120/70mmHg), Bradicardia (43 bat/min; N:60-90), Hipotermia(35,7 C), ECG: arritmia, redução do intervalo T/U, aumento da amplitude da onda U e depressão S-T Foi imediatamente colocado sob perfusão com soro fisiológico

16 Sentiu-se mal depois de correr o seu jogging matinal num dia quente de Julho sem tomar pequeno-almoço. Ficou apavorado ao ver o carro da amante em casa. Decidiu fugir e deu uma pancada forte com a coxa num carro. Pouco depois, ainda aflito, anormalmente cansado e com muitas dores na perna, começou a sentir-se tonto. Não se lembra como foi para o hospital. Teve diarreia na noite anterior. C ASO CLÍNICO

17 Hematócrito aumentado(69% ; N:45-52%) Hemoglobina(22g/dL; N:14-18g/dL) Presença de corpos cetónicos (1,4mg/L, N:0) Hiperuricémia (7,6 μmol/L; N: 1,6-6,7 μmol/L) Hiperlactémia (2,1mEq/L; N:0,5-1,5mEq/L) Hiponatrémia(127mEq/L; N: mEq/L) Hipocalémia (2,8mEq/L; N:035-4,8mEq/L) pO2 (63 mmHg; N: mmHg) ALT e AST: 4,3 g/dL (N:3,5-5,0g/dL) Creatininémia: 80 μmol/L (N:35-105μmol/L ) E XAME C OMPLEMENTAR

18 D IAGNÓSTICO E TRATAMENTO Desidratação hipotónica e consequente choque hipovolémico Perfusão de soro fisiológico durante 6h Recomendação de consultar um nefrologista

19 Na história de ART, o que poderá ter contribuído para o seu estado de marcada desidratação? P ERGUNTA 1

20 DiarreiaSudação Falta pequeno- almoço Perda hidro- electrolítica Não reposição de electrólitos Perda H 2 O Hematoma Alteração da pressão oncótica

21 Explique a razão para cada um dos sintomas de ART (fraqueza muscular, confusão mental, diminuição da pressão arterial, hipotermia, respiração acelerada, modificações electrocardiograma) P ERGUNTA 2

22 Fraqueza muscular esforço físico Gasto de ATP e acumulação de ácido láctico Distúrbio electrolítico Alteração do potencial de repouso das membranas Alteração de propagação do estimulo nervoso através da membrana celular diminuição da velocidade de repolarização- respostas ao estímulo nervoso mais lentas

23 Confusão Mental Desidratação Hipotónica Confusão mental Distúrbio electrolítico Alteração do potencial de repouso das membranas Alteração de propagação do estimulo nervoso através da membrana celular diminuição da velocidade de repolarização- Células Túrgidas Edema cerebral Confusão mental

24 Pressão Arterial Desidratação Diminuição do volume de H2O circulante Diminição do volume sanguíneo e do débito cardíaco Diminuição da pressão arterial

25 O ar condicionado da ambulância, conjuntamente com a menor capacidade de distribuição corporal e sudorese justificam o estado hipotérmico do ART. Hipotermia Desidratação Diminuição do volume sanguíneo Menor fluxo sanguíneo Menor distribuição de calor pelo corpo Tentativa de preservação dos órgãos internos

26 Respiração Acelerada Diarreia Perda de Bicarbonato + Jejum associado ao exercício Formação de corpos cetónicos e lactato Acidose metabólica Hiperventilação (para diminuir a pCO2)

27 Modificações no Electrocardiograma Aumento onda U, depressão do segmento S-T Indicadores de hipopotassémia ( hipocalémia)

28 Explique a razão subjacente ao aparecimento de valores bioquímicos anormais. P ERGUNTA 3

29 Volume sanguíneo H 2 O no plasma Glóbulos vermelhos mantêm-se Aumento do Hematócrito Hematócrito aumentado (69%)

30 pO 2 Necessidades energéticas Rim Eritropoietina Glóbulos vermelhos e hemoglobina Hemoglobina aumentada (22g/l)

31 β -oxidação ácidos gordos Uso de reservas energéticas (triglicerídeos)Jejum; exercício físico Presença de corpos cetónicos (1,4mg/L) 2 AcetilCoA Acetoacetil-CoA sintetase AcetoacetilCoA HMG-CoA sintetase β-Hidroxi- β-metilglutaril-CoA (HMG-CoA)

32 Lactato compete com ácido úrico Lactato Excreção renal Ácido úrico no plasma Hiperuricémia (7.6 μmol/L)

33 Lactato Exercício físico/diminuição aporte de oxigénio às células Hiperlactémia (2,1 mEq/L)

34 Diarreia Falta de pequeno-almoço Sudação Possível desregulação supra-renal Perda de electrólitos Hiponatrémia (127 mEq/L) Hipocaliémia (2,8 mEq/L)

35 Fluídez do sangue Capacidade de circulação O 2 nas trocas pulmonares O 2 sanguíneo Choque hipovolémico pO2 diminuída (63 mmHg )

36 Qual a importância de mencionar a creatinina e as actividades de ALT e AST plasmáticas? P ERGUNTA 4

37 ALT e a AST são transaminases, indicadores de lesão celular. A creatinina é um indicador da função renal Insuficiência pré-renalDesidratação grave Creatininémia Como os valores de ALT, AST e creatininémia estão normais, pode-se concluir que a desidratação não se deve a problemas renais. Qual a importância de mencionar a creatinina e as actividades de ALT e AST plasmáticas?

38 Se tivesse tomado o pequeno almoço, ART evitaria esta desidratação? P ERGUNTA 5

39 Situação de desidratação hipotónica > Quantidade de electrolitos no sangue relativamente a uma situaçao normal perda -> diarreia Diminuição osmolaridade plasmática Aumento da pressão osmótica Movimento de água devido a distúrbio electrolítico Se tivesse tomado o pequeno almoço, ART evitaria esta desidratação?

40 Menor movimento de água Reposição de electrólitos ao tomar o pequeno almoço Aumento osmolaridade plasmática pressão osmótica menos elevada Se ART tivesse tomado o pequeno almoço

41 Esperaria que ART apresentasse algumas modificações hormonais? Quais e porquê? P ERGUNTA 6

42 Exercício físico e Jejum [Glucose][Insulina][Glucagon][Adrenalina] Esperaria que ART apresentasse algumas modificações hormonais? Quais e porquê?

43 Diarreia; Exercício físico; Calor Desiquilíbrio hidroelectrolítico Na+; Volume sanguíneo ADH e Aldoesterona Esperaria que ART apresentasse algumas modificações hormonais? Quais e porquê?

44

45 StressCortisolAdrenalina Esperaria que ART apresentasse algumas modificações hormonais? Quais e porquê?

46 Porque deixaram ART durante 6 horas sob perfusão? Não chegariam 2 horas? P ERGUNTA 7

47 Osmoles idiogénicas – substâncias osmoticamente activas formadas para controlar a extra osmolaridade do plasma (por exemplo glicina, glutamina, sorbitol, inositol) O cérebro é o orgão mais sensivel a variações electroliticas A hiponatrémia desencadeia uma resposta no cérebro que, lentamente, tenta atingir um equilíbrio com o líquido extracelular através da secreção de osmoles idiogénicas para o liquido extra-celular Normalmente demora alguns dias para que as células do cérebro fiquem em equilíbrio osmótico com o fluido extra-celular. Porque deixaram ART durante 6 horas sob perfusão? Não chegariam 2 horas?

48

49 Hipernatrémia deriva da perfusão demasiado rápida

50 Por que foi recomendado a ART que fizesse uma visita a um nefrologista? P ERGUNTA 8

51 Funções dos rins: Eliminação de metabolitos e substâncias exógenas; Regulação do equilíbrio ácido-base; Regulação da osmolaridade e volume de líquido corporal; Produção de hormonas: Eritropoetina, renina, vitamina D, cininas e prostaglandinas; Regulação da osmolaridade e volume de líquido corporal; Manutenção do equilíbrio electrolítico; Produção de urina. A perda de água é uma das principais causas de distúrbio renal Hipovolémia Suprimento sanguíneo insuficiente aos rins distúrbio renal Acumulação de substâncias tóxicas no sangue Fadiga Cansaço fácil Comprometimento do estado mental Sintomas nervosos e musculares Hipernatrémia derivada da perfusão rápida demais


Carregar ppt "S EMINÁRIO O RIENTADO Nº 23 Desidratação Frederico Rodrigues Gonçalo Alves Gonçalo Godinho Gonçalo Fernandes Gonçalo Nogueira Helena Ribeiro Henrique Arruda."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google