A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Unidades de Isolamento Respiratório: A experiência no Estado de Pernambuco.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Unidades de Isolamento Respiratório: A experiência no Estado de Pernambuco."— Transcrição da apresentação:

1 Unidades de Isolamento Respiratório: A experiência no Estado de Pernambuco

2 Art. 1º. - Aprovar Regulamento Técnico contendo medidas básicas referentes aos procedimentos de verificação visual do estado de limpeza, remoção de sujidades por métodos físicos e manutenção do estado de integridade e eficiência de todos os componentes dos sistemas de climatização, para garantir a Qualidade do Ar de Interiores e prevenção de riscos à saúde dos ocupantes de ambientes climatizados. Antecedentes Portaria/GM nº 3.523, de 28/08/98 Portaria/GM nº 3.523, de 28/08/98

3 Estabelece os Padrões Referenciais de Qualidade do Ar Interior, em ambientes climatizados artificialmente de uso público e coletivo. Antecedentes Resolução – RE nº 176, de 24/10/00 Resolução – RE nº 176, de 24/10/00

4 Atualiza a Resolução RE 176 Atualiza a Resolução RE 176 O Padrão Referencial de QAI é o marcador qualitativo e quantitativo da QAI, utilizado como sentinela para determinar a necessidade de busca das fontes poluentes ou das intervenções ambientais. O Padrão Referencial de QAI é o marcador qualitativo e quantitativo da QAI, utilizado como sentinela para determinar a necessidade de busca das fontes poluentes ou das intervenções ambientais. Antecedentes Resolução – RE nº 09, de 16/01/03 Resolução – RE nº 09, de 16/01/03

5 Art. 1º. Determinar a publicação de Orientação Técnica referente a Indicadores de Qualidade do Ar Interior em Ambientes de Serviços de Saúde, no que diz respeito à definição de parâmetros biológicos, químicos e físicos do ar interior, a identificação das possíveis fontes poluentes de natureza biológica, química e física e métodos analíticos. Antecedentes Consulta Pública nº 109, de 11/12/03 Consulta Pública nº 109, de 11/12/03

6 Capacitar engenheiros e arquitetos na análise de projetos de climatização de EAS (NBR 7256) Capacitar engenheiros e arquitetos na análise de projetos de climatização de EAS (NBR 7256) Capacitação de técnicos para inspeção em sistemas de climatização (Port /98); Capacitação de técnicos para inspeção em sistemas de climatização (Port /98); Capacitação de técnicos para coleta de amostras e avaliação da qualidade do ar em ambientes interiores (REs 176/00 e 09/03) Capacitação de técnicos para coleta de amostras e avaliação da qualidade do ar em ambientes interiores (REs 176/00 e 09/03) Ações da VISA/PE Ano – Contratação de consultor Ano – Contratação de consultor

7 Parceria ANVISA – INMETRO – VISA/PE (Programa Fantástico Rede Globo) Parceria ANVISA – INMETRO – VISA/PE (Programa Fantástico Rede Globo) Ações da VISA/PE Ano – Diagnóstico de Grandes Estabelecimentos Ano – Diagnóstico de Grandes Estabelecimentos o Estabelecimentos inspecionados Shopping center Shopping center Supermercados Supermercados Cinema Cinema

8 Ar condicionado (AC) Os setores com condicionamento para fins de conforto, como salas administrativas, quartos de internação, etc., devem ser atendidos pelos parâmetros básicos de projeto definidos na norma da ABNT NBR Os setores destinados à assepsia e conforto, tais como salas de cirurgias, UTI, berçário, nutrição parenteral, etc., devem atender às exigências da NBR Ações da VISA/PE Ano – RDC 50 – Exigência do Projeto de climatização Ano – RDC 50 – Exigência do Projeto de climatização

9 Ações de Engenharia em Saúde Pública para o Atendimento de Casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave - SRAG Fluxo unidirecional (aparelho instalado do lado contrário a porta) Pressão negativa Troca de ar em intervalos constantes (12 trocas por hora) Sistema de exaustão com filtro HEPA Janelas e aberturas vedadas 1 leito em cada quarto Ações da VISA/PE Ano – Gripe Aviária - Nota Técnica da FUNASA Ano – Gripe Aviária - Nota Técnica da FUNASA

10

11

12

13 Protocolo de Atendimento MS – 06/05/09 O isolamento no ambiente hospitalar deve ser realizado em um quarto privativo com vedação na porta e boa ventilação. Se houver disponibilidade no hospital, o isolamento deve ser realizado em uma unidade de isolamento respiratório com pressão negativa e filtro HEPA Ações da VISA/PE Ano – Gripe A (H1N1) Ano – Gripe A (H1N1)

14 Protocolo de Manejo Clínico MS – 24/08/09 9. Orientações para isolamento no ambiente hospitalar a)Isolamento em quarto privativo dos casos de doença respiratória aguda grave O isolamento, quando indicado, deve ser realizado em um quarto privativo com vedação na porta e bem ventilado. b.Isolamento por coorte Ações da VISA/PE Ano – Gripe A (H1N1) Ano – Gripe A (H1N1)

15

16

17

18 AMBIENTES(a)Nível de rísco (b) Situação a controlar (c)Temp.(°C)(d) Umidad e relativa (%)(d) Ar Ext. mín.(ren/h) Troca total mín. (ren/h)(e) Nível de pressão (f) Filtragem mínima Insuflam(g) Nível de ruido dB(A)(h) ATENDIMENTO IMEDIATO45 Atendimento de urgências e emergências Sala de isolamento2AgB G4 INTERNAÇÃO40 Quarto para isolamento de TMO e outros transplantados 3AgB – (+) G4 + F7 + A3 Quarto para isolamento de paciente com infecção transmitida pelo ar 3AgB – 606 (-)G4 Isolamento x Isolamento Respiratório Parâmetros de Projeto – NBR 7256 Parâmetros de Projeto – NBR 7256

19 Gripe A (H1N1) O ar condicionado é o vilão? O ar condicionado é o vilão?

20 Transmissão Partículas aerodispersas, inferiores a 5 micra, provenientes de gotículas desidratadas Podem permanecer em suspensão no ar por longos períodos de tempo, contendo agente infeccioso viável Podem ser dispersos para longe, pelas correntes de ar podendo ser inalados por um hospedeiro susceptível, dentro do mesmo quarto ou em locais situados a longa distância do paciente-fonte (dependendo dos fatores ambientais) Ex. de agentes etiológicos: tuberculose, varicela (catapora) e sarampo Aerossóis Aerossóis

21 Transmissão Partículas maiores de 5 micra; originam-se de um indivíduo fonte, sobretudo durante a tosse, o espirro, a conversação, e em certos procedimentos, tais como a aspiração ou a broncoscopia; A transmissão de gotículas requer um contato próximo, entre o indivíduo e o receptor, visto que, tais gotículas não permanecem suspensas no ar e geralmente se depositam em superfícies a uma curta distância; Ex. de agentes etiológicos: Haemophilus influenzae e Neisseria meningitidis; Gotículas Gotículas

22

23

24 (81) fax: (81) fax: Endereço na Internet


Carregar ppt "Unidades de Isolamento Respiratório: A experiência no Estado de Pernambuco."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google