A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

GESTÃO AMBIENTAL COMPARTILHADA COMPROMISSO DOS MUNICÍPIOS Palestrante: Armando Ricardi Jr BARRA BONITA - SP, 27 de março de 2009.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "GESTÃO AMBIENTAL COMPARTILHADA COMPROMISSO DOS MUNICÍPIOS Palestrante: Armando Ricardi Jr BARRA BONITA - SP, 27 de março de 2009."— Transcrição da apresentação:

1 GESTÃO AMBIENTAL COMPARTILHADA COMPROMISSO DOS MUNICÍPIOS Palestrante: Armando Ricardi Jr BARRA BONITA - SP, 27 de março de 2009

2 PROGRAMAÇÃO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: MUNICÍPIO ENERGOEFICIENTE As possibilidades e a viabilização de projetos de redução de custos com insumos energéticos, descobrindo a necessidade, o potencial de redução de consumo e como transformar custos em recursos para outras aplicações. Saiba mais O que são e como implementar projetos de eficiência energética: - Contratos de Performance; - ESCO, uma empresa especializada em reduzir custos, sem custo; - Formas de financiamentos (PROESCO-BNDES, PROCEL-GEM, ANEEL); - Alguns aspectos gerais sobre SUSTENTABILIDADE

3 Trata-se de atividade técnico-econômica que objetiva proporcionar o melhor consumo de energia, com redução de custos operacionais correlatos, minimizar contingenciamentos no suprimento desses insumos, e introduzir elementos e instrumentos necessários para o gerenciamento energético da Empresa ou Empreendimento, no segmento privado, e no segmento público, em diversas aplicações. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: CONCEITO

4 FOCO MERCADO PÚBLICO COMERCIAL / SERVIÇOS RESIDENCIAL INDUSTRIAL Clubes Condomínios Prédios Públicos Saneamento Hospitais Hotéis Supermercados Shopping Centers Cond. Empresariais Iluminação Pública EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: MERCADO

5 Oportunidades Levantamento e análise da situação existente Análise da viabilidade técnico-econômica Recursos Autofinanciados Concessionárias ELETROBRÁS: RGR, GEM BNDES - PROESCO Fundos de Investimento Fornecedores Implementação Execução dos projetos aprovados Medição & Verificação dos resultados EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: PROJETO

6 A ESCO (Energy Services Company) fornece um pacote de serviços englobando a elaboração e implantação de um projeto de eficientização energética, envolvendo ou não investimentos próprios, e monitorando os ganhos obtidos pela redução no consumo de energia, sendo remunerada por uma parcela da economia gerada pelos projetos implantados. Etapas dos serviços: Carta de Intenções; Diagnóstico Energético (Viabilidade Técnico-Econômica); Contrato de Performance; Implantação das Medidas; Medição & Verificação dos Resultados. ESCO - CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DE ATUAÇÃO NO MERCADO

7 1. INSUMOS ENERGÉTICOS 1.1. TIPOS: GN / GLP Óleo: Diesel, BFP Biomassa, lenha Eletricidade Outros 1.2. FONTES: Fornecimento contínuo ou batch Autogeração Cogeração DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO

8 2. CARGAS 2.1. TIPOS Iluminação (interna e externa) Aquecimento de água Climatização de ambientes Utilidades (vapor, ar comprimido) / fornos Refrigeração Motorização em geral Elevadores e escadas rolantes 2.2. CONTROLE E ACIONAMENTO Automação (geral, parcial, individual) Manual DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO (cont)

9 Anos Período Vigência Economias Estimadas Execução das Medidas de Economia $ Gasto Atual Eventual Resultado Financeiro Economias Compartilhadas com ESCO Pagamento do Financiamento Economia Total CONTRATO DE PERFORMANCE Gasto Futuro

10 MEDIÇÃO E VERIFICAÇÃO DE RESULTADOS São todos os procedimentos que apuram a economia obtida, que é a base para a remuneração do Contrato de Performance. É estabelecida uma linha de base, a partir do histórico do consumo de insumos energéticos da Empresa e da expectativa dos resultados esperados obtidos da implantação das ações detectadas no Diagnóstico Energético.

11

12 MUNICÍPIO ENERGOEFICIENTE ALGUNS TÓPICOS: 1. ILUMINAÇÃO PÚBLICA (INCLUSIVE SEMAFÓRICA, AUTOMAÇÃO OPERACIONAL) 2. PRÉDIOS PÚBLICOS (AR CONDICIONADO, ILUMINAÇÃO, AUTOMAÇÃO PREDIAL) 3.COGERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA POR UTILIZAÇÃO DE BIOMASSA E ATERROS SANITÁRIOS 4.CONCIENTIZAÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA JUNTO A COMUNIDADE (ESCOLAS, ASSOCIAÇÕES DE CLASSES) 5. HABITAÇÃO ENERGOEFICIENTE

13 ELETROBRÁS 1.a partir de recursos próprios de orçamento GEM (GESTÃO ENERGÉTICA MUNICIPAL): identifica oportunidades de economia e geração de energia, que reduzam desperdícios, elevando ganhos, obtendo, conseqüentemente, maiores recursos para serem utilizados em setores considerados prioritários para a comunidade.

14 ELETROBRÁS (cont) 2.a partir do Fundo RGR Implementações específicas como: a.RELUZ (ILUMINAÇÃO PÚBLICA) b.SEMAFÓRICA c.SANEAR (SANEAMENTO BÁSICO) d.PRÉDIOS PÚBLICOS (inclusive HOSPITAIS)

15 PEE - ANEEL O Programa de Eficiência Energética (PEE) é composto de um projeto ou um conjunto de projetos, correspondente à aplicação de recursos em eficiência energética realizado pelos concessionários e permissionários de distribuição de energia elétrica conforme dispõe a Lei n 9.991, de 24 de julho de 2000.

16 PEE - ANEEL (cont) CONCEITUAÇÃO DOS TIPOS DE PROJETOS a)Comercial/Serviços b)Atendimento a Comunidades de Baixa Renda c) Industrial d) Poderes Públicos – projeto em instalações de grande, médio e pequeno porte, de responsabilidade de pessoa jurídica de direito público, com ações de combate ao desperdício e eficientização de equipamentos. e) Residencial f) Rural g) Serviços Públicos – projeto em instalações de grande e médio porte com o objetivo de obter eficiência energética nos sistemas de água, esgoto, saneamento e tração elétrica, hospitais e escolas exploradas diretamente pelo poder público ou mediante concessão ou autorização. h) Aquecimento Solar para Substituição do Chuveiro Elétrico

17 Redução de custos de manutenção de equipamentos/ dispositivos Créditos de carbono Implantação de gerenciamento de utilidades (energia e água), através de Comissão/Comitê de Conservação de Energia/Água BENEFÍCIOS ADICIONAIS

18 Não existe sustentabilidade sem formalidade, legalidade e qualidade. A informalidade tem muitas facetas: (a) sonega ç ão de impostos; (b) desrespeito a legisla ç ão ambiental; (c) desrespeito a legisla ç ão trabalhista. O Comitê de Materiais desenvolveu uma ferramenta para auxiliar os projetistas, empreendedores e usu á rios na sele ç ão dos fornecedores e dos materiais que serão utilizados nas obras. Esse sistema não esgota o assunto, mas é uma estrat é gia vi á vel para abordar pr á ticas acess í veis a todos os compradores e especificadores de materiais e fornecedores. ALGUNS ASPECTOS SOBRE SUSTENTABILIDADE

19 MENSAGEM " If we are to cut global warming pollution as quickly and as deeply as the science says we must, it is imperative that climate legislation be designed to capture efficiency gains immediately. By making the potential of energy efficiency a reality, we can save the planet while simultaneously saving consumers money, spurring job growth, and meeting our nations rising energy demand at the lowest possible cost. Edward Markey (D-MA), Chairman of Subcommittee on Energy and the Environment "Se quisermos reduzir o aquecimento global e a poluição tão depressa e profundamente como a ciência diz que devemos, é imperativo que a legislação seja concebida para alcançar os ganhos de eficiência imediatamente. Ao tornar o potencial de eficiência energética uma realidade, podemos salvar o planeta e, ao mesmo tempo, poupar dinheiro dos consumidores, e ir ao encontro do crescimento do emprego da nossa nação e da demanda energética crescente ao menor custo possível."

20 ARMANDO RICARDI JR (11)


Carregar ppt "GESTÃO AMBIENTAL COMPARTILHADA COMPROMISSO DOS MUNICÍPIOS Palestrante: Armando Ricardi Jr BARRA BONITA - SP, 27 de março de 2009."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google