A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

REUNIÃO DE PAIS 1º Ano.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "REUNIÃO DE PAIS 1º Ano."— Transcrição da apresentação:

1 REUNIÃO DE PAIS 1º Ano

2 Organigrama da Catequese
Ano Horário Catequistas Sala Coordenadora 15h00 Joana Neves 17 01 Antónia Raquel 16h30 Paula Monteiro 25 Estela Maria Isabel 02 Helena Pereira 03 Carla Alexandra 05 Pároco Pe. Amaro Gonçalo

3 TEMA DE REFLEXÃO Educar na fé: o que é?

4 damo-nos conta de que falta
I. Ano da Fé * 50 anos do início do Concílio Vaticano II * 20 anos da publicação do Catecismo da Igreja Católica … quando falta a fé, damo-nos conta de que falta a luz interior e a alma de tudo o resto!

5 Finalidade do Ano da Fé A fé não pode mais ser pressuposta. Tem de ser continuamente proposta! Finalidade do Ano da Fé: “Redescobrir o caminho da fé, para fazer brilhar, com evidência sempre maior, a alegria e o renovado entusiasmo do encontro com Cristo” (PF 2).

6 II. Educar na fé A fé não é um curso que se tira durante alguns anos…
A fé é um percurso que se faz ao longo de toda a Vida! Educar na fé é mais do “mandar aos filhos à Catequese”

7 Educar na fé, em família Educar na fé os filhos não é, em primeiro lugar, instruir em assuntos religiosos, ou desfiar em casa um catecismo; é, em primeiríssimo lugar, criar uma atmosfera de amor, que fale de Deus e um ambiente de oração, que deixe Deus falar.

8 Educar na fé, lá em casa É viver uma vida, em família, na qual Deus tenha o primeiro lugar e goze de prioridade, nas vossas escolhas e ocupações. E isso reflete-se em atitudes simples, como, por exemplo, não deixar de rezar em família, não deixar de participar na Eucaristia dominical, mostrando assim que é Deus o Senhor de tudo o que somos e temos.

9 Educar na fé, na companhia da Igreja
Viver assim, prepara o terreno, para que a semente da fé, lançada no Batismo, possa desenvolver-se e frutificar ao longo da vida toda, sob a guia e companhia da Igreja.

10 Guias para educar na fé Guias no caminho da fé: Os pais e quem mais? Importância do testemunho: Percorrer o caminho que se propõe

11 Guias para educar na fé Já “não bastam meros dispensadores
de regras e informações; são necessárias testemunhas autênticas, que saibam ver mais longe do que os outros, A testemunha é alguém que vive primeiro o caminho que propõe” (cf. Bento XVI, Mensagem no Dia Mundial da Paz 2012).

12 Pais que guiam na fé Procurai, ser para os vossos filhos,
as “estrelas” que guiam e apontam para o verdadeiro “Sol Nascente”, para a Luz do mundo, que é Cristo (cf. Jo.8,12). “Nisto vos ajudará o Senhor, que vos propõe ser simples e eficazes como o sal, ou como a lâmpada que dá luz, sem fazer ruído” (Bento XVI, Discurso, ).

13 Educar na fé da Igreja Educar a fé
é mais do que mandar os filhos à Catequese uma verdadeira educação da fé, não se limita a uma instrução religiosa ou moral, mas visa o crescimento e o amadurecimento da fé, nas suas diversas dimensões: a fé professada, celebrada, vivida e rezada.

14 III. Catequese e educação da Fé
A Catequese é um dos meios de evangelização, de que a Igreja dispõe, para iniciar, educar e formar na fé, aqueles que livremente a pedem, no desejo de se tornarem verdadeiros discípulos de Jesus e membros ativos da sua Igreja. Regulamento, n.1

15 Serviço paroquial de colaboração com a família, na iniciação cristã de todos os seus membros, a catequese paroquial conta com os pais, como primeiros e insubstituíveis educadores na fé, dos quais o pároco e catequistas são apenas colaboradores. Regulamento, n.2

16 Finalidade primeira da Catequese
«Pôr as pessoas, não apenas em contacto, mas em comunhão, em intimidade com Jesus Cristo» DGC 80; Regulamento, 3

17 Tarefas principais da Catequese
Favorecer o conhecimento da fé: A fé professada A educação litúrgica: A fé celebrada A formação moral: A fé vivida Ensinar a rezar: A fé rezada Outras: Iniciar na vida comunitária: a fé partilhada Iniciar na Missão: a fé testemunhada

18 Educar na fé A fé é professada e pensada: não basta ter o credo na boca! A fé é celebrada e festejada em comunidade: ninguém crê “sozinho” A fé é vivida, mas não se reduz aos grandes valores; A fé é rezada, mas não basta saber de cor algumas orações! Regulamento, 4

19 IV. CATEQUESE E FAMÍLIA:
ALGUMAS PROPOSTAS

20 CATEQUESE E FAMÍLIA: Iniciar os filhos à experiência da oração, em família; Participar activamente em algumas catequeses; Colaborar em cada grupo, como casal de ligação com outros pais; Participar em momentos de oração, com os filhos, na catequese; Reforçar a presença e participação na Eucaristia; Presença activa em encontros de reflexão conjuntos, convívios,

21 CATEQUESE E FAMÍLIA: Ocasionalmente, e sem coincidir com datas que contemplem outras celebrações, (natal, pascoa...) participar em actividades, como orações, charadas... entre pais e filhos… Aproveitar melhor a rubrica “Família” no novo catecismo, lendo e meditando e aplicando as sugestões aí apresentadas; Colaborar no ambiente da Catequese, respeitando o Regulamento.

22 ALGUMAS RECOMENDAÇÕES AOS PAIS
Saída e recolha das crianças, à entrada; Não acesso às salas e permanência junto destas; Cuidado com o número de faltas (Regulamento n.11) Necessidade do catecismo (Regulamento n.12); Preço do Catecismo: 8,50 € Transferências de grupo e de Paróquia autorizadas, com conhecimento e consentimento do pároco; Casos de 2 filhos em que é possível manter no mesmo horário, devem ser considerados.

23 ALGUMAS RECOMENDAÇÕES AOS PAIS
Ler o Regulamento com atenção (alguns destaques)

24 Regulamento da Catequese
9. Às crianças do 1º ano é compreensível propor um ritmo menos frequente da celebração da Eucaristia, mas importa não descuidar a sua progressiva inserção nos dinamismos próprios da celebração: : (27 de Outubro, 8 de Dezembro, 19 de Janeiro, 23 de Março; 4 ou 5 de Maio: CNE: Sáb.19h00) 10. A participação dos catequizandos nas “Celebrações e festas da Catequese”, agendadas desde o início do ano catequético, (4 e 5 de Maio) é obrigatória, contando-se para tal, com a presença e participação dos pais, que, aliás, deve ser habitual, ao longo de todo o ano pastoral;

25 Assiduidade, Reg. Cat.n.11 11.1. Por princípio, nunca se falta à Catequese, nem à Missa. Num caso e noutro, trata-se sempre de um compromisso sério e não de um qualquer espaço de actividades de tempos livres. 11.2. Os encontros da Catequese estão interligados, pelo que a ausência num encontro compromete, para o próprio e para os demais, o desenvolvimento dos encontros seguintes. 11.3. Não há espaço na Catequese, para faltas injustificadas. A Catequese é escolha livre dos pais. Por isso, estes devem ser coerentes com a escolha feita, garantindo e exigindo dos filhos a sua presença na Catequese e a participação comum na Eucaristia! 11.4. No caso de acontecer uma falta à Catequese, qualquer satisfação a dar ao catequista, através de uma justificação oral ou escrita, é um procedimento obrigatório de cortesia e lealdade. Mas essa «satisfação» não justifica, de si ou por si, qualquer falta, se, de facto, não houver razões sérias para tal.

26 Assiduidade, Reg. Cat.n.11 11.5. São razões sérias para uma falta, a participação do catequizando em alguma actividade do CNE, que decorra no mesmo horário da Catequese, a doença, o luto, a participação em alguma celebração sacramental do baptismo, casamento ou funeral de pessoa próxima ou algum evento, em que a presença do catequizando seja absolutamente necessária; 11.6. As circunstâncias referidas no parágrafo anterior, que poderiam justificar uma falta na Catequese, são naturalmente raríssimas e não será razoável, em situações normais, que ultrapassem o limite de cinco vezes por ano. 11.7. As festas de aniversário, as actividades desportivas, a falta de vontade do catequizando, os passeios não escolares, não são motivos razoáveis para faltar à Catequese e à Eucaristia. Os principais prejudicados são o próprio e o grupo a que pertencem;

27 Assiduidade, Reg. Cat.n.11 11.8. Se acontecer, excepcionalmente, uma acumulação sucessiva e excessiva de faltas, por motivos incontornáveis (doença, acidente, separação dos pais e partilha de fins-de-semana), será o caso de ponderar a vantagem de retomar o mesmo ano, no ano seguinte; 11.9. Se, desde o início, os pais adverte um horário de catequese previsível e incompatível um com outra actividade, (escolar, familiar ou social), a que querem dar prioridade, o melhor, nesses casos, é escolherem, desde logo, outra paróquia e outro horário para a Catequese dos filhos, a fim de não transformar a catequese num encontro de participação intermitente.

28 Regulamento da Catequese
13. Os Catequistas responsabilizam-se pela segurança das crianças, desde o seu acolhimento, até ao final da Catequese, não tendo obrigação de as acompanhar, no tempo seguinte à Catequese. 14. Os pais não podem interromper o encontro catequético, com chamadas de atenção e saídas antecipadas do catequizando, devendo qualquer necessidade excepcional ser previamente do conhecimento e consentimento do catequista.

29 UM FILME SOBRE A GRANDE FAMÍLIA
CONCLUSÃO UM FILME SOBRE A GRANDE FAMÍLIA

30 Celebração de Acolhimento

31 com Jesus meu grande amigo!
Cântico inicial Já vou à Catequese! Já sou mais crescido! E vou aprender muito com Jesus meu grande amigo!

32 Cântico inicial Jesus gosta de mim E eu gosto de Jesus!
É Ele quem me ensina a caminhar na sua Luz!

33 Cântico inicial Durante este ano, Virei cada semana,
Virei, com alegria, aprender que Deus me ama aprender que Deus me ama!

34 Grupo na barca dos amigos de Jesus
Crescemos… Grupo na barca dos amigos de Jesus

35 Quem receber uma destas crianças em Meu Nome é a Mim que recebe!
Evangelho Quem receber uma destas crianças em Meu Nome é a Mim que recebe!

36 Ó Jesus, a porta do meu coração está aberta para Ti!

37 Compromisso dos pais P- Quereis abrir, de par em par, nos vossos corações e nos corações dos vossos filhos, a porta da fé? Pais: Sim, queremos!

38 Compromisso das catequistas
P- Quereis ajudar estes pais a abrir no seu coração e no coração destes mais pequeninos, a porta da fé? Catequistas: Sim, queremos.

39 Compromisso das crianças
P- E vós, meninos e meninas, quereis ter no vosso coração uma porta sempre aberta para Jesus nele entrar? Crianças: Sim, queremos.

40 Convite:

41 com Jesus meu grande amigo!
Cântico final Já vou à Catequese! Já sou mais crescido! E vou aprender muito com Jesus meu grande amigo!

42 Cântico final Jesus gosta de mim E eu gosto de Jesus!
É Ele quem me ensina a caminhar na sua Luz!

43 Cântico final Durante este ano, Virei cada semana, Virei, com alegria,
aprender que Deus me ama aprender que Deus me ama!


Carregar ppt "REUNIÃO DE PAIS 1º Ano."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google