A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Acessibilidade e Inclusão Digital. Panorama da WEB no Brasil - FGV 2003 Em 2001, pelo dados do PNAD 12,46% da população brasileira tinham acesso em seus.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Acessibilidade e Inclusão Digital. Panorama da WEB no Brasil - FGV 2003 Em 2001, pelo dados do PNAD 12,46% da população brasileira tinham acesso em seus."— Transcrição da apresentação:

1 Acessibilidade e Inclusão Digital

2 Panorama da WEB no Brasil - FGV 2003 Em 2001, pelo dados do PNAD 12,46% da população brasileira tinham acesso em seus lares a computador e 8,31 % à internet 6% as pessoas com nível superior representavam 35% dos usuários de internet. A escolaridade média dos incluídos digitalmente é de 8,72 anos de estudo e a dos excluídos quase a metade. A renda média mensal dos incluídos digitais é de 1677 reais contra 569 dos excluídos

3 Tendências da WEB no Mundo Fusão TV + Rádio + Internet TV Digital (interativa) < 10 anos

4 Sociedade da Informação. A exemplo das políticas adotadas pelas Nações Unidas, especialmente pela Comunidade Européia, que têm incluído em seus documentos a igualdade de oportunidades para pessoas portadoras de deficiência e idosos, além da indicação de que os Estados devem promover o acesso universal a informações e a serviços para os cidadãos por meio da disponibilização de instrumental específico.

5 Sociedade da Informação Sociedade da informação – 45% dos trabalhadores no USA trabalham com informações A Coréia do Sul na década de 70 tinha um índice de analfabetismo similar ao nosso. Maior usuária de serviços de banda larga (Reuters) Maior número de internautas Ultrapassou o Canadá (2) É possível

6 Conceitos Fundamentais Acessibilidade Desenho Universal Inclusão Digital

7 A Importância da Acessibilidade A palavra acessibilidade deve ser compreendida não apenas como o acesso à rede de informações, mas também como a eliminação de barreiras arquitetônicas, de comunicação e de acesso físico, equipamentos e programas adequados, bem como conteúdo e apresentação da informação em formatos alternativos.

8 Desenho Universal Definição (Oficina de inclusão digital) 1- Equipara ç ão nas possibilidades de uso 2- Flexibilidade no uso 3- Uso Simples e intuitivo 4- Capta ç ão da informa ç ão 5- Tolerância para o erro 6- M í nimo esfor ç o F í sico 7- Dimensão e espa ç o para uso e intera ç ão No conceito de acessibilidade para todos, se incluem como benefici á rios as pessoas com equipamentos lentos e antiquados ou muito modernos

9 Inclusão Digital A inclusão digital é o conjunto de processos de comunicação e processamento de conhecimento relativos à vida do cidadão e da cidadã. A toda a população deve ser garantido o direito de acesso ao mundo digital, tanto no âmbito técnico/físico (sensibilização, contato e uso básico) quanto intelectual (educação, formação, geração de conhecimento, participação e criação).

10 Bases Legais da Acessibilidade na WEB Section W3C/WAI - W3C - Consórcio para a WEB (World Wide Web Consortium) e WAI - Iniciativa para Acessibilidade na Rede (Web Accessibility Initiative) Lei – 2000 Comitê CB-40 da ABNT Plano Europe 2002 (15 países) Consulta publica da Regulamentação das Leis e – março 2004

11 Bases Legais da Acessibilidade na WEB Regulamentação das Leis Federais no , de 8 de novembro de 2000 e n , de 19 de dezembro de (Entram em vigor em 30 dias) CAPÍTULO VI DO ACESSO À INFORMAÇÃO E À COMUNICAÇÃO Art. 50. Em um prazo de até seis meses a contar da data de publicação deste Decreto, será obrigatória a acessibilidade nos sítios eletrônicos da administração pública para o uso das pessoas portadoras de deficiência, garantindo-lhes o pleno direito às informações disponíveis. Art. 50. Em um prazo de até seis meses a contar da data de publicação deste Decreto, será obrigatória a acessibilidade nos sítios eletrônicos da administração pública para o uso das pessoas portadoras de deficiência, garantindo-lhes o pleno direito às informações disponíveis. § 1o Aplica-se o disposto no caput deste artigo aos sítios eletrônicos de estabelecimentos privados que explorem atividades de interesse público por meio da internet. § 1o Aplica-se o disposto no caput deste artigo aos sítios eletrônicos de estabelecimentos privados que explorem atividades de interesse público por meio da internet. § 2o Os sítios eletrônicos acessíveis às pessoas portadoras de deficiência conterão um símbolo que represente a acessibilidade na Web a ser adotado nas respectivas páginas de entrada. § 2o Os sítios eletrônicos acessíveis às pessoas portadoras de deficiência conterão um símbolo que represente a acessibilidade na Web a ser adotado nas respectivas páginas de entrada.

12 Todo Social As ações de Inclusão Digital devem promover a inclusão e equiparação de oportunidades para o todo social. Cabe especificar que o todo social inclui populações com necessidades especiais muitas vezes invisíveis como é o caso de pessoas idosas, de baixa escolaridade, com impedimentos ou limitações intelectuais e mentais, físicas, sensoriais, motoras e/ou com mobilidade reduzida, pessoas com limitações temporárias, etc.

13 Pessoas com deficiência 24,3 milhões de Pessoas com Deficiência (censo 2000) 2,8 milhões com deficiência mental permanente 1,4 milhões com deficiência f í sica (Tetraplegia, paraplegia ou hemiplegia permanente) 16,5 milhões com dificuldades de enxergar (alguma/grande/permanente) 5,7 milhões com dificuldades de ouvir (alguma/grande/permanente). 97,2 milhões de pessoas Família padrão brasileira (4 pessoas)

14 Princípios Internacionais Muita gente não faz idéia do que é, nem que importância possa ter, a temática da acessibilidade associada à concepção de páginas para a WEB. Há muitos usuários que atuam em contextos muito diferentes do nosso. Referimo-nos a usuários que podem estar numa das seguintes situações:

15 Princípios Internacionais Não ter a capacidade de ver, ouvir ou deslocar-se, ou que podem ter grandes dificuldades, quando não mesmo a impossibilidade, de interpretar determinados tipos de informações; Para o cego a internet possibilita que ele possa receber, tratar, interagir com informações (correios, bancos, supermercados..) sem se expor ao espaço urbano. O mesmo acontece com pessoas que tem mobilidade reduzida (paraplégicos, paralisados celebrais..)

16 Princípios Internacionais Ter dificuldade em ler ou compreender textos; Somente 3% dos surdos brasileiros completam o ensino médio O nosso surdo não adquiriu a língua portuguesa e está excluído não só da internet mas também da TV, de livros, jornais... Sua língua natural é a língua brasileira de sinais (LIBRAS) cuja utilização é obrigatória para sua educação (lei federal)

17 Princípios Internacionais Não ter um teclado ou mouse, ou não ser capaz de os utilizar; Ter um quadro que apenas apresenta texto, um quadro de dimensões reduzidas ou uma ligação à Internet muito lenta; Não falar ou compreender fluentemente a língua em que o documento foi escrito; Ter os olhos, os ouvidos ou as mãos ocupados ou de outra forma solicitados;

18 Como um cego usa a Internet O usuário cego utiliza um programa leitor de tela, isto é, as informações que são disponibilizadas nas páginas dos sites em forma de texto são convertidas para informações sonoras. (via voz). Atualmente temos vários programas leitores de tela, no Brasil os mais usados são: WEBVOX (grátis) VirtualVision Jaws

19 Como um cego usa a Internet Entretanto as páginas da web devem ter algumas características, de forma a permitir que esses programas leitores de tela possam ler perfeitamente os conteúdos disponibilizados.

20 Sítios Governamentais Apesar do Brasil ser o 17 lugar em automação do Gov. Eletrônico 99,99 % dos sítios públicos não são acessíveis ( páginas)

21 Introdução para técnicas Prover textos alternativos para todas as imagens.

22 Introdução às técnicas Assegurar que o site seja vis í vel, mesmo sem informa ç ões de cores ou em monitores de alto contraste.

23 Introdução às técnicas Como Avaliar Existem vários softwares para avaliação de sites Os mais utlizados são: Bobby - em inglês Cinthia – em inglês Lynx Viewer - em inglês DASILVA – Em Português

24 Acessibilidade Brasil Perfil da Organização Organização da sociedade civil de interesse público – OSCIP, que tem como objetivo principal a disseminação dos princípios de acessibilidade, na área digital, visando a inclusão social de pessoas portadoras de deficiência

25 Acessibilidade Brasil Disseminação dos princípios de acessibilidade Apoio na formulação de diretrizesApoio na formulação de diretrizes Treinamento de webdesignersTreinamento de webdesigners Adequação de sítiosAdequação de sítios

26 Considerações finais A política de acessibilidade deve ser implantada não só visando os sítios públicos, que é obrigação legal do estado, mas como incentivo à sua aderência pelo terceiro setor e iniciativa privada, não somente pelo entendimento em relação às diferenças, mas principalmente como um importante fator sócio-econômico-cultural gerado pela inclusão desse grande grupo de cidadãos nesse novo e emergente mercado de consumo.

27 Acessibilidade Brasil Prodam Faculdade de Saúde Pública – USP Centro de Engenharia de Reabilitação em tecnologias de Informação e Comunicação Endere ç os de alguns s í tios sobre acessibilidade

28 Leda Lúcia Spelta Acessibilidade Brasil Acessibilidade e Inclusão Digital


Carregar ppt "Acessibilidade e Inclusão Digital. Panorama da WEB no Brasil - FGV 2003 Em 2001, pelo dados do PNAD 12,46% da população brasileira tinham acesso em seus."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google