A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A ideia para a realização deste estudo resultou da constatação de que: 1- a viticultura na Região dos Biscoitos pode ser relançada como resultado.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A ideia para a realização deste estudo resultou da constatação de que: 1- a viticultura na Região dos Biscoitos pode ser relançada como resultado."— Transcrição da apresentação:

1

2

3

4 A ideia para a realização deste estudo resultou da constatação de que: 1- a viticultura na Região dos Biscoitos pode ser relançada como resultado Da sua classificação como região demarcada IPR (Indicação de Proveniência Determinada) para produção de VLQPRD seco (Vinho Licoroso de qualidade Produzido em Região Determinada) para o vinho Verdelho. Concessão de ajudas Comunitárias para a reconversão de castas americanas para castas europeias 2- a reunião natural de um conjunto de condições climáticas e do solo dos Biscoitos, se por um lado conduzem à produção de vinho de inegável qualidade e único no mundo, é por outro lado frequentemente motivo de importantes perdas devido à grande facilidade da ocorrência de acidentes fisiológicos graves e à propagação de doenças criptogâmicas, sendo o míldio, de entre elas, a mais temida pelos viticultores desta região. 3- os viticultores realizam toda a calendarização dos tratamentos fitossanitários da videira em função do míldio, atingindo-se, facilmente, sete ou oito aplicações durante a Primavera e início do Verão, o que agrava decisivamente os custos de produção desta cultura, possíveis problemas ambientais e de confiança do consumidor. Este número elevado de tratamentos, podia resultar, na maior parte dos casos, não da sua necessidade efectiva mas sim do elevado receio que os viticultores locais têm pela doença 4- o modelo matemático de previsão do aparecimento da doença do míldio designado por EPI- Míldio tem sido aplicado com sucesso em Portugal Continental e em França fornecendo informação importante sobre a necessidade e a data de uma intervenção fitossanitária

5 ESTRUTURA DO TRABALHO Revisão Bibliográfica (Capítulos 2 e 3 do Relatório) Trabalho Experimental (Capítulos 4, 5 e 6 do Relatório)

6 ESTRUTURA DO TRABALHO Cap. 2- Caracterização biológica do agente causador do míldio da videira, o fungo Plasmopara viticola (Berck. e Curt.) Berl. e de Toni, procedendo-se à sua classificação sistemática, à descrição do seu ciclo de vida e da sintomatologia característica, fazendo-se uma breve referência aos meios de luta utilizados contra esta doença (adicionalmente, foi elaborada uma relação dos factores que condicionam a evolução do míldio da videira). Revisão Bibliográfica (Capítulos 2 e 3 do Relatório)

7 ESTRUTURA DO TRABALHO Cap. 3- Descrição do funcionamento do modelo EPI-Míldio da videira, definindo-se o seu conceito e a sua estrutura, bem como a forma de cálculo do seu valor, dando destaque à interpretação da evolução dos valores do modelo e à estratégia de tratamentos baseada nessa evolução, (é feita, ainda, uma breve referência aos outros modelos de previsão existentes).

8 ESTRUTURA DO TRABALHO Cap. 4- Caracterização do ecossistema vitivinícola dos Biscoitos descrevendo a sua estrutura produtiva e o sistema cultural tradicional utilizado pelos produtores locais de vinho Verdelho. É também feita a descrição dos principais inimigos culturais presentes nos Biscoitos, englobando as pragas, as doenças e as infestantes presentes nas vinhas estudadas. Trabalho Experimental (Capítulos 4, 5 e 6 do Relatório)

9 ESTRUTURA DO TRABALHO Cap. 5- testagem propriamente dita dos parâmetros da evolução do modelo EPI-Míldio para as campanhas vitivinícolas de 1996/97, 1997/98; 1998/ /00 e 2000/01 com a introdução dos coeficientes definidores das curvas de risco (Aplicação do modelo) e comparação dos valores apontados pelo modelo, com os valores reais de infestação por míldio obtidos no campo (Validação do modelo).

10 ESTRUTURA DO TRABALHO Cap. 6- São apontadas possíveis correcções a introduzir no modelo EPI-Míldio para o tentar aproximar mais da realidade registada e observada no campo.

11 O Modelo EPI- Míldio da Videira

12 O Modelo EPI- Míldio da videira O Conceito de EPI- Estado Potencial de Infecção O comportamento epidémico do fungo P. viticola resulta da relação do parasita com a planta, sob a influência preponderante do clima, ou seja, é consequência do funcionamento, ao longo do tempo, do sistema Clima-Parasita-Planta, (STRIZYK, 1980, 1983a). ParasitaPlanta Clima Receptividade da PlantaEnergia do Parasita

13 O Modelo EPI- Míldio da videira O Conceito de EPI- Estado Potencial de Infecção O míldio da videira exerce uma pressão variável sobre a planta, de acordo com a época e os parâmetros climáticos registados, pelo que se considera que o parasita tem uma energia fisiológica variável. É esta energia, resultante da complexidade das interacções que se verificam, em cada momento, entre os elementos do sistema, que se pretende quantificar com o modelo. Uma vez que o perigo previsto pela simulação dos estados de equilíbrio do sistema só tem significado caso o acontecimento contaminante (chuva, orvalho) se venha a verificar, Strizyk designou por Estado Potencial de lnfecção (EPI) a variável que quantifica, em cada instante, a energia do parasita.

14 O Modelo EPI- Míldio da videira Historial da utilização do Modelo EPI-Míldio Este modelo foi criado, e aplicado inicialmente para a Região Francesa de Bordéus, por Serge Strizyk, em 1980 com base no conceito de Estado Potencial de Infecção (EPI), com o objectivo de melhorar a estratégia de realização de tratamentos anti-míldio, preconizada pelos Serviços de Avisos Agrícolas. Os ensaios realizados em França, a uma escala regional, demonstraram um comportamento muito fiável do modelo que assentava principalmente na possibilidade de economia de bastantes tratamentos. Em Portugal, desde 1986 tem-se estudado o modelo EPI-Míldio, nas regiões de Torres Vedras (AMARO, 1987,1989), Douro (GOMES, 2000), Dão (ROSA et al. 1989; ROSA, 1990), Bairrada (BARBOSA, 1987; GOMES, 1991, 2000; MARTO, 1993), Coimbra e Entre Douro e Minho (GOMES, 2000). Os resultados obtidos pelo modelo EPI, na Região do Douro começaram a ser divulgados pela Associação de Desenvolvimento da Viticultura Duriense (ADVID).

15 O Modelo EPI- Míldio da videira Estrutura do Modelo EPI-Míldio Segundo o modelo, o ciclo de comportamento epidémico do fungo estende-se desde o mês de Outubro do ano i-1 até ao mês de Agosto do ano i, podendo decompor-se em duas fases, que correspondem às fases sexuada e assexuada do parasita e que são as seguintes: - Fase Potencial ou Invernal: estendendo-se desde o início de Outubro do ano i-1, até ao fim de Março do ano i. Corresponde a uma fase preparatória em que os oósporos, formados no início do Outono, vão evoluir, atingindo o estado de maturação. Os factores climáticos mais influentes nesta fase são a temperatura e, sobretudo a precipitação (sua quantidade e distribuição). - Fase Cinética ou vegetativa- corresponde à fase activa do parasita, em que os oósporos vão germinar e libertar zoósporos. Nesta fase, que se estende do princípio de Maio do ano i ao fim de Agosto do mesmo ano, o poder infeccioso e de esporulação do fungo são regulados principalmente pela humidade relativa em intima interacção com a temperatura.

16 O Modelo EPI- Míldio da videira Cálculo do valor de EPI - EPI da Fase Potencial (Valores Mensais) EPI i = EPI i-1 +(PE i +EP i -EN i ) onde i = 1 (Outubro), (Março) EPI i - Energia potencial de infecção do mês i EPI i-1 - Energia potencial de infecção do mês i-1 PE i - Potencial energético do mês i EP i - Energia positiva do mês i EN i - Energia negativa do mês i PE i = 2 x CT ( H i - H ci ) CT- coeficiente de ponderação(CT = 1,2, em Outubro e Novembro, CT = 1, em Dezembro e CT = 0,8 nos meses de Janeiro, Fevereiro e Março; H i - precipitação do mês i limitada por H ci x 0,5 < H i < H ci x 1,4. H ci - precipitação crítica mensal, dada por H mi x 0,95 EP i = 0,2 x ( H i T i – H ci T ci ) T i - temperatura média do mês i, limitada por T ci x 0,5 < T i < T ci x 1,4; T ci - temperatura crítica mensal, igual a T mi x 0,95 Eni = en ij Com j = 1 (P década do mês),...,3 (3ª década do mês) en ij - energia negativa da década j do mês i, que é nula se H ij /N ij < 135/NJM i ou, nos restantes casos é obtida da seguinte forma: en ij = NJM i x 1,5 log H ij 18 N ij onde: NJM i - número médio de dias de chuva do mês i, em anos; H ij - quantidade total de chuva da década j do mês i N ij - número de dias de chuva da década j do mês i

17 O Modelo EPI- Míldio da videira Cálculo do valor de EPI - EPI da Fase Cinética (Valores Diários) EPI = 0,0l2 U 2 m T- UM 2 TM 100 Um- humidade relativa diária, dada por: [(U 1 + U2 + U3) + 5 UN] /8, onde U1, U2 e U3 são as humidades relativas médias do dia entre 9-12 h T.U., h T.U. e h T.U., respectivamente e UN é a humidade relativa nocturna (entre 18-9 h T.U.) do mês, calculada em anos. A humidade relativa diária é limitada por: UM – 0,2 < UM + 0,6 em que é o desvio padrão de UM, em anos; T- temperatura média do dia, limitada por: TM - 3 < T < TM + 3; UM- humidade relativa média do mês em anos TM- temperatura média do mês, em anos

18 O Modelo EPI- Míldio da videira Interpretação da Evolução do EPI 1 e 2- Anos de perigo permanente 3- Ano em que a fase de energia potencial levou os ovos de Inverno a uma energia que fez prever fortes ataques. No entanto, a baixa energia que se verifica em seguida, destrói os oósporos. A subida final provoca algumas invasões limitadas. 4- Ano em que o ataque é limitado, mas preocupante. 5- Ano em que a contaminação se verifica logo que se dá a subida de energia, mas sem perigo para a vinha. Zona Crítica- Qualquer subida da energia fisiológica originará a libertação de zoósporos e a ocorrência de contaminações primárias, mais ou menos graves de acordo com o nível do EPI. (adapt. STRIZYK, 1980; 1983a).

19 O Modelo EPI- Míldio da videira Interpretação do perigo que o míldio representa para a vinha, em função da curva de EPI (adapt. STRIZYK, 1980).

20 PARTE II- Trabalho Experimental CARACTERIZAÇÃO SUMÁRIA DA REGIÃO VITIVINICOLA DOS BISCOITOS

21 A falta de informação disponível para esta região foi colmatada e completada pela realização de inquéritos individuais a 50 produtores de Verdelho nos Biscoitos (1/4 das explorações existentes nos Biscoitos) e também com a obtenção de dados resultantes das observações de campo. 3-Definição, por grau de importância, dos principais problemas fitossanitários presentes na Biocenose da vinha, nos Biscoitos. O inquérito foi elaborado tendo em vista 3 objectivos: 1- Obtenção de dados que permitissem a caracterização estrutural e produtiva da vitivinicultura na freguesia dos Biscoitos; 2-Caracterização do sistema cultural tradicional de produção de vinho Verdelho;

22 PARTE II- Trabalho Experimental CARACTERIZAÇÃO SUMÁRIA DA REGIÃO VITIVINICOLA DOS BISCOITOS RESULTADOS E DISCUSSÃO DO INQUÉRITO

23 1- Através dos resultados obtidos a partir do inquérito realizado aos viticultores desta zona podemos confirmar que as áreas exploradas por cada produtor são reduzidas Distribuição da área de vinha declarada pelos inquiridos. RESULTADOS E DISCUSSÃO DO INQUÉRITO Caracterização estrutural e produtiva da vitivinicultura na freguesia dos Biscoitos

24 2- Apenas 8% dos inquiridos sempre desenvolveu como a sua única actividade a viticultura, 70% têm outras actividades que não a agricultura, os restantes 22% praticam a viticultura como actividade secundária de uma actividade principal ligada à agricultura. Distribuição por classes das várias idades dos inquiridos RESULTADOS E DISCUSSÃO DO INQUÉRITO Caracterização estrutural e produtiva da vitivinicultura na freguesia dos Biscoitos A população de viticultores inquirida uma vez que 80% possui mais de sessenta anos e todos eles mais de trinta anos.

25 Regista-se assim, a existência de um tecido produtivo envelhecido, que não tem a viticultura como sua actividade principal mas sim quer como um complemento ao seu rendimento, quer como uma tradição que entende que se deve preservar, na maioria das vezes com o único objectivo de assegurar a produção de vinho apenas para o auto- consumo. Estatuto de posse de terra dos inquiridos RESULTADOS E DISCUSSÃO DO INQUÉRITO Caracterização estrutural e produtiva da vitivinicultura na freguesia dos Biscoitos 3- Cerca de 80% dos produtores são os proprietários dos terrenos que exploram e, curiosamente, não é referido nenhum caso em que a vinha explorada seja de renda, correspondendo os restantes 20% a áreas que são cedidas temporariamente para exploração.

26 4- A idade do encepamento da vinha de Verdelho nos Biscoitos, pela amostra analisada neste inquérito, é bastante envelhecida: 30% das cepas têm mais de 30 anos; 70% estão acima dos 20 anos e todos os viticultores têm cepas com mais de 6 anos. Classes de idade do encepamento de Verdelho existente nas vinhas pertencentes aos inquiridos. RESULTADOS E DISCUSSÃO DO INQUÉRITO Caracterização estrutural e produtiva da vitivinicultura na freguesia dos Biscoitos

27 Resumo das diferentes intervenções que são realizadas num sistema cultural tradicional de exploração de vinha da casta do Verdelho RESULTADOS E DISCUSSÃO DO INQUÉRITO O Sistema Cultural Tradicional da Vinha Verdelho nos Biscoitos

28 Procurou-se relacionar os dados obtidos pela observação visual com os que resultaram do inquérito realizado aos viticultores. Como a evolução dos sintomas apresentados pelos vários problemas fitossanitários da vinha estão directamente relacionados com a fenologia da videira, foi registada com uma periodicidade pré-definida a evolução dos diversos estádios fenológicos da vinha de Verdelho durante o ano de 1997 o que permitiu avaliar: 1- a presença ou ausência de sintomas de doença; 2- o seu grau de incidência; a sua evolução; 3- e a presença de sinais da acção de outras pragas com o objectivo de adaptar o quadro de LAVADINHO & JÚLIO (1988) referente aos principais problemas fitossanitários da vinha em Portugal Continental Estes dados são essenciais à validação do modelo EPI-Míldio RESULTADOS E DISCUSSÃO DO INQUÉRITO Evolução Fenológica da Vinha Verdelho e seus Principais Problemas Fitossanitários

29 Principais pragas, doenças e infestantes encontradas na vinha, em Portugal Continental, (adapt. LAVADINHO & JÚLIO (1988).

30 Dados obtidos sobre as doenças e pragas que afectam a vinha Verdelho DOENÇAS Foi baixa a diversidade de respostas obtidas relativamente às diferentes doenças que afectam a videira (apenas quatro). A diversidade de respostas em relação às pragas e infestantes é bastante superior. O míldio e o oídio são as doenças citadas como as mais prejudiciais. Curiosa e de alguma forma inesperada é a preocupação relativa à presença de viroses, o que deixa transparecer algum conhecimento técnico dos produtores desta freguesia. RESULTADOS E DISCUSSÃO DO INQUÉRITO Evolução Fenológica da Vinha Verdelho e seus Principais Problemas Fitossanitários

31 Dados obtidos sobre as doenças e pragas que afectam a vinha Verdelho PRAGAS O coelho, o melro preto e a erinose são as mais importantes para os agricultores seguindo-se o pardal, o rato e o escaravelho japonês. Estas pragas são muito temidas pelos viticultores porque estes se sentem incapazes de as controlar, ao contrário do que acontece com as doenças e as infestantes. RESULTADOS E DISCUSSÃO DO INQUÉRITO Evolução Fenológica da Vinha Verdelho e seus Principais Problemas Fitossanitários

32 Dados obtidos sobre as infestantes que afectam a vinha Verdelho INFESTANTES As infestantes consideradas pelos viticultores como as mais preocupantes são o feto (Pteridium spp.), a milhã (Setaria pummila) e a juncinha (Cyperus esculentus). No entanto, ficou bem claro que, as infestantes são consideradas pelos entrevistados um mal menor já que, segundo referem, é fácil o seu combate recorrendo quer aos herbicidas quer às sachas. RESULTADOS E DISCUSSÃO DO INQUÉRITO Evolução Fenológica da Vinha Verdelho e seus Principais Problemas Fitossanitários

33 A despesa anual com produtos fitofarmacêuticos é muito variável, de produtor para produtor, mas ronda os $00/alqueire /ano. A maior parte dos produtores segue um esquema pré-definido só alterado, de quando em vez, pela ocorrência de condições particularmente adversas. Os tratamentos são realizados, na sua maioria, com fungicidas preventivos de combate ao míldio e oídio. Os fungicidas curativos são menos utilizados. Apenas 20% dos inquiridos refere a realização de tratamentos fitossanitários contra outros problemas fitossanitários, principalmente usando helicidas e moluscidas. Todos utilizam herbicidas como forma de controlar as infestantes. Calendário de tratamentos RESULTADOS E DISCUSSÃO DO INQUÉRITO Evolução Fenológica da Vinha Verdelho e seus Principais Problemas Fitossanitários

34 O Míldio Dos entrevistados, 70% responderam que o míldio afectava muito as suas videiras, contrapondo-se 30% cuja resposta foi negativa. Independentemente da resposta, todos os viticultores afirmam que esta doença é condicionada quer pelas condições meteorológicas quer pela oportunidade e eficácia do tratamento efectuado. Todos os viticultores inquiridos têm a noção de que é necessário existir uma temperatura adequada e uma humidade elevada para que ocorram ataques de míldio. Os viticultores iniciam os tratamentos contra o míldio entre meados de Março, terminando, normalmente em Julho, a um ritmo quinzenal, o que corresponde a uma média de 8-10 pulverizações/ano. As substâncias activas dos fungicidas utilizados possuem essencialmente acção penetrante e sistémica e correspondem a uma despesa média de $00/alqueire. RESULTADOS E DISCUSSÃO DO INQUÉRITO Evolução Fenológica da Vinha Verdelho e seus Principais Problemas Fitossanitários

35 Atribuem muita importância ao primeiro tratamento pois afirmam que a doença é mais difícil de combater depois de instalada na vinha. Segundo a opinião dos agricultores entrevistados, os órgãos mais atingidos pelo míldio são as folhas (49%) e os cachos (46%). Ninguém refere o aparecimento de míldio no sarmento. Muitos referem que os primeiros ataques se dão na folha, passando de seguida para o cacho, caso haja descuido com os tratamentos por parte dos viticultores. Estes dão maior relevo aos ataques do míldio no cacho, não se apercebendo, por vezes, das manchas que este provoca nas folhas.

36 O Modelo EPI- Míldio Depois de se explicar os fundamentos do modelo EPI-míldio, 60% dos entrevistados considerou muito importante a sua aplicação aos Biscoitos e 30% respondeu não ser importante este tipo de estudos, argumentado que conseguem controlar a doença com os tratamentos que efectuam e que consideram muito arriscado proceder de outra forma. Os restantes 10% ou não sabem ou não respondem RESULTADOS E DISCUSSÃO DO INQUÉRITO Evolução Fenológica da Vinha Verdelho e seus Principais Problemas Fitossanitários

37 CARACTERIZAÇÃO SUMÁRIA DA REGIÃO VITIVINICOLA DOS BISCOITOS EVOLUÇÃO FENOLÓGICA DA VINHA DE VERDELHO E SEUS PRINCIPAIS PROBLEMAS FITOSSANITÁRIOS Observação Visual Este estudo incidiu sobre a vinha de Verdelho, tendo-se para o efeito escolhido 6 vinhas com esta casta dentro da região demarcada dos Biscoitos. Na vinha denominada de não tratada não houve qualquer tratamento fitossanitário, funcionando, assim, como testemunha. O acompanhamento do desenvolvimento dos vários estádios fenológicos da vinha foi realizado escolhendo, aleatoriamente, 6 cepas na primeira visita às vinhas e que foram marcadas e posteriormente seguidas ao longo de todo o seu ciclo evolutivo anual, seguindo a metodologia descrita por BAGGIOLINI (1990).

38 CARACTERIZAÇÃO SUMÁRIA DA REGIÃO VITIVINICOLA DOS BISCOITOS Localização das vinhas de Verdelho estudadas na Região Demarcada dos Biscoitos.

39 CARACTERIZAÇÃO SUMÁRIA DA REGIÃO VITIVINICOLA DOS BISCOITOS Características principais das 6 vinhas acompanhadas durante este estudo

40 CARACTERIZAÇÃO SUMÁRIA DA REGIÃO VITIVINICOLA DOS BISCOITOS A evolução dos problemas fitossanitários foi analisada através da realização de 12 amostragens, com periodicidade semanal até ao início da alimpa passando posteriormente a ser quinzenal Estas amostragens consistiram de uma visita global à vinha, avaliando a presença, a dispersão dos focos de ataque e a gravidade do ataque das diversas doenças para além do míldio através de uma classificação qualitativa: 0- ausência de ataque X- ataque ligeiro XX- ataque médio XXX- ataque intenso A metodologia seguida neste trabalho é actualmente a utilizada nos campos de demonstração de Protecção Integrada em vinha, que servem de complemento aos cursos de Protecção Integrada da vinha, realizados pelo Instituto Superior de Agronomia. Material e Métodos

41 PARTE II- Trabalho Experimental CARACTERIZAÇÃO SUMÁRIA DA REGIÃO VITIVINICOLA DOS BISCOITOS As plantas colhidas foram posteriormente identificadas, obtendo-se assim um registo quer da sua presença quer da sua abundância ao longo do tempo nas vinhas estudadas. Procedeu-se ainda à realização de levantamentos do coberto vegetal Foram realizados quatro levantamentos em cada uma vinhas estudadas de Maio a Setembro de A área de cada amostragem foi circunscrita a 1000 m2/vinha, a qual era percorrida durante 20 minutos, colhendo aleatoriamente o máximo de plantas presentes. Este método adoptado dos trabalhos de Cerejeira (1985) embora não permita uma estimativa precisa das densidades, fornece uma lista aproximada das espécies presentes nas vinhas em estudo.

42 RESULTADOS E DISCUSSÃO- Dados obtidos sobre a evolução fenológica da vinha Verdelho no ano de 1997 Para cada dia de amostragem foi definido qual o estádio de desenvolvimento em que se encontrava cada uma das vinhas observadas. A principal variação que se observa é na data de início do ciclo anual que fica a dever-se, no nosso entender, principalme nte ao efeito da poda Nas vinhas I, II e III, como têm datas de poda semelhantes observou-se um comportamento similar no abrolhamento, floração e pintor. Embora com aparente evolução mais rápida, nos estádios iniciais, em relação à II que foi podada mais cedo.

43 A vinha não tratada, como não foi podada apresentou uma evolução muito mais lenta do que qualquer outra das vinhas. Pelo contrário a vinha IV podada mais tarde, teve inicialmente um comportament o um pouco diferente, registando como seria de esperar algum atraso em relação às outras em determinado s estádios fenológicos.

44 PARTE II- Trabalho Experimental CARACTERIZAÇÃO SUMÁRIA DA REGIÃO VITIVINICOLA DOS BISCOITOS Durante o período de estudo deste trabalho, em 1997, foram detectadas nas vinhas acompanhadas (ataques de doenças como o míldio, o oídio e a podridão cinzenta e também de diversas pragas, como a cochonilha algodão, a erinose e ainda uma acção nefasta importante de roedores e de caracóis. Também se detectaram alguns sintomas de viroses e a ocorrência de acidentes fisiológicos, como a queima provocada por acção dos ventos com ressalga, situação normal nos locais onde se situam as vinhas, ou seja à beira-mar. Dados obtidos sobre as doenças e pragas que afectam a vinha Verdelho Resultados da Observação Visual

45 PARTE II- Trabalho Experimental CARACTERIZAÇÃO SUMÁRIA DA REGIÃO VITIVINICOLA DOS BISCOITOS Períodos de ocorrência de ataques de pragas e doenças nas vinhas tratadas durante o ano de 1997.

46 PARTE II- Trabalho Experimental CARACTERIZAÇÃO SUMÁRIA DA REGIÃO VITIVINICOLA DOS BISCOITOS Períodos de ocorrência de ataques de pragas e doenças na vinha não tratada no ano de 1997 nos Biscoitos. Os problemas fitossanitárias detectados na vinha não tratada foram os mesmos só que apareceram mais cedo. No caso da erinose, nitidamente em maior intensidade e o míldio e o oídio prolongaram a sua acção até mais tarde.

47 PARTE II- Trabalho Experimental CARACTERIZAÇÃO SUMÁRIA DA REGIÃO VITIVINICOLA DOS BISCOITOS Verificou-se que relativamente aos Inimigo-chave a escoriose e a traça da uva não adquirem a importância que lhes é dada noutras regiões do país. Para além destes todos os restantes inimigos-chave são encontrados nos Biscoitos. Entre eles, a Podridão Cinzenta, assume-se como a doença que mais prejuízos causou, neste ano, com ataques que se podem definir, no nosso entender como intensos. Relativamente aos inimigos ocasionais apenas foi detectado a presença de Erinose. Este ácaro apareceu a partir de meados de Junho, em todas a vinhas não se detectando, no entanto, qualquer estrago significativo da sua presença ou possível acção. Relativamente aos inimigos com importância mais reduzida destaca-se o aparecimento da cochonilha algodão, registando-se ataques ligeiros, durante o mês de Junho, e o seu desaparecimento em seguida. Em todas as vinhas estudadas foi detectada a presença de sintomas de viroses nomeadamente o nó curto e do urticado. O escaravelho japonês foi observado, frequentemente nas folhas e em algumas infestantes à volta das paredes mas não foi registado qualquer prejuízo da sua acção.

48 PARTE II- Trabalho Experimental CARACTERIZAÇÃO SUMÁRIA DA REGIÃO VITIVINICOLA DOS BISCOITOS Neste Quadro faz-se a adaptação para a Região dos Biscoitos do quadro de Júlio e Lavadinho como resultado da observação visual e dos inquéritos. As infestantes devem ser incluídas nos inimigos principais, contrariando a opinião obtida dos inquéritos, tendo em conta que é gasto pelo viticultor muito dinheiro no seu controlo e pelo facto de existirem muitas vinhas abandonadas nesta região que constituem autênticos repositórios de sementes facilmente transportadas pelos agentes de disseminação para as parcelas de vinhas em exploração.

49 PARTE II- Trabalho Experimental CARACTERIZAÇÃO SUMÁRIA DA REGIÃO VITIVINICOLA DOS BISCOITOS Os dados obtidos a partir da caracterização sumária da flora espontânea da vinha Verdelho Dos quatro levantamentos das infestantes realizados em cada uma das parcelas de vinha estudadas foi possível inventariar 35 espécies As 35 espécies inventariadas dos levantamentos foram repartidas por 17 famílias havendo ainda a considerar 2 espécies de fetos que aparecem em grande quantidade, o Asplenium e o Pteridium aquilinum. As famílias mais representativas foram: Graminae (10 espécies), Compositae (2 espécies), Papaveraceae (2 espécies) e Euphorbiaceae (2 espécies) que abrangeram 43% do total das plantas presentes. O Cyperus esculentus é a espécie vegetal que aparece mais frequentemente atingindo os 20%, em termos de grau de cobertura.

50 PARTE II- Trabalho Experimental APLICAÇÃO DO MODELO EPI-MÍLDIO DA VIDEIRA À REGIÃO VITIVINÍCOLA DOS BISCOITOS

51 Este estudo, que estava previsto realizar-se para a campanha de 1996/97 acabou por estender-se, em termos de simulação do modelo EPI, pelas campanhas seguintes até 2000/01. Assim, através da metodologia utilizada, fez-se um levantamento completo da informação necessária à confirmação e/ou aferição do modelo EPI aos Biscoitos apenas para o ano de 1996/97.

52 APLICAÇÃO DO MODELO EPI-MÍLDIO DA VIDEIRA À REGIÃO VITIVINÍCOLA DOS BISCOITOS MATERIAL E MÉTODOS Para todas as campanhas, os valores do EPI foram calculados com base nos dados climáticos acumulados em 20 anos a partir do posto Meteorológico da Base das Lajes, armazenados no Observatório Meteorológico Tenente Coronel José Agostinho, com os quais se construíram ficheiros de dados meteorológicos que serviram de base ao desenvolvimento de aplicações, da folha de cálculo do programa Excel, para o traçado das curvas do EPI Os dados relativos ao desenvolvimento do míldio no ano de 1997 foram por nós observados durante a fase experimental deste estudo. Nos anos de 1998, 2000 e 2001 os dados referentes ao aparecimento desenvolvimento desta doença foram recolhidos, à posteriori, através de entrevista pessoal junto de alguns viticultores dos Biscoitos e contacto com os técnicos ligados à Protecção das Plantas. Para o ano de 1999 utilizaram-se os que foram recolhidos por Gomes.

53 APLICAÇÃO DO MODELO EPI-MÍLDIO DA VIDEIRA À REGIÃO VITIVINÍCOLA DOS BISCOITOS 2- Para cada ano foi feita uma análise da correspondência entre a previsão do modelo e a realidade observada nas vinhas. Ou seja, é feita a aplicação do modelo com a referência ao tipo de informação que pode ser obtida e é feita a sua validação através da verificação da sua adequação à realidade observada. 1- na interpretação da variação dos valores de EPI ao longo da fase potencial e cinética, traduzindo se o resultado obtido, numa situação de maior ou menor risco para a vinha e no aconselhamento, ou não, da aplicação de produtos fitofarmacêuticos ao viticultor. A análise de cada curva consistirá:

54 APLICAÇÃO DO MODELO EPI-MÍLDIO DA VIDEIRA À REGIÃO VITIVINÍCOLA DOS BISCOITOS As variáveis climáticas recolhidas e utilizadas na aplicação do modelo foram: Temperatura Média Diária de 20 anos ( ) Temperatura Média mensal (1997, 1998, 1999, 2000) Temperatura média de cada mês para 20 anos ( ) Precipitação Média Mensal diária para 20 anos ( ) Total de precipitação mensal (1997, 1998, 1999, 2000) Número médio de dias com precipitação para 20 anos ( ) Número de dias de chuva por década para cada mês (1996, 1997, 1998, 1999, 2000) Total de precipitação por década para cada mês (1996, 1997, 1998, 1999, 2000) Quantidade de precipitação média mensal para 20 anos ( ), repartida por décadas Humidade Relativa média entre 9-12 h; h: h e humidade relativa nocturna entre 18-9 h de cada mês para 20 anos.

55 APLICAÇÃO DO MODELO EPI-MÍLDIO DA VIDEIRA À REGIÃO VITIVINÍCOLA DOS BISCOITOS Simulação do Modelo EPI-Míldio- Campanha de 1996/97 Simulação do comportamento epidémico de Plasmopara viticola para a campanha de 1996/97. FASE POTENCIAL A curva EPI dá-nos valores extremamente baixos, chegando a atingir valores de EPI abaixo do valor -20, o que à partida nos faz prever tratar-se de um ano sem míldio. O primeiro valor de EPI da fase potencial em Outubro (-6,56) encontra-se abaixo da zona crítica, mas relativamente perto desta, o que nos deixou na expectativa sobre a sua evolução futura.

56 Com estas condições e nesta altura, parece ser muito reduzida a probabilidade da ocorrência de míldio neste ano. Todavia, existe sempre a possibilidade de ocorrer uma subida muito acentuada da capacidade infecciosa do parasita atingindo a zona crítica (-5

57 Fase cinética Nesta fase, que tem início nos princípios do mês de Abril, há uma subida muito ligeira do valor do EPI e nos primeiros dez dias deste mês os valores de EPI são praticamente constantes, situando-se, no entanto muito longe da zona crítica e como tal, a situação revela-se como não sendo preocupante. A meio do mês Abril assiste-se a uma subida do EPI até finais de Maio, chegando mesmo a atingir o valor –10,85. Assim, pela evolução registada na curva traçada com base nos valores de EPI durante esta campanha não seria necessário executar qualquer intervenção fitossanitária.

58 Através da análise do traçado da curva EPI ao longo de toda a campanha, podemos dizer que tanto para a fase potencial como para a fase cinética os valores de EPI, encontram se muito abaixo da zona crítica. Como tal, o grau de incidência previsto da doença é muitíssimo fraco, pelo que não será necessário aconselhar a realização de qualquer tratamento para o combate ao míldio.

59 No caso da vinha não tratada os ataques de míldio chegaram a ser muito intensos principalmente por altura da Floração da vinha, diminuindo apenas pelo Pintor. Perante estes resultados, não restam dúvidas de que o modelo não foi eficaz e que este terá de ser corrigido, para se poder aplicar de forma mais correcta a esta região. Validação do modelo O ano simulado foi classificado, tendo em atenção o resultado das observações efectuadas como um ano médio em termos de ataque de míldio o que não corresponde ao resultado que o modelo indicia e deixaria antever um ano sem ataques de míldio. De facto, observou-se um completo desajustamento entre a informação fornecida pelo modelo e o que se verificou na realidade porque, pois embora os ataques de míldio não tenham sido muito intensos nas vinhas sujeitas a tratamentos, mesmo assim estes apareceram com um grau de intensidade médio.

60 APLICAÇÃO DO MODELO EPI-MÍLDIO DA VIDEIRA À REGIÃO VITIVINÍCOLA DOS BISCOITOS

61 PARTE II- Trabalho Experimental Capítulo 6 CORRECÇÕES A INTRODUZIR NO MODELO EPI- MÍLDIO PARA UMA MELHOR APROXIMAÇÃO À REALIDADE DA EVOLUÇÃO DESTA DOENÇA NAS VINHAS DE VERDELHO DOS BISCOITOS

62 Para mais, mesmo nos anos em que os viticultores dizem que esta doença não aparece é natural que esta possa ter ocorrido mas a níveis muito incipientes e que poderia ter maior expressão se não fossem os tratamentos fitossanitários realizados na sua prevenção. CORRECÇÕES A INTRODUZIR NO MODELO EPI-MÍLDIO PARA UMA MELHOR APROXIMAÇÃO À REALIDADE DA EVOLUÇÃO DESTA DOENÇA NAS VINHAS DE VERDELHO DOS BISCOITOS No ano de 1997 a simulação fornecida pelo modelo foi completamente desajustada da realidade. Nos restantes anos, o modelo parece ajustar-se mais no entanto, parece pecar por defeito ao indicar sempre uma menor probabilidade de ocorrerem ataques de míldio do que é depois é constatado na realidade no campo.

63 CORRECÇÕES A INTRODUZIR NO MODELO EPI-MÍLDIO PARA UMA MELHOR APROXIMAÇÃO À REALIDADE DA EVOLUÇÃO DESTA DOENÇA NAS VINHAS DE VERDELHO DOS BISCOITOS De facto, se simularmos o comportamento do EPI- míldio durante a fase cinética no ano de 1997, considerando uma temperatura média diária superior em 1º C, relativamente à temperatura média diária registada nas Lajes, verificamos que os valores de EPI variam bastante, especialmente a partir do mês de Julho, traduzindo-se isso numa possibilidade efectiva de ocorrência de míldio. Esta aparente previsão por defeito resultante do modelo pode ser explicada pelo facto dos dados climáticos de que dispomos serem referentes às Lajes. Nas Lajes as condições climáticas são diferentes das que ocorrem na freguesia dos Biscoitos, que possui um microclima muito próprio.

64 Comparação da simulação do comportamento epidémico de P. viticola para a campanha de 1997/98 realizada com os dados de Temperatura média diária das Lajes (linha azul do gráfico) e considerando o aumento geral de 1º C (linha rosa do gráfico). CORRECÇÕES A INTRODUZIR NO MODELO EPI-MÍLDIO PARA UMA MELHOR APROXIMAÇÃO À REALIDADE DA EVOLUÇÃO DESTA DOENÇA NAS VINHAS DE VERDELHO DOS BISCOITOS

65 Para além deste aumento da temperatura média diária que é possível ver considerado para o microclima dos Biscoitos e que como sabemos é favorável à evolução da doença do míldio temos de considerar uma concomitante redução da humidade relativa diária que corresponde uma situação mais desfavorável para a evolução desta doença. Após várias simulações em que se manteve a temperatura média diária constante e se fez variar a humidade relativa diária e vice versa, verificámos que o efeito registado ao nível do aumento dos valores de EPI perante um aumento da temperatura é maior que o efeito de diminuição desses valores como resultado da quebra da humidade relativa diária. Isto é, o modelo EPI- míldio, nos Biscoitos, parece ser mais influenciado e de forma mais determinante pela temperatura do que pela humidade relativa diária.

66 CORRECÇÕES A INTRODUZIR NO MODELO EPI-MÍLDIO PARA UMA MELHOR APROXIMAÇÃO À REALIDADE DA EVOLUÇÃO DESTA DOENÇA NAS VINHAS DE VERDELHO DOS BISCOITOS GOMES (2000) no seu estudo de aplicação do modelo EPI- míldio na Região da Bairrada introduziu uma alteração no processo de cálculo do modelo inicial com o objectivo de obter um melhor ajustamento do modelo à realidade verificada nessa Região. Esta adaptação denominada de 2ª versão do modelo EPI- míldio consistiu em não considerar valores de EPI, tanto na fase Potencial como na fase Cinética abaixo de –20. Assim, tanto para o EPI mensal referente à fase potencial, quer o EPI diário, na fase cinética, sempre que um determinado valor encontrado é inferior a –20, esse valor não é considerado sendo substituído pelo valor limite de – 20. Na tentativa de validar o modelo à realidade dos Biscoitos fez-se a simulação do EPI utilizando esta adaptação proposta por GOMES (2000) só para as campanhas de 1998/99 e 1999/00, pois a campanha de 1997/98 nunca apresentou valores de EPI inferiores a –20 pelo que não foi considerada nesta nova simulação do modelo. A simulação da campanha de 1996/97 também não foi considerada pois só no mês de Fevereiro se registou um valor de EPI de –20,6, e a alteração deste valor para – 20 não provocaria alterações significativas nesta altura na época do ano onde se regista pelo que também não foi feita a sua simulação.

67 Comparação da simulação do comportamento epidémico de P. viticola para a campanha de 1998/99 consentindo valores de EPI inferiores a –20 - 1ª Versão do modelo (linha azul do gráfico) e tendo como limite os –20 -2ª Versão do modelo (Linha rosa do gráfico). CORRECÇÕES A INTRODUZIR NO MODELO EPI-MÍLDIO PARA UMA MELHOR APROXIMAÇÃO À REALIDADE DA EVOLUÇÃO DESTA DOENÇA NAS VINHAS DE VERDELHO DOS BISCOITOS

68 Comparação da simulação do comportamento epidémico de P. viticola para a campanha de 1999/00 consentindo valores de EPI inferiores a –20 -1ª Versão do modelo (linha azul do gráfico) e tendo como limite os –20 -2ª Versão do modelo (Linha rosa do gráfico). CORRECÇÕES A INTRODUZIR NO MODELO EPI-MÍLDIO PARA UMA MELHOR APROXIMAÇÃO À REALIDADE DA EVOLUÇÃO DESTA DOENÇA NAS VINHAS DE VERDELHO DOS BISCOITOS

69 Na campanha de 1999/00 não houve alteração relativamente às considerações desenvolvidas anteriormente na 1ª Versão do modelo confirmando a realidade da não ocorrência de míldio. Pode ainda afirmar-se que relativamente à 2ª versão do modelo o andamento do EPI é semelhante ao da 1ª versão, mas mais acentuado. CORRECÇÕES A INTRODUZIR NO MODELO EPI-MÍLDIO PARA UMA MELHOR APROXIMAÇÃO À REALIDADE DA EVOLUÇÃO DESTA DOENÇA NAS VINHAS DE VERDELHO DOS BISCOITOS Pode dizer-se que a 2ª versão do modelo agrava os resultados de EPI principalmente à saída da fase potencial, sendo assim mais pessimista que a 1ª versão pelo que tendo em atenção o objectivo da sua utilização futura do modelo poderá ser mais segura que a 1ª versão e como tal menos susceptível de fornecer erros, aproximando-se com maior facilidade da realidade.

70 Simulação do comportamento epidémico de P. viticola para as várias campanhas considerada no estudo consentindo valores de EPI inferiores a –20 -1ª Versão do modelo (linha azul do gráfico) e tendo como limite os –20 -2ª Versão do modelo (Linha rosa do gráfico). CORRECÇÕES A INTRODUZIR NO MODELO EPI-MÍLDIO PARA UMA MELHOR APROXIMAÇÃO À REALIDADE DA EVOLUÇÃO DESTA DOENÇA NAS VINHAS DE VERDELHO DOS BISCOITOS Se considerarmos a simulação do EPI para todos os anos considerados, tendo em conta a aplicação da 2ª Versão do modelo podemos constatar há uma clara diminuição na variação brusca que se verificava entre as várias campanhas, o que parece, no nosso entender adaptar-se melhor à realidade. De facto, as condições de Setembro não nos parecem tão adversas ao míldio, comparativamente a Agosto de modo a que sejam responsáveis por uma redução tão grande na capacidade organizativa do fungo como transparece dos resultados da 1º versão do modelo.

71 CONCLUSÕES

72 CONCLUSÕES Analisando os resultados obtidos relativamente à aplicação do modelo EPI- míldio aos Biscoitos, ao longo das várias campanhas vitivinícolas consideradas, verificamos que estes se apresentam entusiasmantes. De facto, as várias curvas de EPI traçadas para os vários anos em estudo, traduzem com relativa fiabilidade o comportamento epidémico do míldio, havendo uma boa aproximação à realidade. Dentro das cinco campanhas estudadas, a curva traçada para a campanha de 1996/97 inicialmente não nos satisfez mas, posteriormente, e considerando a influência no modelo de qualquer aumento da temperatura média diária, esta situação foi colmatada. Da aplicação inicial do modelo resultaram valores que classificámos na altura como previsão por defeito. Isto é, o modelo simula uma possibilidade do aparecimento de doença inferior à que se verifica na realidade. Esta situação pode ser explicada, no nosso entender, pelo facto dos dados climáticos de que dispomos serem referentes às Lajes. Nas Lajes as condições climáticas são diferentes das que ocorrem junto às cepas da freguesia dos Biscoitos, as quais constituem um microclima muito próprio. É portanto fundamental a instalação de uma estação climática automática nos Biscoitos, se houver pretensão de continuar com o processo de aplicação do modelo aos Biscoitos.

73 CONCLUSÕES Ainda para se conseguir uma correcta validação do modelo EPI –míldio aos Biscoitos, concluímos que é necessário corrigi-lo de forma a não considerar valores inferiores a –20, simulação que designámos neste estudo por 2ª Versão do modelo EPI, diminuindo assim o efeito de se considerar uma variação brusca na capacidade organizativa do míldio, na transição da fase Cinética para a fase Potencial. Outra conclusão retirada deste estudo é a importância que há em reter o máximo de informação acerca do desenvolvimento epidémico de Plasmopara viticola ao longo das campanhas futuras, para que o acompanhamento da realidade permita complementar futuras validações. Concluí-se que em aplicações futuras é indispensável incluir, como testemunha, uma vinha não sujeita a tratamentos de forma a permitir uma avaliação mais correcta da evolução desta doença.

74 CONSIDERAÇÕES FINAIS

75 A realização de um inquérito foi no nosso entender muito importante pois, para além de permitir a obtenção de alguma informação permitiu um primeiro contacto com os viticultores que conduziu ao estabelecimento de relações de mútua confiança e, ao mesmo tempo, constituiu uma primeira apresentação do próprio modelo EPI. O acompanhamento das seis vinhas, complementado com a análise dos inquéritos, permitiu adaptar o quadro proposto por JÚLIO e LAVADINHO, em 1988, onde se indicava as principais pragas, doenças e infestantes encontradas na vinha para Portugal Continental, à vinha dos Biscoitos, agrupando e definindo pela primeira vez quer os seus inimigos chave, quer os seus inimigos ocasionais. Naturalmente com todas as restrições que um único ano de recolha de dados leva a que os resultados obtidos neste estudo, não deverão ser interpretados pela não existência nesta região dos restantes problemas fitossanitários, já que se tratou de um estudo limitado no tempo a apenas abarcando um único ano servindo, no entanto, de mais um contributo para futuros estudos necessariamente mais completos e com maior duração temporal que possam vir a complementar e a confirmar os dados agora recolhidos.

76 CONSIDERAÇÕES FINAIS À posteriori entendemos que o número de vinhas acompanhadas neste trabalho por um lado foi exagerado relativamente ao necessário para aplicação e validação do modelo EPI mas, por outro lado mostrou-se útil para a caracterização dos principais problemas fitossanitários que ocorreram nos Biscoitos, nesse ano. Podemos verificar que a aplicação do modelo EPI- Míldio forneceu resultados entusiasmantes porque a curva EPI traçada, para a maioria dos anos estudados, traduziu satisfatoriamente o comportamento epidémico de P. viticola, pelo que se obteve uma boa aproximação à realidade, principalmente depois de terem sido introduzidas as duas adaptações de validação (aumento da temperatura média diária e eliminar do cálculo os valores de EPI inferiores a –20). Achamos que caso haja vontade em prosseguir este tipo de estudos é fundamental o investimento numa estação automática local, a ser instalada nesta zona e que permita o fornecimento de dados diários para o cálculo da Fase Cinética e que também permitisse aferir as médias de 20 anos da estação das Lajes para o cálculo da Fase Potencial.

77 CONSIDERAÇÕES FINAIS A validação dos dados de EPI nas campanhas de 1997/98, 1999/00 e 2000/01 deve fazer-se com algumas reservas pois não foi feito o acompanhamento da evolução do míldio no campo e a prática indica que há que reter o máximo de informação acerca do desenvolvimento epidémico de P. viticola ao longo da campanha para que o acompanhamento da realidade permita complementar a realização de futuras validações. Será sempre também extremamente importante reservar em futuros trabalhos uma área de vinha que não seja sujeita a nenhum tratamento, à semelhança do registado neste estudo, de forma a permitir uma avaliação mais correcta da evolução da doença. Esta vinha não tratada deverá, contrariamente ao que aconteceu neste estudo, ter um restante maneio semelhante às vinhas ditas tratadas, de forma a que haja uma maior uniformidade em termos de desenvolvimento fenológico.

78 CONSIDERAÇÕES FINAIS Como esta vinha não foi sujeita a tratamentos fitossanitários tornou-se de difícil obtenção junto dos proprietários por isso achamos que deverá ser implementado um campo experimental de demonstração para a vinha, à semelhança do que é comum em Portugal Continental e onde pudessem ser estudadas técnicas expeditas de estimativa de risco, não só para o míldio, com para o oídio e podridão cinzenta. Assim, a médio prazo poder-se-ia proporcionar ao viticultor desta região um conjunto de informações que lhe permita em particular uma escolha mais criteriosa da altura ideal de intervenção fitossanitária, com poupança, em termos económicos, através da redução do número elevado de tratamentos tradicionalmente utilizados e com vantagens óbvias em termos de eficácia de aplicação, ambientais e de segurança do consumidor, podendo ainda constituir ainda uma base para a implementação e funcionamento de uma estação de aviso naquela zona para apoio aos viticultores locais.

79 CONSIDERAÇÕES FINAIS Pensamos que este estudo constitui, de facto, uma primeira abordagem a este tema e como tal tem essa virtude mas deverá preconizar-se um período de observação por mais tempo ou mais longo para se ter alguma consistência nos resultados obtidos e assim tirar partido de todas as vantagens da sua aplicação. Estes parecem transparecer deste estudo e poder-se-á testar simultaneamente outros modelos que também estão actualmente a ser testados em outras zonas do País. Esperamos que este trabalho seja um ponto de partida para estudos posteriores, nomeadamente noutros pontos dos Açores, em especial na Graciosa e no Pico, para o respectivo alargamento a curto ou médio prazo da aplicação do modelo EPI míldio a toda a região. FIM


Carregar ppt "A ideia para a realização deste estudo resultou da constatação de que: 1- a viticultura na Região dos Biscoitos pode ser relançada como resultado."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google