A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Estrutura Sindical no Brasil Estrutura Sindical Conjunto de normas de funcionamento e organização dos sindicatos. Estas normas podem, em alguns momentos,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Estrutura Sindical no Brasil Estrutura Sindical Conjunto de normas de funcionamento e organização dos sindicatos. Estas normas podem, em alguns momentos,"— Transcrição da apresentação:

1

2 Estrutura Sindical no Brasil Estrutura Sindical Conjunto de normas de funcionamento e organização dos sindicatos. Estas normas podem, em alguns momentos, ser estipuladas livremente pelos trabalhadores. Em outros, são impostas pelo Estado burguês. Dois modelos de estrutura LIVRE E AUTÔNOMA ATRELADA AO ESTADO

3 Historia do Movimento Sindical no Brasil Fase III ( ): Novo sindicalismo - nascido nas greves de 78/79 Fase IV ( ): Retorno da predominância da política de colaboração de classes Fase I ( ): Anarco-sindicalismo (estrutura autônoma) Fase II ( ): sindicalismo baseado na colaboração de classes

4 Estratégia: Greve geral Destruição do Estado Burguês. Método: Ação direta Negação de qualquer autoridade (inclusive a idéia de dirigentes sindicais) Objetivo: A greve geral levaria ao colapso do capitalismo. A nova sociedade seria auto-gestionária. Anarco-sindicalismo:

5 Limites do anarco-sindicalismo Os anarco-sindicalistas negavam: A ação parlamentar e a luta política; A necessidade do partido e da tomada do poder. Luta politica associada à luta sindical. Outra corrente: os socialistas Norte de atuação reformista > mudança gradual Defesa da atuação parlamentar.

6 Em 1906, os trabalhadores fundam a COB Confederação Operária Brasileira

7 Crise de 1929: novos rumos Colapso do modelo agrário- exportador brasileiro; Salários rebaixados pela metade / desemprego; Industrialização como saída para a crise; Necessidade da classe dominante de derrotar o movimento para promover acumulação de capital (disciplinalizar o trabalho) crise econômica se alastra CGTB realiza Marcha contra fome do Rio de Janeiro Muitas greves.

8 Revolução de 1930 Deposição de Washington Luiz Fim da Primeira República ( ) 1930: Getúlio chega ao poder

9 Reflexos na legislação trabalhista e sindical 1931 Criação Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio. Decreto : Unicidade, direito de intervenção em diretorias, assembléias e finanças dos sindicatos. Estatutos deveriam ser registrados e aprovados pelo Min. do Trabalho. Sindicatos entendidos como órgãos consultivos e de colaboração com o Estado.

10 Reflexos na legislação trabalhista e sindical Greve dos Sapateiros e Ferroviários. Mais categorias aderem. Lei de férias, jornada de 8 horas. São criadas as Juntas de Conciliação e Julgamento (março) Instituição da CTPS (Carteira de Trabalho e Previdência Social) Decreto prevê que só trabalhadores filiados aos Sindicatos oficiais têm direito à legislação trabalhista (Lei de férias).

11 Novos mecanismos de atrelamento dos sindicatos ao Estado serão criados Volta a unicidade sindical / proibição de greves ou lockout Organiza-se a Justiça do Trabalho (regulamentada em 1941). Lei do Enquadramento: regulamentação das Confederações / Federações e Sindicatos.

12 Legislação trabalhista e controle sindical 1940 Lei do Salário Mínimo Salários diferenciados para cada região Lei do Imposto Sindical Financiamento da estrutura sindical 60% Sindicatos, 15% Federações, 5% Confederações, 20% Ministério do Trabalho Instituição do assistencialismo. Base material para o peleguismo 1943 CLT - união das leis e decretos desde 1930.

13 Estrutura sindical consolidada: Vargas impõe um fim ao sindicalismo autônomo Verticalizada Confederação / Federação / Sindicato Por ramo de atividade Sem permissão para existência de centrais sindicais Atrelada ao Estado: Unicidade, definição das funções e normas de funcionamento (Estatuto) dos sindicatos, Finanças controladas (MS/CS).

14 1964: os militares no poder

15 Efeitos imediatos da repressão Gregório Bezerra, das Ligas Camponesas, preso De 1964 a 1970, o Ministério do Trabalho destituiu diretorias em 563 sindicatos, metade de trabalhadores das indústrias. Das seis confederações de empregados, quatro sofreram intervenção. Desde 1964, as greves estavam praticamente proibidas. *Fonte dos dados estatísticos: Boris Fausto

16 1968: focos de resistência no Brasil Morte do secundarista Edson Luiz – 50 mil no enterro. Passeata dos 100 mil (21/06) Greves operárias em Contagem/MG e Osasco/SP. (16 mil e 15 mil trabalhadores em greve). Os maiores enfrentamentos com a Ditadura Militar desde seu inicio. Apesar do sindicato participar da linha de frente dessas greves, elas foram preparadas dentro das fabricas pelas comissões de empresa. I- Até 1967 os sindicatos estiveram imobilizados pelo governo. A partir desse ano o Ministério do Trabalho liberou algumas atividades sindicais. II- Apesar do controle implementado pelo Ministério, militantes ligados às comissões de fabricas assumiram a direção de alguns sindicatos (Metalúrgicos de Osasco) e iniciam a luta contra o arrocho salarial e a repressão ao movimento sindical.

17 A resposta da Ditadura às mobilizações foi mais repressão. A diretoria do sindicato de Osasco foi cassada, seus integrantes foram presos ou exilados. Após essa greve muitos operários foram jogados na clandestinidade. Era o prenuncio do AI-5. O governo Médici (outubro/1969 a março/1974) E Guerra contra os opositores terroristas Ascensão das prisões, torturas, assassinatos. Propaganda anticomunista e em defesa do regime. Expansão da TV / instrumento à serviço do regime. Milagre Econômico de 1968 / 1973 Fazer crescer o bolo para somente depois distribuí-lo Crescimento do PIB – média de 11% ao ano (uma das maiores taxas do mundo na época).

18 FASE III O novo sindicalismo

19 Crise do Milagre Econômico em meados da década de 70. Extinção, do AI-5 e anistia aos exilados políticos. Fim do bipartidarismo. Retomada da lutas dos trabalhadores, a partir das greves metalúrgicas do ABC paulista. Se constituía o Novo Sindicalismo em contraposição ao velho sindicalismo.

20 Sinais de mobilização no movimento operário

21 Volkswagen – a fábrica com maior concentração operária no ABC Paulista

22 A década de Ruptura com o modelo de atuação sindical do período pré-64: II- Pouco espaço para a política dos PCs Aliança com setores progressistas da classe dominante; Atrelamento dos sindicatos ao Estado (estrutura montada por Getúlio Vargas). III- Ofensiva do movimento sindical Os anos 1980 são marcados pela política de independência de classe e luta pela liberdade e autonomia sindical.

23 Nascem as Oposições Sindicais Os patrões resistem, mas algumas Comissões de Fábricas, ao longo dos anos 1980, são conquistadas Volkswagen, Ford, Trorion, Arteb... Aos poucos, as oposições vão derrubando os antigos pelegos.

24 A organização vai tomando corpo CONCLAT (Conferência Nacional da Classe Trabalhadora) – delegados, entidades sindicais presentes; No CONCLAT: dois grandes blocos, dois projetos. 1- Unidade sindical (PCB, PC do B e MR-8) 2- Setor ligado às greves de oposições sindicais.

25 Independência de Classe Fundação do PT Os PCs defendiam o apoio ao PMDB. O projeto do PT visava a organização política independente da classe trabalhadora. Fundação da CUT, em 1983: A CUT nasce da ruptura política entre setores dirigentes do movimento. 1983: campanha das Diretas Já se amplia.

26 A ofensiva do Movimento Operário

27 A CUT se firma como central E como instrumento de luta da classe trabalhadora

28 GREVES DOS ANOS 80 ABRIU UM NOVO CICLO HISTÓRICO NO BRASIL Colocou a ditadura militar em cheque. Representou o fim do monopólio da política pelos empresários (Arena e MDB) A entrada em cena da nova classe trabalhadora, produto da industrialização do Brasil. Iniciou a crise e a derrubada dos dirigentes sindicais pelegos cuja orientação central era a conciliação de classes. Produziu o Novo sindicalismo

29 CONCEPÇÃO E PRÁTICA SINDICAL Princípios do sindicalismo clasista

30 Quais as características que o novo sindicalismo defendia para revolucionar a ação sindical?

31 INDEPENDÊNCIA DE CLASSE Trincheira luta de classes, contra a exploração patronal, governo, juiz, estado. A independência só se realiza na luta contra o patrão e o governo. Independência financeira é fundamental INDEPENDÊNCIA DE CLASSE Trincheira luta de classes, contra a exploração patronal, governo, juiz, estado. A independência só se realiza na luta contra o patrão e o governo. Independência financeira é fundamental Estatuto da CUT: Central Única dos Trabalhadores é uma organização sindical de massas em nível máximo, de caráter classista, autônomo e democrático Total independência frente ao Estado e autonomia em relação aos partidos políticos, e que devam decidir livremente suas formas de organização, filiação e sustentação material.

32 MOBILIZAÇÃO E LUTA EM PRIMEIRO LUGAR A prioridade é a luta direta. Não se trata de não negociar ou de negar a importância da negociação mas de priorizar a mobilização. Usar a justiça do trabalho, apenas como acessório, um último recurso. Ação direta de massa através de paralisações, manifestações, greves, controle coletivo de terras.

33 DEMOCRACIA OPERÁRIA Consultar a categoria sobre projetos e propostas; As assembleias decidem sobre tudo; Passar poder de decisões para base. Sempre eleger representantes de base nas lutas, comandos de greve, comandos de negociação, comissões de PLR, etc. DEMOCRACIA OPERÁRIA Consultar a categoria sobre projetos e propostas; As assembleias decidem sobre tudo; Passar poder de decisões para base. Sempre eleger representantes de base nas lutas, comandos de greve, comandos de negociação, comissões de PLR, etc. CUT Garantirá o exercício da mais ampla democracia em todos os seus organismos e instâncias serão constituídos proporcionalmente ao número de votos obtidos pela chapa no respectivo congresso. Deverá ser mantida a proporção de delegados de diretoria e de base no conjunto da delegação que participa do congresso. A CUT luta pela transformação dos atuais sindicatos em entidades classistas e combativas, organizados a partir de seus locais de trabalho;

34 COMBINAR A LUTA ECONÔMICA E LUTA PELO SOCIALISMO Combinação da luta sindical com luta para mudar o sistema, derrubar o capital, limite do sindicato reproduz sistema, origem da exploração: propriedade privada,; Por isso, estatização/nacionalização (fim do grande setor privado). Combinar luta sindical com luta geral da sociedade para mudar o país. COMBINAR A LUTA ECONÔMICA E LUTA PELO SOCIALISMO Combinação da luta sindical com luta para mudar o sistema, derrubar o capital, limite do sindicato reproduz sistema, origem da exploração: propriedade privada,; Por isso, estatização/nacionalização (fim do grande setor privado). Combinar luta sindical com luta geral da sociedade para mudar o país. CUT: O compromisso com a defesa dos interesses imediatos e históricos da classe trabalhadora, a luta por melhores condições de vida e trabalho e o engajamento no processo de transformação da sociedade brasileira em direção à democracia e ao socialismo.

35 AUTONOMIA FRENTE AOS PARTIDOS POLÍTICOS Apesar de serem bem vindos os partidos, de ser importante a livre organização de membros das categoria à partidos operários, as decisões são soberanas das assembléias e diretorias do sindicato.

36 INTERNACIONALISMO PROLETÁRIO A Maioria das empresas hoje são multinacionais que estão explorando em muitos países. A classe trabalhadora e a burguesia são internacionais. A luta de classes é internacional. INTERNACIONALISMO PROLETÁRIO A Maioria das empresas hoje são multinacionais que estão explorando em muitos países. A classe trabalhadora e a burguesia são internacionais. A luta de classes é internacional. CUT Solidariza-se com todos os movimentos da classe trabalhadora, em qualquer parte do mundo.

37 COLOCAR TODA A ESTRUTURA SINDICAL A SERVIÇO DAS OLTs Para se ter uma idéia do peso disto e da necessidade de construir OLTs, caso se implantasse comissões de empresa em todo o Brasil (empresas com mais de 50 trabalhadores) se elegeriam cerca de 140 mil dirigentes de base (quase o mesmo tanto de dirigentes sindicais afastados do local de trabalho, que são 170 mil – dados de 2001). COLOCAR TODA A ESTRUTURA SINDICAL A SERVIÇO DAS OLTs Para se ter uma idéia do peso disto e da necessidade de construir OLTs, caso se implantasse comissões de empresa em todo o Brasil (empresas com mais de 50 trabalhadores) se elegeriam cerca de 140 mil dirigentes de base (quase o mesmo tanto de dirigentes sindicais afastados do local de trabalho, que são 170 mil – dados de 2001). CUT Lutar para a superação da estrutura sindical corporativa vigente, desenvolvendo todos os esforços para a implantação da sua organização sindical baseada na liberdade e autonomia sindical; Defender o direito de organização nos locais de trabalho, independentemente das organizações sindicais, através de comissões unitárias, com o objetivo de representar o conjunto dos trabalhadores e dos seus interesses.

38 Não. Ficou na metade do caminho. Onde defendia a independência de classe, em 1990 passou a defender o pacto social e acordos rebaixados com a patronal e secundarizou a luta de classes. Abandonou a democracia operária e passou a decidir tudo na cúpula da Central. Abandonou a luta pelo socialismo e passou a defender a democracia, se adaptando ao status quo. Passou a defender as câmaras setoriais com a indústria multinacional e a flexibilização das leis trabalhistas, inclusive mudanças para pior na aposentadoria, chegando agora ao absurdo de defender o ACE. Se adaptou a estrutura getulista e passou a viver do imposto sindical e recursos do governo; acomodou-se aos privilégios individuais levando ao parasitismo das organizações operárias (sindicatos e central). Revolução da estrutura sindical ficou pela metade e retrocedeu.

39 O imposto sindical e a subordinação ao estado e aos governos I- Em 2008 o governo Lula reconheceu e legalizou as centrais sindicais. II- A partir de então as centrais sindicais passaram a receber 10% do imposto sindical. III-Em 2012 as centrais governistas receberam 160 milhões de reais em Imposto sindical.

40 Entre 2008 e 2012 as centrais governistas receberam aproximadamente R$ 530 milhões. A CUT recebeu em 2012 cerca de R$ 45 milhões, o equivalente a 60% do orçamento da Central. A Força Sindical recebeu R$ 40 milhões, o que corresponde a 80% do seu orçamento A Nova Central ( NCST) recebeu R$ 18 milhões. A CTB recebeu R$ 8,8 milhões, que representa 90% das receitas.

41 Em 2005,o alto escalão da Volkswagen da Alemanha informou que teria pago com dinheiro da empresa orgias para corromper executivos e sindicalistas. Um alto dirigente do sindicato dos metalúrgicos do ABC e da CUT fazia parte da orgia. "Para as lideranças, tudo era perfeitamente organizado. Com hotéis de luxo e tudo o mais --portanto, também mulheres." Um ex-sindicalista bancário de SP, dirigia a Previ, fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil, que movimenta orçamento de R$ 140 bilhões, mais de 5 vezes o orçamento da cidade de São Paulo para o ano de Participou da privatização da Vale, CSN, Embraer, elétricas, telefônicas, etc. Ganhou na Previ em 2009, R$ ,00 por mês. Embolsava mais de 20 mil reais mensais por ser do Conselho de Administração da Vale, outros 20 mil por ser do Conselho da Brasil Telecom. Um ex presidente da CUT, agora presidente Nacional do Sesi (ligado as federações patronais), ganhava em 2010 um salário ,00 reais por mês. Se estivesse como metalúrgico no ABC, seu salário seria de apenas R$ 3.500,00.

42 Presidente do sindicato de comerciários do Rio tem frota aérea e de barcos a vela Há 18 anos no Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil Pesada de SP, o presidente vai para o trabalho de Mercedes Benz, tem mansão em Campos do Jordão, avaliada em meio milhão de reais. Presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transporte Rodoviário de Cargas de São Paulo, foi preso em 2003 acusado de participar do assassinato do presidente do Sindicato dos Motoristas de Guarulhos. Em 2010, novamente, o sindicato é acusado do assassinato de dois outros sindicalistas Presidente da Federação dos Empregados no Comércio do Estado de São Paulo, viaja no país a bordo de seu próprio avião. A federação tem Colônia de férias em praia de SP. Na colônia, tem suíte presidencial que só presidente pode usar: tem sete cômodos, com sala de vídeo, suíte para hóspedes, hidromassagem, sala de estar, etc.

43 A EXPERIÊNCIA DA BUROCRATIZAÇÃO DA CUT

44 Uma pesquisa coordenada por Maria Celina DAraújo, da Fundação Getúlio Vargas, indica que 45% dos cargos de alto comando dentro do governo estão hoje nas mãos de sindicalizados. PT mantinha filiados e sindicalistas em altos cargos. Burocracia sindical no poder.

45 COLOCAR TODA A ESTRUTURA SINDICAL A SERVIÇO DAS OLTs Deslocar o centro de poder, que hoje está nas mãos das diretorias dos sindicatos, para as bases, os trabalhadores e OLTs, para ajudar a controlar e dirigir os sindicatos. Podemos definir a Organização por Local de Trabalho como uma forma dos trabalhadores adquirirem controle sobre as condições de trabalho. Está presente desde o inicio do capitalismo, sendo uma clara expressão da resistência dos trabalhadores à exploração e opressão. Assim as OLT´s se confundem com a própria historia da classe trabalhadora e, consequentemente, precedem até mesmo o nascimento do sindicato como instrumento de negociação entre capital e trabalho.

46 Nossa Concepção de organização de base 1- É uma organização dos trabalhadores no sentido de encaminhar a luta da categoria no seu local de trabalho. 3- O objetivo da organização de base é coordenar a resistência contra a exploração capitalista e disputar a consciência dos trabalhadores no local de trabalho. 3- Existem diferentes formas de organizar os trabalhadores no local de trabalho: Ex: CIPAS, Delegados Sindicais, Comissões de fabricas, grupos clandestinos.

47 As principais características de uma OLT: 1- A prioridade é a ação direta. As OLT´s devem ser instrumentos dos trabalhadores para a luta pela sua própria emancipação. II- Independente dos patrões e da empresa. III- Independente do Estado e dos governos. IV- Autônoma frente aos partidos políticos. V- Democracia sindical e de base. VI- As OLT´s devem ser autônomas às diretorias dos sindicatos.

48 O trabalho miúdo e paciente. O trabalho miúdo e paciente. -O trabalho de base e as OLT´s exigem muita paciência. -É necessário partir sempre do nível de consciência dos trabalhadores. -No dia a dia das fabricas e empresas, é preciso estar ao lado dos trabalhadores, as vezes, até puxando-os pela mão para que avancem. -Em cada oportunidade, em cada luta pela melhoria das condições de trabalho é necessário conscientizar politicamente os trabalhadores. -É através do esforço consciente e sistemático da direção dos sindicatos classistas e combativos que avançaremos na organização de um rede de ativistas de base dentro das empresas.

49 DEMOCRATIZAR A VIDA SINDICAL I- As OLT`s devem ser um ponto de apoio para democratizar a vida sindical. II- Para isso devem estar integradas ao processo de discussão e deliberação dos sindicatos. III- Isso implica na constituição de instancias nas entidades (conselhos de representantes, comissão salarial, comando de greve etc.) que permitam integrar estes ativistas. IV- Queremos construir com eles e não no lugar deles as lutas e atividades do sindicato.

50 As OLT´s e a saúde do trabalhador: Nossas tarefas imediatas I-Dentro das empresas, fabricas e agencias bancarias há uma verdadeira epidemia de doenças ligadas ao trabalho. II- Os trabalhadores são vitimados pelas LER/Dort, problemas na coluna, mutilações, depressão etc, além de centenas de milhares que perdem a vida em acidentes de trabalho. III- Explodem inúmeros conflitos motivados pelos baixos salários, desrespeito aos direitos trabalhistas, descumprimento de acordos coletivos, pelo assedio moral e sexual. IV- É impossível enfrentar essa situação através de uma ação sindical que chegue somente ate a porta das empresas e agencias. V- É necessária uma ação cotidiana nos locais de trabalho.

51 1- O processo de reestruturação produtiva. 2- Grande onda de demissões do setor nos anos Automação. 4-Terceirização. 5-A mudança na organização do trabalho. 6-Introdução de novos métodos de avaliação do trabalho. 7- Os trabalhadores são constrangidos a tornarem-se sócios, colaboradores e parceiros dos bancos. 8 Este processo estimula o individualismo, a competição e o medo entre os trabalhadores. 9- A pressão por metas abusivas, assedio moral e horas extras. COMO VIVEM OS TRABALHADORES BANCÁRIOS NOS SEUS LOCAIS DE TRABALHO?

52

53 Assedio moral, adoecimento e insegurança do trabalhador bancário Assedio Moral Há uma tentativa de suicídio por dia no setor bancário Para 66,4% dos bancários a pressão por metas abusivas é o principal problema bancários foram afastados do trabalho em 2012 por problemas de saúde Há cada 20 dias um bancário se suicida no Brasil 27% dos afastamentos foram provocados por LER/Dort 25,7 % dos afastamentos correspondem a stress, depressão e síndrome do pânico

54 Os patrões e o Estado disputam a consciência dos trabalhadores, nos locais de trabalho e buscam transforma-los em aliados, usam para isso de vários instrumentos, entre eles a cooptação. Há obstáculos importantes que precisamos enfrentar: I- A situação da luta de classes e seus reflexos na consciência dos trabalhadores. II- A repressão e perseguição por parte dos patrões, chefes, gerentes, ou ate mesmo das burocracias sindicais. Os obstáculos não são absolutos. Um bom exemplo é a conquista dos delegados sindicais em varias campanhas salariais em Os momentos de mobilização são os mais propícios para avançar na organização de base. Deve ser ponto de toda pauta de reivindicações o direito de eleger representantes dos trabalhadores dentro das empresas, com estabilidade.

55 E nos momentos de refluxo e calmaria... A organização de base deve ser uma obsessão, devendo ser feita através do trabalho em torno aos problemas concretos que afligem a vida do trabalhador. Também nas atividades sociais, esportivas e culturais, nas lutas nos bairros por creche, moradia, postos de saúde, mobilidade urbana, segurança etc. Um outro aspecto fundamental é a organização de espaços e atividades que envolvam os setores oprimidos que compõem a classe trabalhadora, como as mulheres, os negros e os homossexuais.

56 A Organização por Local de Trabalho e a luta das mulheres As mulheres são as maiores vitimas do assedio moral e sexual nos locais de trabalho. O machismo é uma ideologia que serve para superexplorar as mulheres e dividir o conjunto da classe trabalhadora. É obrigação de toda direção sindical e OLT`s combater o machismo. É preciso ampliar e fortalecer a presença de mulheres na direção dos sindicatos e OLT´s. A presença de mais mulheres permite uma identificação importante com um setor da base das categorias, que em muitos casos é maioria feminina. As mulheres hoje representam 50% da força de trabalho no setor bancário. Fortalecer o MML nas categorias O movimento Mulheres em Luta é um movimento classista e feminista que luta pelo fim da opressão e violência contra as mulheres. Essa luta contra o machismo não pode estar separada da luta contra a exploração da classe trabalhadora. Essa luta deve se construir a traves da aliança dos homens e mulheres da classe trabalhadora.

57 Bancos OLT´s -Individualismo -Competição -Desespero -Isolamento -Suicídio - Sofrimento - Assedio moral e sexual - Repressão -Humilhação -Autoritarismo -Alienação -Constrangimentos -Horas extras -Baixos Salários -Depressão -Medo -Insegurança -Terceirização -Machismo -Homofobia -racismo - Resistencia -Ação direta -Independência -Organização -conscientização -informação -Trabalho coletivo -Cooperação -Solidariedade -Ação coletiva -Denuncia -Ambiente de trabalho saudável -Grupos de enfrentamento do desgaste mental. -democracia -participação

58 O fortalecimento das OLTs são um poderoso instrumento para nossa estratégia de transformar a sociedade e construir uma sociedade livre de toda forma de opressão e exploração. Essa grandiosa tarefa não sobrevive em um ambiente sem democracia operaria, sem a participação e a autodeterminação dos trabalhadores.

59 Formação é estar bem informado da política da empresa, dos projetos, da conjuntura, dos direitos etc.. Buscar estar informado pelo SEEB-MA, pelos sites do movimento de luta, etc... Cursos de formação. Sugesões de leitura: Organização de Base: Histórias, Formas, Experiências e atualidade. A FORMAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA UM REPRESENTANTE DA CATEGORIA

60 A APRESENTAÇÃO DO LIVRO Toda uma parte dedicada aos ataques dos patrões e como se dão diante da crise mundial da economia capitalista: Pág 11 a 39 Um breve histórico da história do Mov. Sindical brasileiro: ( Poderia ser um novo curso) Pág 45 até 91. As diferenças entre o sindicalismo combativo e o de conciliação de classes : Experiências de trabalho de base dos Metalúrgicos de SBC e de SJC. (CUT/CSP CONLUTAS E FORÇA SINDICAL) Concepção de organização de Base. Pág Orientações para regimento/estatutos de comissão de base. Pág 147 Nossas tarefas imediatas Pág. 151.

61 Operários que produzem para Microsoft e Apple, ameaçam suicídio coletivo na Foxconn na China O capitalismo no século XXI

62 O lado oculto da Apple A Foxconn, a maior fabricante de componentes eletrónicos do mundo emprega 400 mil trabalhadores chineses que produzem componentes para empresas como a Apple, a Intel, a Microsoft e a Cisco, e ficou tristemente famosa pelas acusações de más condições de trabalho e superexploração que deram origem a uma onda de 14 suicídios em O engenheiro, de 28 anos, morreu, segundo os seus familiares, por excesso de trabalho. Antes de morrer, tinha trabalhado nada menos de trinta e quatro horas ininterruptas. Esses jovens trabalhadores, desesperados com a sua situação, pulam, dramaticamente, das janelas dos alojamentos da empresa. Muitos dos trabalhadores são crianças de 11, 12 e 13 anos.

63

64 Em janeiro de 2012, cerca de 300 operários da fábrica da Foxconn em Wuhan ameaçaram cometer um suicídio coletivo caso os seus salários não fossem aumentados, e permaneceram no topo do prédio da fábrica durante dois dias. A partir desta luta os trabalhadores conseguiram um aumento de 60% e hoje ganham o equivalente a 532 reais. Segundo a empresa um dos motivos que pode ter levado a vários suicídios seria o de que as famílias receberiam indemnização. A onda de suicídios nas empresas é a ponta do iceberg de um processo muito mais profundo de adoecimento dos trabalhadores, no qual os problemas com alcoolismo, drogas e remédios controlados são parte disso.

65 (…) Se uma pessoa se atrasa, tem uma multa de 100 yuan por minuto. Se se recusar a fazer horas-extras, a pessoa pode ser retirada da sua linha. Nem pensar em ficar doente…(…) Conversar durante o trabalho é penalizado com 100 yuan. É proibido usar telemóveis dentro da empresa. O primeiro salário é retido como depósito de garantia para uniformes e outros itens. Eles alegam que vão devolver no final, mas ninguém consegue receber a quantia integral, sofrendo grandes descontos.(…) Temos que dividir o quarto com mais 12 pessoas de diferentes partes da China, que falam dialetos distintos, que não dá para entender.(…) Quando acaba a jornada de trabalho, é preciso correr para tomar banho, antes de a água quente ser desligada. O cansaço é tão grande que muitas vezes deixamos de fazer a refeição matinal para poder dormir mais um pouco.(…) Sofremos assédio sexual dos encarregados, se recusamos esses avanços, temos de sofrer as consequências durante o trabalho. O meu namorado foi agredido pelos seguranças da empresa e teve de ser levado ao hospital. (Depoimentos dos trabalhadores da Foxcon) Disponivel em:

66 Empleados de la factoría Foxconn, en Longhua, donde se han suicidado varios trabajadores. Foxconn es la empresa que ensambla el iPad de Apple. / REUTERS Terry Gou, presidente de Foxconn, se limpia el sudor antes de iniciar la rueda de prensa. Ma Zishan llora la muerte de su hijo, Ma Xiang Qian, en la planta Lunghua de Foxconn en Shenshen (China). Ma Xiang Qian, empleado de Foxconn, murió tras precipitarse al vacío desde un edificio el pasado mes de enero de 2010


Carregar ppt "Estrutura Sindical no Brasil Estrutura Sindical Conjunto de normas de funcionamento e organização dos sindicatos. Estas normas podem, em alguns momentos,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google