A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Funcionamento do tempo na obra Frei Luís de Sousa.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Funcionamento do tempo na obra Frei Luís de Sousa."— Transcrição da apresentação:

1 Funcionamento do tempo na obra Frei Luís de Sousa

2 Tempo dramático: Existem referências temporais em toda a obra, dadas através das falas das personagens: Acto I: «É no fim da tarde» (didascália inicial); «Há pouca luz do dia já» (cena II); «Já vai cerrar-se a noite» (cena VI); «É noite fechada» (cena VII, didascália); «São oito horas» (cena VII).

3 Acto II: «Há oito dias que estamos nesta casa» (cena I); «Ficou naquele estado em que a temos visto há oito dias» (cena I); «O arcebispo foi ontem a Lisboa e volta esta tarde» (cena IV); «Hoje é sexta-feira» (cena V); «Ora vamos: ao anoitecer, antes da noite, aqui estou» (cena VIII).

4 Acto III: «É alta noite» (didascália inicial); «Manuel - Que horas são? Jorge - Quatro, quatro e meia» (cena I); «Manuel - [...] a luz desse dia que vem a nascer» (cena I).

5 Quanto a datas são mencionadas várias: 1578 – Madalena casa com D. João e conhece Manuel de Sousa; 4 de Agosto de 1578 – batalha de Alcácer Quibir; desaparecimento de D. João de Portugal; 1578/1585 – Madalena procura assegurar-se da morte de D. João; 1585– Madalena casa com Manuel de Sousa Coutinho; Nascimento de Maria; 1598 a 1599 – D. João é libertado e dirige-se para Portugal; 28 de Julho a 4 de Agosto Madalena vive de novo no palácio de D. João; 4 de Agosto – dia fatal.

6 Concentração temporal: Embora não respeite as vinte e quatro horas, tem- se a noção da condensação do tempo da acção. Iniciando-se o acto I no fim da tarde de uma sexta-feira, termina o mesmo ao cair da noite com o incêndio do palácio de Manuel de Sousa Coutinho. Inicia-se o acto II oito dias depois, à tarde, por isso também numa sexta-feira. O acto III decorre durante a noite, consumando-se a morte de Maria e a tomada de hábito dos dois esposos antes de se ver a luz do dia de sábado.

7 Sendo assim, a transposição da acção de uma sexta- feira para a sexta-feira da semana seguinte, só pelo facto de se manter o mesmo dia da semana, faz criar a ilusão de que tudo se passa no mesmo dia. Aliás tal facto só se compreende pela ausência de Manuel de Sousa Coutinho depois de ter incendiado o próprio palácio. Assim, podemos concluir que o tempo vai caminhando para uma concentração no momento do clímax. É como que uma preparação para aquele momento trágico.

8 Simbologia de referências temporais: Vários elementos estão carregados de simbologia, muitas vezes a pressagiar o desenrolar da acção e a desgraça das personagens: Madalena – Hoje... hoje! Pois hoje é o dia da minha vida que mais tenho receado... que ainda temo que não acabe sem muito grande desgraça... É um dia fatal para mim: faz hoje anos que... que casei a primeira vez; faz anos que se perdeu el-rei D. Sebastião; faz anos também que... vi pela primeira vez a Manuel de Sousa. Neste pequeno excerto está presente um desses elementos: a sexta- feira (dia de azar).

9 Mas ao longo de toda a obra existem outros elementos como: A noite (parte do dia propícia a sentimentos de terror e parte do dia em que acontecessem as principais cenas); Os números: 7 (nº de anos de busca de D. João); 14 (tempo de casamento); 21 (tempo da acção, embora a acção representada tenha apenas uma semana): 13 (nº de azar, idade de Maria); 3 (nº de elementos da família sujeitos à destruição, 3 retratos na sala dos retratos).

10 Importância do advérbio Hoje: O advérbio Hoje é muito utilizado na obra, em especial no dia fatídico. Madalena, aliás utiliza-o várias vezes: Hoje... hoje! Pois hoje é o dia da minha vida que mais tenho receado.. faz hoje anos que…

11 Tempo histórico: Ao longo de toda a obra são-nos dadas referências históricas, como: A Batalha de Alcácer Quibir (1578); A Existência de peste em Lisboa; O Mito Sebastianista; A Opressão e desavenças em Portugal, devido à perda de Independência; Camões; A Influência das lutas pela liberdade religiosa no século XVI; A Influência do Iluminismo. No entanto, apesar de todas estas referências, a mais importante talvez é a Batalha, pois toda a História está dependente dela (regresso de D. João).

12 Tempo psicológico: O tempo psicológico é a forma como as personagens sentem a passagem do tempo. Em Frei Luís de Sousa a personagem mais importante no que toca ao tempo psicológico é D. Madalena, cuja passagem do tempo intensifica a sua fragilidade. D. Madalena tem pavor pelas sextas-feiras até que dia 4 de Agosto (sexta-feira) aparece D. João de Portugal, associando-se a passagem do tempo à aproximação da fatalidade.

13 Trabalho realizado por: Inês Sousa; João; Mauro; Nelson.


Carregar ppt "Funcionamento do tempo na obra Frei Luís de Sousa."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google