A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

20/02/2008 TEMPO O tempo faz parte de nossa experiência individual, social e política. Tempo como categoria narrativa Jean Pouillon, Genette, Ricouer,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "20/02/2008 TEMPO O tempo faz parte de nossa experiência individual, social e política. Tempo como categoria narrativa Jean Pouillon, Genette, Ricouer,"— Transcrição da apresentação:

1 20/02/2008 TEMPO O tempo faz parte de nossa experiência individual, social e política. Tempo como categoria narrativa Jean Pouillon, Genette, Ricouer, Benveniste e outros. 1

2 Temporalidade Cronológica
20/02/2008 Temporalidade Cronológica Tempo Litúrgico/ Sagrado: tempo dos ritos, das celebrações religiosas. Tempo político: tempo dos eventos cívicos, repetitivos, cíclicos. Tempo Histórico 2

3 Tempo Litúrgico/ Sagrado
20/02/2008 Tempo Litúrgico/ Sagrado O tempo sagrado é por sua própria natureza reversível, no sentido em que é, propriamente falando, um Tempo mítico primordial tornado presente. Toda festa religiosa, todo Tempo litúrgico, representa a reatualização de um evento sagrado que teve lugar num passado mítico, “nos primórdios.” (ELIADE, Mircea. O Sagrado e o Profano. A essência das religiões). 3

4 Tempo da História (Diegese) e Tempo do Discurso
20/02/2008 Tempo da História (Diegese) e Tempo do Discurso Tempo da História (Diegese): sucessão de eventos antes/agora/depois; fluxo do tempo Tempo do Discurso Narrativo Ordem em que os eventos são produzidos e transmitidos 4

5 20/02/2008 Tempo da História Tempo Cronológico: objetivo, medido em períodos regulares, através de convenções. Tempo Psicológico: filtrado pelas vivências subjetivas da personagem; sem padrão convencional de medida. 5

6 20/02/2008 TEMPO DA HISTÓRIA Múltiplo; pluridimensional (várias personagens na história) Pode ser dilatado (época e gerações) ou condensado (dias, horas, minutos) Utilização de Cenas e/ou Sumários 6

7 20/02/2008 TEMPO DO DISCURSO Compreende a totalidade temporal e as seqüências de enunciados interligados. Segue a concreção da escrita, a ordenação das seqüências narrativas (cenas, diálogos, descrição, narração) dependendo, de certa maneira, do ato de leitura. 7

8 TEMPO DO DISCURSO Sistematização de G. Genette
20/02/2008 TEMPO DO DISCURSO Sistematização de G. Genette Tempo do Discurso compreende áreas de codificação: ordem, velocidade e freqüência. Ordem Temporal: estudar a ordem temporal de uma narrativa é confrontar a ordem de disposição dos segmentos temporais como a disposição desses mesmos segmentos no tempo da história. 8

9 TEMPO DO DISCURSO Diagrama de representação Tempo da História:
20/02/2008 TEMPO DO DISCURSO Diagrama de representação Tempo da História: A BcDEFG Tempo do Discurso: [...] B [A] CD[F]E [...]G 9

10 ANACRONIAS Analepses (flashback) Prolepses (flashforward) 20/02/2008
10

11 Discurso do pai à cabeceira da mesa
20/02/2008 Discurso do pai à cabeceira da mesa [...] rico não é o homem que coleciona e se pesa no amontoado de moedas, [...]; rico só é o homem que aprendeu, piedoso e humilde, a conviver com o tempo, aproximando-se dele com ternura, não contrariando suas disposições, não se rebelando contra seu curso[...]. (p.54) [...] o equilíbrio da vida depende essencialmente este bem supremo (o tempo), e quem souber com acerto a quantidade de vagar, ou a de espera, que se deve pôr nas coisas, não corre nunca o risco, ao buscar por elas, de defrontar-se com o que não é; por isso ninguém em nossa casa há de dar nunca o passo mais largo que a perna [...]. (Raduan Nassar Lavoura Arcaica.p.55) 11

12 Discurso do pai à cabeceira da mesa
20/02/2008 Discurso do pai à cabeceira da mesa [...] o equilíbrio da vida depende essencialmente este bem supremo (o tempo), e quem souber com acerto a quantidade de vagar, ou a de espera, que se deve pôr nas coisas, não corre nunca o risco, ao buscar por elas, de defrontar-se com o que não é; por isso ninguém em nossa casa há de dar nunca o passo mais largo que a perna [...]. (Raduan Nassar Lavoura Arcaica.p.55) 12

13 Discurso do pai à cabeceira da mesa
20/02/2008 Discurso do pai à cabeceira da mesa [...] aquele que exorbita no uso do tempo, precipitando-se de modo afoito, cheio de pressa e ansiedade, não será jamais recompensado, pois só a justa medida do tempo dá ajusta natureza das coisas, [...] (p.55) 13

14 20/02/2008 Discurso de André O tempo, o tempo é versátil, o tempo faz diabruras, o tempo brincava comigo, o tempo se espreguiçava, provocadoramente, era um tempo só de esperas, me guardando na casa velha por dias inteiros; era um tempo também de sobressaltos, me embaralhando ruídos, confundindo minhas antenas, me levando a ouvir claramente acenos imaginários, me despertando com a gravidade de um julgamento mais áspero, eu estou louco! (p. 95) 14

15 20/02/2008 Discurso de André O tempo, o tempo, o tempo e suas águas inflamáveis, esse rio largo que não cansa de correr, lento e sinuoso, ele próprio conhecendo seus caminhos, recolhendo e filtrando de vária direção o caldo turvo dos afluentes e o sangue ruivo de outros canais para com eles construir a razão mística da história, sempre tolerante, [...] (p.184) 15


Carregar ppt "20/02/2008 TEMPO O tempo faz parte de nossa experiência individual, social e política. Tempo como categoria narrativa Jean Pouillon, Genette, Ricouer,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google