A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

REALISMONATURALISMOPARNASIANISMO. Pegue o material para que possa estudar. Pegue o material para que possa estudar. Confira os exercícios em sala. Confira.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "REALISMONATURALISMOPARNASIANISMO. Pegue o material para que possa estudar. Pegue o material para que possa estudar. Confira os exercícios em sala. Confira."— Transcrição da apresentação:

1 REALISMONATURALISMOPARNASIANISMO

2 Pegue o material para que possa estudar. Pegue o material para que possa estudar. Confira os exercícios em sala. Confira os exercícios em sala. As aulas serão dadas por tópicos. As aulas serão dadas por tópicos. Leia as teorias em casa. Leia as teorias em casa.

3 Veja as matérias estudadas Literatura colonial: Literatura informativa e catequética Literatura informativa e catequética Barroco Barroco Arcadismo Arcadismo

4 Literatura nacional ou romântica: Romantismo aos dias atuais

5 PROSA ROMÂNTICA: Alencar Alencar Macedo Macedo Bernardo Guimarães Bernardo Guimarães Visconde de Taunay Visconde de Taunay Franklin Távora Franklin Távora Manuel Antônio de Almeida Manuel Antônio de Almeida

6 Veja o quadro de memorização

7 1.O Realismo tem início no Brasil no ano de? Com um texto chamado? Memórias Póstumas de Brás Cubas. 3. Cujo autor é Machado de Assis. 4. E vai até o ano de Quando surge Missal e Broquéis. 6 Cujo autor é Cruz e Souza.

8 7 Machado de Assis Romântico escreveu Ressurreição, Iá-Iá Garcia, A Mão e a Luva, Helena. 8. Machado de Assis realista escreveu: Memórias Póstumas de Brás Cubas Memórias Póstumas de Brás Cubas Dom Casmurro Dom Casmurro Quincas Borba Quincas Borba Esaú e Jacó Esaú e Jacó Memorial de Aires Memorial de Aires Papéis Avulsos Papéis Avulsos

9 9 Aluísio de Azevedo escreveu: O Cortiço O Cortiço O Mulato O Mulato Casa de Pensão Casa de Pensão 10. Júlio Ribeiro escreveu A Carne. 11 Adolfo Caminha escreveu O Bom Crioulo e A Normalista.

10 INTRODUÇÃO AO REALISMO

11 O Romantismo é a apoteose do sentimento. O Romantismo é a apoteose do sentimento. O Realismo é a anatomia do caráter. O Realismo é a anatomia do caráter. Vejamos o que acontecia na Europa. Por que se estuda primeiramente o que ocorria na Europa.

12 Segunda fase da Revolução Industrial. Caracterizada pela utilização do: Aço, petróleo e da eletricidade. Aço, petróleo e da eletricidade. Grandes complexos industriais. Grandes complexos industriais. Explosão demográfica. Explosão demográfica. Desenvolvimento científico e filosófico:

13 Positivismo, de Augusto Comte Positivismo, de Augusto Comte O Determinismo de Hypolite Taine O Determinismo de Hypolite Taine Socialismo Científico, de Marx e Engels Socialismo Científico, de Marx e Engels O Evolucionismo de Charles Darwin O Evolucionismo de Charles Darwin Os dois primeiros livros:

14 1857 – Madame Bovary, de Gustave Flaubert 1867 – Thérèse Raquin, de Emile Zola O Realismo no Brasil. Poetas de transição

15 Poetas de expressões românticas e pré-realistas Temas político-sociais. Castro Alves Castro Alves Sousândrade Sousândrade Tobias Barreto Tobias Barreto Prosadores pré-realistas

16 Manuel Antônio de Almeida Manuel Antônio de Almeida Visconde de Taunay Visconde de Taunay Franklin Távora Franklin Távora

17 Escola de Recife 1870 Tobias Barreto Sílvio Romero Possuíam ideais que se aproximavam dos pensamentos europeus. Pensamento histórico no Brasil.

18 Abolicionismo Abolicionismo Ideal republicano Ideal republicano Crise da monarquia Crise da monarquia

19 Características do Realismo: Objetivismonão-euUniversalismoMaterialismo Tempo presente Determinismo

20 Romance Realista: Cultivado por Machado de Assis. Cultivado por Machado de Assis. Análise psicológica Análise psicológica Crítica à sociedade (classe dominante) Crítica à sociedade (classe dominante) São cinco romances realistas com nomes próprios São cinco romances realistas com nomes próprios Preocupação com o indivíduo. Preocupação com o indivíduo. Personagens capitalistas Personagens capitalistas

21 1.O Realismo tem início no Brasil no ano de? Com um texto chamado? Memórias Póstumas de Brás Cubas. 3. Cujo autor é Machado de Assis. 4. E vai até o ano de Quando surge Missal e Broquéis. 6 Cujo autor é Cruz e Souza.

22 7 Machado de Assis Romântico escreveu Ressurreição, Iá-Iá Garcia, A Mão e a Luva, Helena. 8. Machado de Assis realista escreveu: Memórias Póstumas de Brás Cubas Memórias Póstumas de Brás Cubas Dom Casmurro Dom Casmurro Quincas Borba Quincas Borba Esaú e Jacó Esaú e Jacó Memorial de Aires Memorial de Aires Papéis Avulsos Papéis Avulsos

23 9 Aluísio de Azevedo escreveu: O Cortiço O Cortiço O Mulato O Mulato Casa de Pensão Casa de Pensão 10. Júlio Ribeiro escreveu A Carne. 11 Adolfo Caminha escreveu O Bom Crioulo e A Normalista.

24 FONOLOGIA – ESTUDO DO SOM FONOLOGIA – ESTUDO DO SOM MORFOLOGIA – CLASSES GRAMATICAIS MORFOLOGIA – CLASSES GRAMATICAIS ANÁLISE SINTÁTICA - ESTRUTURA ANÁLISE SINTÁTICA - ESTRUTURA

25

26

27

28

29 Contos machadianos: A causa Secreta Missa do Galo Uns Braços Noite de Almirante O Espelho

30 A Causa Secreta: Foco-narrativo: terceira pessoa Personagens: Garcia – observador Fortunato – sádico Luísa - Frágil

31 Pergunta da segunda fase UNICAMP

32 8. O trecho abaixo corresponde ao desfecho do conto A causa secreta, de Machado de Assis:... Garcia inclinou-se ainda para beijar outra vez o cadáver, mas então não pôde mais. O beijo rebentou em soluços, e os olhos não puderam conter as lágrimas, que vieram em borbotões*, lágrimas de amor calado, e irremediável desespero. Fortunato, à porta, onde ficara, saboreou tranquilo essa explosão de dor moral que foi longa, muito longa, deliciosamente longa. *em borbotões: em jorros, em grande quantidade a) Explique a reação de Garcia diante do cadáver.

33 1- Machado possibilita, ao longo do conto, por meio das ações de Fortunato, que o leitor vá compondo o perfil moral de Fortunato e possa perceber as características principais da personalidade desse personagem. Indiquem quais as características marcantes da personalidade dele.

34 2- Pode-se afirmar que o autor desenvolve, nesse conto, o tema: aparência não é essência do comportamento humano? Expliquem

35 1.O Realismo tem início no Brasil no ano de? Com um texto chamado? Memórias Póstumas de Brás Cubas. 3. Cujo autor é Machado de Assis. 4. E vai até o ano de Quando surge Missal e Broquéis. 6 Cujo autor é Cruz e Souza.

36 7 Machado de Assis Romântico escreveu Ressurreição, Iá-Iá Garcia, A Mão e a Luva, Helena. 8. Machado de Assis realista escreveu: Memórias Póstumas de Brás Cubas Memórias Póstumas de Brás Cubas Dom Casmurro Dom Casmurro Quincas Borba Quincas Borba Esaú e Jacó Esaú e Jacó Memorial de Aires Memorial de Aires Papéis Avulsos Papéis Avulsos

37 9 Aluísio de Azevedo escreveu: O Cortiço O Cortiço O Mulato O Mulato Casa de Pensão Casa de Pensão 10. Júlio Ribeiro escreveu A Carne. 11 Adolfo Caminha escreveu O Bom Crioulo e A Normalista.

38 Leia os demais contos para o simulado.

39 Círculo Vicioso Bailando no ar, gemia inquieto vaga-lume: - Quem me dera que fosse aquela loura estrela, que arde no eterno azul, como uma eterna vela ! Mas a estrela, fitando a lua, com ciúme: - Pudesse eu copiar o transparente lume, que, da grega coluna á gótica janela, contemplou, suspirosa, a fronte amada e bela ! Mas a lua, fitando o sol, com azedume: - Misera ! tivesse eu aquela enorme, aquela claridade imortal, que toda a luz resume ! Mas o sol, inclinando a rutila capela: - Pesa-me esta brilhante aureola de nume... Enfara-me esta azul e desmedida umbela... Porque não nasci eu um simples vaga-lume?

40 FONOLOGIA – ESTUDO DO SOM FONOLOGIA – ESTUDO DO SOM MORFOLOGIA – CLASSES GRAMATICAIS MORFOLOGIA – CLASSES GRAMATICAIS ANÁLISE SINTÁTICA - ESTRUTURA ANÁLISE SINTÁTICA - ESTRUTURA

41 FONOLOGIA – ESTUDO DO SOM FONOLOGIA – ESTUDO DO SOM MORFOLOGIA – CLASSES GRAMATICAIS MORFOLOGIA – CLASSES GRAMATICAIS ANÁLISE SINTÁTICA - ESTRUTURA ANÁLISE SINTÁTICA - ESTRUTURA

42 FONOLOGIA – ESTUDO DO SOM FONOLOGIA – ESTUDO DO SOM MORFOLOGIA – CLASSES GRAMATICAIS MORFOLOGIA – CLASSES GRAMATICAIS ANÁLISE SINTÁTICA - ESTRUTURA ANÁLISE SINTÁTICA - ESTRUTURA

43 FONOLOGIA – ESTUDO DO SOM FONOLOGIA – ESTUDO DO SOM MORFOLOGIA – CLASSES GRAMATICAIS MORFOLOGIA – CLASSES GRAMATICAIS ANÁLISE SINTÁTICA - ESTRUTURA ANÁLISE SINTÁTICA - ESTRUTURA

44 FONOLOGIA – ESTUDO DO SOM FONOLOGIA – ESTUDO DO SOM MORFOLOGIA – CLASSES GRAMATICAIS MORFOLOGIA – CLASSES GRAMATICAIS ANÁLISE SINTÁTICA - ESTRUTURA ANÁLISE SINTÁTICA - ESTRUTURA

45 FONOLOGIA – ESTUDO DO SOM FONOLOGIA – ESTUDO DO SOM MORFOLOGIA – CLASSES GRAMATICAIS MORFOLOGIA – CLASSES GRAMATICAIS ANÁLISE SINTÁTICA - ESTRUTURA ANÁLISE SINTÁTICA - ESTRUTURA

46 FONOLOGIA – ESTUDO DO SOM FONOLOGIA – ESTUDO DO SOM MORFOLOGIA – CLASSES GRAMATICAIS MORFOLOGIA – CLASSES GRAMATICAIS ANÁLISE SINTÁTICA - ESTRUTURA ANÁLISE SINTÁTICA - ESTRUTURA

47 Círculo vicioso estrelalua sol Vaga- lume

48 1 Esse soneto é citado como exemplo do pessimismo machadiano. Você concorda com esse rótulo? Por que? 2 O soneto possui característica de uma fábula. Qual seria? 3 Pensando na sociedade, você concorda com o círculo vicioso?

49 Memórias Póstumas de Brás Cubas Narrado em primeira pessoa. Família de Brás Cubas: Sabina – irmã Cotrim - cunhado

50 Casos amorosos de Brás Cubas: Marcela – cortesã Eugênia – segundo amor do protagonista Virgília – grande amor e amante Nhá-Loló – pretendente – morre de febre amarela

51 Outros: Quincas Borba, filósofo, teórico do Humanitismo, amigo de infância de Brás Cubas. (Recebe melhor retrato em Quincas Borba, romance seguinte.) D. Eusébia, amiga pobre da família Cubas. Conselheiro Dutra, homem bem posto no mundo da política, pai de Virgília. Lobo Neves, político e marido de Virgília. Luís Dutra, primo de Virgília. Dona Plácida, beata velha e pobre, empregada de Virgília e que protege os amantes.

52 Prudêncio – escravo Frases machadianas: Marcela amou-me durante quinze contos de r[eis, nada menos. Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado de nossa miséria.

53 1) "Algum tempo hesitei se devia abrir estas memórias pelo princípio ou pelo fim, isto é, se poria em primeiro lugar o meu nascimento ou a minha morte. suposto o uso vulgar seja começar pelo nascimento, duas considerações me levaram a adotar diferente método: a primeira é que eu não sou propriamente um autor defunto, mas um defunto autor, para quem a campa foi outro berço; a segunda é que o escrito ficaria assim mais galante e mais novo. Moisés, que também contou a sua morte, não a pôs no intróito, mas no cabo: a diferença radical entre este livro e o Pentateuco."

54 O Autor afirma que: O Autor afirma que: a) vai começar suas memórias pela narração de seu nascimento. b) vai adotar uma sequência narrativa vulgar. c) o que o levou a escrever suas memórias foram duas considerações sobre a vida e a morte. d) vai começar suas memórias pela narração de sua morte. e) vai adotar a mesma sequência narrativa utilizada por Moisés.

55 Dom Casmurro: Narrado em primeira pessoa. Bento Santiago (Bentinho) Dona Glória Prima Justina Tio Cosme

56 José Dias – agregado Pádua – dona Fortunata - Capitu Escobar Ezequiel - Sancha Protonotário Cabral

57 1.(UEL) O texto abaixo é o último capítulo do romance Dom Casmurro, de Machado de Assis. Agora, por que é que nenhuma dessas caprichosas me fez esquecer a primeira amada do meu coração? Talvez porque nenhuma tinha os olhos de ressaca, nem os de cigana oblíqua e dissimulada. Mas não é esse propriamente o resto do livro. O resto é saber se a Capitu da praia da Glória já estava dentro da de Matacavalos, ou se esta foi mudada naquela por efeito de algum caso incidente. Jesus, filho de Sirach, se soubesse dos meus primeiros ciúmes, dir-me- ia, como no seu cap. IX, vers. 1: "Não tenhas ciúmes de tua mulher para que ela não se meta a enganar-te com a malícia que aprender de ti". Mas eu creio que não, e tu concordarás comigo; se te lembras bem da Capitu menina, hás de reconhecer que uma estava dentro da outra, como a fruta dentro da casca. E bem, qualquer que seja a solução, uma coisa fica, e é a suma das sumas, ou resto dos restos, a saber, que a minha primeira amiga e o meu maior amigo, tão extremosos ambos e tão queridos também, quis o destino que acabassem juntando-se e enganando-me... A Terra lhes seja leve! Vamos à História dos subúrbios.

58 Pela leitura do texto, é correto afirmar que, depois de contar a história da sua vida e do seu amor por Capitu, Bentinho, o narrador: (A) Conclui que Capitu não o traiu. (B) Buscando conforto na Bíblia, chega à conclusão de que, apesar de Capitu o ter traído, ele deveria perdoar-lhe e não sentir ciúmes dela. (C) Não tem certeza de que Capitu o traiu, embora acredite que ela tenha se transformado muito desde a adolescência, aparecendo quando adulta como uma cigana traiçoeira e dissimulada. (D) Chega à conclusão de que Capitu já possuía, quando menina, os traços psicológicos que a caracterizariam na fase adulta. (E) Constata que Capitu e seu amigo José Dias mantinham um romance desde a adolescência.

59 2. (UEL) As questões de 2 a 4 referem-se ao trecho do capítulo de Dom Casmurro (1900), de Machado de Assis ( ) OLHOS DE RESSACA Enfim, chegou a hora da encomendação e da partida. Sancha quis despedir-se do marido, e o desespero daquele lance consternou a todos. Muitos homens choravam também, as mulheres todas. Só Capitu, amparando a viúva, parecia vencer-se a si mesma. Consolava a outra, queria arrancá-la dali. A confusão era geral. No meio dela, Capitu olhou alguns instantes para o cadáver tão fixa, tão apaixonadamente fixa, que não admira lhe saltassem algumas lágrimas poucas e caladas... As minhas cessaram logo. Fiquei a ver as dela; Capitu enxugou-as depressa, olhando a furto para a gente que estava na sala. Redobrou de carícias para a amiga, e quis levá-la; mas o cadáver parece que a retinha também. Momento houve em que os olhos de Capitu fitaram o defunto, quais os da viúva, sem o pranto, nem palavras desta, mas grandes e abertos, como a vaga do mar lá fora, como se quisesse tragar também o nadador da manhã.

60 Com base no texto e seus conhecimentos sobre a obra, assinale a resposta correta nas questões de 2 a 4. A narração do momento em que Capitu fixa o olhar no cadáver de Escobar efetiva-se: A) Muitos anos após a morte de Escobar, tendo por objetivo mostrar ao leitor a percepção do narrador da dissimulação de sua esposa, Capitu. B) Logo após o enterro de Escobar, mostrando-se o narrador solidário com a dor da viúva, Sancha, personagem caracterizada pela dissimulação. C) Através das palavras de Bento Santiago, melhor amigo de Escobar, tendo por objetivo registrar a dor dos amigos no momento do enterro. D) Logo após o enterro de Escobar, tendo por objetivo registrar o forte vínculo que unia sua família à do negociante e ex-seminarista. E) Muitos anos após o enterro de Escobar, tendo por objetivo ressaltar o transtorno ocasionado pela imprudência do ex-seminarista.

61 3. De acordo com o texto, é correto afirmar: A) Diante do trecho acima transcrito, compete ao leitor acreditar ou não nas palavras do narrador uma vez que apenas suas palavras fazem-se presentes. B) Capitu, embora seja vista apenas pelo narrador, apresenta um comportamento ambíguo, pois não quer que as pessoas notem seu amor por Escobar. C) O comportamento dissimulado caracteriza Capitu, como deixam claras as palavras do narrador, seu marido, efetivadas logo após o enterro do amigo. D) Diante das palavras seguras do narrador, ex-seminarista e advogado, resta ao leitor a segurança de que Capitu era uma mulher adúltera. E) As palavras do ex-seminarista e advogado competente são a garantia da veracidade da cena descrita na qual Capitu fixa apaixonadamente o cadáver do amigo 3. De acordo com o texto, é correto afirmar: A) Diante do trecho acima transcrito, compete ao leitor acreditar ou não nas palavras do narrador uma vez que apenas suas palavras fazem-se presentes. B) Capitu, embora seja vista apenas pelo narrador, apresenta um comportamento ambíguo, pois não quer que as pessoas notem seu amor por Escobar. C) O comportamento dissimulado caracteriza Capitu, como deixam claras as palavras do narrador, seu marido, efetivadas logo após o enterro do amigo. D) Diante das palavras seguras do narrador, ex-seminarista e advogado, resta ao leitor a segurança de que Capitu era uma mulher adúltera. E) As palavras do ex-seminarista e advogado competente são a garantia da veracidade da cena descrita na qual Capitu fixa apaixonadamente o cadáver do amigo.

62 A denominação do capítulo, Olhos de ressaca, é resultante da leitura que o narrador faz: A) Do mal-estar de Sancha diante do corpo inerte do marido. B) Da agressividade incontida do olhar de Bentinho em direção a Capitu. C) Do desejo detectado no olhar de Capitu de apossar-se de Escobar. D) Da força e do ímpeto presentes nos olhos de Capitu dirigidos ao marido. E) Do mal-estar de Capitu provocado pela noite passada em claro.. A denominação do capítulo, Olhos de ressaca, é resultante da leitura que o narrador faz: A) Do mal-estar de Sancha diante do corpo inerte do marido. B) Da agressividade incontida do olhar de Bentinho em direção a Capitu. C) Do desejo detectado no olhar de Capitu de apossar-se de Escobar. D) Da força e do ímpeto presentes nos olhos de Capitu dirigidos ao marido. E) Do mal-estar de Capitu provocado pela noite passada em claro.

63 REALISMO X NATURALISMO

64 Realismo: Romance psicológico, preocupação com o indivíduo. Romance psicológico, preocupação com o indivíduo.Naturalismo: Romance Social, preocupação com o grupo. Romance Social, preocupação com o grupo.Realismo: Crítica à moral e aos costumes vigentes. Crítica à moral e aos costumes vigentes.

65 Naturalismo: Crítica social ao capitalismo selvagem. Realismo: Abordagem das classes dominantes. Naturalismo: Abordagem dos marginalizados.

66 Abordagem da sexualidade em oposição ao amor platônico e ao romantismo. Naturalismo: Supervalorização do sexo, taras, desvios, homossexualismo. Determinismo: raça, meio, momento.

67 Daí a pouco, em volta das bicas era um zunzum crescente; uma aglomeração tumultuosa de machos e fêmeas. Uns, após outros, lavavam a cara, incomodamente, debaixo do fio de água que escorria da altura de uns cinco palmos. O chão inundava-se. As mulheres precisavam já prender as saias entre as coxas para não as molhar; via-se-lhes a tostada nudez dos braços e do pescoço, que elas despiam, suspendendo o cabelo todo para o alto do casco; os homens, esses não se preocupavam em não molhar o pêlo, ao contrário metiam a cabeça bem debaixo da água e esfregavam com força as ventas e as barbas, fossando e fungando contra as palmas da mão. As portas das latrinas não descansavam, era um abrir e fechar de cada instante, um entrar e sair sem tréguas. Não se demoravam lá dentro e vinham ainda amarrando as calças ou as saias; as crianças não se davam ao trabalho de lá ir, despachavam-se ali mesmo, no capinzal dos fundos, por detrás da estalagem ou no recanto das hortas. Daí a pouco, em volta das bicas era um zunzum crescente; uma aglomeração tumultuosa de machos e fêmeas. Uns, após outros, lavavam a cara, incomodamente, debaixo do fio de água que escorria da altura de uns cinco palmos. O chão inundava-se. As mulheres precisavam já prender as saias entre as coxas para não as molhar; via-se-lhes a tostada nudez dos braços e do pescoço, que elas despiam, suspendendo o cabelo todo para o alto do casco; os homens, esses não se preocupavam em não molhar o pêlo, ao contrário metiam a cabeça bem debaixo da água e esfregavam com força as ventas e as barbas, fossando e fungando contra as palmas da mão. As portas das latrinas não descansavam, era um abrir e fechar de cada instante, um entrar e sair sem tréguas. Não se demoravam lá dentro e vinham ainda amarrando as calças ou as saias; as crianças não se davam ao trabalho de lá ir, despachavam-se ali mesmo, no capinzal dos fundos, por detrás da estalagem ou no recanto das hortas.

68 O rumor crescia, condensando-se; o zunzum de todos os dias acentuava-se; já se não destacavam vozes dispersas, mas um só ruído compacto que enchia todo o cortiço.Começavam a fazer compras na venda; ensarilhavam-se discussões e resingas; ouviam-se gargalhadas e pragas; já se não falava, gritava-se. Sentia-se naquela fermentação sangüínea, naquela gula viçosa de plantas rasteiras que mergulham os pés vigorosos na lama preta e nutriente da vida, o prazer animal de existir, a triunfante satisfação de respirar sobre a terra. O rumor crescia, condensando-se; o zunzum de todos os dias acentuava-se; já se não destacavam vozes dispersas, mas um só ruído compacto que enchia todo o cortiço.Começavam a fazer compras na venda; ensarilhavam-se discussões e resingas; ouviam-se gargalhadas e pragas; já se não falava, gritava-se. Sentia-se naquela fermentação sangüínea, naquela gula viçosa de plantas rasteiras que mergulham os pés vigorosos na lama preta e nutriente da vida, o prazer animal de existir, a triunfante satisfação de respirar sobre a terra.

69 Nhá Dunga! gritou ela para baixo, a sacudir um pano de mesa; se você tem cuscuz de milho hoje, bata na porta, ouviu? Nhá Dunga! gritou ela para baixo, a sacudir um pano de mesa; se você tem cuscuz de milho hoje, bata na porta, ouviu? A Leonor surgiu logo também, enfiando curiosa a carapinha por entre o pescoço e o ombro da mulata. A Leonor surgiu logo também, enfiando curiosa a carapinha por entre o pescoço e o ombro da mulata. Em folha separada responda:

70 1 O Autor descreve uma movimentação no cortiço característica de: a)Fim de tarde b)Hora de almoço c)Início do dia d)Volta ao trabalho 2....Em volta das águas era um zunzum crescente. Aumentava: a)O barulho b)O número de pessoas c)O movimento d)A boataria

71 3....uma aglomeração tumultuosa tratava-se de: a)Um ajuntamento confuso b)Uma reunião festiva c)Um encontro ocasional d)Um agrupamento ordenado 4 As crianças deixavam de fazer suas necessidades fisiológicas: a)Por detrás da estalagem b)No capinzal dos fundos c)No recanto das hortas d)Nas latrinas

72 5 Ensarilhar equivale a: a)Dançar b)Enredar c)Discutir d)Começar 6 O nutriente: a)Alimenta b)Enjoa c)Suja d)enlameia

73 7 As plantas rasteiras eram: a)As crianças b)As mulheres c)Os homens que discutiam d)As pessoas 8 Isaura desejava: a)Abandonar a limpeza da casa. b)Que Nhá Dunga chamasse o Miranda c)Vender milho para Leonor d)Comprar cuscuz

74 9 Tinha o cabelo crespo: a)Nhá Dunga b)Miranda c)Isaura d)Leonor

75 10 O uso de termos como machos, fêmeas, caras, ventas, fossando, fungando, evidenciam: a)Idealização do homem e do espaço por ele ocupado. b)Visão animalesca do homem e de suas reações instintivas, próprias do Naturalismo. c)O cientificismo, materialismo característicos do Realismo-Naturalismo. d)A expressão de ideias de uma nova corrente filosófica que reagiu ao romantismo.


Carregar ppt "REALISMONATURALISMOPARNASIANISMO. Pegue o material para que possa estudar. Pegue o material para que possa estudar. Confira os exercícios em sala. Confira."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google