A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Wrana Panizzi - UFRGS Santa Maria, 24 de outubro de 2013

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Wrana Panizzi - UFRGS Santa Maria, 24 de outubro de 2013"— Transcrição da apresentação:

1 Wrana Panizzi - UFRGS Santa Maria, 24 de outubro de 2013
Seminário de integração do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) 2013/2018 Instituto Federal Farroupilha O ensino, a pesquisa e extensão: sua expressão no Plano de Desenvolvimento Institucional Wrana Panizzi - UFRGS Santa Maria, 24 de outubro de 2013

2 Traços principais da sociedade do conhecimento sob a ótica do desempenho produtivo e do desempenho cidadão

3 Estamos vivendo transformações muito profundas que afetam todas as dimensões da sociedade e dos sujeitos.

4 Palavras de ordem: TRANSFORMAÇÃO MUDANÇA CRIATIVIDADE EFÊMERO
BANALIZAÇÃO MOVIMENTO TEMPO (...) MUDANÇA EFÊMERO DESCARTÁVEL INÉDITO DINAMISMO ESPAÇO

5 ≠ Educação ao longo da vida Velho trinômio
formação – trabalho – aposentadoria Incessante quantidade de vezes que cada pessoa terá de enfrentar a mudança no trabalho Fazer múltiplas escolhas

6 Conhecimento e Valores

7 Os valores e competências necessárias nesta sociedade são diferentes daqueles que existem na sociedade industrial tradicional A necessidade de outro tipo de formação: ensino tecnológico, educação para as ciências ...

8 A nova ordem social mostra que o que uso intensivo do conhecimento produz simultaneamente fenômenos de mais igualdade e mais desigualdade maior homogeneidade e maior diferenciação maior racionalidade e maior irracionalidade O uso da internet

9 A “fratura numérica” alimenta a “fratura cognitiva” – inclusão/exclusão
Qual direção? Necessidade de dominar conhecimento e de apoio aos valores éticos Os “riscos fabricados” comandados pela atividade técnico-científica: catástrofes “naturais”

10 Exemplos de opções da sociedade:
incluir ou excluir socialmente proteger ou não proteger o meio ambiente manipular ou não manipular o capital genético

11 A instabilidade do conhecimento e o seu grau de dinamismo geram incertezas.

12 O lugar e o tipo de educação (inovação tecnológica e ciências) diante do paradoxo: as exigências do domínio dos códigos científicos e tecnológicos x os modelos culturais dominantes

13 Consensos: A educação é uma variável que atua simultaneamente sobre:
a competitividade econômica a cidadania democrata a igualdade social O novo cenário social é: do predomínio do efêmero da concentração no curto prazo do afã de mudança permanente

14 Promover um ensino de boa qualidade para todos é parte de um projeto global de construção de uma sociedade justa.

15 Desafios: O longo prazo diante da concentração no presente
O talento formado por meio de longos processos de aprendizagem diante da demanda por mudanças permanentes e rápidas nas competências e habilidades dos trabalhadores A segurança e as garantias que todo o sujeito necessita para crescer e a demanda pelo consenso permanente de nossos insumos e produtos (Sennett, 2006)

16 Educação hoje: Acanhamento do ensino
Modelo pedagógico – acadêmico com base no trabalho passado e não a partir de atividades em transformação Sistema de divisão e organização do trabalho em torno de profissões tradicionais com: atribuições claras e bem definidas campos de atuação legalmente estabelecidos e delimitados grande estabilidade e poucas mudanças domínio de competências específicas; pouca inter-relação e hiper especialização

17 Ideia central: O ensino tecnológico e de ciências deve estar no centro das estratégias de melhoria da qualidade da educação para todos

18 O cidadão do século XXI deverá estar equipado com uma visão científica que permita não somente, sua adaptação, mas também a sua participação nas decisões que a sociedade deverá tomar para definir o ritmo e os propósitos das mudanças. ( Charpak, 1995)

19 A discussão de estratégias educacionais para promover a aprendizagem científica não se limita ao campo puramente pedagógico, mas sim sobre um projeto de sociedade.

20 O Brasil de hoje e as estratégias de formação científica e tecnológica: importância e alcance

21 Tendências Recentes na ocupação do território

22 MUDANÇAS NA OCUPAÇÃO HUMANA DO TERRITORIO
População cresce no interior do país Mudanças nas migrações internas ( menos para SE, mais para SUL urbano, CO e NO . NE retém mais) Dinamismo das cidades médias : cidades de 100mil a 2 milhões têm elevadas taxas de crescimento da população e do PIB

23 POPULAÇÃO CRESCE NO INTERIOR

24 DINAMISMO DAS CIDADES MÉDIAS
1/3 40,3%

25 Fonte: ESTUDO DO CEDEPLA/UFMG para CGGE/ MPOG, 2007
BRASIL RECENTE: ocupação do interior com cidades crescendo longe do litoral Fonte: ESTUDO DO CEDEPLA/UFMG para CGGE/ MPOG, 2007

26 INDUSTRIA TENDEU A DESCONCENTRAR
VTI EMPREGO INDUSTRIAL REGIÕES/ESTADOS 1970 2005 1986 NORTE 0,8 4,8 2,6 3,7 NORDESTE 5,7 9,2 10,7 12,7 SUDESTE 80,7 61,8 75,3 53,2 - SÃO PAULO 58,1 44,0 45,5 35,9 - RMSP 43,5 22,0 28,4 11,5 - INTERIOR DE SP 14,6 17,0 24,4 SUL 12,0 20,5 19,4 25,6 CENTRO-OESTE 2,1 BRASIL 100,0 Fonte: CAMPOLINA DINIZ com base no FIBGE, Censos Industriais / MTE/RAIS, 2005 / IBGE. Sistema de Contas Regionais, 2007

27 CRESCIMENTO DO EMPREGO FORMAL NA INDUSTRIA confirma tendência a desconcentração
As 10 MRH mais industrializadas caem de 46,8% para 32,2% o peso no emprego industrial total do país 1990 2007 Fonte : OLIVEIRA CRUZ, Bruno e SOARES DOS SANTOS, Iury Roberto. Dinâmica do Emprego Industrial no Brasil entre 1990 e 2007: Uma Visão Regional da “Desindustrialização”. IPEA/ Boletim DIRUR n. 02, jul/09

28 BRASIL RURAL SE AFIRMA EM NOVOS TERRITÓRIOS ( 1970 A 2006)
REGIÕES NORTE NORDESTE SUDESTE SUL CENTRO-OESTE BRASIL VOLUME FÍSICO* VALOR PROD. AGROP. 1970 3,1 18,3 37,3 33,8 7,5 100,0 - 2006 7,1 14,3 29,7 28,2 20,8 PROD. GRÃOS 1968/70 0,7 12,3 30,6 45,6 10,8 25.060 2004/06 3,3 7,9 14,6 39,4 34,8 EFET. BOVINO 2,2 17,6 34,2 24,1 22,0 78.562 19,9 13,5 19,0 13,2 34,3 PESSOAL OCUPADO 5,3 43,0 22,5 23,8 17.582 8,7 45,9 21,5 17,8 6,1 17.264 Fonte: CAMPOLINA, CLELIO, com base no FIBGE

29 Tendências Recentes no Padrão Socio-Econômico

30 SÉCULO XXI : CRESCIMENTO COM BASE NO CONSUMO E PRODUÇÃO DE MASSA
CREDITO POLITICAS SOCIAIS POLITICAS ECONOMICAS Elevação da renda das famílias Aumento da demanda popular por bens dos setores modernos Elevação da produtividade renda, Competitividade e exportações Investimentos em maquinas e em inovação POLITICAS ECONOMICAS DESAFIO ATUAL Gráfico baseado em Ricardo Bielshowsky ( ADAPTADO)

31 Rendimento médio domiciliar cresce mais fora do Sudeste
Crescimento do Emprego Formal: NO,NE e CO apresentaram taxas mais elevadas Emprego formal : mesma tendência se revela por microrregiões ( ) O NORDESTE e o NORTE LIDERAM CRESCIMENTO DO CONSUMO Redução da pobreza em todas as regiões, em especial no Nordeste e Norte 31

32 Mortalidade infantil cai significativamente em todas as regiões
( destaque é para o Nordeste e Norte) Analfabetismo cai em todas as regiões especialmente no Nordeste, embora quadro rural ainda seja desafiador Para além do consumo e das políticas sociais: PAC amplia investimentos nas diversas regiões 32

33 Infraestrutura econômica, infraestrutura urbana e atividade produtiva
Para além do consumo e das políticas sociais: PAC amplia investimentos nas diversas regiões Infraestrutura econômica, infraestrutura urbana e atividade produtiva Fonte: Estudo CEDEPLAR/UFMg: efeito regional desconcentrador

34 Síntese: Há mudanças importantes em curso na dinâmica territorial e na dinâmica socioeconômica

35 POLÍTICAS PÚBLICAS e TERRITORIO no início do século XXI

36 Iniciativas recentes POLÍTICAS HORIZONTAIS e SETORIAIS POLÍTICAS
POLITICAS PÚBLICAS POLÍTICAS HORIZONTAIS e SETORIAIS com tratamento ou impacto REGIONAL ( implícitas) POLÍTICAS REGIONAIS STRICTU SENSU ( explícitas)

37 POLÍTICAS HORIZONTAIS e SETORIAIS
POLÍTICAS HORIZONTAIS e SETORIAIS algumas com abordagem territorial outras com impacto regional diferenciado

38 AVANÇOS 1) Políticas nacionais setoriais consideram a dimensão territorial : Educação 2) Políticas setoriais no território (TERRITORIOS da CIDADANIA, Apoio a APLs) 3) Germe de preocupação com os IMPACTOS REGIONAIS DE GRANDES PROJETOS (BR 163, Petrobrás, BNDES...) 4) Governos Estaduais adotam políticas regionais de corte sub nacional

39 Universidades Federais : expansão e interiorização
2002: 3 campi 2010: 230 campi 43 campi

40 IFET’s e Escolas Técnicas : novo mapa
Fonte: Ministério da Educação

41 POLÍTICAS REGIONAIS STRICTU SENSU

42 POLÍTICAS REGIONAIS EXPLICITAS
Governo Federal: Novidade: A proposta da PNDR com foco nas MESORREGIÕES de todo o país Exemplo - a FRONTEIRA SUL do RS Problemas : Sem o FNDR e Obras Hídricas como prioridade do MI Usando a Herança: FUNDOS CONSTITUCIONAIS (ESCALA MACRO-REGIONAL):Bancos regionais ampliam peso do credito a atividade produtiva. Norte mantém incentivos a ZFM.

43 POLíTICAS DE BASE LOCAL
Protagonismo de agentes locais Partida: valorização de atributos/ especificidades da região (dialoga com diversidade regional do país) Movimento: botton up

44 Estratégias para a configuração de políticas e ações do sistema educacional formal e informal

45 Significado da formação educacional:
Promover a aprendizagem Desenvolver competências Ensinar a pensar

46 Competências: Competências especializadas Competências metodológicas Competências sociais Competências participativas Conhecimento Destrezas Habilidades Flexibilidade Sociabilidade Modos de conduta Participação - Interdisciplinares - Específicos - Estendidos vertical e horizontalmente - Métodos de trabalho - Pensamento independente - Adaptabilidade - Vontade de flexibilidade e adaptabilidade - Atitude positiva frente ao trabalho - Vontade de cooperar, de jogar limpo - Vontade de ajudar, espírito de equipe - Capacidade de coordenar - Organizar - Persuadir - Tomar decisão - Assumir responsabilidades - Liderar Fonte: MORA, J-G. “O processo de modernização das Universidades europeias: o desafio da sociedade do conhecimento e da globalização” In: AUDY, J. L. N.; MOROSINI, M. C. Inovação e empreendedorismo na universidade. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2006, p.126.

47 Ações prioritárias: Mudanças curriculares
Formação e valorização do professor Promover inovações Incentivar as atividades de divulgação científica Participação da comunidade Buscar parcerias Inovar a gestão Fortalecer a cooperação institucional Buscar financiamento

48 O papel dos Planos de Desenvolvimento Institucional ???

49 MUITO OBRIGADA!


Carregar ppt "Wrana Panizzi - UFRGS Santa Maria, 24 de outubro de 2013"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google