A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CÓRPUS PARALELO E ANÁLISE LINGUÍSTICA PARA A ELABORAÇÃO DE DICIONÁRIOS BILÍNGUES Adriana Zavaglia DLM (francês) – FFLCH.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CÓRPUS PARALELO E ANÁLISE LINGUÍSTICA PARA A ELABORAÇÃO DE DICIONÁRIOS BILÍNGUES Adriana Zavaglia DLM (francês) – FFLCH."— Transcrição da apresentação:

1 CÓRPUS PARALELO E ANÁLISE LINGUÍSTICA PARA A ELABORAÇÃO DE DICIONÁRIOS BILÍNGUES Adriana Zavaglia DLM (francês) – FFLCH – USP IV Ciclo de Conferências sobre o Léxico 18/07/13 – 14h

2 Objetivos da apresentação Apresentar uma abordagem interdisciplinar da lexicografia bilíngue a partir de corpora paralelos. Discutir os procedimentos e critérios adotados para: caracterizar a variação semântica de uma determinada lexia em contexto autenticamente bilíngue. Apresentar os expedientes linguísticos e tradutológicos utilizados: concordância de lexias, alinhamento de ocorrências paralelas na direção do português para o francês, classificação das relações tradutórias, análise enunciativo-distribucional.

3 Objetivos da apresentação Observação e análise da lexia capanga, com os seguintes resultados lexicográficos: definições e contextualizações da variação semântica da lexia, microestrutura baseada numa relação de proporcionalidade entre frequência de ocorrência no corpus e ordem de inserção no verbete. OBSERVAÇÃO: trata-se de um experimento.

4 Motivação do experiemento Lacunas existentes em algumas obras lexicográficas (francês/português): Burtin-Vinholes, 2003; Rónai, 1989; Azevedo, 1998; Signer, Características de dicionários monolíngues, como a análise linguística, a definição e a exemplificação. Resultados de pesquisas anteriores na área da lexicografia bilíngue (cf. Zavaglia 2004a; 2004b; 2005), pelas quais percebeu-se que é possível, e bastante enriquecedor: utilizar originais e traduções como material de base pelo fato de a polissemia dos vocábulos estudados ser cotextualizada e contextualizada pelos usos efetivos das unidades em contato na tradução.

5 Expedientes teóricos e objetivo específico Expedientes: Linguística de corpus (Sardinha 2004, Tognini-Bonelli 2001). Linguística enunciativa (Culioli, 2000). Teoria da tradução (Aubert, 1998, 2006). Objetivo específico: Desenvolver experimentalmente uma metodologia que permita ao lexicógrafo tratar mais eficazmente toda a complexidade que envolve a descrição da polissemia de uma lexia em co(n)texto autenticamente bilíngue.

6 Material Material: Corpus paralelo digitalizado de mais de palavras (texto integral de Sagarana, de G. Rosa, e a sua tradução integral homônima para o francês – trad. de Jacques Thiériot). Palavra de busca em português: lexia capanga. Correspondentes em francês da palavra de busca. Programa WordsmithTools.

7 Método Método: Concordância de capanga (5 co-ocorrências à direita e 5 à esquerda): resposta de 15 enunciados. Análise dos 15 enunciados para esboçar o perfil semântico-funcional de capanga. Alinhamento dos enunciados contendo capanga com suas traduções. Observação das relações e comportamentos.

8 PERGUNTA O QUE É CAPANGA? Vamos consultar os dicionários monolíngues.

9 Motivação da escolha de capanga Semântica: homem e bolsa. Morfológica: masculino singular ou plural (homem – não encontrei ocorrências no feminino significando mulher) e feminino singular (bolsa). Lexicográfica: polissemia e homonímia. Tradutológica: como traduzir?

10 Valores referenciais: capanga As unidades léxico-gramaticais das línguas remetem potencialmente a diversos valores referenciais, variando semanticamente. Analisada fora de contexto, a lexia capanga remete potencialmente a pelo menos dois valores referenciais: Dicionário monolíngue PRIBERAM (variante brasileira): capanga (tupi capa, variante de caba, ferir, quebrar + terminação-nga) s. m. 1. [Brasil] Homem contratado como guarda-costas, geralmente armado. = CACETEIRO, JAGUNÇO s. f. 2. [Brasil] Pequena bolsa que os viajantes levam a tiracolo. = MOCÓ

11 Valores referenciais: capanga Em cotexto e contexto específicos, as unidades léxico- gramaticais das línguas costumam assumir apenas um valor (com exceção da ambiguidade, que impõe uma bifurcação entre dois valores), há uma estabilização de seus possíveis valores. Exemplo: capanga (1) Cada um trazia, na capanga, bem agargalada, uma garrafa suplementar. CAPANGA BOLSA (2) [...] os capangas, lá fora, empunhando os cacetes, farejando barulho grosso. CAPANGA HOMEM

12 Valores referenciais: capanga OU SEJA: Nos enunciados (1) e (2), capanga assume ora um valor, ora outro, e não os dois ao mesmo tempo (se esse fosse o caso, entraríamos no jogo de palavras, na metáfora, numa outra dimensão): Em (1), capanga é um determinado tipo de bolsa – domínio da cultura material. Em (2), capanga é um determinado tipo de homem – domínio da cultura social.

13 Valores referenciais e hipersintaxe Em contexto monolíngue, o conceito culioliano de Forma Esquemática (FE) é um procedimento analítico que permite a descrição da hipersintaxe de uma dada lexia. Essa análise permite delinear a identidade da variação semântica de uma dada lexia pela observação dessa variação. Seria possível encontrar a identidade da variação semântica de capanga?

14 Valores referenciais e hipersintaxe Sim. Esse funcionamento comum é a hipersintaxe de capanga, que pode ser representada por uma FE. A FE da lexia só pode ser construída pela observação de seus diferentes usos textuais. Embora cada um dos diferentes valores referenciais de uma dada lexia atualizados na enunciação seja indispensável para a construção de sua FE, nenhum deles poderia esquematizá-la abstratamente por si só.

15 Por que hipersintaxe (hypersyntaxe)? A sintaxe estuda a organização das lexias nas frases. A hipersintaxe é a organização das propriedades operacionais de linguagem que permitem a construção dos valores referencias das lexias. Ou seja, cada unidade léxico-gramatical das línguas (prefixos, sufixos, vocábulos, termos...) remete a uma hipersintaxe. PERGUNTA: O QUE É LINGUAGEM?

16 Por que hipersintaxe (hypersyntaxe)? As lexias não se organizam aleatoriamente: Há regras e princípios que regem a sua organização nas frases: *Está sapato levado o que menino o calçou furado. O sapato que o menino levado calçou está furado. Elas combinam-se entre si também por regras e princípios: o sapato – *sapato o; o menino – *menino o menino levado – *sapato levado menino calça sapato – *sapato calça menino sapato está furado – *menino está furado calçar (sapatos, luvas, meias; mesa...) menino (calça/sapatos, luvas, meias, mesa...; estuda; come; é/levado, bonito, inteligente...) sapato (fura, machuca/pé, dedo..., esquenta/pé, dedo...; é/bonito, preto...)

17 Por que Forma Esquemática (forme schématique)? A FE é a definição da hipersintaxe de uma dada lexia ou do funcionamento que se verifica numa só língua em qualquer um de seus diferentes usos textuais, mas que não se resume a nenhum deles. EXEMPLO: COMO

18 Valores referenciais de COMO (1) Valor referencial A: como marca uma relação de proporção comparativa entre dois termos, conduzindo uma propriedade Q, de domínio desconhecido, ao domínio de P, conhecido, aproximando as propriedades de Q às propriedades de P. (O enunciador conhece Q e P; o enunciatário conhece apenas P) Exemplo: A fruta mal madura da cagaiteira, comida com sol quente, tonteia COMO cachaça. O tontear-da-fruta-madura-da-cagaiteira-comida-com-sol-quente (informação que o enunciatário não compartilha com o enunciador) é feito o tontear-da-cachaça (informação que o enunciatário compartilha com o enunciador). Q tonteia da mesma maneira que P.

19 Valores referenciais de COMO (2) Valor referencial B: como marca uma relação de proporção por inferência entre dois termos, entre um domínio P, evidente, e um domínio Q, esperado, inferindo Q através de P. (enunciador e enunciatário conhecem P e o enunciador espera Q) Exemplo: - Mas você, casado COMO é, não tem vergonha de andar com outra mulher? Já que você é casado (informação que enunciador e enunciatário compartilham), você não pode andar com outra mulher (inferência do enunciador). Já que P, então Q.

20 Valores referenciais de COMO (3) Valor referencial C: como marca uma relação de proporção sem estabilização entre dois termos, entre dois domínios, P e Q, com varredura apenas em P. (o enunciador não conhece Q, conhece apenas P e tenta estabilizar a relação entre Q e P com o recurso ao enunciatário). Exemplo: - COMO é ela? Não sei de que maneira ela é (o enunciador não consegue estabelecer uma relação entre P e Q por si só; recorre, então, ao enunciatário). De que Q é P?

21 Dos valores referenciais à FE FORMA ESQUEMÁTICA: como marca uma relação de proporção entre dois termos, P e Q.

22 Valores referenciais, hipersintaxe, forma esquemática e tradução Na tradução a variação semântica se desdobra em outros níveis. Zavaglia (2004b): Como – valor (a): comme, tel(le), tout pareil Como – valor (b): comme e en Como – valor (c): comment Em contexto bilíngue, há variação mesmo quando apenas um valor referencial da lexia fonte está em jogo.

23 Valores referenciais, hipersintaxe, forma esquemática e tradução As lexias distintas que se encontram em relação de tradução vivenciam uma situação sinonímica: algo que seria específico a cada uma das lexias (linguagem e línguas) e algo que seria comum entre elas (linguagem e línguas). Em tese, se uma lexia traduz-se por outra, alguma propriedade operacional colocada em prática por meio delas no seu uso efetivo pelos enunciadores é comum. Seria possível elaborar uma forma esquemático- tradutológica para dar conta da descrição do paralelismo hipersintático das lexias em relação de tradução?

24 Concordância de capanga N Concordance Set Tag Word No. 1 isinhas que estão numa capanga bordada, enrola 2 e depoi de matar dois capangas e ferir mais um 3 va boa matalotagem, na capanga, e também o b 4 deixou comigo a capanga e o sedenho; fo 5 is um... Mas um dos capangas mais velhos di 6 quitola, que está com a capanga cheia delas, tir 7 torcido aos pulsos dos capangas, urrava e berra 8 is não era preciso, e os capangas pulavam de ca 9 o mais, sempre com os capangas, com mulhere 10 to, sempre no meio dos capangas, compondo ca 11. Cada um trazia, na capanga, bem agargalad 12 cantadas públicas. Os capangas, lá fora, empu 13 dos mais respeitáveis capangas do Major Ana 14 em qualquer tombou da capanga. O binóculo 15 m, os quatro, para seus capangas, pagando bem

25 Concordância de capanga A partir do quadro de concordâncias, observam-se: (i) a distribuição morfológico-estrutural da lexia (capanga ocorre, no corpus, no feminino singular e no masculino plural); (ii) o seu perfil e padrão colocacionais (determinante definido ou numeral + capanga; ocorre mais no masculino plural); (iii) a sua prosódia semântica (capangas – negatividade; capanga – neutralidade). Observação: para verificar mais adequadamente as suas realizações pragmático-textuais, seria necessário obter mais ocorrências para análise, o que somente seria possível com o aumento do corpus.

26 Concordância + análise enunciativa Valor a: CAPANGA marca a instanciação de uma relação entre protetor, entidade Q inanimada, e protegido, entidade Z inanimada, pela sujeição de Q a uma entidade P animada, que orienta os deslocamentos de Q. Q e Z são entidades inanimadas; P é uma entidade animada: (1) Cada um trazia, na capanga, bem agargalada, uma garrafa suplementar. Valor b: CAPANGA marca a instanciação de uma relação entre protetor, entidade Q animada, e protegido, entidade Z animada, pela sujeição de Q a uma entidade P animada, que orienta os deslocamentos de Q. Q, Z e P são entidades animadas; Z = P: (2) [...] os capangas, lá fora, empunhando os cacetes, farejando barulho grosso. FE: CAPANGA marca a instanciação de uma relação entre protetor, entidade Q, e protegido, pela sujeição de Q a uma entidade P animada, que orienta os deslocamentos de Q.

27 Alinhamento Capanga Número de Ocorrências Frequência Hommes de main533,33 Gardes du corps320 Équipe 16,66 Musette 533,33 Bourse 16,66 Total

28 Alinhamento Desse quadro de frequência, retira-se uma relação entre valores de frequência das traduções de capanga no corpus e a sua respectiva ordem de inserção na microestrutura – princípio de proporcionalidade. Para a primeira acepção, capanga-homem, deverão aparecer: 1º lugar e mais vezes: paralelismo capanga – hommes de main; 2º lugar: capanga – gardes du corps; 3º lugar: capanga – équipe. Para a segunda acepção, capanga-bolsa: 1º lugar e mais vezes: capanga – musette; 2º lugar: capanga – bourse.

29 Análise tradutória Feito o alinhamento, passa-se à análise tradutória para verificar o que diferencia: musette de bourse com relação à acepção de capanga-bolsa; homme de main, garde du corps e équipe entre si para capanga-homem. Essas análises são fundamentais para uma melhor caracterização da diversidade semântico-cultural dos diferentes paralelismos em observação e uma melhor apresentação das subdefinições da lexia em estudo.

30 Análise tradutória: capanga Capanga: lexia simples, origem kappanga – língua quimbundo: sinônimo bocó: capanga, substantivo feminino e, em geral, no singular – bolsa pequena usada por viajantes a tiracolo para transportar pequenos objetos ou pequena bolsa de mão, em geral presa ao pulso; sinônimos cacundeiro, bate-pau, guarda-costas, dentre muitos outros: capanga, substantivo masculino e, em geral, no plural – valentão assalariado.

31 Análise tradutória: capanga/musette Musette, tradução de capanga-bolsa: Lexia simples, do domínio material, com origem no antigo francês muse (que vem de cornemuse – gaita de foles) e tem referência também no Bal Musette (antigamente, baile em que se dançava uma dança específica, chamada de musette, ao som do instrumento musette; modernamente, baile popular em que se dança ao som do acordeão, nos gêneros musicais java, valsa musette, tango musette, paso musette.) Significa, dentre outras acepções: bolsa de tecido que se leva a tiracolo. Traço comum operacional: todos (Q, Z e P). A tradução pode ser classificada como tradução literal, segundo Aubert (1998), ou tradução palavra por palavra, segundo Aubert (2006): O paralelismo capanga/musette ancora-se na própria cultura francesa, na qual a referencialidade da língua/cultura-fonte encontra lugar.

32 Análise tradutória: capanga/bourse Bourse, tradução de capanga-bolsa: Lexia simples, do domínio material, que vem do latim bursa (couro). Sinônimos em francês: porte-monnaie (porta-níquel) ou argent (dinheiro), ambos relacionados a valores monetários. Significa: pequena bolsa arredondada, franzida ou sanfonada, destinada a conter moedas. Traço comum operacional: conter moedas – protetor e protegido (Q e Z). A tradução pode ser classificada como modulação, segundo Aubert (1998, 2006): O paralelismo capanga/bourse ancora-se na própria cultura francesa, na qual a referencialidade da língua/cultura-fonte encontra lugar de um ponto de vista específico, ou seja, a referida bourse conterá sempre objetos de valor monetário.

33 Análise tradutória: capanga/homme de main Homme de main, tradução de capanga-homem. Lexia complexa, do domínio social, formada a partir de homme + main. Significa: homem que, mediante pagamento ou salário, executa tarefas baixas ou criminosas a mando de alguém. Traço comum operacional: todos (Q, Z, P). A tradução pode ser classificada como transposição, segundo Aubert (1998, 2006): O paralelismo capanga/homme de main ancora-se na própria cultura francesa, na qual a referencialidade da língua/cultura-fonte encontra lugar.

34 Análise tradutória: capanga/garde du corps Garde du corps, tradução de capanga-homem. Lexia complexa, do domínio social, formada a partir de garde + corps. Significa: homem que, mediante pagamento ou salário, protege uma pessoa cuja notoriedade pode fazer dela um alvo de ameaças. Traço comum operacional: protetor e protegido (Q, Z). A tradução pode ser classificada como trasposição+modulação, segundo Aubert (1998, 2006): O paralelismo capanga/garde du corps ancora-se na própria cultura francesa, na qual a referencialidade da língua/cultura-fonte encontra lugar sob um ponto de vista diferente, já que a principal função de um garde du corps, que é proteger uma pessoa, não chega necessariamente aos mesmos fins dos serviços executados por um capanga, os quais podem variar da simples ameaça à aniquilação do alvo a que se destinam as ordens recebidas.

35 Análise tradutória: capanga/équipe Équipe, tradução de capanga-homem. Lexia simples, do domínio social. Significa: grupo bem estruturado e organizado com uma finalidade comum. Traço comum operacional: nenhum específico de capanga; plural – capangas. A tradução pode ser classificada como modulação, segundo Aubert (1998, 2006): O paralelismo capanga/équipe ancora-se na própria cultura francesa, na qual a referencialidade da língua/cultura-fonte encontra lugar sob um ponto de vista: embora um grupo de capangas sempre esteja unido numa tarefa comum como uma equipe, suas ações quase sempre são criminosas, o que não é absolutamente o caso de équipe.

36 Análise tradutória: conclusões As diferentes nuanças na variação das opções de tradução para capanga têm a sua origem no contexto e co-texto em que a lexia ocorre no original em português: musette será o termo geral para traduzir capanga no feminino singular; bourse aparecerá quando o conteúdo da capanga implicar algum valor; homme de main quando as ações do grupo de homens em questão conduzirem ao crime; garde du corps no momento em que o fato de proteger for o enfoque do grupo; équipe quando o fato de ser um grupo se sobrepuser ao crime e à proteção.

37 Forma esquemático-tradutológica A variação das opções de tradução apresenta um interesse duplo: de um lado, explicita, para a análise enunciativa, os possíveis desdobramentos da variação semântica de capanga, de outro, representa, para a aplicação lexicográfica, a possibilidade de co(n)textualizar as relações linguístico-culturais que se estabelecem entre as duas línguas e culturas em observação. FET: CAPANGA marca a instanciação de uma relação entre protetor, entidade Q, e protegido, entidade Z, pela sujeição de Q a uma entidade P, que orienta os deslocamentos de Q. Se Q, Z e P são entidades animadas e Z e P são uma mesma entidade, então teremos paralelismos do tipo: capangas – hommes de main (Q, Z e P) capangas – gardes du corps (Q, Z) capangas – équipe (nenhum; plural)

38 Forma esquemático-tradutológica CAPANGA marca a instanciação de uma relação entre protetor, entidade Q, e protegido, entidade Z, pela sujeição de Q a uma entidade P, que orienta os deslocamentos de Q. Se Q e Z são entidades inanimadas e P é uma entidade animada, então teremos paralelismos do tipo: capanga – musette (Q, Z e P) capanga – bourse (Q, Z)

39 Forma esquemático-tradutológica A forma esquemático-tradutológica reforça o caráter polissêmico, e não homonímico, das diferentes acepções de capanga. A análise enunciativo-tradutológica da lexia mostra que, embora aparentemente uma capanga não tenha nada em comum com um capanga, há um mecanismo regular entre uma e outra acepção que se verifica em todos os usos textuais de suas ocorrências. Isso é possível pela observação do funcionamento representacional, referencial e regulador da linguagem apreendida na relação entre as duas línguas em questão atualizadas na enunciação. Desse modo, tanto uma capanga quanto um capanga apresentam uma forte identidade pela relação de sujeição que representam em cada um de seus diferentes usos.

40 Aplicação dos resultados CAPANGA s.m. 1. homem que protege uma pessoa e para ela trabalha. // Homme qui protège une personne et pour elle travaille. 1.1 Com ações em geral criminosas realizadas mediante pagamento // Avec des actions en général criminelles réalisées moyennant une paie: homme de main Mas o Major piscou, apenas, e encolheu a cabeça, porque mais não era preciso, e os CAPANGAS pulavam de cada beirada, e eram só pernas e braços. -Frecha, povo! Desmancha! // Mais le Major cligna de lœil, simplement, et rentra la tête, car il nem fallait pas plus: les HOMMES DE MAIN sautaient déjà de chaque côté, à bras et jambes raccourcis.-Foncez, les gars! Démolissez-le!

41 Aplicação dos resultados Enquanto isso, Lalino Salathiel pererecava ali por perto, sempre no meio dos CAPANGAS, compondo cantigas e recebendo aplausos, porque, como toda espécie de guerreiros, os homens do Major prezavam ter as Façanhas rimadas e cantadas públicas. //Entre-temps, Lalino Salanthiel vadrouillait dans les environs, toujours flanqué dHOMMES DE MAIN, composant des chansons et recevant des ovations, car, à linstar de toute espèce de guerrier, les hommes du Major attachaient du prix à avoir leurs exploits mis en rimes et chantés en public No mais, sempre com os CAPANGAS, com mulheres perdidas, com o que houvesse de pior. // Le reste du temps, toujours avec ses HOMMES DE MAIN, avec des filles perdues, avec ce quil y avait de pire

42 Aplicação dos resultados 1.2 Com a ação de proteger mediante pagamento // Avec laction de protéger moyennant une paie: garde du corps O Major Consilva tinha ajustado, um e mais um, os quatro, para seus CAPANGAS, pagando bem. //Le Major Consilva les avait engagés, un par un, les quatre, comme GARDES DU CORPS, moyennant une bonne paye Foi cuspir no cangussú detrás da moita, e ficou morto, mas já dentro da sala-de-jantar do Major, depois de matar dois CAPANGAS e ferir mais um... // Il est allé cracher sur la bête fauve derrière son buisson et était tombé mort, alors quil était déjà dans la salle à manger du Major, après avoir descendu deux GARDES DU CORPS et blessé un autre...

43 Aplicação dos resultados 1.3 Com uma ação comum // Avec une action commune: équipe. Mas um dos CAPANGAS mais velhos disse melhor: -Arma uma cruz aqui mesmo, Orósio, para de noite ele nãovir puxar teus pés. // Mais un des plus anciens de lÉQUIPE trouva mieux à dire: -Plante une croix ici même, Orósio, pour que la nuit il vienne pas te tirer par les pieds.

44 Aplicação dos resultados 2. Bolsa levada a tiracolo. // Sac porté em bandoulière. 2.1 conteúdo sem grande valor.// contenu sans grande valeur: musette Cada um trazia, na CAPANGA, bem agargalada, uma garrafa suplementar. // Chacun avait, dans sa MUSETTE, bien bouchée, une bouteille supplémentaire Um trem qualquer tombou da capanga. O binóculo. // Un objet est tombé de ma MUSETTE. Les jumelles.

45 Aplicação dos resultados 2.2 Bolsa contendo algo de valor // Sac contenant quelque chose de valeur E aquelas coisinhas que estão numa CAPANGA bordada, enroladas em papel-de-venda e tudo passado com cadarço, no fundo da canastra,... se rato não roeu... você enterra junto comigo... // Et ces petites choses qui sont dans une BOURSE brodée, enveloppées dans du papier demballage, le tout serré par un cordon, au fond du bahut... si un rat les a pas rongées... tu les enterres avec moi...

46 Considerações sobre a aplicação dos resultados O verbete acima apresenta características radicalmente diferentes daquelas encontradas nos dicionários bilíngues português-francês que consultamos. capanga s.m. homme de main, sbire; (fam.) gorille. (Rónai 1989:332) capanga [kä-pin-gä], n. m. Brés. Querelleur, matamore, fanfaron || N. f. Petite bourse que les voyageurs portent en bandoulière. (Azevedo 1998:263)

47 Considerações sobre a aplicação dos resultados Dos dois verbetes acima, apenas Azevedo (1998) registra as duas diferentes acepções da palavra, apresentando para a segunda delas uma definição sem correspondente vocabular. Sobre este último aspecto, comenta Nemésio, autor do prefácio do dicionário português, que as longas definições são em geral dispensáveis na microestrutura de dicionários bilíngues e que a correspondência vocabular direta é mais eficiente, já que o dicionário bilíngue deve responder pronta e precisamente ao tradutor (Azevedo, 1998:ix). Essa opinião é compartilhada por Rey-Debove: [a definição num verbete de dicionário bilíngue é necessária apenas] quando aquilo que tem nome numa língua não o tem na outra (1984:67).

48 Considerações sobre a aplicação dos resultados Em pesquisa preliminar em nosso corpus sobre a lexia capanga, no entanto, observamos que apenas na definição da segunda acepção aparece uma ocorrência repertoriada no dicionário de Domingos de Azevedo, bourse, a qual recorta de antemão o campo semântico ao qual capanga pode remeter. Esse dicionário, vale ressaltar, é de origem portuguesa, e registra, vez ou outra, as lexias específicas brasileiras. No dicionário brasileiro de Paulo Rónai, homme de main, lexia complexa que traduz capanga no corpus consultado, aparece. Sbire, um pouco pejorativo e com remissão ao universo da polícia, e gorille, com remissão ao semantismo envolvendo guarda-costas, no entanto, não se verificam em nosso corpus de estudo.

49 Considerações sobre a aplicação dos resultados Consultando um ou outro desses verbetes, o consulente não poderia decidir, frente ao rol de correspondentes oferecidos por esses dicionários, qual seria o vocábulo mais apropriado para resolver o seu problema, oriundo de seu aprendizado da língua estrangeira ou de sua prática tradutória, sem antes proceder a uma pesquisa maior, envolvendo certamente outros dicionários bilíngues e monolíngues. Segundo o nosso entender, é possível resolver isso no universo atual da lexicografia bilíngue pela definição da entrada seguida de sua contextualização paralela.

50 Lexicografia bilíngue diferencial Os objetivos de nossa abordagem lexicográfica encarnam, a nosso ver, o que Tognini-Bonelli (2001:19) chamou de unidades de sentido ampliadas, ou seja, dar sentido a uma palavra é relacioná-la a um cotexto e um contexto particulares, já que, fora do texto e da enunciação, a palavra tem múltiplos sentidos que não estão estabilizados.

51 Considerações finais A forma esquemático-tradutológica apresenta, em universo bilíngue, uma definição hipersintática sobre a variância das formas empíricas num uso específico (em tese, sem polissemia), trazendo à tona a especificidade da sinonímia que essas formas distintas colocam em prática e que as faz substituíveis umas pelas outras em determinados cotextos e contextos. A forma esquemático-tradutológica mostra, metalinguisticamente, o vínculo que une duas ou mais formas empíricas diferentes de duas línguas distintas, colocando em relação, pela tradução, a linguagem e as línguas.

52 Considerações finais Pelo conceito de forma esquemático-tradutológica, base do procedimento de análise de unidades léxico- gramaticais baseada em corpus com fins de aplicações lexicográficas: os procedimentos e critérios experimentais desenvolvidos no artigo, se comparados às metodologias, procedimentos e critérios dos dicionários bilíngues consultados, tem como uma de suas maiores contribuições a possibilidade, oferecida pelo corpus paralelo, de incluir definições e contextualizações da variação semântica das lexias estudadas em contexto autenticamente bilíngue na microestrutura dos verbetes, cuja elaboração se dará, não de forma aleatória, mas baseada numa relação de proporcionalidade entre frequência de ocorrência no corpus e ordem de inserção no verbete.


Carregar ppt "CÓRPUS PARALELO E ANÁLISE LINGUÍSTICA PARA A ELABORAÇÃO DE DICIONÁRIOS BILÍNGUES Adriana Zavaglia DLM (francês) – FFLCH."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google