A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Os urubus e os sabiás RUBEM ALVES (1) Tudo aconteceu numa terra distante, no tempo em que os bichos falavam... (2) Os urubus, aves por natureza becadas,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Os urubus e os sabiás RUBEM ALVES (1) Tudo aconteceu numa terra distante, no tempo em que os bichos falavam... (2) Os urubus, aves por natureza becadas,"— Transcrição da apresentação:

1

2 Os urubus e os sabiás RUBEM ALVES (1) Tudo aconteceu numa terra distante, no tempo em que os bichos falavam... (2) Os urubus, aves por natureza becadas, mas sem grandes dotes para o canto, decidiram que, mesmo contra a natureza, eles haveriam de se tornar grandes cantores. (3) E para isto fundaram escolas e importaram professores, gargarejaram dó-ré-mi-fá, mandaram imprimir diplomas, e fizeram competições entre si, para ver quais deles seriam os mais importantes e teriam a permissão de mandar nos outros. (4) Foi assim que eles organizaram concursos e se deram nomes pomposos, e o sonho de cada urubuzinho, instrutor em início de carreira, era se tornar um respeitável urubu titular, a quem todos chamavam de vossa excelência. (5) Tudo ia muito bem até que a doce tranqüilidade da hierarquia dos urubus foi estremecida. (6) A floresta foi invadida por bandos de pintassilgos tagarelas, que brincavam com os canários e faziam serenatas com os sabiás... (7) Os velhos urubus entortaram o bico, o rancor encrespou a testa, e eles convocaram pintassilgos, sabiás e canários para um inquérito. (8) - Onde estão os documentos dos seus concursos? (9) E as pobres aves se olharam perplexas, porque nunca haviam imaginado que tais coisas houvessem.(10) Não haviam passado por escolas de canto, porque o canto nascera com elas. (11) E nunca apresentaram um diploma para provar que sabiam cantar, mas cantavam, simplesmente... (12) – Não, assim não pode ser. Cantar sem a titulação devida é um desrespeito à ordem. (13) E os urubus, em uníssono, expulsaram da floresta os passarinhos que cantavam sem alvará. (14) MORAL: em terra de urubus diplomados não se ouve canto de sabiá. ( Estórias de quem gosta de ensinar. Cortez, São Paulo, 1984, pp )

3 Os urubus e os sabiás RUBEM ALVES (1) Tudo aconteceu numa terra distante, no tempo em que os bichos falavam... (2) Os urubus, aves por natureza becadas, mas sem grandes dotes para o canto, decidiram que, mesmo contra a natureza, eles haveriam de se tornar grandes cantores. (3) E para isto ø fundaram escolas e ø importaram professores, ø gargarejaram dó-ré-mi-fá, ø mandaram imprimir diplomas, e ø fizeram competições entre si, para ver quais deles ø seriam os mais importantes e ø teriam a permissão de mandar nos outros. (4) Foi assim que eles organizaram concursos e se deram nomes pomposos, e o sonho de cada urubuzinho, instrutor em início de carreira, era se tornar um respeitável urubu titular, a quem todos chamavam de vossa excelência. (5) Tudo ia muito bem até que a doce tranqüilidade da hierarquia dos urubus foi estremecida. (6) A floresta foi invadida por bandos de pintassilgos tagarelas, que brincavam com os canários e faziam serenatas com os sabiás... (7) Os velhos urubus entortaram o bico, o rancor encrespou a testa, e eles convocaram pintassilgos, sabiás e canários para um inquérito. (8) - Onde estão os documentos dos seus concursos ? (9) E as pobres aves se olharam perplexas, porque nunca øhaviam imaginado que tais coisas houvessem.(10) Não øhaviam passado por escolas de canto, porque o canto nascera com elas. (11) E nunca ø apresentaram um diploma para provar que øsabiam cantar, mas ø cantavam, simplesmente... (12) – Não, assim não pode ser. Cantar sem a titulação devida é um desrespeito à ordem. (13) E os urubus, em uníssono, expulsaram da floresta os passarinhos que cantavam sem alvará. (14) MORAL: em terra de urubus diplomados não se ouve canto de sabiá.

4 Substituição = (1) Tudo (catáfora, pois remete ao que será dito), (2) eles, se (retoma urubus), (3) isto (retoma a afirmação anterior: haveriam se tornar grandes cantores), si (retoma urubus), quais deles (retoma, mas através de uma parte do referente) outros (retoma urubus), (4) eles, se (retoma urubus), se (retoma urubuzinho, instrutor em ínicio de carreira), todos (retoma urubus), (5) Tudo (anáfora, pois, ao contrário do outro tudo, retoma todo o acontecimento anterior), (7) eles (retoma velhos urubus), (8) seus (retoma pintassilgos, sabiás e canários), (9) se (retoma pobres aves), tais coisas (retoma documentos de concursos de canto), (10) elas (retoma pobres aves), (12) assim (dêitico que remete a cantar sem a titulação devida é um desrespeito à ordem).

5 Substituição colocação de um item no lugar de outro(s) ou até de uma oração inteira. Pode ser nominal (feita por meio de pronomes pessoais, numerais, indefinidos, nomes genéricos como coisa, gente, pessoa) e verbal (o verbo fazer é substituto dos causativos, ser é o substituto existencial). Elipse ø omissão de um item lexical recuperável pelo contexto, ou seja, a substituição por zero (0). Pode ocorrer elipse de elementos nominais, verbais e oracionais.

6 Os urubus e os sabiás RUBEM ALVES (1) Tudo aconteceu numa terra distante, no tempo em que os bichos falavam... (2) Os urubus, aves por natureza becadas, mas sem grandes dotes para o canto, decidiram que, mesmo contra a natureza, eles haveriam de se tornar grandes cantores. (3) E para isto ø fundaram escolas e ø importaram professores, ø gargarejaram dó-ré-mi-fá, ø mandaram imprimir diplomas, e ø fizeram competições entre si, para ver quais deles ø seriam os mais importantes e ø teriam a permissão de mandar nos outros. (4) Foi assim que eles organizaram concursos e se deram nomes pomposos, e o sonho de cada urubuzinho, instrutor em início de carreira, era se tornar um respeitável urubu titular, a quem todos chamavam de vossa excelência. (5) Tudo ia muito bem até que a doce tranqüilidade da hierarquia dos urubus foi estremecida. (6) A floresta foi invadida por bandos de pintassilgos tagarelas, que brincavam com os canários e faziam serenatas com os sabiás... (7) Os velhos urubus entortaram o bico, o rancor encrespou a testa, e eles convocaram pintassilgos, sabiás e canários para um inquérito. (8) - Onde estão os documentos dos seus concursos ? (9) E as pobres aves se olharam perplexas, porque nunca øhaviam imaginado que tais coisas houvessem.(10) Não øhaviam passado por escolas de canto, porque o canto nascera com elas. (11) E nunca ø apresentaram um diploma para provar que øsabiam cantar, mas ø cantavam, simplesmente... (12) – Não, assim não pode ser. Cantar sem a titulação devida é um desrespeito à ordem. (13) E os urubus, em uníssono, expulsaram da floresta os passarinhos que cantavam sem alvará. (14) MORAL: em terra de urubus diplomados não se ouve canto de sabiá.

7 Coesão lexical = (9) pobres aves, (13) passarinhos. Essas palavras retomam pintassilgos, canários e sabiás, logo, são co- referentes, mas não pelo mesmo item lexical.

8 - é obtida pela reiteração de itens lexicais idênticos ou que possuem o mesmo referente.

9 Os urubus e os sabiás RUBEM ALVES (1) Tudo aconteceu numa terra distante, no tempo em que os bichos falavam... (2) Os urubus, aves por natureza becadas, mas sem grandes dotes para o canto, decidiram que, mesmo contra a natureza, eles haveriam de se tornar grandes cantores. (3) E para isto ø fundaram escolas e ø importaram professores, ø gargarejaram dó-ré-mi-fá, ø mandaram imprimir diplomas, e ø fizeram competições entre si, para ver quais deles ø seriam os mais importantes e ø teriam a permissão de mandar nos outros. (4) Foi assim que eles organizaram concursos e se deram nomes pomposos, e o sonho de cada urubuzinho, instrutor em início de carreira, era se tornar um respeitável urubu titular, a quem todos chamavam de vossa excelência. (5) Tudo ia muito bem até que a doce tranqüilidade da hierarquia dos urubus foi estremecida. (6) A floresta foi invadida por bandos de pintassilgos tagarelas, que brincavam com os canários e faziam serenatas com os sabiás... (7) Os velhos urubus entortaram o bico, o rancor encrespou a testa, e eles convocaram pintassilgos, sabiás e canários para um inquérito. (8) - Onde estão os documentos dos seus concursos ? (9) E as pobres aves se olharam perplexas, porque nunca øhaviam imaginado que tais coisas houvessem.(10) Não øhaviam passado por escolas de canto, porque o canto nascera com elas. (11) E nunca ø apresentaram um diploma para provar que øsabiam cantar, mas ø cantavam, simplesmente... (12) – Não, assim não pode ser. Cantar sem a titulação devida é um desrespeito à ordem. (13) E os urubus, em uníssono, expulsaram da floresta os passarinhos que cantavam sem alvará. (14) MORAL: em terra de urubus diplomados não se ouve canto de sabiá.

10 Repetição: Repetição propriamente dita ou Recorrência= (5) urubus, (7) pintassilgos, sabiás e canários, (10) canto. Paralelismo = (2) decidiram, (3) fundaram, importaram, gargarejaram, mandaram, fizeram, seriam e teriam, (4) organizaram, deram, entre outros verbos ora no pretérito perfeito, ora no imperfeito. Paráfrase = Não há a repetição por paráfrase propriamente dita, mas há uma oração explicativa: (2 ) Os urubus, aves por natureza becadas,.

11 Os urubus e os sabiás RUBEM ALVES (1) Tudo aconteceu numa terra distante, no tempo em que os bichos falavam... (2) Os urubus, aves por natureza becadas, mas sem grandes dotes para o canto, decidiram que, mesmo contra a natureza, eles haveriam de se tornar grandes cantores. (3) E para isto ø fundaram escolas e ø importaram professores, ø gargarejaram dó-ré-mi-fá, ø mandaram imprimir diplomas, e ø fizeram competições entre si, para ver quais deles ø seriam os mais importantes e ø teriam a permissão de mandar nos outros. (4) Foi assim que eles organizaram concursos e se deram nomes pomposos, e o sonho de cada urubuzinho, instrutor em início de carreira, era se tornar um respeitável urubu titular, a quem todos chamavam de vossa excelência. (5) Tudo ia muito bem até que a doce tranqüilidade da hierarquia dos urubus foi estremecida. (6) A floresta foi invadida por bandos de pintassilgos tagarelas, que brincavam com os canários e faziam serenatas com os sabiás... (7) Os velhos urubus entortaram o bico, o rancor encrespou a testa, e eles convocaram pintassilgos, sabiás e canários para um inquérito. (8) - Onde estão os documentos dos seus concursos ? (9) E as pobres aves se olharam perplexas, porque nunca øhaviam imaginado que tais coisas houvessem.(10) Não øhaviam passado por escolas de canto, porque o canto nascera com elas. (11) E nunca ø apresentaram um diploma para provar que øsabiam cantar, mas ø cantavam, simplesmente... (12) – Não, assim não pode ser. Cantar sem a titulação devida é um desrespeito à ordem. (13) E os urubus, em uníssono, expulsaram da floresta os passarinhos que cantavam sem alvará. (14) MORAL: em terra de urubus diplomados não se ouve canto de sabiá.

12 ASSOCIAÇÃO Campo semântico: Animais- (1) bichos, (2) urubus, aves por natureza becadas, natureza, (4) urubuzinho, urubu titular, (6) floresta, bandos, pintassilgos tagarelas, canários, sabiás, (7) velhos urubus, bico, pintassilgos, sabiás e canários, (9) pobres aves, (13) urubus, floresta, passarinhos, (14) urubus, terra, sabiás. Música- (2) dotes, canto, cantores, (3) do-ré-mi- fá, competições, (4) concursos, carreira, (6) serenatas, (8) concursos, (10) escolas de canto, canto, (11) cantar. Escola- (3) escolas, professores, diplomas, (11) diploma, (12) titulação, (14) diplomados. Lei- (7) inquérito, (8) documentos, (12) ordem, (13) alvará.

13 Os urubus e os sabiás RUBEM ALVES (1) Tudo aconteceu numa terra distante, no tempo em que os bichos falavam... (2) Os urubus, aves por natureza becadas, mas sem grandes dotes para o canto, decidiram que, mesmo contra a natureza, eles haveriam de se tornar grandes cantores. (3) E para isto ø fundaram escolas e ø importaram professores, ø gargarejaram dó-ré-mi-fá, ø mandaram imprimir diplomas, e ø fizeram competições entre si, para ver quais deles ø seriam os mais importantes e ø teriam a permissão de mandar nos outros. (4) Foi assim que eles organizaram concursos e se deram nomes pomposos, e o sonho de cada urubuzinho, instrutor em início de carreira, era se tornar um respeitável urubu titular, a quem todos chamavam de vossa excelência. (5) Tudo ia muito bem até que a doce tranqüilidade da hierarquia dos urubus foi estremecida. (6) A floresta foi invadida por bandos de pintassilgos tagarelas, que brincavam com os canários e faziam serenatas com os sabiás... (7) Os velhos urubus entortaram o bico, o rancor encrespou a testa, e eles convocaram pintassilgos, sabiás e canários para um inquérito. (8) - Onde estão os documentos dos seus concursos ? (9) E as pobres aves se olharam perplexas, porque nunca øhaviam imaginado que tais coisas houvessem.(10) Não øhaviam passado por escolas de canto, porque o canto nascera com elas. (11) E nunca ø apresentaram um diploma para provar que øsabiam cantar, mas ø cantavam, simplesmente... (12) – Não, assim não pode ser. Cantar sem a titulação devida é um desrespeito à ordem. (13) E os urubus, em uníssono, expulsaram da floresta os passarinhos que cantavam sem alvará. (14) MORAL: em terra de urubus diplomados não se ouve canto de sabiá.

14 CONEXÃO Uso de conectores, conjunções: (2) mas- adversativo, mesmo- concessivo. (3) para- finalidade, e- aditivo, e- aditivo, para- finalidade, e aditivo (4) Foi assim que- consecutivo, e- aditivo, e- aditivo (5) até que- temporal (7) e- aditivo (9) E- aditivo, porque- causal (10) porque- explicativo (11) para- finalidade, mas- adversativo

15 COERÊNCIA A série de repetições e substituições (REITERAÇÃO) é responsável pela coerência do texto. Há inserção de dados novos no texto (introdução de novos referentes), o seja, há uma progressão, o que permite dizer que a informatividade é um fator de coerência. O texto não apresenta contradição de ideias, o que faz dele uma unidade de sentido. A coesão por associação faz do texto uma verdadeira rede de relações à medida que contribui para que a unidade temática se mantenha. A conexão também é responsável pela relação entre as porções textuais. A coerência é a unidade de sentido proporcionada, durante a leitura, pelos fatores que compõem a coesão textual.

16 Os urubus e os sabiás RUBEM ALVES (1) Tudo aconteceu numa terra distante, no tempo em que os bichos falavam... (2) Os urubus, aves por natureza becadas, mas sem grandes dotes para o canto, decidiram que, mesmo contra a natureza, eles haveriam de se tornar grandes cantores. (3) E para isto ø fundaram escolas e ø importaram professores, ø gargarejaram dó-ré-mi-fá, ø mandaram imprimir diplomas, e ø fizeram competições entre si, para ver quais deles ø seriam os mais importantes e ø teriam a permissão de mandar nos outros. (4) Foi assim que eles organizaram concursos e se deram nomes pomposos, e o sonho de cada urubuzinho, instrutor em início de carreira, era se tornar um respeitável urubu titular, a quem todos chamavam de vossa excelência. (5) Tudo ia muito bem até que a doce tranqüilidade da hierarquia dos urubus foi estremecida. (6) A floresta foi invadida por bandos de pintassilgos tagarelas, que brincavam com os canários e faziam serenatas com os sabiás... (7) Os velhos urubus entortaram o bico, o rancor encrespou a testa, e eles convocaram pintassilgos, sabiás e canários para um inquérito. (8) - Onde estão os documentos dos seus concursos ? (9) E as pobres aves se olharam perplexas, porque nunca øhaviam imaginado que tais coisas houvessem.(10) Não øhaviam passado por escolas de canto, porque o canto nascera com elas. (11) E nunca ø apresentaram um diploma para provar que øsabiam cantar, mas ø cantavam, simplesmente... (12) – Não, assim não pode ser. Cantar sem a titulação devida é um desrespeito à ordem. (13) E os urubus, em uníssono, expulsaram da floresta os passarinhos que cantavam sem alvará. (14) MORAL: em terra de urubus diplomados não se ouve canto de sabiá.

17 BENTES, A. C. Lingüística textual. In: MUSSALIN, F. & BENTES, A.C. (Orgs). Introdução à lingüística: domínios e fronteiras. São Paulo: Cortez, 2001, p FÁVERO, Leonor Lopes. Coesão e Coerência textuais. Série Princípios. Ed. Ática. Texto das professoras: CÂNDIDO, Sueli; PADOVVANI, Micheline T. de Brito; OLIVEIRA, Tamara de & SEGREDO, Ligiane Cristina.


Carregar ppt "Os urubus e os sabiás RUBEM ALVES (1) Tudo aconteceu numa terra distante, no tempo em que os bichos falavam... (2) Os urubus, aves por natureza becadas,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google