A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CONCEPÇÃO E GESTÃO DE REDES LOGÍSTICAS COM FATORES DE LOGISTICA REVERSA – Aplicação em um contexto de distribuição de cadeiras de rodas – Marc Chouinard,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CONCEPÇÃO E GESTÃO DE REDES LOGÍSTICAS COM FATORES DE LOGISTICA REVERSA – Aplicação em um contexto de distribuição de cadeiras de rodas – Marc Chouinard,"— Transcrição da apresentação:

1

2 CONCEPÇÃO E GESTÃO DE REDES LOGÍSTICAS COM FATORES DE LOGISTICA REVERSA – Aplicação em um contexto de distribuição de cadeiras de rodas – Marc Chouinard, Ph.D., Eng. Daoud Aït-Kadi, Ph.D., Eng. Sophie DAmours, Ph.D., Eng. Mobility Aid Valorization Project Interuniversity Research Centre on Enterprise Networks, Logistics and Transportation Université Laval, Québec, Canada

3 Agenda Introdução Projeto de Valorização da Mobilidade Assistida Cadeias de Suprimentos Redes Logísticas Reversas Loops de valor Reengenharia da Rede de Mobilidade Assistida Discussão/ Conclusão

4

5 INTRODUÇÃO Universidade Laval: Entre as 10 melhores universidades canadenses; professores et auxiliares de ensino; estudantes ( de pós-graduação); 17 faculdades; 400 programas de graduação e pós; 270 milhões de dólares canadenses em fundos de pesquisa. Parcerias no mundo: 570 acordos com universidades de 65 países (África, Américas, Ásia, Europa, Oceania).

6 INTRODUÇÃO École de technologie supérieure (ETS): Entre as 5 melhores escolas de engenharia do Canadá; 25% dos estudantes de engenharia do Québec; 350 professores e auxiliares de ensino; estudantes; 5 departamentos; 13 milhões de dólares canadenses de fundos de pesquisa (40% em contratos de pesquisa no meio industrial).

7 INTRODUÇÃO Centro de Pesquisas Interuniversitário em Redes Logísticas e Transporte (CIRRELT):

8 INTRODUÇÃO Centro de Pesquisas Interuniversitário em Redes Logísticas e Transporte (CIRRELT): 60 membros regulares (pesquisadores); 35 membros associados; 2 membros honorários; 18 estudantes de pós-doutorado; 152 candidatos ao doutorado; 123 estudantes de mestrado.

9 INTRODUÇÃO Temas de pesquisas: Redes logísticas E-Business Análise de sistemas Sustentabilidade Contabilidade Centro de Pesquisas Interuniversitário em Redes Logísticas e Transporte (CIRRELT): Engenharia de Produção Sistemas de Decisão Inteligência Artificial Gestão Internacional Direito Empresarial…

10 CONTEXTO Projeto de valorização da mobilidade assistida RAMQ – Orgão de Gestão do Sistema de Saúde Pública do Quebec Agência Governamental; Programas Governamentais e Gerenciais: Programa de Mobilidade Assistida - Cadeiras de Rodas: Orçamento de 54.3 milhões $CAD. Principal Comprador de Cadeiras de Rodas: 99% de toda a alocação na Província de Quebec.

11 Descarte CENTROS DE REABILITAÇÃO RAMQ FORNECEDORES Descarte Manutenção Projeto do produto Aprovação & Convite Manufatura & Fornecimento Alocação Recuperação (raro) ANTES DE JUNHO DE 2000 D EPOIS DE JUNHO DE 2000 Manutenção Projeto do produto Alocação Recuperação Valorização (Peças & MA) Aprovação & Convite Manufatura & Fornecimento FORNECEDORES CONTEXTO

12 Projeto de valorização da mobilidade assistida Integração de atividades de logística reversa considerando: Recuperação; Retransformação: Reparação; Renovação de peças sobressalentes; Reciclagem de material / Doação; Descarte adequado. Redistribuição (realocação). Valorização

13 CONTEXTO FAMÍLIAS DE PRODUTOS ACABADOS MAWMOWPB NovoValo.NovoValo.NovoValo. Demanda anual média Recuperação anual média Quantidade média de produtos em circulação Valor unitário médio Duração média 4 anos 2 ½ anos Ciclo de vida médio 7 anos 5 anos

14 Centros de reabilitação CONTEXTO

15 cadeiras em circulação cadeiras em circulação 80% cadeiras novas 10% cadeiras valorizadas Centros de reabilitação CONTEXTO

16 Vantagens da valorização Melhor acessibilidade aos aparelhos adaptados; Redução dos prazos de entrega: Em até 6 meses para aparelhos novos; 2 semanas aproximadamente. Economia de 3.8 milhões CAD$ (7%) entre 15 de junho de 2000 e 31 de março de 2002.

17 CONTEXTO Dificuldades identificadas Carga de trabalho adicional e ajustes de capacidade da seguinte forma: Volumes de demanda; Vontade dos empregados e da direção; Orçamento disponível; Prioridade acordada à cada programa de ajuda técnica (auxílio visual, auditivo, etc.) Reticência de certos beneficiários quanto ao acesso à aparelhos revalorizados.

18 QUESTÕES (issues) Controle das necessidades para equipamentos especializados; Definição do compartilhamento de riscos e responsabilidades entre os envolvidos no loop de valor; Identificação das unidades de negócio envolvidas e caracterização das atividades; Integração de materiais, informação e fluxo de materiais;

19 QUESTÕES (issues) Oferta de uma variedade limitada de produtos para o atendimento de necessidades diversas; Acompanhamento do produto através do ciclo de vida completo; Manter e restaurar a qualidade de produtos em circulação, sob restrições orçamentárias, visando melhorar a utilização por parte dos usuários finais, bem como as possibilidades de reutilização após recuperação; Identificação de produtos recuperados e a serem submetidos a recuperação;

20 QUESTÕES (issues) Direção adequada de produtos recuperados para as diferentes alternativas de retransformação (reparação, desmontagem para recuperação de peças, e descarte adequado); Planejamento e programação da retransformação de acordo com o potencial de reutilização; Controle de estoques considerando produtos novos, recuperados e valorizados (retransformados).

21 OBJETIVOS Realização de reengenharia de processos de alocação, manutenção e valorização; Realização de reengenharia da rede logística; Desenvolvimento e implantação de ferramentas de suporte à decisões.

22 EQUIPE França, Suíça, Bélgica, Hong Kong, Estados Unidos, Marrocos, Tunísia, etc. Bombardier, Renault, Snecma, Alcoa, etc. P ARCEIROS P ÚBLICOS E P ARA - GOVERNAMENTAIS RAMQ, SAAQ, QRI E QUIPE DE P ESQUISADORES P ARCEIROS DA I NICIATIVA P RIVADA Laboratórios Grupos (Chairs) Consórcio Hydro Québec, RTC, STM, etc. Projeto de Revalorização Grupo (Chair) em Planejamento e Controle Operacional de Redes de Criação de Valor Grupo (Chair) em Integração e Sincronização Colaborativa para a Cadeia de Suprimentos de Produtos Florestais CIRRELT

23 MEMBROS DA EQUIPE PESQUISADORES AREAS DE PESQUISA Daoud Aït-Kadi, Eng., MScA, PhD CIRRELT, CIRRIS Confiabilidade e manutenção Projeto e gestão de sistemas de produção Projeto de produtos e processos Desenvolvimento sustentável Logística reversa Sophie DAmours, Eng., MBA, PhD CIRRELT Projeto e gestão de cadeias de suprimentos Empresas virtuais e digitais Sistemas multi-agentes Logística reversa

24 MEMBROS DA EQUIPE PESQUISADORES INTERESSES EM PESQUISA Angel Ruiz, MSc, PhD CIRRELT Sistemas de suprimentos Transporte Projeto e gestão de redes logísticas Logística reversa Marc Chouinard, Eng., MSc, PhD CIRRELT, CIRRIS Logística reversa Desenvolvimento sustentável Otimização estocástica Projeto e gestão de redes logísticas

25 MEMBROS DA EQUIPE PESQUISADORES INTERESSES EM PESQUISA François Routhier, MSc, PhD CIRRIS Formação de habilidades em cadeiras de rodas; Tecnologias de readaptação; Ferramentas e métodos de avaliação clínica; Intervenção junto a beneficiários.

26 MEMBROS DA EQUIPE ESTUDANTES- PESQUISADORES NÍVELTEMAS DE PESQUISA Marc Chouinard, jr Eng. in Mech. Eng., CIRRELT, CIRRIS PhD Projeto de redes logísticas Marc Chouinard, jr Eng. in Mech. Eng., CIRRELT, CIRRIS MSc Reengenharia de processos e sistemas de informação Caroline Cloutier, BSc. in Mech. Eng., CIRRELT, CIRRIS MBA Projeto de redes logísticas Claver Diallo, BSc. in Mech. Eng., CIRRELT, CIRRIS PhD Gestão de estoques Hugo Dionne, jr Eng. in Mech. Eng., CIRRELT, CIRRIS MSc Estratégias de desmontagem

27 MEMBROS DA EQUIPE ESTUDANTES- PESQUISADORES NÍVELTEMAS DE PESQUISA Mohamed Anouar Jamali, Manag. Eng., CIRRELT, CIRRIS PhD Estratégias de manutenção Xavier Zwingmann, DEA in Eng., CIRRELT, CIRRIS PhD Projeto de produto – confiabilidade e manutenibilidade

28 Lançamento de novos produtos FORNECIMENTO TRANSFORMAÇÃO DISTRIBUIÇÃO UTILIZAÇÃO CADEIA DE SUPRIMENTOS CADEIAS DE SUPRIMENTOS

29 FORNECIMENTO TRANSFORMAÇÃO DISTRIBUIÇÃO UTILIZAÇÃO Pressões econômicas, ambientais e sociais Produtos inutilizados Produtos derivados Rejeitos Embalagens/ Meios de manutenção Renovação dos estoques CADEIA DE SUPRIMENTOS Contrato de serviço Legislação Imagem da marca/ posição concorrencial Devolução voluntária

30 Produtos inutilizados Devoluções comerciais Devoluções sob garantia Manutenção CADEIAS DE SUPRIMENTOS FORNECIMENTO TRANSFORMAÇÃO DISTRIBUIÇÃO UTILIZAÇÃO Pressões econômicas, ambientais e sociais Produtos derivados Rejeitos Embalagens/ Meios de manutenção Renovação dos estoques CADEIA DE SUPRIMENTOS

31 Grande responsabilidade para com o ciclo de vida dos produtos Utilização inteligente de recursos não-renováveis Oferta ampliada de serviços Pressões econômicas, ambientais e sociais CADEIAS DE SUPRIMENTOS FORNECIMENTO TRANSFORMAÇÃO DISTRIBUIÇÃO UTILIZAÇÃO CADEIA DE SUPRIMENTOS

32 RECUPERAÇÃO RETRANSFORMAÇÃO REDISTRIBUIÇÃO LOGÍSTICA REVERSA Novo, Semi-novo, Valorizado CADEIAS DE SUPRIMENTOS FORNECIMENTO TRANSFORMAÇÃO DISTRIBUIÇÃO UTILIZAÇÃO CADEIA DE SUPRIMENTOS

33 Scor Model 9.0 CADEIAS DE SUPRIMENTOS

34 CADEIA DE VALOR Porter, 1985 Gestão de recurssos humanos Infraestrutura da organisação Tecnologias de informação Gestão da cadeia logistica Concepção Logistica interna Logistica externa Produção Marketing e vendas Serviço pós-venda Desenv. de tecnologias Abastecimento

35 LOOP DE VALOR

36 Decisões estratégicas: definição da infraestrutura da rede e de práticas operacionais fundamentais; Decisões táticas: planejamento de recursos de acordo com as necessidades antecipadas da rede; Decisões operacionais: reserva de recursos de acordo com as necessidades manifestadas. PROJETO E GESTÃO DE LOOPS DE VALOR

37 Serviço pós- venda RecuperaçãoRetransformação(Re)distribuição Fluxo de materiais e estoques Identificação de mercados-alvo Concepção de redes logísticas Concepção de processos Concepção de produtos Definição de políticas de manutenção Definição de políticas de recuperação Definição de políticas de retransformação Definição de políticas de (re)distribuição Definição de políticas de gestão de estoques Planejamento da manutenção Planejamento da coleta Planejamento da desmontagem Planejamento da redistribuição Planejamento dos pedidos -Programação das atividades de manutenção -Diagnóstico de panes -Definição de rotas -Seleção de veículos -Integração das entregas -Programação do tratamento -Definição de rotas -Seleção de veículos -Integração da coleta -Lançamento do reabastecimento Operacional Estratégico Tático

38 Mercados-Alvo Definir fontes de demanda e de retorno Expectativas diferentes com relação à demanda e retornos: Nível de serviço; Impactos econômicos; Impactos ambientais; Impactos sociais. Esperas podem ser caracterizadas de acordo a: Demografia; Situação geo-política; Produtos em circulação.

39 Redes Logísticas Localizar e definir a missão das instalações e dos recursos Escolher os modais e meios de transporte Ciclos abertos / fechados; Integração vertical [(des)centralização] e horizontal; Atividades de logística reversa: Externalizadas/ Internas; Instalações e recursos dedicados / compartilhados.

40 Processos Organizar as instalações Integrar as atividades Definir tecnologias de sincronização de fluxos de materiais, informação e capital Recursos flexíveis / especializados; Embalagens e meios de manutenção reutilizáveis / reciclados/ recicláveis ; Acompanhamento e controle do ciclo de vida dos produtos; Consideração do feedback dos clientes.

41 Produtos Definir a configuração dos produtos Escolher as tecnologias Projeto para X: Montagem/ Manufatura; Qualidade/ Manutenabilidade/ Confiabilidade; Recuperação/ Desmontagem / Ciclo de vida/ Meio ambiente.

42 Serviços pós-vendas Manter ou restaurar os produtos até um certo nível de qualidade Preservar a confiança dos clientes Atualizar os conhecimentos sobre os produtos em circulação; Determinar os níveis de garantia, as ações e as frequências de manutenção sobre o ciclo de vida dos produtos; Determinar a utilização das peças de reposição novas e valorizadas; Seguir a evolução das necessidades dos clientes.

43 Recuperação Controlar a entrada de produtos na rede reversa Aceitação passiva de produtos / utilização de incentivos; Retorno voluntário/ Coleta; Definição de políticas de recuperação (liberais/ conservadoras); Determinação de valores a serem reembolsados ou creditados.

44 Recuperação Orientar os produtos para alternativas de retransformação Avaliação do estado dos produtos: Antes / após autorização de retorno; Antes / após compensação financeira; Determinação do potencial de recuperação de valor : Consideração de condições do loop de valor / orientação pré-estabelecidas

45 Retransformação Mudar o estado dos produtos para uma melhor reutilização futura no loop de valor Ver o final do ciclo de vida no loop de valor Determinação de alternativas : Reutilisação direta; Valorização : Remanufatura, Reparação, Recondicionamento, Canibalização, Reciclagem; Descarte adequado : Enterramento, Incineração, Doação, Recuperação de energia, Etc.

46 Retransformação Mudar o estado dos produtos para uma melhor reutilização futura no loop de valor Ver o final do ciclo de vida no loop de valor Definição de procedimentos: Sequências de desmontagem, de desmantelamento (destrutivo/ não-destrutivo) e de remontagem; Peças de reposição utilizadas; Atualização de tecnologias; Ações de limpeza; Restrições técnicas, econômicas, ambientais e sociais.

47 Redistribuição Redirigir produtos para novos clientes ou locais de descarte final Definição de uma estratégia de recolocação no mercado: Fluxo empurrado / Fluxo puxado; TriagemRetransformaçãoArmazenagem TriagemRetransformação Armazenagem Fluxo puxadoFluxo empurrado Demanda Recuperação

48 Transporte Garantir a integração entre as unidades de negócio e os clientes Definição de estratégias de entrega e coleta: Integração ou não; Determinação da configuração de veículos, de docas e de áreas de recepção e de expedição; Definição de sequências de coleta e de entrega.

49 Estoques Mitigar as incertezas sobre qualidade, quantidade, momento e localização de volumes de demanda e retorno Determinação de estoques a considerar: Produtos novos ou semi-novos, Produtos valorizados, Produtos em circulação, Produtos recuperados (com alternativa de retransformação conhecida ou não); Determinação do valor dos estoques e dos custos de estocagem; Determinação dos níveis e da frequência de reabastecimento.

50 Volumes de demanda e de retorno Antecipação das necessidades identificadas no loop de valor Determinação dos tipos de demanda : Aquisição/ Substituição; Possibilidade de substituição de um produto novo por um equivalente revalorizado; Determinação dos tipos de retorno: Rertorno voluntário ou retorno forçado; Previsão seguindo as características dos mercados-alvo (demografia, produtos em circulação, etc.).

51 METODOLOGIA DO PROJETO Descrição, Modelagem e Avaliação das formas de fazer Proposta de alternativas de organização e de técnicas Concepção de soluções coerentes com as escolhas de organização e de tecnologia Implantação da solução Avaliação e melhoria contínua da solução

52 Descrição, Modelagem e Avaliação das formas de fazer Descrição de processos, sistemas de informação e ferramentas de suporte à decis ão Relatório detalhado; Diagrama de processos operacionais; Auditoria das atividades de valorização; Sondagem feita pela RAMQ sobre as atividades de valorização nos centros de readaptação.

53 53 Extração do diagrama de processos operacionais Consultar a base de dados de aparelhos valorizados ou acesso diretamente aos inventários. Ergoterapeuta Acesso Aparelho disponível? Colocar o arquivo do cliente em espera quando o cliente é admissível somente para aparelhos valorizados. Ergoterapeuta Arquivo cliente Apresentar ao cliente o aparelho que se encontra na oficina de valorização. Ergoterapeuta O aparelho satisfaz o liente? Determinar os custos de valorização do aparelho. Mecânico da oficina de valorização Referir ao processo de atribuição de uma cadeira nova Sim Não Sim Não

54 54 Formulários de auditoria e avaliação Nível atual Objetivos Nível desejado Comentários 0 1 Considerar a valorização como uma necessidade incontornável. 1 0 ½½ 11

55 Grande importância dada às atividades de valorização Esforços realizados para melhoria contínua das atividades Colaboração dos diversos parceiros favorizados (Organismos financiadores, outros estabelecimentos, fornecedores) Integração parcial da valorização às outras atividades Nível desejado[98%] Nível atual[55%] 0 0, Formulários de auditoria e avaliação

56 Proposta de escolha de organisação e opções técnicas Design do loop de valor (Chouinard, 2007; Chouinard et al., 2007, 2008) Design do processo (Chouinard, 2003; Chouinard et al., 2003, 2005) AlocaçãoManutençãoRecupera ção Retransforma ção Estratégias de alocação Estratégias de manutenção (Jamali, 2004) Estratégias de recuperação (Diallo, 2006; Zwingmann, 2006) Identificação do mercado alvo (Chouinard, 2007; Chouinard et al., 2008) Design do produto (Zwingmann, 2006) Estratégias de retransformação (Zwingmann et al., 2006) - Localização dos sitios, definição da missão e direcionamento estratégico dos produtos recuperados para retransformação. - Integração das atividades de recuperação, retransformação e redistribuição às atividades atuais da cadeia de suprimentos. - Suporte às atividades e acompanhamento do produto ao longo do ciclo de vida. - Manutenção preventiva. - Uso de peças valorizadas. - Alinhamento de necessidades de mobilidade e tecnologias - Seleção e categorização - Tempos padrão - Localização, caracterização e determinação das necessidades dos usuarios finais dos produtos e serviços. - Sequência de desmontagem - Melhorias no produto através de analise de confiabilidade e manutenibilidade.

57 Estratégias de alocação Desenvolver uma ferramenta de suporte à decisão para alocação (tecnologia de grupo): Identificar tecnologia apropriada às necessidades do usuário; Encontrar tecnologia similar com maior disponibilidade e menor custo do ciclo de vida.

58 Estratégias de manutenção

59 Estratégias de recuperação Identificar critérios de seleção e categorização: Idade (anos, km, tempo de descarte,…); Estado (novo, bom, quebrado,…); Custos de reparação ou atualização ($); Disponibilidade de peças sobressalentes, demanda, … Desenvolver 3 ferramentas de suporte à decisão: Arvore de decisão; Analise multi-critério; Programação matemática. Validação numa rede de centros de reabilitação.

60 Estratégias de retransformação Analisar atividades de desmontagem: Determinar a lista de materiais do produto, restrições (técnicas, econômicas, ambientais) e necessidades (ferramentas, tempo, custos…). Selecionar um modelo apropriado na literatura para o contexto da cadeira de rodas. Desenvolver ferramenta de suporte à decisão para desmontagem. Propor um método de análise de desmontagem.

61 Design de produto Analisar design do produto: Analise funcional e determinação das funções criticas às necessidades do cliente. Simular comportamento do produto : Confiabilidade; Manutenibilidade.

62 Design de produto - Confiabilidade Objetivo: Estimar a vida residual do produto. Estimação da confiabilidade: Prob.(força>tensão). Determinação da tensão pdf : Hábitos dos usuários. Cenários de calculo de tensao Determinação da força pdf : Variabilidade das características do produto (materiais, geometria) introduzidas nos diferentes modelos CAD; Fadiga acumulada. Forçapdf Tensão

63 Design de produto - Manutenibilidade Objetivo: Estimar complexidade das operações de manutenção e desmontagem. Caracterização das ações de desmontagem: Identificação dos fatores de manutenibilidade : Acessibilidade, facilidade de desmontagem, … Quantificação por custo: entropia, energia, … Determinação da seqüência de desmontagem : Analisar modelo CAD e lista de materiais; Otimizar seqüência de desmontagem.

64 Design de processo Propor uma nova estrutura organizacional : Integrar atividades de logística reversa às atividades atuais do QRI. Propor uma nova arquitetura do sistema de informação: Acompanhamento dos produtos ao longo de todo o ciclo de vida; Suporte a todas as atividades.

65 Design de processo

66 Acompanhamento dos atores externos e internos

67 Design de processo Acompanhamento dos produtos

68 Design de processo Acompanhamento dos processos operacionais

69 Design do loop de valor DEFINIÇÃO DOS PARÂMETROS DO MODELO Modelo de programação matemática FORMULAÇÃO DO MODELO SOLUÇÃO DO MODELO - Custos - Localização dos sítios - Missão dos sítios - Proporções estratégicas de fluxos de produto a encaminhar a alternativas de processamento Unidades de negócio Usuario-final Produtos

70 Design do loop de valor Zonas de usuários finais Centros de serviço Distribuição/ manutenção Recuperação Centros de retrans- formação Depósitos Centros de valorização Centros de descarte apropriado Fornecedores

71 Parametrisação do modelo Unidades de negócio Consumidores Produtos - Sítios e tecnologias potenciais - Desempenho alcançável - Famílias e nomenclaturas - Estados genéricos e potenciais de recuperação de valor - Localização (zonas) - Caracterização dos fluxos e zonas - Previsão dos volumes de demanda e de retorno - Incertezas

72 Parametrisação do modelo Parametrisação do modelo - Rede - Sítios e tecnologias potenciais Sítios e tecnologias atuais Desempenho alcançável Capacidades Níveis de serviço Custos Custos fixos Custos de transporte Custos de processamento Custos de estocagem

73 Parametrisação do modelo Parametrisação do modelo - Produtos - Famílias e lista de materiais Categorias de produto atuais e seqüência de desmontagem/ (re)montagem Estado do produto e alternativas de processamento Observações históricas dos estados do produto

74 Aquisição Manutenção Recuperação Valorização A B C A B C A B C A B C Custo acumulado [%] Parametrisação do modelo Parametrisação do modelo - Produtos - Custo acumulado [%] Quantid. acumulada [%]

75 Cadeiras de rodas manuais Descansa braço Tubo protetor Apoio da mão Roda traseira Descansa pernas Eixo Suporte para pés Q 13% C 22% Q 2% C 6% Q 8% C 9% Q 11% C 9% Q 15% C 18% Q 14% C 12% Q 9% C 12% Valores acumulados Q 71% C 88% Parametrisação do modelo Parametrisação do modelo - Produtos -

76 Cadeiras de rodas motorizadas Joystick removivel Motor Roda dianteira Descansa pernas Suporte para pés Q 3% C 14% Q 8% C 21% Q 18% C 12% Q 2% C 20% Q 15% C 14% Valores acumulados Q 46% C 81% Parametrisação do modelo Parametrisação do modelo - Produtos -

77 Base de posicionamento Apoio da mão Roda dianteira Descansa pernas Suporte para pés Q 7% C 22% Q 41% C 41% Q 10% C 12% Q 12% C 8% Valores acumulados Q 70% C 83% Parametrisação do modelo Parametrisação do modelo - Produtos -

78 Cadeiras de rodas manuais [17] Descansa braço [16] Tubo protetor [15] Apoio da mão [14] Roda traseira [13] Descansa pernas [12]Eixo[11] Suporte para pés [3] g =2g =2g =2g =2g =2g =2 g 3-12 =1 h p-17 =1 h 3-12 =1 Parametrisação do modelo Parametrisação do modelo - Produtos -

79 Cadeiras de rodas motorizadas [18] Joystick remonivel [8]Motor[9] Roda dianteira [7] Descansa pernas [10] Suporte para pés [2] g =2 h p-18 =1 g 9-18 =1g 8-18 =1 g 7-18 =2 h 2-10 =1g 2-10 =1 Parametrisação do modelo Parametrisação do modelo - Produtos -

80 Base de posicionamento [19] Apoio da mão [5] Roda dianteira [4] Descansa pernas [6] Suporte para pés [1] h p-19 =1 g 5-19 =2 g 6-19 =2g 4-19 =2 h 1-6 =1g 1-6 =1 Parametrisação do modelo Parametrisação do modelo - Produtos -

81 Periodo Q RE Q DIS QEQEQEQETotal T Periodo Q RE Q DIS QEQEQEQETotal T Parametrisação do modelo Parametrisação do modelo - Produtos -

82 Localização dos usuários finais Reagrupamento dos usuários finais com um método de clustering Coordenadas de latitude e longitude Distância entre usuários finais e centros de serviço (demanda) Parametrisação do modelo Parametrisação do modelo - Usuários finais -

83 usuários finais usuários finais usuários finais usuários finais Parametrisação do modelo Parametrisação do modelo - Usuários finais -

84 Caracterização das zonas e fluxos Proporção da demanda atendida com produtos valorizados Parametrisação do modelo Parametrisação do modelo - Usuários finais -

85 Previsão dos volumes de demanda e recuperação Previsões com regressão linear Demanda Centros de serviço Recuperação Zonas de usuários Aleatoriedade representada com erros de previsão Parametrisação do modelo Parametrisação do modelo - Usuários finais -

86 Minimizar Custos fixos Custos fixos Custos variáveis Custos variáveis Custos associados aos fluxos (aquisição, transporte, manipulação, estocagem) Custos associados aos fluxos (aquisição, transporte, manipulação, estocagem) Custos de tratamento Custos de tratamento - Custos de desmontagem - Custos de renovação do produto MODELO MATEMÁTICO

87 Submetido às restrições Demanda Demanda Recuperação Recuperação Orientação preliminar Orientação preliminar Orientação elaborada Orientação elaborada Desmontagem Desmontagem

88 MODELO MATEMÁTICO Submetido às restrições Descarte limpo Descarte limpo Substituição de materiais Substituição de materiais Abastecimento Abastecimento Capacidade Capacidade Não-negatividade Não-negatividade

89 Características da rede potencial Sítios potenciais Centros de serviço 13 Centros de processamento potenciais 6 centros de valorização 2 centros de descarte Depósitos potenciais 6 Produtos Famílias de produtos finais 3 [Cadeiras manuais - MAW, Cadeiras motorizadas - MOW, Bases de posicionamento - PB] Famílias de componentes famílias de componentes por família de produto final Usuários finais Zonas cliente zonas por centro de serviço

90 Implementação do modelo Fatores aleatórios Contexto de operação Proporção mínima da demanda atendida com produtos valorizados ImpostaNenhuma Demanda, recuperação, processamento (estado do produto). Valor unitário do produto valorizado Menor Ocorrências: # 1, 2, 3, 4 Ocorrências: # 5, 6, 7, 8 Maior Ocorrências: # 9, 10, 11, 12 Ocorrências: # 13, 14, 15, 16

91 Resultados Número de centros de processamento (centros de valorização) Número de depósitos Solução 16 (4)4 Solução 2 5 (3) 3

92 Resultados Solução % da demanda atendida com produtos valorizados MAWMOWPBCompon. µσµσµσµσ

93 Resultados Sol. % de produtos recuperados para reparação % de produtos recuperados para descarte MAWMOWBPMAWMOWBP µσµσµσµσµσµσ

94 Resultados a) N N Std dev Min Max Gap [% of ] SOLUÇÃO 2

95 Resultados Custos (milhões $) Demanda atendida com produtos novos e valorizados21,67 Demanda atendida com produtos novos %

96 Discussão Valorizar é concebível e sustentável para o contexto quebequense de atribuição de cadeiras de rodas. MANTER O MESMO PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES PARTICIPANTES?

97 Discussão Centros de readaptação Proximidade dos beneficiários; Conhecimento das necessidades e ajuste; Recursos e experiência em manutenção. Favorável a um loop de valor com : Acompanhamento constante das atividades de valorização; Utilização de procedimentos formais; Utilização de ferramentas apropriadas.

98 Discussão Quebec Health Insurance Board Visão geral da situação em Québec; Define ou influência as estratégias subjacentes ao loop de valor. Favorável a um loop de valor para : Melhor serviço à população com necessidades crescentes; Redução dos custos em um contexto de orçamento restrito.

99 Discussão Fabricante Controla a concepção dos produtos (variedade dos produtos e tecnologias em circulação). Reações desejáveis face à concepção e gestão do loop de valor : Abordagem neutra ou negativa; Oferta estendida de produtos e serviços : Reforça o interesse pelo cliente; Consolidação das relações com os atores atuais.

100 Discussão Loop de valor estendido Contrato de locação de aparelhos com a RAMQ podendo incluir: Gestão de estoques; Gestão da manutenção; Acompanhamento da evolução da condição dos beneficiários e aparelhos; Gestão do ciclo de vida dos produtos.

101 Discussão Loop de valor estendido Contrato de locação de aparelhos com a RAMQ implicando : Manutenção dos papéis dos 3 atores; Revisão da distribuição de riscos. Rever o conjunto das decisões em torno da concepção e da gestão do loop de valor.

102 Conclusão Este trabalho propõe um quadro conceitual que : Fornece uma visão geral dos níveis de decisão relacionados ao desenho e gestão de loops de valor; Apresenta as inter-relações entre essas decisões; Identifica as oportunidades potenciais; Reflete a importância de olhar o loop na sua totalidade para obter melhores oportunidades.

103 Conclusão Este trabalho identifica direções para pesquisas futuras: Propõe estratégias de negócio focando a gestão do ciclo de vida do produto e demonstra o seu impacto nas operações da organização; Desenvolve conceitos, métodos e ferramentas para organizar, monitorar e controlar essas estratégias de negócio; Propõe conceitos, métodos e ferramentas para antecipar o ambiente operacional de loops de valor com tais estratégias de negócio.

104


Carregar ppt "CONCEPÇÃO E GESTÃO DE REDES LOGÍSTICAS COM FATORES DE LOGISTICA REVERSA – Aplicação em um contexto de distribuição de cadeiras de rodas – Marc Chouinard,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google