A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A UDIOVISUAL & ROTEIRO RIO BRANCO Prof. Franthiesco Ballerini

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A UDIOVISUAL & ROTEIRO RIO BRANCO Prof. Franthiesco Ballerini"— Transcrição da apresentação:

1 A UDIOVISUAL & ROTEIRO RIO BRANCO Prof. Franthiesco Ballerini

2 O CONFLITO NO ROTEIRO É o confronto de forças e personagens através de uma ação. Tecnicamente, sem conflito, sem ação, não existe drama. Há basicamente três tipos de conflito: 1 – Personagem em conflito com uma força humana, com outro homem ou grupo de homens. Por exemplo: filmes de guerra. 2 – Personagem em conflito consigo mesmo, por uma força interna. Por exemplo: dramas psicológicos (Ingmar Bergman).

3 O CONFLITO NO ROTEIRO 3 – O personagem pode estar em conflito com forças não-humanas, como a natureza, seres extraterrestres, fantasmas, profecias. Exemplos: Alien, O Dia Depois de Amanhã. Em geral os filmes sobrepõem dois ou mais tipos de conflitos, para enriquecer o roteiro. Exemplo: Encurralado (Steven Spielberg), conflito de uma força humana – caminhão conduzido por alguém – com um conflito interno – crise afetiva, falta de poder de decisão – e força não-humana – a máquina-caminhão, curvas perigosas etc. Homem vs Homem; Homem vs Natureza e Homem vs Ele Próprio.

4 STORYLINE Designa, com um mínimo de palavras, o conflito- matriz de uma história, com no máximo seis linhas, uma síntese. Deve englobar o essencial da história: A apresentação do conflito O desenvolvimento do conflito A solução do conflito Ou seja: Alguma coisa acontece Alguma coisa deve ser feita Alguma coisa se faz

5 STORYLINE Exemplo: Ideia: Fui ao enterro de um amigo. Três dias depois, ele passeava pelas ruas de Nova York. Storyline: Jack vai ao enterro de seu amigo em Viena. Não se resigna, investiga e acaba descobrindo que o amigo não morreu; está vivo e encenou seu próprio enterro porque era procurado pela polícia. Descoberto pela curiosidade de Jack, o amigo é abatido pelas balas da polícia.

6 STORYLINE Se houver mais explicações do que isso, teremos não um storyline, mas um argumento. Para por a prova o storyline, faça as seguintes perguntas mentais: 1) Qual é o conflito? 2) Que produtos audiovisuais vimos que contenham este mesmo conflito-matriz? 3) Quais são as possibilidades dramáticas da nossa storyline em comparação com esses outros audiovisuais com uma temática igual ou semelhante. 4) Qual é a tese? O que queremos dizer com esta storyline?

7 A NÁLISE DE STORYLINE Primeira análise Ideia de jornal: Estrangeiros ilegais com ânsias de liberdade Storyline: Mohamed, marroquino, e Xisto, búlgaro, são companheiros de cela num centro de reclusão para estrangeiros, onde aguardam sua expulsão pelo país. Depois de alguns conflitos e apesar dos seus diferentes costumes e crenças, pouco a pouco se tornam amigos. Surge uma oportunidade e os dois fogem. A caminho da cidade, as diferenças voltam a aparecer e, depois de uma discussão, separam-se. Rapidamente são capturados e deportados.

8 A NÁLISE DE STORYLINE Observações e análise: - a storyline está completa. De qualquer forma, a terceira parte é pouco criativa. O conflito básico entre dois homens de cultura diferentes que, frente à mesma problemática, se aproximam, parece excelente. Note-se que esta storyline tem tecido dramático conflitual para ser desenvolvido num filme ou telefilme.

9 A NÁLISE DE STORYLINE Modificação: Cinco homens de diferentes nacionalidades – argelina, coreana, argentina, polonesa e maltesa – encontram-se num centro para estrangeiros, onde aguardam sua expulsão da Espanha. Tornam-se amigos. Conseguem fugir e separam- se. Os cinco iniciam caminhos diferentes que os irão levar à miséria ou ao desafogo econômico, à delinqüência ou ao prestígio social, que se cruzarão entre si, mas que, finalmente, os levarão a esquecer a antiga amizade

10 A NÁLISE DE STORYLINE Observações e análise: - A rede conflitual foi ampliada e, desta forma, constatamos que existe a possibilidade real de se converter num produto audiovisual de quatro horas de duração. No entanto, ainda parece que o final não está completamente resolvido.

11 A NÁLISE DE STORYLINE Segunda análise Sobre a ideia transformada do livro Música para Camaleões, de Truman Capote, a seguinte storyline: Mary, a empregada doméstica do relato, é o traço de união entre as personagens que vivem nas casas onde trabalham. Apesar de ter alguns vícios menores, é muito beata. Utilizará as informações de que dispõe para mudar o destino de suas patroas, com maior ou menor êxito, e com intenções mais ou menos boas.

12 A NÁLISE DE STORYLINE Observações e análise - A storyline está incompleta. Não tem final. O desenvolvimento podia ser mais claro, menos literário. No entanto, vê-se que a história tem possibilidades dramáticas. Proposta: Mary, uma empregada doméstica, trabalha em cinco casas. Aborrecida com sua condição, usará intrigas e por vezes práticas pouco corretas para alterar a vida das patroas. Provocará um divórcio, um casamento e facilitará a uma patroa cleptomaníaca o roubo numa casa de onde Mary fora injustamente despetida. Acabada a brincadeira, Mary retoma sua vida de empregada doméstica corrente e formal.

13 A NÁLISE DE STORYLINE Observações e análise - A storyline está ao mesmo tempo completa e incompleta. Se se converte num série de episódios fechados, tem material suficiente desenvolvido. Por outro lado, está incompleta porque tem um final pouco criativo.

14 A NÁLISE DE STORYLINE Terceira análise Procurar na família um personagem interessante Uma jovem procura sua autodestruição por meio do álcool. Chegada a um estado de quase delirium, começa a pintar, e seus quadros se tornam conhecidos. Obtém fama e dinheiro, mas não consegue pintar se não estiver embriagada. Investe a fortuna adquirida numa cura de desintoxicação, mas seus quadros deixam de ser bons. Perde tudo o que tinha ganho. Curada e afastada do seu círculo de êxito, acaba indo trabalhar como caixa de um supermercado.

15 A NÁLISE DE STORYLINE Observações a análise - A storyline está completa. A linguagem utilizada é muito clara e precisa. A história parece interessante, mas corre o risco, em termos de ethos, de sugerir que as drogas são imprescindíveis para a arte e, além disso, dá um caráter mágico ao artista, sem levar em conta o talento, o esforço e o trabalho.

16 A NÁLISE DE STORYLINE Nova proposta: Uma jovem, desesperada por um passado cheio de conflitos que necessita esquecer, recorre à bebida. Sozinha e sem recursos, surge-lhe a oportunidade de pintar, alcançando grande posição e fama. Quanto tenta se libertar do vício, verifica que perde a inspiração perante as telas. Angustiada por este beco sem saída, opta por renunciar ao luxo e à fama e passa a frequentar os A.A., ao passo que, para subsistir, acaba trabalhando como caixa de supermercado.

17 A NÁLISE DE STORYLINE Observações e análise - A storyline está completa. Foi acrescentada uma moralidade exagerada, renunciar ao luxo e à fama, A.A., quase acabando num convento de freiras. Ou seja, há novamente um problema de ethos, mas no sentido contrário.

18 CONCLUSÃO O conflito-matriz é fundamental para o drama, e deve-se levar em consideração a forma e a ética. A força da linguagem é importante, definindo o conflito-matriz em poucas palavras. É preciso ver se a história precisa de muito ou pouco tempo para ser desenvolvida.

19 E XERCÍCIO VALENDO 1,0 PONTO NA PROVA A classe se divide em 5 grupos. Todos irão até a biblioteca e irão pesquisar notas e notícias em jornais, buscando uma ideia. Transcreva a ideia como está no jornal. Tomando- a como base, escreva uma proposta de storyline de no máximo seis linhas. Prepare-se para perguntas sobre o personagem, o tempo do filme ou série. Apresentação oral na frente onde os grupos irão votar naquela storyline mais bem preparada (não vale votar na própria storyline). A melhor storyline leva 1 ponto na prova.


Carregar ppt "A UDIOVISUAL & ROTEIRO RIO BRANCO Prof. Franthiesco Ballerini"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google