A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Texto: João, 1, 35-42. Segundo domingo do Tempo Comum –B-. Comentários e apresentação: M.Asun Gutiérrez. Música: Samuel Barber. Adágio para corda. Conhecer.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Texto: João, 1, 35-42. Segundo domingo do Tempo Comum –B-. Comentários e apresentação: M.Asun Gutiérrez. Música: Samuel Barber. Adágio para corda. Conhecer."— Transcrição da apresentação:

1

2 Texto: João, 1, Segundo domingo do Tempo Comum –B-. Comentários e apresentação: M.Asun Gutiérrez. Música: Samuel Barber. Adágio para corda. Conhecer não é unicamente saber, se este saber significa somente ter conhecimentos. Como conhecer alguém – como conhecer Jesus - se não é através da relação e do trato? Conhecer é o conhecimento verdadeiro feito de contacto, comunhão e companhia. E esse é também o autêntico saber, que não consiste meramente em ter informação sobre algo. Assim quero conhecer Jesus e saboreá-lO, de modo que a minha vida saiba mais a Jesus e Jesus me saiba inteiramente a Deus. José Arregi

3 Naquele tempo, estava João Baptista com dois dos seus discípulos e, vendo Jesus que passava, disse: – Eis o Cordeiro de Deus. João comunica a sua maravilhosa descoberta. Manifesta uma confissão de fé em Jesus e o anúncio da libertação universal, que Deus vai efectuar por meio de Jesus. Não se refere às faltas pessoais, mas de ressonância social. O pecado do mundo são todas as injustiças, a exploração, especulação, opressão, egoísmo, ambição... que têm como resultado a situação inumana e insustentável de uma terça parte da humanidade que sobrevive com dificuldade ou morre de fome cada dia. Seguir Jesus é comprometer-se na luta e no esforço por tirar o pecado do mundo: libertar, com solidariedade e compaixão, de tudo o que destrói a liberdade, a dignidade, a convivência e a felicidade das pessoas. Foi o que fez Jesus.

4 Os dois discípulos ouviram-no dizer aquelas palavras e seguiram Jesus. Entretanto, Jesus voltou-Se; e, ao ver que O seguiam, disse-lhes: – Que procurais? Que procurais? São as primeiras palavras de Jesus no quarto evangelho. Jesus dirige-me hoje a mesma pergunta: Que procuras? Que Lhe respondo? É condição do ser humano a busca, a inquietude, a contínua insatisfação, a necessidade de Deus. Jesus apresenta-Se como resposta a essa necessidade vital.

5 Eles responderam: – Rabi (que quer dizer Mestre), onde moras? Os discípulos não perguntam por métodos de apostolado, nem o que têm que aprender nem o que têm que fazer. Perguntam pela sua casa. Buscam intimidade com Jesus, conhecê-lO, ter uma relação de amizade, partilhar a vida..., estar com Ele. Ao evangelista não lhe interessa comunicar uma doutrina nem uma moral, mas mostrar uma Pessoa concreta que vai manifestar a presença acolhedora e libertadora de Deus.

6 Disse-lhes Jesus: – Vinde ver. Jesus não trata de convencer com razões e discursos. Convida a um trato pessoal, a desfrutar da convivência com Ele. Tudo se situa no terreno da experiência directa e pessoal. Diz vinde, o que supõe avançar, pôr-se a caminho. Conhece-se a Jesus – vê-Se – seguindo-O, passando tempo com Ele. Dedico momentos para ver?

7 Eles foram ver onde morava e ficaram com Ele nesse dia. Era por volta das quatro horas da tarde. Como todo o grande acontecimento que marca a nossa vida, a recordação desse encontro permanece com todo o detalhe e deixa marcas que não se podem apagar. Todos temos em nossas vidas essas quatro da tarde, momentos inolvidáveis de encontro com Jesus e com os outros. Momentos que marcam um rumo novo na vida e que nos sustêm e alentam quando mais o necessitamos.

8 André, irmão de Simão Pedro, foi um dos que ouviram João e seguiram Jesus. Foi procurar primeiro seu irmão Simão e disse-lhe: – Encontrámos o Messias (que quer dizer Cristo). O testemunho brota da experiência pessoal. Sento que encontrei Jesus? Como manifesto a experiência do meu encontro com Ele? Ajudo alguém a conhecer, a encontrar Jesus? A nossa missão é viver, hoje, com as atitudes, critérios e valores de Jesus.Não basta ser crente, há que ser credível Pedro Casaldáliga

9 O encontro com Jesus transforma a vida. Como a Pedro, Jesus chama-nos pelo nosso nome, dá-nos um nome novo, o que em linguagem bíblica significa saber-se conhecido e querido profunda e incondicionalmente por Jesus. e levou-o a Jesus. Fitando os olhos nele, Jesus disse-lhe: – Tu és Simão, filho de João. Chamar-te-ás Cefas (que quer dizer Pedro)

10 Te damos graças, Pai, por Jesus, teu Filho querido, por quem Te conhecemos, por quem sabemos viver, por quem mantemos a esperança, por quem podemos viver como irmãos. Te damos graças porque há muitos anos que O conhecemos, O amamos, O seguimos. Te damos graças porque é para nós luz para o caminho, alimento para o trabalho, esperança para o futuro. Te damos graças porque a força do teu Espírito O fez Pastor, Semente, Água, Fogo, Pão. Te damos graças porque a força do teu Espírito O fez pobre, humilde, corajoso, compassivo. Te damos graças porque graças a Ele a nossa vida da terra se transforma e nos tornamos Filhos, trabalhamos no teu Reino, e sabemos esperar e perdoar. Te damos graças, Pai, por Jesus Cristo, teu Filho, nosso Senhor. Amen José Enrique Galarreta José Enrique Galarreta


Carregar ppt "Texto: João, 1, 35-42. Segundo domingo do Tempo Comum –B-. Comentários e apresentação: M.Asun Gutiérrez. Música: Samuel Barber. Adágio para corda. Conhecer."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google