A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Contabilidade Financeira 1º Período UCAM – Centro – FCPERJ Professora Mônica Brandão.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Contabilidade Financeira 1º Período UCAM – Centro – FCPERJ Professora Mônica Brandão."— Transcrição da apresentação:

1 Contabilidade Financeira 1º Período UCAM – Centro – FCPERJ Professora Mônica Brandão

2 Definição – Conceito – Objetivo - Finalidade É a ciência que estuda a evolução do patrimônio de uma entidade com o objetivo de controlá-lo. Tem como finalidade gerar informações sobre os recursos econômicos, através do levantamento de relatórios contábeis-financeiros para tomada de decisão por parte de seus usuários. RESUMO: Objeto de estudo – patrimônio Objetivo (função) administrativo – controlar o patrimônio Objetivo (função) econômico – apurar o resultado (lucro ou prejuízo) Finalidade – gerar informações sobre os recursos econômicos para tomada de decisão por parte de seus usuários Campo de atuação – em entidades que possuam patrimônio (pessoas físicas ou jurídicas, com ou sem fins lucrativos)

3 Informação Contábil Financeira Útil e de Melhoria Para ser útil, a informação precisa ter características qualitativas de melhoria, como: – Relevância e Materialidade – faz a diferença nas decisões que possam ser tomadas. A omissão ou a divulgação distorcidas ocasionariam decisões diferentes. – Representação Fidedigna – precisa ser a informação completa, neutra e livre de erro, como e demonstrar o fenômeno que se propõe representar. – Comparabilidade e Consistência – permitir ao usuário compreender as similaridades dos itens e as suas diferenças. Por este motivo, os métodos a serem usados devem ser sempre os mesmos para os mesmos itens. Precisa haver uniformidade. – Verificabilidade – permitir que usuários diferentes cheguem as mesmas conclusões sobre os fenômenos econômicos que a informação se propõe a representar. – Tempestividade – permitir que a informação esteja disponível em tempo certo para os tomadores de decisão. – Compreensibilidade – classificar, caracterizar e apresentar a informação com clareza e concisão para a compreensão do tomador de decisão.

4 Usuários da Informação Contábil Sócios (acionistas ou quotistas) Administradores Instituições Financeiras Governo Fornecedores Clientes Investidores Outros (Pessoas físicas ou jurídicas que tenham interesse nos relatórios emitidos pela contabilidade)

5 Técnicas Contábeis Escrituração – de registros em livros contábeis de todos os fatos que afetam para mais ou para menos o patrimônio da entidade. Demonstrações Contábeis – de levantamento de relatórios que informarão a situação patrimonial e econômica da entidade. Auditoria – que verifica a fidelidade das informações contábeis. Análise das Demonstrações Contábeis – que realiza o estudo da situação financeira e econômica da entidade, bem como o seu desempenho operacional de forma comparativa.

6 Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC É uma entidade autônoma, que tem por objetivo o estudo, preparo e emissão de normais técnicas contábeis e divulgação de informações dessa natureza, visando à convergência da Contabilidade brasileira aos padrões internacionais. Os membros do CPC são fornecidos pela ABRASCA (Associação Brasileira das Companhias Abertas); IPIMEC NACIONAL (Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais); BOVESPA (Bolsa de Valores de São Paulo); CFC (Conselho Federal de Contabilidade); FIPECAFI (Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras); IBRACON (Instituto dos Auditores Independentes do Brasil). Produtos fornecidos pelo CPC – Pronunciamentos técnicos (CPCs); Orientações Técnicas (OCPCs) e; Interpretações técnicas (ICPCs). OBS: Embora a Contabilidade seja regida pela Lei 6.404/76 (Lei das Sociedades por Ações), após a convergência aos padrões internacionais, a Lei, no seu Art 177 § 5º, determina que os CPCs devem ter preferência sobre a referida lei nos pontos de divergência.

7 Patrimônio Formado pelo conjunto de bens, direitos e obrigações de propriedade de uma empresa. As obrigações representam as origens de constituição do patrimônio bruto de uma empresa. Representam capitais dos proprietários ou capitais de terceiros. São as dívidas da empresa com seus credores. Nomeia-se PASSIVO. Os bens e direitos revelam as aplicações de recursos originadas dos recursos dos proprietários e de terceiros na empresa. Nomeia-se ATIVO. Igualdade ou Equilíbrio Patrimonial revela que não há aplicação sem origem respectiva.

8 Bens São todas as coisas úteis e que podem ser quantificados monetariamente. Classificam-se em: Materiais e Imateriais. Os imateriais ou intangíveis são: – Incorpóreos (patentes, direitos de exploração de minas, florestas, fundo de comércio) Os materiais ou tangíveis são: – Numerários (caixa, banco, aplicações de liquidez imediata e numerário em trânsito) – De venda (estoque de mercadoria; estoque de matéria-prima, produto em processo e acabado) – De consumo (almoxarifado) – De uso (Imobilizado) – De renda (terrenos, obras de arte, imóveis alugados, participações societárias permanentes) e os imateriais são os incorpóreos.

9 Direitos São bens de propriedade da empresa que se encontram em poder de terceiros. São títulos que indicam ter a empresa o direito de cobrança pelo não recebimento do valor do ativo negociado. Representa os devedores da empresa ou os créditos contra terceiros. – Clientes = Duplicatas a receber = Contas a receber – Adiantamentos a fornecedores – Adiantamentos a empregados – Seguros a vencer ou a apropriar

10 Benefício Econômico Futuro - Ativo CPC 00 (R1) – Itens 4.8 a 4.14 É o seu potencial em contribuir direta ou indiretamente, para o fluxo de caixa ou equivalentes de caixa para a entidade. Muitos ativos têm forma física, mas a mesma não é essencial para a existência de ativo, por não ter essência econômica para constarem no Ativo da empresa. Outros ativos estão associados a direito legais, incluindo o direito de propriedade (embora este não seja essencial) – Arrendamento mercantil será considerado um ativo, caso a entidade controle os benefícios econômicos que são esperados que fluam da propriedade.

11 Passivo/Patrimônio Líquido São recursos de terceiros e dos proprietários aplicados na empresa. Dividem-se em: Obrigações Exigíveis e Obrigações Não Exigíveis. Obrigações exigíveis (Passivos) são capitais de terceiros aplicados na empresa, que possuem data de vencimento para serem pagas. São os débitos com terceiros da empresa. Obrigações não exigíveis (Patrimônio Líquido) são capitais próprios aplicados na empresa e que não têm data para pagamento.

12 Ativo/Passivo/Patrimônio Líquido CPC 00 (R1) – Item 4.4 Ativo – é um recurso controlado pela entidade como resultado de eventos passados e do qual se espera que fluam futuros benefícios para a entidade; Passivo – é uma obrigação presente da entidade, derivada de eventos passados, cuja liquidação se espera que resulte na saída de recursos da entidade capazes de gerar benefícios econômicos; Patrimônio Líquido – é o interesse residual nos Ativos da entidade depois de deduzidos todos os seus passivos.

13 Equilíbrio e Situação Patrimonial Para que se tenha ativos na empresa, necessário se faz que pessoas físicas ou jurídicas invistam recursos na empresa. Logo: B+D = OE+OÑE ou Ativo = Passivo A riqueza líquida (Patrimônio Líquido) da empresa ou de seus proprietários é medida quando se retira do Ativo a parcela pertencente a terceiros (A-OE=PL). Sendo assim, se A > OE.:. PL positivo; se A < OE.:. PL negativo ou; se A = OE.:. PL zero.

14 Origem e Aplicação de Recursos Teoria Personalística das Contas Igualdade Patrimonial ATIVOPASSIVO Banco c/cEmprést. Bancário Dupl. a receber em crédito com a empresa em débito com a empresa PATR. LÍQUIDO Capital Subscrito

15 Exemplo/Exercício Observe o patrimônio da Cia Cartola: Imóveis R$ ; Títulos a pagar R$ ; Caixa R$ ; Tributos a pagar R$ ; Estoque R$ ; Banco conta movimento R$ ; Empréstimo bancário R$ 9.000; Fornecedores R$ 7.000; Adiantamento a fornecedores R$ ; Adiantamento de clientes R$ ; Máquinas R$ ; Salários a pagar R$ 4.000; Duplicatas a receber R$ ; Móveis e Utensílios R$ Com base nos dados anteriores, indique os valores do(a)s: a)Bens b)Débitos com Terceiros (Obrigações exigíveis) c)Créditos contra terceiros (Direitos) d)Patrimônio Bruto (Ativo) e)Passivo f)Patrimônio Líquido g)Capital Alheio ou de Terceiros h)Capital Próprio i)Aplicações de Recursos Ainda com base nos saldos das contas e supondo que o capital subscrito era de R$ , quais mudanças ocorreriam nos valores encontrados acima? Explique.

16 Vamos analisar o contexto de origem e aplicação nas movimentações: A) Sócios subscrevem um capital no valor de R$ e integralizam parte do mesmo com os seguintes bens: Móveis e Utensílios R$ ; Banco conta corrente R$ ; Máquinas R$ ; Bens de revenda R$ ; Imóvel R$ Qual a origem da constituição da empresa? – A origem foi o capital subscrito no valor de R$ Crédito Quais as aplicações de recursos? – Como não se pode ter o total de origem diferente do total de aplicações, o total das aplicações também tem que ser R$ Sendo que R$ aplicados em bens corpóreos (numerário R$ , bens de revenda R$ e bens imobilizados R$ ). O valor restante representa a parcela do capital subscrito mais que falta ser integralizada (capital a integralizar) R$ Débitos

17 Sistema de Registro das Contas Patrimoniais Origens – representadas pelos recursos de terceiros ou dos proprietários – São as contas que se encontram em crédito com a empresa, revelam a personalidade credora das contas. Aplicações – representadas pelos investimentos originados por capitais próprios ou de terceiros – São contas que se encontram em débito com a empresa, revelam a personalidade devedora das contas. Cabe lembrar que não existe aplicação sem origem respectiva, logo não há débito, sem o seu devido crédito – Método das Partidas Dobradas.

18 Exemplo/Exercício Depósito no valor de R$ mediante integralização de capital feita pelos proprietários. Compra a prazo de mercadorias de fornecedores por R$ Pagamento em cheque de 50% das dívidas com fornecedores. 1)Aplicação - Banco R$ D Origem – Capital Social R$ C 2) A – D – Mercadoria R$ O – C – Fornecedores R$ ) A – D – FornecedoresR$ O – C – BancoR$

19 Sistema de Apuração de Resultado Receitas – (CPC 00 – itens 4.29; 4.30; 4.31; 4.32; 4.47; 4.48) As receitas são variações positivas do patrimônio líquido que não sejam valores injetados pelos sócios ou pela subscrição de novas ações. São ganhos gerados pela sua atividade operacional, através de vendas de mercadorias, produtos ou serviços. Conforme o CPC 30 (R1) – é o ingresso bruto de benefícios econômicos durante o período das atividades ordinárias da entidade que resultam no aumento do Patrimônio Líquido. Receitas podem ser: Propriamente ditas (geradas pela atividade fim da empresa – Receita de Venda, Financeira, Equivalência Patrimonial) e; Ganhos (outras receitas) (surgem não estão vinculadas a atividade fim da empresa e que devem ser registrados pelo valor líquido). Reconhecimento da Receita – no momento em que resultar em aumento nos benefícios econômicos futuros relacionado com aumento de ativo ou com diminuição de passivo, se puder ser mensurado com confiabilidade.

20 Exemplos/Exercícios - Receita Receitas são origens de recursos, logo são contas credoras. A empresa aluga um imóvel de sua propriedade recebendo em Março de 2013 um cheque no valor de R$ (não existiam despesas a serem registradas). Antes desta operação, a empresa possuía um Ativo no valor de R$ , um Passivo Exigível de R$ e o PL de R$ Após o recebimento, a empresa passou a ter: A – D – Banco R$ (+) Ativo O – C – Receita de Aluguel R$ (+) PL

21 Sistema de Apuração do Resultado Despesas (CPC 00 – itens 70; 4.49; 4.50; 4.51, 4.52, 4.53) Despesas (CPC 00 – item 70) são decréscimos nos benefícios econômicos durante o período contábil sob a forma de saída de recursos ou redução de ativos ou incremento em passivos, que resultem em decréscimos do patrimônio líquido e que não sejam provenientes de distribuição aos proprietários da entidade. Despesas são gastos necessários para manter a atividade operacional da empresa que geram variações negativas no PL. Reconhecimento das Despesas – corresponde com o reconhecimento do aumento nos passivos, diminuição dos ativos ou ao reconhecimento simultâneo de uma receita. As despesas podem ser classificadas em: custo das vendas despesas com vendas (comissões, publicidade, embalagens, viagens, eventos); administrativas e gerais (folha de pagamento, alugueis, luz, telefone, almoxarifado, depreciação, seguros); financeiras (juros pagos, descontos condicionais concedidos, despesas bancárias); outras despesas (perda na venda de imobilizados, investimentos, multas, perdas nos estoques).

22 Exemplo/Exercício Despesas são aplicações de recursos, logo são contas devedoras. A empresa paga os salários do mês no valor de R$ , com emissão de cheque. Aplicação – D – Despesa de Salário (-) PL Origem – C – Banco (-) Ativo

23 Receitas e Despesas Operações em Continuidade e em Descontinuidade É importante esta classificação uma vez que torna a informação mais fidedigna. Suponha que uma empresa tenha 3 máquinas vinculadas à produção de 3 produtos diferentes e que por decisão da direção um dos produtos não será mais produzido, fazendo com que uma das máquinas não gere mais benefícios econômicos a partir de então. Tal máquina precisa ser levada à venda e se a mesma for feita com ganho ou com perda, o valor deverá ser registrado em outras receitas ou despesas em operações de descontinuidade, da mesma forma como os produtos gerados por ela que forem vendidos deverão ter o registro da receita de venda e do custo de venda como operações em descontinuidade. Com relação as outras duas máquinas não desativadas, as receitas e despesas vinculadas a elas serão operações em continuidade.

24 Sistemas de Registro Patrimonial Ativo – Bens e Direitos Passivo – Obrigações Exigíveis Patrimônio Líquido Resultado Receitas Despesas A confrontação entre o total de receitas menos o total de despesas revela o resultado líquido do período em ánalise = Lucro ou Prejuízo. Lucro aumenta os benefícios econômicos do PL, enquanto o Prejuízo os reduz.

25 Apuração do Resultado do Exercício (ARE) Revela o lucro ou o prejuízo líquido do período em análise. Todas as contas de receita e despesa deverão ter seus saldos zerados com a finalidade de apurar o resultado líquido. As contas de despesas terão seus saldos creditados e debitados na conta de ARE, enquanto as contas de receitas terão seus saldos debitados e creditados na conta de ARE. O resultado encontrado deverá ser transferido para a conta de lucros ou prejuízos acumulados, tornando a conta de ARE zerada.

26 Balanço Patrimonial e Demonstração do Resultado do Exercício Lei 6.404/76, CPC 16 (R1),26 (R1), 30 (R1) Balanço Patrimonial Ativo Circulante Não Circulante Realizável a Longo Prazo Investimento Imobilizado Intangível Passivo Circulante Não Circulante Patrimônio Líquido Demonstração do Resultado do Exercício Receita de Venda (-)Custo das Vendas Resultado Bruto (-)Despesas Comerciais (-)Despesas Administrativas e Gerais Outras Receitas (-)Outras Despesas Receitas financeiras (-)Despesas financeiras Resultado antes do IR e CSL (-)Despesas com IR e CSL (-)Participações estatutárias Resultado Líquido


Carregar ppt "Contabilidade Financeira 1º Período UCAM – Centro – FCPERJ Professora Mônica Brandão."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google