A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

INFORMAÇÃO EM SAÚDE. Dado: um valor quantitativo ou qualitativo obtido para caracterizar um fato ou circunstância. a matéria-prima para a produção da.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "INFORMAÇÃO EM SAÚDE. Dado: um valor quantitativo ou qualitativo obtido para caracterizar um fato ou circunstância. a matéria-prima para a produção da."— Transcrição da apresentação:

1 INFORMAÇÃO EM SAÚDE

2 Dado: um valor quantitativo ou qualitativo obtido para caracterizar um fato ou circunstância. a matéria-prima para a produção da informação. Informação: descrição de uma situação real associada a um referencial explicativo sistemático

3 Define-se informação como o significado que o homem atribui a um determinado dado, por meio de convenções e representações. Informação

4 Suporte básico para toda atividade humana. O nosso cotidiano é um processo contínuo de transformação do dado.

5 Sistema de Informação Um Sistema de Informação pode ser definido como um conjunto de procedimentos organizados que, quando executados, provêem informação de suporte à organização.

6 Sistema de Informação em Saúde Um conjunto de componentes (Estruturas administrativas e Unidades de produção) que atuam integrada e articuladamente e que têm como propósito obter e selecionar dados e transformá-los em informação (Moraes, 1994).

7 Usos: Respaldar a operação diária e a gestão da atenção à saúde, apoiando a produção e utilização de serviços de saúde; Subsidiar o processo decisório nos diversos níveis de decisão e ação; Informação em Saúde

8 Usos: Apoiar as atividades de pesquisa e produção de conhecimento Manter atualizado o conhecimento sobre os padrões e tendências de morbidade e mortalidade (monitoramento) Informação em Saúde

9 Usos: Estabelecer o nível de suscetibilidade e de risco de grupos populacionais em áreas definidas (incidência, letalidade, mortalidade); Contribuir para monitorar e avaliar as intervenções e seus resultados e impactos; Informação em Saúde

10 Usos: Verificação do alcance de metas estabelecidas no tempo; Planejamento, organização e avaliação de ações e serviços; Retroalimentação do sistema. Informação em Saúde

11 Em resumo: Ampliar o conhecimento sobre a situação de saúde para a análise da situação, formulação e avaliação das políticas em saúde.

12 Informação em Saúde São classificadas de acordo com a sua aplicação: Informações de caráter clínico da atenção individual (nascimentos, óbitos, doenças, atendimento hospitalar e ambulatorial, exames laboratoriais, etc.)

13 Informação em Saúde Informações epidemiológicas, que revelam perfis e tendência nas condições de saúde (morbidade, mortalidade, fatores de risco, grupos de risco, índices vetoriais, cobertura vacinal, etc.)

14 Informação em Saúde Informações que definem condições gerais de vida (informações demográficas, condições socioeconômicas, prole, escolaridade, renda, habitação, saneamento, etc.)

15 Informação em Saúde Informações de natureza administrativa relacionadas a recursos humanos e infra- estrutura (profissionais da área da saúde, leitos hospitalares, oferta de serviços, consultas, equipamentos disponíveis, estoque de medicamentos, normas, rotinas, etc.)

16 Informação em Saúde Utilização - Indicadores Padronização: dados sistematizados Cobertura: abrangência Representatividade: congrega o todo Regularidade: manutenção

17 Informação em Saúde Utilização - Indicadores Oportunidade: resposta adequada em tempo ideal Fidedignidade: representar a realidade Consistência: importante no processo decisório

18 Sistema de Informação Um Sistema de Informação pode ser definido como um conjunto de procedimentos organizados que, quando executados, provêem informação de suporte à organização.

19 Sistema de Informação em Saúde Um conjunto de componentes (Estruturas administrativas e Unidades de produção) que atuam integrada e articuladamente e que têm como propósito obter e selecionar dados e transformá-los em informação (Moraes, 1994).

20 Informatização das informações em saúde A informática, com o tratamento racional da informação, configura-se como instrumento capaz de responder às diferentes complexidades dos sistemas de informação e representa o suporte da administração, permitindo agilizar os fluxos de informações e seu acesso pelas diversas áreas de interesse.

21 POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE

22 Os Sistemas de Informação em Saúde no SUS Lei 8.080/90, Art 7º Capítulo IV - atribuições e competências do SUS:...organização e coordenação do Sistema de Informação em Saúde...

23 Deliberações da 12ª Conferência Nacional de Saúde: O Conselho Nacional de Saúde em conjunto com o Ministério da Saúde deverá desenvolver estratégias para:

24 Deliberações da 12ª Conferência Nacional de Saúde: Elaborar e implementar políticas articuladas de informação, comunicação e educação permanente e popular nas três esferas de governo;

25 Deliberações da 12ª Conferência Nacional de Saúde: Reforçar a democratização da informação e da comunicação; Viabilizar a rede de informação em saúde;

26 Deliberações da 12ª Conferência Nacional de Saúde: Garantir a compatibilização, interface e modernização dos sistemas de informação do SUS, bem como o aperfeiçoamento da integração e articulação com outros sistemas de interesse para a saúde;

27 Deliberações da 12ª Conferência Nacional de Saúde: Assegurar recursos orçamentários para implantação da Rede Pública Nacional de Comunicação;

28 Deliberações da 12ª Conferência Nacional de Saúde: Definir recursos, fontes de financiamento, prazos, cronogramas e critérios para implantação do Cartão Nacional de Saúde em todo o país;

29 Os Sistemas de Informação em Saúde no SUS Objetivo dos SIS no SUS: Possibilitar a análise de situação de saúde no nível local tendo como referencial microrregiões homogêneas e que, necessariamente, leve em consideração as condições de vida da população e o processo saúde-doença.

30 PNIIS: Algumas Diretrizes Fortalecer a área de informação e informática nas três esferas de governo Integração dos SIS Manutenção de quadro permanente de profissionais de informação e informática em saúde

31 PNIIS: Algumas Diretrizes Investir na formação e capacitação permanente de recursos humanos na área de informação e informática em saúde Dotar a saúde de instrumentos que assegurem a confidencialidade, a privacidade e a disponibilidade dos dados

32 RNIS – Rede Nacional de Informações em Saúde

33 Rede integrada, na INTERNET, para prover acesso e intercâmbio de informações em Saúde para gestão, planejamento e pesquisa para gestores, agentes e usuários do SUS, atingindo todos os municípios do país. RNIS – Rede Nacional de Informações em Saúde

34 Um projeto do Ministério da Saúde em parceria com os estados Financiamento do Banco Mundial RNIS – Rede Nacional de Informações em Saúde

35 Objetivos: Conectar profissionais e gestores de saúde na Infra-estrutura Nacional de Informações. Tornar acessíveis eletronicamente as informações de saúde. Garantir intercâmbio de informações RNIS – Rede Nacional de Informações em Saúde

36 Objetivos: Disponibilizar as bases de dados de interesse da Saúde. Estabelecer infra-estrutura de comunicações e informática Aumentar o Controle Social sobre as ações de saúde no SUS. RNIS – Rede Nacional de Informações em Saúde

37 Estratégia: Apoio a projetos dos estados para o desenvolvimento de uma rede de provedores de acesso à INTERNET-BR. Apoio ao planejamento, treinamento, assistência técnica e outras formas de suporte aos estados. RNIS – Rede Nacional de Informações em Saúde

38 Estratégia: Reforço à parceria em informação em saúde entre os níveis local, municipal, estadual e federal. Suporte à expansão de uma rede de assistência para democratizar a informação em saúde. RNIS - Rede Nacional de Informações em Saúde

39 RIPSA – REDE INTERAGENCIAL DE INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE

40 RIPSA - Rede Interagencial de Informações para a Saúde Principais objetivos: Articular as entidades representativas dos segmentos técnicos e científicos nacionais envolvidos na produção e análise de dados

41 RIPSA - Rede Interagencial de Informações para a Saúde Principais objetivos: Promover a disponibilidade adequada e oportuna de dados básicos, indicadores e análises sobre as condições de saúde e suas tendências no País

42 RIPSA - Rede Interagencial de Informações para a Saúde Alguns produtos: Indicadores e dados básicos; Padronização de atributos comuns aos sistemas e bases de dados do MS; Padronização de registros clínicos Sala de situação em saúde.

43 RIPSA - Rede Interagencial de Informações para a Saúde Alguns produtos: Indicadores e dados básicos; Padronização de atributos comuns aos sistemas e bases de dados do MS; Padronização de registros clínicos Sala de situação em saúde.

44 Cartão Nacional de Saúde

45 Instrumento que possibilita a vinculação dos procedimentos executados no Sistema Único de Saúde, ao usuário, ao profissional que os realizou e também à unidade de saúde onde foram realizados.

46 Cartão Nacional de Saúde Elemento integrador do Sistema Nacional de Informações em Saúde; Projeto de longo prazo, envolvendo vários anos para sua completa implantação.

47 Cartão Nacional de Saúde Objetivos: Construção de uma base de dados de histórico clínico; Imediata identificação do usuário, com agilização no atendimento; Ampliação e melhoria de acesso da população a medicamentos; Revisão do processo de compra de medicamentos;

48 Cartão Nacional de Saúde Objetivos: Acompanhamento dos fluxos assistenciais; Revisão dos critérios de financiamento e racionalização dos custos; Acompanhamento, controle, avaliação e auditoria do sistema e serviços de saúde; Gestão e avaliação de recursos humanos.

49 Cartão Nacional de Saúde Arquitetura geral do sistema: N í vel de atendimento: composto pelos Terminais de Atendimento SUS instalados nas unidades de sa ú de ; N í vel municipal: composto pelos servidores municipais respons á veis pelo processamento e armazenamento dos dados de todos os atendimentos realizados no munic í pio;

50 Cartão Nacional de Saúde Arquitetura geral do sistema: N í vel concentrador: composto por servidores conectados à rede on-line em tempo real e respons á veis pelo armazenamento dos dados de atendimentos de todos os munic í pios a ele conectados, para fins de uma maior seguran ç a dos dados e possibilidade de acesso dos n í veis estadual e federal;

51 Cartão Nacional de Saúde Arquitetura geral do sistema: N í vel estadual: composto por servidores conectados à rede permanente e respons á veis pelo armazenamento das informa ç ões totalizadas dos atendimentos realizados no estado ;

52 Cartão Nacional de Saúde Arquitetura geral do sistema: N í vel federal: composto por servidores localizados em Bras í lia e no Rio de Janeiro, conectados à rede permanente e respons á veis pelo armazenamento das informa ç ões totalizadas dos atendimentos realizados no Pa í s.

53 Cartão Nacional de Saúde Operacionalização: Constru ç ão de cadastros de usu á rios, de profissionais de sa ú de e de unidades de sa ú de – N º nacional de identifica ç ão. Infra-estrutura de informa ç ão e telecomunica ç ões, com fun ç ões de captar, armazenar e transmitir as informa ç ões sobre os atendimentos realizados.

54 Cartão Nacional de Saúde Operacionalização: Desenvolvimento de aplicativos espec í ficos para o sistema Cartão Nacional de Sa ú de.

55 Cartão Nacional de Saúde PORTARIA GM/Nº 940, DE 28 DE ABRIL DE 2011 Regulamenta o Sistema Cartão Nacional de Saúde (Sistema Cartão)

56 Cartão Nacional da Saúde Atual Diagnóstico do Projeto Anterior EASMunicípiosEstadosUnião POR QUE NÃO DEU CERTO? Ausência de benefícios perceptíveis pelos Cidadãos e Profissionais de Saúde. Exigência de alta competência de informática em Municípios de pequeno porte. Emissão centralizada do Cartão que não chegaram aos usuários do SUS. Incapacidade de integração com Prontuário Eletrônico XX X

57 Cartão Nacional de Saúde Atual Diagnóstico do Modelo Atual (Iniciado em 2000) Mais de 145 milhões de Cadastros realizados em municípios (90%) - posição de abril de Mesmo considerando os registros duplicados estima-se que 130 milhões de pessoas estejam corretamente identificados. Ausência de controle da distribuição de Cartões. Já investidos em torno de 400 milhões de reais. Distribuição Nacional de Cartões interrompida desde DATASUS continua gerando lotes de Números Provisórios. Ausência de Base Nacional atualizada. Cadastros fragmentados entre Municípios, Estados e União. Aumento de Sistemas Próprios nos Municípios e Estado desintegrados, sem padronização, financiados pelo MS. Utilização do CNS essencialmente para o faturamento.

58 ALINHAMENTO COM O PLANO ESTRATÉGICO – Mais Saúde ADERENTE ÀS ÁREAS DE ATUAÇÃO DO MS Atenção a Saúde Vigilância Gestão Financiamento da Saúde Controle Social Profissionais de Saúde Disseminação de Informação Ensino Pesquisa e Desenvolvimento Complexo Produtivo CONTEMPLAR OS ENVOLVIDOS Cidadãos Profissionais Municípios Estados Governo Federal Saúde Suplementar – ANS Vigilância Sanitária – ANVISA Instituições de Ensino e Pesquisa (Fiocruz, HU) Novo Cartão Nacional de Saúde

59 O Novo CNS será a chave de acesso para O Prontuário Eletrônico do SUS Base Estratégica do Sistema Nacional de Informação em Saúde. Identifica o cidadão-usuário. Vincula indivíduos com suas Famílias. Agiliza e melhora a Regulação. Melhora parâmetros de Financiamento. Melhora todos os sistemas de Controle e Avaliação. Aumenta confiabilidade do Faturamento do SUS. Aumenta a Efetividade do Sistema de Saúde. Gera indicadores mais confiáveis. Agiliza o atendimento. Reforça a Atenção Integral do Indivíduo. Aperfeiçoa o Ressarcimento junto a ANS. Economia de mais de um R$ 1 bilhão /ano (Fonte FGV/Saúde)

60 Novo Cartão Nacional de Saúde Integrando os Estabelecimentos de Saúde (TEIAS)

61 AVALIAÇÃO DO ATUAL MODELO DO CNS ELABORAÇÃO DA VISÃODE FUTURO APROVAÇÃO DA VISÃO PELO MS APROVAÇÃO DA ESTRATÉGIA PARA IMPLEMENTAÇÃO 2 Momento DEFINIÇÃO DOS PADRÕES PARA INTEGRAÇÃO SELEÇÃO DOS TERRITÓRIOS PILOTOS IMPLANTAÇÃO TEIAS – PILOTO DISSEMINAÇÃO TEIAS/CNS BRASIL 4 Momento Monitoramento da Contratação Monitoramento das Execução Monitoramento da Disseminação DISPONIBILIZAÇÃO DO SISTEMA CNSPRONTUÁRIO 3 Momento SISTEMA COMPLETO PARA TEIAS (MAC E AB) Novo Cartão Nacional de Saúde 1 Momento

62

63 1. Emissão do Cartão nos Estabelecimentos de Saúde MODELO PROPOSTO Base Nacional Novo Cartão Nacional de Saúde EAS

64 Prontuário Eletrônico SUS EAS Novo Cartão Nacional de Saúde MODELO PROPOSTO 2. Acesso ao Prontuário Eletrônico nos diversos Estabelecimento de Saúde Base Nacional

65 3. Base Nacional Integrada com os Estabelecimentos de Saúde MODELO PROPOSTO Novo Cartão Nacional de Saúde

66 4. Elemento de Integração entre os Demais Sistemas de Informação Base Nacional Novo Cartão Nacional de Saúde MODELO PROPOSTO

67

68

69

70 Sistema de Informações em Saúde 01 Datacenter para cada 10 mil Estabelecimentos. Tempo de resposta < 10s no acesso ao Prontuário Eletrônico. Segurança e Alta Disponibilidade com espelhamento entre as Bases. Cenário em 2011 Infra-Estrutura Tecnológica Gestão Integrada e Compartilhada

71 SERVIDOR NACIONAL BASE NACIONAL Município 1 Base Município 2Estado 1 DISTRIBUIÇÃO DAS BASES DE DADOS Base Nacional Base de controle

72 OBRIGADA!


Carregar ppt "INFORMAÇÃO EM SAÚDE. Dado: um valor quantitativo ou qualitativo obtido para caracterizar um fato ou circunstância. a matéria-prima para a produção da."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google