A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Nomes: 8A Beatriz Nº:03 Gabriel Rangel Nº:09 Jin Yeop Kim Nº:15 Pedro Sarmento Nº:26.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Nomes: 8A Beatriz Nº:03 Gabriel Rangel Nº:09 Jin Yeop Kim Nº:15 Pedro Sarmento Nº:26."— Transcrição da apresentação:

1 Nomes: 8A Beatriz Nº:03 Gabriel Rangel Nº:09 Jin Yeop Kim Nº:15 Pedro Sarmento Nº:26

2 O que são blocos econômicos Tipos de blocos econômicos Histórico Bandeira Membros Organização Estrutura Funcionamento Objetivo Perspectiva e política Relações econômicas com outros países a 17 Notícia

3 Bloco Econômico da APEC é extremamente importante, pois somado as produções industriais de todos os países membros, chega- se a quase a metade de toda produção mundial. O PIB dos países membros atinge cerca de 17 trilhões de dólares.

4 Podem ser classificados como: Zona de livre comércio União aduaneira Mercado comum União econômica e monetária Zona de preferência tarifária

5 A APEC (Asia-Pacific economic cooperation) foi criada ano de 1989 na Austrália, como um fórum de países membros da ASEAN e seis parceiros econômicos da região do Pacífico, mas no ano de 1994, adquiriu características de um bloco econômico na conferência de Seattle, quando os membros se comprometeram a transformar o Pacífico em uma área de livre comércio.

6 A bandeira da APEC representa a figura do Globo Terrestre com o Oceano Pacífico centralizado ao invés do Oceano Atlântico,, como é tradicionalmente apresentado.

7 Estados Unidos da América Japão China Rússia Peru Formosa (também conhecida como Taiwan) Coréia do Sul Hong Kong(região administrativa especial) Singapura (país sede) Vietnã Malásia Tailândia Indonésia Brunei Filipinas Austrália Nova Zelândia Papua Canadá México Chile Nova Guiné

8 O bloco econômico da APEC é uma organização internacional como se pode ver no slide anterior.

9 A APEC é dividida em quatro grupos ou comitês, cada um responsável por determinada seção. O BMC é responsável pelos orçamentos e administração. O CTI comanda a facilitação e liberalização dos investimentos e do comércio. O EC conduz pesquisas e discussões que dizem respeito à economia. E o ESC auxilia os líderes dos países membros na administração e coordenação das agendas.

10 Depois da realização anual da Reunião Ministerial com a participação de diplomatas e ministros do comércio, ocorre a Reunião de Líderes das Economias para deliberar as principais decisões tomadas pela Reunião Ministerial, bem como definir e estabelecer a direção do desenvolvimento da APEC. Na Reunião Ministerial, os ministros decidem os programas de trabalho ação- orientação e discutem as questões econômicas e comerciais importantes da região. As Reuniões de Alto Nível preparam as recomendações para os Ministros, executando as suas decisões, elaboram as agendas econômicas, bem como supervisionam e coordenam o progresso de trabalho. Por seu turno, a implementação dos programas de trabalho é desenvolvida pelos comitês, grupos de trabalho e grupos de tarefas especiais.

11 O principal objetivo do bloco é reduzir taxas e barreiras alfandegárias da região Pacífico-asiática, desenvolvendo assim a economia da região. Muitos países já têm acordos de redução total ou parcial de tarifas, outros estão em processo de negociação. Em 1995, em Osaka, no Japão, os líderes da APEC adotaram a Agenda de Ação de Osaka, estabelecendo os três pilares das atividades do bloco: a liberação comercial e de investimentos; a facilitação dos negócios; a cooperação econômica e técnica. Medidas estas cuja principal intenção é facilitar o cumprimento dos Bogor Goals. A Apec não forma ainda uma área de livre-comércio, pois os países-membros impõem muitas barreiras à livre circulação. Esse é um objetivo a longo prazo, e se prevê sua instalação até Seu PIB é de US$ 16,5 trilhões.

12 Por ser esse o principal objetivo, em 1994, na reunião de Bogor, os países se comprometeram a estabelecer uma zona de livre comércio até 2010, para os países desenvolvidos, e até 2020 para os países subdesenvolvidos. Política A agenda política é decidida em uma reunião com os líderes.

13 O Brasil foi um dos primeiros países com os quais a UE estabeleceu relações diplomáticas, iniciando esta relação em 1960 com a troca de missões diplomáticas formais. A UE e o Brasil também são parceiros estratégicos desde 2007, quando a UE reconheceu o Brasil como um dos seus principais interlocutores mundiais através da criação formal da parceria Estratégica UE- Brasil. Nos próximos anos, a Parceria Estratégica UE-Brasil deve evoluir em sintonia com um ambiente em constante mudança global e com o papel do Brasil cada vez mais proeminente. A relação atual é regida pelo Acordo-Quadro de Cooperação CE-Brasil (1992), a UE-Mercosul Acordo-Quadro de Cooperação (1995) e o Acordo de Cooperação Científica e Tecnológica (2004). As relações bilaterais são muito sólidas, com crescimento regular de reuniões de diálogo político e consultas às margens de grandes eventos multilaterais. Relações econômicas com outros países

14 Ao eleger o Brasil como parceiro estratégico, a União Européia tem gerado uma maior diversificação e intensificação de seu relacionamento com o país latino-americano. Resultados significativos foram alcançados em muitas áreas técnicas de cooperação através da assinatura de acordos bilaterais específicos, o estabelecimento de novos diálogos setoriais e a intensificação do intercâmbio bilateral. Além das inúmeras atividades específicas, a Parceria Estratégica deve continuar construindo as bases de um forte relacionamento baseado na confiança e compreensão mútua e uma maior capacidade para agir em conjunto. A fixação e atualização de uma agenda comum, seguidas do trabalho com base na reciprocidade total serão elementos importantes para o progresso. Hoje, o Brasil e a UE chegaram a um dos pontos mais altos na história de suas relações políticas, econômicas e comerciais, mas eles ainda não atingiram o seu verdadeiro potencial.

15

16 A agenda da UE-Brasil O lançamento formal da Parceria Estratégica UE-Brasil foi a chave para a UE aprofundar seus laços com o Brasil. Esta importante parceria foi formalizada na primeira Reunião de Cúpula UE- Brasil, que se realizou em Lisboa em julho de A Parceria Estratégica e seu primeiro Plano de Ação plurianual comum ( ) leva a uma relação reforçada entre os dois lados, incluindo a área das relações políticas. Temas centrais da parceria incluem um multilateral ismo efetivo, as alterações climáticas, energia sustentável, a luta contra a pobreza, o processo de integração do MERCOSUL e a estabilidade da América Latina e da prosperidade. Em 2011 um novo plano de ação plurianual comum foi acordado para o período , com o objetivo de reforçar ainda mais e estruturar a cooperação bilateral. Hoje, os diálogos bilaterais de alto nível estão em curso em mais de 20 diferentes áreas de interesse comum. A UE e o Brasil têm as relações de comércio importantes, como o Brasil é o mercado mais importante da UE na América Latina, e o pais chave do Mercosul. A UE, considerada como um bloco, é hoje ainda o principal parceiro de comércio e de investimento para o Brasil, na frente da China e dos Estados Unidos. A Ciência e Tecnologia e a Sociedade de Informação e Mídia são as outras dois áreas importantes onde a cooperação com o Brasil é particularmente importante, com a parceria específica entre a UE e o Brasil nos vários setores e numerosas atividades de projetos conjuntos. Com referência à cooperação técnica e financeira, o Documento de Estratégia Brasil/EU, oferece um quadro estratégico para a cooperação da UE com o Brasil durante o período de Um total de 61milhões foram destinados ao Brasil em áreas focais da cooperação: melhorar as relações bilaterais [através de diálogos setoriais, programas de bolsas e Instituto de Estudos Europeus, e o meio ambiente.

17 Semiconductor irá mostrar seus mais recentes avanços de produtos de energia eficientes a APEC 2013, março de 2013, em Long Beach, Califórnia. Os novos dispositivos são projetados para aumentar o desempenho e simplificar o projeto de fontes de alimentação fora de linha, AC infra-estrutura de iluminação e sistemas de controle de motores. Voltado para alta eficiência, compacto, suprimentos Fonte de alimentação chaveada para adaptadores de energia, o NCP1937is uma quase-ressonante (QR) dispositivo controlador flyback com correção de fator de potência (PFC). Este é o dispositivo AC- DC primeiro utilizando uma arquitetura de núcleo digital híbrido permitindo maior eficiência, maior flexibilidade e mais fácil implementação projeto do sistema. O dispositivo inclui todas as características necessárias para a construção de um sistema robusto e compacto fase PFC em combinação com uma fase flyback QR, minimizando o número de componentes externos. A quase-ressonante flyback fase atual modo possui um circuito de bloqueio vale-proprietário, garantindo comutação vale estável. Tem vasta gama de tensão abrangendo nove volts (V) a 30 V, mais embutido protecção de sobretensão, e uma operação no modo ignorar que permite maior eficiência em condições de carga leves. O NCP1937 será demonstrado em um Notebook

18 challenges-to-be-discussed-at-apec-2013.html challenges-to-be-discussed-at-apec-2013.html mica_da_%C3%81sia_e_do_Pac%C3%ADfico mica_da_%C3%81sia_e_do_Pac%C3%ADfico ECONOMICOS---Mercosul--Uniao-Europeia-Alca-Nafta- Apec/Paacutegina1.html ECONOMICOS---Mercosul--Uniao-Europeia-Alca-Nafta- Apec/Paacutegina1.html &id=97&Itemid=92 &id=97&Itemid=92


Carregar ppt "Nomes: 8A Beatriz Nº:03 Gabriel Rangel Nº:09 Jin Yeop Kim Nº:15 Pedro Sarmento Nº:26."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google