A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Ministério de Ciência e Tecnologia Programa Nacional do Biodiesel Workshop: Co-Produtos do Biodiesel Rio de Janeiro, 30 e 31 de maio de 2005.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Ministério de Ciência e Tecnologia Programa Nacional do Biodiesel Workshop: Co-Produtos do Biodiesel Rio de Janeiro, 30 e 31 de maio de 2005."— Transcrição da apresentação:

1 Ministério de Ciência e Tecnologia Programa Nacional do Biodiesel Workshop: Co-Produtos do Biodiesel Rio de Janeiro, 30 e 31 de maio de 2005

2 Tratamento pela Conversão a baixa Temperatura dos Resíduos e Borras gerados ao longo da Cadeia Produtiva do Biodiesel Raimundo Damasceno - Gilberto Romeiro Ernst Stadlbauer

3 Prof. Ernst Bayer ( )

4 E. Bayer e M. Kutubuddin Alemanha H.W Campbell e T.R. Bridle Canadá T.R. Bridle - Austrália 1996 – R. Damasceno e G. Romeiro e R. N. Damasceno (UFF) - Brasil + E. Bayer e M. Kutubuddin (Univ. de Tübingen) Agências: CNPq (Brasil) e DLR/BMBF (Alemanha) Histórico da LTC

5 Grupos/Subgrupos da LTC no Brasil desde 1996 UFF (Prof. Damasceno e Prof. Gilberto Romeiro): biomassas (lodos de ETEs, resíduos agrícolas, borras e tortas, resíduos industriais orgânicos), borras petroquímicas petrolíferas, pneus) CENPES: borras de refinaria FAENQUIL (Lorena, S.Paulo): biomassas, pneus, lixo urbano) UFSM/RS – Palha e casca de arroz) FISC/IEL: borras e lodos de curtumes

6 Definição A Conversão a baixa Temperatura (LTC, CBT ou NTK) é um processo (químico) térmico ( º C), catalítico, em atmosfera inerte (ausência de oxigênio). Em outras palavras, trata-se de uma pirólise a baixa temperatura

7 O Processo LTC Matéria Orgânica (C,H,N,O,S,Cl...) Matéria Orgânica (rica em C, H) =>O processo da LTC emula em laboratório/escala de tempo industrial o que a natureza leva milhões de ano para formar em escala de tempo geológico (combustíveis fósseis)

8 Vantagens da LTC Custo energético menor em comparação com os demais processos pirolíticos Matérias-primas de baixo ou sem valor comercial Não formação de dioxinas, furanos, COP... Processo imobilizador de carbono (seqüestro de carbono) Imobilização dos metais pesados Fração líquida condensável é um óleo semelhante ao Diesel de petróleo Produto: combustível universal

9 Produtos e Subprodutos da LTC Óleo (bio-óleo) Carvão (qualidade dependente da matéria prima) Água de reação Material não condensável (CO 2, CO, CH 4...)

10 Protocolo de Pesquisa de Biomassas pela LTC Analise Elementar e termogravimétrica Secagem (< 90%, teor de umidade) Conversão a baixa temperatura (bancada) Balanço de massa Determinação das propriedades físicas, químicas e físico-química (reológicas) dos produtos Ativação e caracterização do carvão

11 Propriedades dos Produtos da LTC Óleo (líquido condensável): Faixa de cadeia de carbono: semelhante ao do óleo Diesel Viscosidade = 33,7 (cstks) (reator contínuo) Poder calorífico = 39 MJ/kg Praticamente, ausência de aromáticos Não formação de dioxinas e furanos

12 Propriedades do Óleo da LTC (lodos de ETE) PropriedadesValor % Carbono Elementar70-80 Poder Calorífico, kJ/g38-40 % Aromáticos< 4 % Enxofre (S)< 0,5 % Nitrogênio (N)< 0,8 Estado físico a 25º CLíquido % (v/v) SOx0,0002 % (v/v) NOx0,002 AlcanosC 8 – C 18

13 Composição química das Matérias- Primas X Produtos + Proteínas+ óleo + carboidratos+ carvão + lignina e celulose+ água de reação

14 Exemplo: 1 ton de casca seca produz CacauCoco Óleo81 kg73 kg Carvão ativado100 kg180 kg Adsorção (mg/g)100 (azul de metileno) 150 (azul de metileno) 550 (índice de iodo) 850 (índice de iodo)

15 Comparação do N.º de Iodo de várias Biomassas do Brasil BiomassaN.º de Iodo Lodo ativado95 Lodo digerido80 Lodo de Álcool160 Bagaço de Cana400 Cana1100 Casca de Cacau550 Casca de Coco1150 Norit D10630 Norit D35935

16 Poder calorífico do óleo obtido a partir da aplicação do processo de LTC em biomassas Variadas. Pt = lodo petroquímico/ Be = lodo residual da indústria bebida/ CC = Coco residual verde/ SCr = Serragem cromada Pneu / SM = sabugo de milho.

17 LTC com várias Biomassas Matéria-prima% de òleo% de Carvão% de Ácidos Graxos no Óleo Lupinus mutabilis32,526,435,0 Lupinus albus24,027,629,5 Torta de Azeite de Oliva 15,538,626,0 Semente de Oliveira 17,134,026,5 Torta de colza 44,522,538,3

18 LTC – Borra de Café Solúvel (tese – Eliane Carollo) Fração Composição (%) Fração Líquida Orgânica (bio-óleo) 50 (80% ácidos graxos) Substrato (carvão)29 Voláteis15 Água de Reação6

19 Reator de Bancada - UFF

20 Reator contínuo

21 Reator para produzir carvão ativado - UFF

22 Estágios em Desenvolvimento Tecnológico da LTC no Brasil EscalaLocal BancadaUFF Semi-PilotoUFF/ PLASTIMASSA, CENPES PilotoFAENQUIL (Londrina0

23 Os novos passos da LTC Lodos de ETEs: avaliação da economicidade do processo; sistema de secagem por luz solar direta (estufas), implantação de uma planta industrial demonstrativa na Alemanha e no Brasil Integração com o Programa Brasileiro do Biodiesel (Ex.: degradação da ricina e ricinina durante o processo de conversão a baixa temperatura) P&D para resíduos industriais Integração: lodo e lixo

24 Integração da LTC com Biodiesel: completa sinergia Produção Anual de Biomassa (2002) - ton Mundial120 x 10 9 Brasileira (só resíduos de milho, soja, arroz e trigo) 108,4 x 10 6 Programa do Biodiesel (2%) 4x 10 6 (considerando 50% de umidade e que a semente corresponde a 0,1%)

25 Estimativa da Produção Anual (ton) de Bio-Óleo e Carvão dos Resíduos do Programa do Biodiesel (LTC) Óleo2 x 10 5 ( 5%) Carvão2,4 x 10 6 (60%)

26 Vantagens da Integração LTC - Biodiesel Agregação de valor aos resíduos Solução ambiental e econômica Logística ideal: não envolve custos de transporte Aproveitamento da mesma estrutura operacional Fomento ao empreendedorismo e à geração de renda e de emprego Créditos de carbono e MDL

27 Um Conceito: Polos Integrados de Biodiesel Unidade Integradora: fornecimento de energia elétrica e matéria prima Unidade 1: Obtenção do Óleo Unidade 2: Proução do biodiesel e glicerina Unidade 3: Especialidades Química e Refino

28 Metas do Projeto LTC-Biodiesel Estudo sistemático dos resíduos das espécies que serão utilizadas ao longo da cadeia produtiva do biodiesel: restos agrícolas, resíduos, tortas e borras Caracterização dos produtos: bio-óleo e carvão Ativação do carvão e sua caracterização Upgrade do óleo e carvão: refino, extração de sub-produtos... Compatibilização das propriedades de óleo combustível

29 Instituições a serem envolvidas Universidade Federal Fluminense Universidade de Ciências Aplicadas de Giessen Universidade do Norte Fluminense TECBIO PESAGRO/RJ FAENQUIL (Lorena)? APOIO: SECTI/FAPERJ, MCT (Programa do Biodiesel), CNPq, Fundos Setorias...)

30 Referência Prof. Raimundo Damasceno Universidade Federal Fluminense Instituto de Química

31 OBRIGADO


Carregar ppt "Ministério de Ciência e Tecnologia Programa Nacional do Biodiesel Workshop: Co-Produtos do Biodiesel Rio de Janeiro, 30 e 31 de maio de 2005."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google