A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Gerenciamento do Risco em Empresas Prof. Fernando Pires ANÁLISE DE RISCOS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Gerenciamento do Risco em Empresas Prof. Fernando Pires ANÁLISE DE RISCOS."— Transcrição da apresentação:

1 Gerenciamento do Risco em Empresas Prof. Fernando Pires ANÁLISE DE RISCOS

2 Na Aula Passada... NA AULA PASSADA... Representação do Risco Psique comum Funções associadas à representação Função do Saber Função Identitária Função de Orientação Função de Justificação Percepção X Representação Aumento da Representação Conhecimento pós-crise Fatalidade Cultura do Risco Relativização Expressões do Risco Mapas de Risco Instrumentos de Gerenciamento

3 Gestão Empresarial do Risco Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas Quais as maiores dificuldades em gerenciar o risco?

4 Gestão Empresarial do Risco Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas Dificuldades no Gerenciamento de Risco Processo de gerenciamento limitado Avaliações exclusivamente técnicas Falta de visão sistêmica Incertezas Restrições orçamentárias

5 Gestão Empresarial do Risco Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas Dificuldades no Gerenciamento de Risco Conhecimento Avançado Incertezas Especulação cognitiva

6 Gestão Empresarial do Risco Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas O que seria Cognição? Dificuldades no Gerenciamento de Risco Cognitione Aquisição de um conhecimento através da percepção Conjunto dos processos mentais usados no pensamento e na percepção, na classificação, reconhecimento e compreensão para o julgamento através do raciocínio para o aprendizado de determinados sistemas e soluções de problemas.

7 Gerenciamento de Risco em Empresas Meios estratégicos disponíveis pela empresa para controlar com racionalidade os riscos mais importantes que possam produzir efeitos negativos à sobrevivência da própria empresa. Plano de emergência Prevenção e controle de perdas Métodos de Gerenciamento de Riscos Industriais Identificação de Risco Análise de Risco Avaliação de Riscos Tratamento/Controle de Riscos Gestão Empresarial do Risco Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas

8 Gerenciamento de Risco em Empresas IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS: Através de check-list (questionários, roteiros, etc) podemos identificar os principais riscos da empresa. ANÁLISE DE RISCO: Através da coleta de informações dos riscos existentes na empresa, podemos analisar, identificar erros e condições inseguras que contribuem para os acidentes. Gestão Empresarial do Risco Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas

9 Gerenciamento de Risco em Empresas AVALIAÇÃO DE RISCOS: Através da análise de Risco e da coleta de informações, podemos criar uma amostra para avaliar a frequência da ocorrência dos acidentes. CONTROLE DE RISCOS: A função do controle de Riscos é prevenir o acidente, isto é, quaisquer acidentes, que resultem em danos pessoais ou materiais, independente da gravidade, deverão ser comunicado aos responsáveis. Gestão Empresarial do Risco Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas

10 Gerenciamento de Risco em Empresas Identificação Análise O que Como Quando PlanejarAvaliar Tratar e minimizar o risco Monitorar e relatar PGR plan–do–check–act plan–do–check–adjust Gestão Empresarial do Risco Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas

11 Gerenciamento de Risco em Empresas S trenghts W eaknesses O pportunities T hreats Gestão Empresarial do Risco Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas

12 Gerenciamento de Risco em Empresas S trenghts W eaknesses O pportunities T hreats Gestão Empresarial do Risco Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas

13 Se há um PGR, como ainda acontecem acidentes? Gestão Empresarial do Risco Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas

14 Caminhos do Risco em Empresas Gestão Empresarial do Risco Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas

15 Caminhos do Risco em Empresas Gestão Empresarial do Risco Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas

16 Gerenciamento de Risco nas Diversas Subcategorias SubcategoriaDescriçãoExemplos de Fontes de Risco OrganizaçãoRiscos relacionados ao suporte da organização executora em relação ao projeto. Falta de comprometimento da organização em relação ao projeto; Baixa prioridade do projeto para a organização; OrçamentoRiscos relativos à estabilidade e precisão das estimativas de orçamento (custo e faturamento) em relação à eventos internos e externos, bem como à capacidade do projeto em realizar o orçamento planejado. Insuficiência de orçamento para a conclusão do projeto; Restrições de orçamento; Imprecisão das estimativas de custo ; Gestão Empresarial do Risco Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas

17 SubcategoriaDescriçãoExemplos de Fontes de Risco PrazoRiscos relativos à estabilidade e precisão das estimativas de prazo em relação à eventos internos e externos, bem como a capacidade do projeto em realizar o cronograma planejado. Prazo insuficiente para conclusão das atividades ; Imprecisão das estimativas de prazo; Restrições de prazo; Atividades não planejadas Gerenciamento de Risco nas Diversas Subcategorias Gestão Empresarial do Risco Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas

18 SubcategoriaDescriçãoExemplos de Fontes de Risco Recursos Humanos Riscos relacionados à: Adequação dos recursos humanos alocados ao projeto em termo de número, habilidades e experiência nas características do projeto. Disponibilidade dos recursos quando requeridos para o projeto Comprometimento e espírito de equipe Motivação da equipe Conflitos na equipe Cultura e idiomas diferentes entre os envolvidos Equipe não possui as habilidades e experiência adequada; Equipe nunca trabalhou junta anteriormente; Descrédito da equipe quanto ao sucesso do projeto; Alta rotatividade da equipe; Conflitos interpessoais; Desconhecimento da equipe; dos objetivos do projeto; Ineficiência da comunicação interna do projeto; Distanciamento do Gerente de Projetos no trato da equipe; Gerenciamento de Risco nas Diversas Subcategorias Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas Gestão Empresarial do Risco

19 SubcategoriaDescriçãoExemplos de Fontes de Risco ProcessoRiscos relacionados à má qualidade do planejamento, da definição e da documentação do processo de desenvolvimento de software ou ao não atendimento deste às características, necessidades e objetivos do projeto. Problemas de coordenação entre diferentes modelos de ciclo de vida sendo utilizados no projeto ; Inadequação do processo estabelecido às características do projeto; Influência do Cliente na definição do processo e produtos do projeto; Incapacidade da equipe em realizar o processo estabelecido; Gerenciamento de Risco nas Diversas Subcategorias Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas Gestão Empresarial do Risco

20 SubcategoriaDescriçãoExemplos de Fontes de Risco AmbienteRiscos relativos à disponibilidade e adequação da infra-estrutura para o desenvolvimento do projeto, incluindo: hardware, ferramentas de software e espaço físico. Quantidade insuficiente de estações de trabalho para a quipe do projeto; Quantidade insuficiente de licenças de software essenciais ao desenvolvimento do projeto; Inadequação das ferramentas de software disponibilizadas para a realização das atividades do projeto; Falta de espaço físico para a equipe Gerenciamento de Risco nas Diversas Subcategorias Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas Gestão Empresarial do Risco

21 Gerenciando Risco Externos à Empresas O que fazer quando o risco vem de fora? Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas Gestão Empresarial do Risco

22 Gerenciando Risco Externos à Empresas Organizações dependem de fornecedores que prestam serviços atrelados à entrega do produto final, como processos terceirizados, fornecedores de matéria-prima, insumos, etc. Falhas nos recursos causam um grande transtorno às empresas, a falha no serviço de um fornecedor pode ser tão desastrosa quanto, ou até mais nefasta levando à paralisação dos negócios. Fornecedor é parte fundamental do negócio do cliente. Se ele não estiver alinhado à estratégia de Continuidade de Negócio do cliente, como a disponibilidade do serviço poderá ser garantida? Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas Gestão Empresarial do Risco

23 Gerenciando Risco Externos à Empresas Imprescindível fazer uma análise do fornecedor, com ênfase na Gestão Continuidade de Negócios. Uma organização poderá compreender o quanto o fornecedor está preparado para incidentes inesperados e qual é realmente a garantia de nível de serviço oferecida. Inicialmente, pode parecer gasto em dobro, mas na verdade é uma estratégia para diminuir custos de inoperância, muitas vezes não dimensionados. A Gestão de Continuidade de Negócios é uma necessidade de sobrevivência no mercado. Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas Gestão Empresarial do Risco

24 Gerenciando Risco Externos à Empresas Estudo de Caso 1. Um incêndio afetou o fornecedor e a produção ficou paralisada, pois esse fornecedor é o principal. Exemplo: Um grande incêndio surgiu por volta do meio-dia de segunda-feira, 8 de setembro de 2003, na fábrica de pneus Tochigi de propriedade da Bridgestone, na cidade de Kuroiso, região de Tochigi, norte de Tóquio, distante 150 km. Balanço do incêndio. O fogo destruiu quase m2 de instalações e queimou entre a pneus armazenados na parte externa, no lado norte do edifício de três pavimentos. Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas Gestão Empresarial do Risco

25 Gerenciando Risco Externos à Empresas Estudo de Caso 2. Uma fábrica que pegou fogo será indenizada se tiver uma apólice de seguro. De acordo com a gravidade do sinistro ela pode demorar um ano para retornar atividade normal de produção, o seguro não garantirá a manutenção de seus clientes ou a recuperação de sua participação de mercado. Exemplo:Em 21 de março de 2009, incêndio na fabrica da Perdigão em Rio Verde. Paralisação no abate de aves. Mais de 400 granjeiros da região fornecem aves e suínos para a Perdigão. Em muitas fazendas os animais já estavam no ponto de abate. A empresa teve gastos maiores com armazenagem e distribuição, transferência de produtos a partir da unidade de Rio Verde, em função do incêndio. Estimativa de prejuízo não divulgado. Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas Gestão Empresarial do Risco

26 S trenghts W eaknesses O pportunities T hreats Gestão Empresarial do Risco Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas Gerenciando Risco Externos à Empresas

27 Quais os principais fatores no gerenciamento do risco? Gestão Empresarial do Risco Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas

28 Fatores de Gerenciamento do Risco Probabilidade de ocorrência do risco; Impacto do risco; Perda esperada do risco; Situação do risco; Estratégia de resposta; Planejamento de Resposta; Gestão Empresarial do Risco Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas

29 Probabilidade de Ocorrência do Risco Probabilidade de o risco ocorrer expressa da seguinte forma: Alta: Riscos evidentes ao projeto, cuja ocorrência é esperada à curto prazo ou que possuam probabilidade de ocorrência maior ou igual à 50% em algum momento durante o projeto. Média: Riscos identificados, para os quais é esperado a ocorrência em algum momento do projeto ou cuja probabilidade é igual ou maior que 15% e menor que 50% ou desconhecida. Baixa: Riscos identificados, porém cuja ocorrência não é esperada durante o projeto ou que possuam probabilidade menor que 15%. Gestão Empresarial do Risco Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas

30 Impacto do Risco Os desvios de tempo ou custo do que foi planejado se o risco ocorrer, expresso qualitativamente. Alto: Risco cujo impacto no tempo ou custo seja igual ou maior que 10% do tempo total do projeto respectivamente. Médio: Risco cujo impacto no tempo ou custo seja igual ou maior que 5% e menor que 10% do tempo total do projeto respectivamente. Baixo: Risco cujo impacto no tempo ou custo seja menor que 5% do tempo total do projeto respectivamente. Gestão Empresarial do Risco Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas

31 Perda Esperada do Risco Perda esperada do risco para o projeto sendo esta a relação entre a probabilidade de ocorrência e o impacto do risco Perda Esperada Alta: Riscos de alta prioridade, para os quais devem ser elaborados planos de mitigação e contingência ao risco. Perda Esperada Média: Riscos de prioridade moderada, para os quais devem ser elaborados, pelo menos, planos de contingência ao risco. Perda Esperada Baixa: Riscos de baixa prioridade, para os quais não são necessários planos de resposta ao risco. Gestão Empresarial do Risco Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas

32 Perda Esperada do Risco Gatilhos do Risco: Métricas e limites relacionados a um risco que indicam a ocorrência ou a iminência de ocorrência do risco, por exemplo: taxa de defeitos nos resultados de testes e revisões técnicas, indicador de retrabalho do projeto, indicador de entregas de produtos, indicador de prazo e custo de projeto, etc. Gestão Empresarial do Risco Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas

33 Situação do Risco Situação atual do risco no projeto: Ativo: Risco identificado e monitorado, porém sem nenhuma resposta sendo implementada. Em mitigação: Risco para o qual está sendo executada uma estratégia de mitigação. Ocorrido: Risco ocorrido no projeto para o qual está sendo aplicada a estratégia de resposta adequada, normalmente a execução de um plano de contingência. Inativo: Risco eliminado naturalmente no decorrer do tempo, por uma ação de resposta ao risco ou por este já ter ocorrido e ser impossível nova ocorrência. Gestão Empresarial do Risco Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas

34 Estratégia de Resposta ao Risco Identificação da estratégia para tratamento e resposta do risco, segundo as possibilidades abaixo, ordenadas decrescentemente quanto à eficácia e custo: Eliminação: Alteração de escopo e/ou dos planos do projeto a fim de eliminar a causa do risco, reduzindo a zero a probabilidade de ocorrência deste. Transferência: Passar a responsabilidade e impactos do risco para uma terceira parte, geralmente na forma de subcontratação. Um risco transferido não é eliminado, este ainda poderá se materializar e por isso deve ser monitorado. Gestão Empresarial do Risco Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas

35 Estratégia de Resposta ao Risco Mitigação: Ações antecipadas para a redução da probabilidade de ocorrência e/ou impacto do risco para uma tolerância aceitável. O custo das ações de mitigação do risco deve ser inferior ao impacto deste para o projeto. Aceitação: Decisão de não realizar nenhuma ação preventiva (plano de mitigação) em resposta ao risco, em razão da incapacidade da equipe do projeto em tratar o risco. Aceitação ativa: Riscos para os quais são planejadas ações de contingência. Aceitação passiva: Riscos para os quais não é necessário definir ações de contingência. Nestes casos, quando o risco ocorrer será avaliada a resposta viável (workaround). Gestão Empresarial do Risco Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas

36 Planejamento de Resposta ao Risco Para todos os riscos identificados no projeto, o Gerente de Projetos define a estratégia de resposta, seguindo os critérios: Riscos de perda esperada baixa não demandam o planejamento de respostas, sendo assim são classificados como estratégia de aceitação passiva; Riscos de perda esperada média demandam, pelo menos, o planejamento de ações de contingência, portanto são classificados como estratégia de aceitação ativa; Riscos de perda esperada alta, devido a sua prioridade, demandam de, pelo menos, ações de mitigação e contingência, portanto são classificados como estratégia de mitigação, transferência ou eliminação; Gestão Empresarial do Risco Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas

37 Planejamento de Resposta ao Risco Para todos os riscos identificados no projeto, o Gerente de Projetos define a estratégia de resposta, seguindo os critérios: Gestão Empresarial do Risco Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas

38 Organização e Responsabilidades Gestão Empresarial do Risco Aula 4 – Risco: Gestão nas Empresas

39 O QUE VEREMOS DAQUI PRA FRENTE ANÁLISE DE RISCO COMO CRITÉRIO A GESTÃO DO TERRITÓRIO - UM ESTUDO DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE ALENQUER - PA

40 DISCUSSÃO Elaboração de Metodologias para a Analise de Risco Ambiental


Carregar ppt "Gerenciamento do Risco em Empresas Prof. Fernando Pires ANÁLISE DE RISCOS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google