A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Julce Mary Cornelsen Gestão de Arquivos: Mudar é preciso? Gestão de Arquivos: Mudar é preciso?

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Julce Mary Cornelsen Gestão de Arquivos: Mudar é preciso? Gestão de Arquivos: Mudar é preciso?"— Transcrição da apresentação:

1 Julce Mary Cornelsen Gestão de Arquivos: Mudar é preciso? Gestão de Arquivos: Mudar é preciso?

2 Julce Mary Cornelsen Informação Não é algo novo É inerente ao ser humano – condicionante da sobrevivência do homem Caráter social A informação nos rodeia, influencia nossas decisões, comportamentos, nossa forma de vida. Objeto de comunicação Não é algo novo É inerente ao ser humano – condicionante da sobrevivência do homem Caráter social A informação nos rodeia, influencia nossas decisões, comportamentos, nossa forma de vida. Objeto de comunicação

3 Julce Mary Cornelsen Arquivo Arquivo – polissêmica Conjunto de informações registradas, produzidas e recebidas, em qualquer suporte, de natureza orgânica, a que se possa atribuir, também, a natureza arquivística. Acervos documentais com conteúdos informacionais que registram as atividades de organizações ou de pessoas. Arquivo – polissêmica Conjunto de informações registradas, produzidas e recebidas, em qualquer suporte, de natureza orgânica, a que se possa atribuir, também, a natureza arquivística. Acervos documentais com conteúdos informacionais que registram as atividades de organizações ou de pessoas.

4 Julce Mary Cornelsen Gestão da Informação Ampla e relativamente recente, criada numa época que a informação é considerada a medida de todas as coisas Informação ( fragmento) dificilmente pode dar lugar à idéia mais completa de conhecimento geral ou especializado Ampla e relativamente recente, criada numa época que a informação é considerada a medida de todas as coisas Informação ( fragmento) dificilmente pode dar lugar à idéia mais completa de conhecimento geral ou especializado

5 Julce Mary Cornelsen Gestão da Informação/Arquivos 1996 – reconhecimento do "rápido desenvolvimento do campo da gestão da informação", do qual a gestão de documentos e administração de arquivos são partes integradas e integrantes.

6 Julce Mary Cornelsen Gestão da Informação Século XX – Brasil – tentativas de reorganizar o estado. As reformas nunca conseguem remover a reforma anterior O novo, ou o que se pensa como novo, traz no seu bojo as marcas do passado (LOPES,2004) Os arquivos permanecem na zona de limbo da administração pública, secundários no seu papel e no seu tratamento. Século XX – Brasil – tentativas de reorganizar o estado. As reformas nunca conseguem remover a reforma anterior O novo, ou o que se pensa como novo, traz no seu bojo as marcas do passado (LOPES,2004) Os arquivos permanecem na zona de limbo da administração pública, secundários no seu papel e no seu tratamento.

7 Julce Mary Cornelsen Gestão Informação/Documentos Fala-se mais de gestão do que se a pratica de fato (LOPES, 1998) Schellemberg(1956; 1974);Couture e Rosseau (1994) Gestão de documentos americana, canadense e inglesa, final da década de 60 - ciências administrativas e da informação Nova profissão: gestor/administrador de documentos; Valor secundário versus valor primário Fala-se mais de gestão do que se a pratica de fato (LOPES, 1998) Schellemberg(1956; 1974);Couture e Rosseau (1994) Gestão de documentos americana, canadense e inglesa, final da década de 60 - ciências administrativas e da informação Nova profissão: gestor/administrador de documentos; Valor secundário versus valor primário

8 Julce Mary Cornelsen Gestão da Informação Ao ser criada e registrada, a informação pode ser vista primeiramente como arquivística, para depois ter outros sentidos e significados. Computadores como instrumentos fundamentais do trabalho privilegiam mais a informação do que o documento em suporte papel. MARE –(jan.1994) Recursos de informação e informática, CONARQ e SINAR (jun.1994) Ao ser criada e registrada, a informação pode ser vista primeiramente como arquivística, para depois ter outros sentidos e significados. Computadores como instrumentos fundamentais do trabalho privilegiam mais a informação do que o documento em suporte papel. MARE –(jan.1994) Recursos de informação e informática, CONARQ e SINAR (jun.1994)

9 Julce Mary Cornelsen Gestão de Arquivo: contribuições Rotinas diárias; tomada de decisões estratégicas; políticas da empresa, consolidação da imagem e estrutura da empresa. Arquivo integrado em um sistema de informação e gestão de empresa. Participação do arquivista no projeto de política de informação. Racionalização e normalização de procedimentos e formatos. Rotinas diárias; tomada de decisões estratégicas; políticas da empresa, consolidação da imagem e estrutura da empresa. Arquivo integrado em um sistema de informação e gestão de empresa. Participação do arquivista no projeto de política de informação. Racionalização e normalização de procedimentos e formatos.

10 Julce Mary Cornelsen Problemas Arquivísticos Brasileiros Brasil em 40 anos passou da situação de um país basicamente rural e extrativo, para um país urbano (setor de serviços) Influência nas estruturas organizacionais e aumento da área privada Massas documentais acumuladas arquivos- mortos, quase mortos, em papel e em bytes As informações carecem de tratamento a partir de sua criação (solução para os problemas arquivísticos) Brasil em 40 anos passou da situação de um país basicamente rural e extrativo, para um país urbano (setor de serviços) Influência nas estruturas organizacionais e aumento da área privada Massas documentais acumuladas arquivos- mortos, quase mortos, em papel e em bytes As informações carecem de tratamento a partir de sua criação (solução para os problemas arquivísticos)

11 Julce Mary Cornelsen Arquivos: para se desvendar a Cultura Histórico (contexto político econômico). Incidentes críticos (tecido simbólico). Socialização (valores e comportamento). Políticas de Recursos Humanos. Comunicação (aspectos formais, informais). Processos de trabalho Fleury (1991) Histórico (contexto político econômico). Incidentes críticos (tecido simbólico). Socialização (valores e comportamento). Políticas de Recursos Humanos. Comunicação (aspectos formais, informais). Processos de trabalho Fleury (1991)

12 Julce Mary Cornelsen Técnicas para desvendar... Entrevistas, observação participante e não participante e dinâmicas de grupo.

13 Julce Mary Cornelsen Arquivos: para se desvendar a Cultura Esta linha de estudos assume os sistemas culturais apenas em sua capacidade de comunicação e de expressão de uma visão consensual sobre a própria organização.

14 Julce Mary Cornelsen Gestão de Arquivos/Informação Arquivo não é um item isolado, e sim parte integrante de um sistema de tratamento da informação consolidado em uma estrutura superior, reflexo da sociedade em que vivemos. Simultaneamente é parte do sistema-empresa no qual participa e ao qual reflete. Desta maneira o arquivo representa um campo de intercessão entre ambos os sistemas.

15 Julce Mary Cornelsen Manual de gestão Automação do trabalho, economia de tempo e o aumento da eficácia, solucionando as situações propostas e garantindo uma continuidade nos métodos aplicados.

16 Julce Mary Cornelsen Manual de gestão Manual de gestão deve ser norteado pelas diretrizes da instituição, para poder definir a política de arquivo do sistema (legislação existente; aproveitamento dos recursos disponíveis).

17 Julce Mary Cornelsen Mudança: processo contínuo Mudar é estar em sintonia com o processo social por que passa a humanidade, filtrando o melhor e aprendendo com o erro.


Carregar ppt "Julce Mary Cornelsen Gestão de Arquivos: Mudar é preciso? Gestão de Arquivos: Mudar é preciso?"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google