A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Estação de tratamento de Afluente (ETA) Estação de tratamento de Efluente (ETE) Estação de Tratamento.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Estação de tratamento de Afluente (ETA) Estação de tratamento de Efluente (ETE) Estação de Tratamento."— Transcrição da apresentação:

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16 Estação de tratamento de Afluente (ETA) Estação de tratamento de Efluente (ETE) Estação de Tratamento

17 Estação de tratamento de Afluente (ETA) Estação de tratamento de Efluente (ETE) Estação de Tratamento

18 Estação de Tratamento de Àgua

19 Estação de Tratamento

20 Estação de tratamento de Efluente Vazão Tipo de tratamento Sistema de tratamento Funcionamento semi-automático Componentes adicionais Bomba entrada Bomba saída Bombas dosaboras Dados Técnicos

21 Medir o pH do Efluente Medir o pH do efluente inicial antes da dosagem de qualquer produto, para determinar a quantidade de alcalinizante necessária para a floculação.

22 Ajustar o Tempo de Decantação Ao adicionarmos o agente floculante, as impurezas antes diluídas na águas, deverão se solidificar na forma de flocos. A principio os flocos deverão ficar suspensos, e com o passar do tempo, decantar lentamente, apresentando um sobrenadante limpo e cristalino (ou de acordo com um padrão pré estabelecido).

23 Filtragem e Desinfecção

24 Tratamento Qualidade da água tratada (verificação na estação) Estabelecer um padrão Critérios Físico (Transparência e Opacidade) Químico (pH e residual de cloro)

25 Legislação Parâmetros Efluente: Parâmetros Afluente: Sólidos sedimentáveis Coliformes totais e fecais Sólidos totais Ferro DBO Cloretos DQO Sólidos Totais Dissolvidos Cloretos Dureza Detergentes Manganês Sulfatos pH Temperatura pH Toxicológica

26 Operação da Estação Quanto a qualidade da água tratada Diluição dos produtos Dosagem dos produtos Funcionamento das Bombas de Dosagem Floculação Limpeza do filtro Descarga do lodo Vazão de entrada pH do Efluente

27 Manutenção e limpeza Descarga do lodo Limpeza interna da estação Limpeza interna do aerador Descarga de óleo sobrenadante no aerador Retro lavagem do filtro Troca do carvão Limpeza do separador água e óleo Limpeza do leito de secagem

28 Para verificação do pH podemos utilizar tanto um aparelho digital como o papel indicador universal que é constituído de uma mistura de corantes de permitem avaliar o pH no intervalo de 1 a 10 ou de 0 a 14, através da variação de cor. Medidor de pH

29 Recomendações 1.Reservatório de produtos: Manter sempre fechado, limpo e com um volume de produto adequado. 2.Painel de controle: Manter sempre fechado, limpo. Verificar se as bombas estão funcionando e não possuem entradas da ar. 3.Painel Hidráulico: Manter sempre fechado limpo e seco. Verificar periodicamente se as bombas estão funcionando e se as tubulações não possuem vazamentos. 4.Caixa de filtro: efetuar a retro lavagem periódica.

30

31

32 Atuação no mercado Nossa empresa atua no desenvolvimento de projetos para o setor cerâmico, companhias de saneamento, indústrias alimentícias, indústrias farmacêuticas, gráficas, lavanderias e tinturarias industriais, hotéis, hospitais, clubes, aeroportos, postos de combustíveis, lavações, condomínios residenciais apresentando soluções viáveis para qualquer tipo de tratamento de efluentes e afluentes. Os equipamentos da Nascente atendem desde pequenas empresas com baixas vazões até multinacionais como Bimbo, Ahlstrom, Petrobrás e Manchester. A Nascente Engenharia de Águas já executou mais de 500 projetos para tratamento de águas e efluentes. A empresa atende todo o mercado nacional, em especial, as regiões Sudeste e Sul do Brasil. A qualidade dos equipamentos, todos criados com a credibilidade e inovação da marca Nascente Engenharia de Águas, conquista também outros países como: Angola, Portugal, México e Itália. Missão Viabilizar o Tratamento de Água e Efluentes, promovendo a qualidade de vida e o bem estar social.

33 Clientes Companhias de saneamento (CASAN, SANEPAR, CORSAN, SAMAE.) Lavanderias e tinturarias industriais (mais de 60 projetos) Indústrias alimentícias (laticínios, frigoríficos, abatedouros, etc.) Indústrias cerâmicas Condomínios residenciais Abrangência Estamparias Serigrafias Galvanoplastia Hotelaria Hospitais Indústrias Farmacêuticas Clubes Aeroportos

34

35

36 Laboratório Próprio A Nascente conta com laboratório de analises físico-químicas e bacteriológicas, procedendo analises de acordo com as Normas Brasileiras (NBR's) que regulamentam este setor e está credenciado no CRQ - Conselho Regional de Química. É gerenciado por Engenheiro Químico e está equipado com as ferramentas necessárias para o perfeito cumprimento de suas atividades. Todas as análises são realizadas em concordância com as Legislações em vigor, sendo realizadas análises de água, análises para Efluentes Sanitários e Efluentes Industriais, todas de acordo com os padrões exigidos. Os parâmetros de análise para Efluentes industriais serão estabelecidos de acordo com a área de atuação em que se enquadram as atividades das empresas solicitantes. O laboratório oferece pacotes de serviços como: Cronogramas com freqüências de coletas, coletas in loco com profissionais capacitados para realizá-las e preços diferenciados para clientes que contratem serviços de Assistência Técnica.

37 Instrumentos Laboratoriais Balança analítica Bateria de Extração Sohxlet 350ºC Bico de Bünsen Bomba de vácuo Compressor Capela de exaustão Condutivímetro digital Computador Estufa 300ºC Espectrofotômetro (325 a 1100 nm) Forno Mufla 300oC a 600oC Filtro deionizador Fotocolorímetro Geladeira Incubadora programável (micro-organismos e DBO) Manta de aquecimento 350ºC pHmetro digital Refratômetro (salinidade) Termômetro analógico e digital Jar Teste Parâmetros Analisados Alumínio (mg/L) Amônia (mg/L) Cloretos (mg/L) Cobre Total (mg/L) Coliformes Fecais e Totais (Ufc) Condutividade Elétrica (µS/cm) Cor (Hz) Cromo Hexavalente (mg/L) Cromo Total (mg/L) Cromo Trivalente (mg/L) D.B.O 5 dias (mg/L) D.Q.O (mg/L) Detergentes - ABS (mg/L) Dureza (mg/L) Ferro II (mg/L) Ferro III (mg/L) Ferro Total (mg/L) Fósforo Total (mg/L) Manganês (mg/L) Nitrato (mg/L) Nitrito (mg/L) Nitrogênio Total (mg/L) Óleos e Graxas (mg/L) Oxigênio Dissolvido (mg/L) pH Sólidos Sedimentáveis (mL/L) Sólidos Totais (mg/L) Sólidos Suspensos (mg/L) Sulfetos (mg/L) Temperatura (°C) Turbidez (NTU). Zinco Total (mg/L)

38 Padrão de emissão de efluentes: DBO5 60mg/l ou 80% de redução pH 6,0 a 9,0 Temperatura < 40ºC Óleos minerais 20,0 mg/l Óleos vegetais e gorduras animais 30,0 mg/l Cromo hexavalente 0,1 mg/l Cromo total 5,0 mg/l Cobre total 0,5 mg/l Cádmio total 0,1 mg/l Mercúrio total 0,005 mg/l Níquel total 1,0 mg/l Chumbo total 0,5 mg/l Zinco total 1,0 mg/l Arsênio Total 0,1 mg/l Prata total 0,02 mg/l Bário total 5,0 mg/l Selênio total 0,02 mg/l Boro total 5,0 mg/l Estanho 4,0 mg/l Ferro+2 solúvel 15,0 mg/l Manganês+2 solúvel 1,0 mg/l Cianetos 0,2 mg/l Fenóis 0,2 mg/l Sulfetos 1,0 mg/l Fluoretos 10,0 mg/l Substâncias tensoativas que reagem ao azul de metileno 2,0 mg/l Compostos organofosforados e carbamatos 0,1 mg/l Sulfeto de carbono, tricloro etileno, clorofórmio, tetracloreto de carbono, dicloroetileno 1,0 mg/l Outros compostos organoclorados 0,05 mg/l Segundo o Art.19 do Decreto Estadual (SC) de

39 Estações Compactas Solução e Tecnologia no Tratamento da Água. Especificações Técnicas Os processos são executados através de procedimentos físicos e aplicações de produtos químicos que ocorrem automaticamente em fluxo contínuo à medida que a água a ser tratada entra no sistema. Com capacidade entre 0,5m³/h até 200m³/h, as estações poderão ser acompanhadas por opcionais que permitem a total automatização dos processos. As estações de tratamento executam automaticamente os processos de oxidação química, aeração, coagulação, floculação, decantação e filtração. Estes processos eliminam metais, cor, odor, coliformes, matéria orgânica, sólidos suspensos, sólidos dissolvidos, microorganismos patogênicos e outras substâncias que possam comprometer a qualidade do tratamento, garantindo os padrões de potabilidade ou de emissão de efluentes em corpos receptores e/ou reuso. Também fornecemos sistemas mistos, Biológicos, Físico-Químicos para tratamento de esgoto sanitário e de efluentes com grande carga orgânica.

40 Tratamento de Água para potabilidade Tratamento de Água é um conjunto de procedimentos físicos e químicos que são aplicados na água para que esta fique em condições adequadas para o consumo, ou seja, para que a água se torne potável. O processo de tratamento de água a livra de qualquer tipo de contaminação, evitando a transmissão de doenças. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas: - Coagulação: quando a água na sua forma natural (bruta) entra na ETA, ela recebe, nos tanques, uma determina quantidade de sulfato de alumínio. Esta substância serve para aglomerar (juntar) partículas sólidas que se encontram na água como, por exemplo, a argila. - Floculação - em tanques com a água em movimento, as partículas sólidas se aglutinam em flocos maiores. - Decantação - em outros tanques, por ação da gravidade, os flocos com as impurezas e partículas ficam depositadas no fundo dos tanques, separando-se da água. - Filtração - a água passa por filtros formados por carvão, areia e pedras de diversos tamanhos. Nesta etapa, as impurezas de tamanho pequeno ficam retidas no filtro. - Desinfecção - é aplicado na água cloro ou ozônio para eliminar microorganismos causadores de doenças. - Fluoretação - é aplicado flúor na água para prevenir a formação de cárie dentária em crianças. - Correção de PH - é aplicada na água uma certa quantidade de cal hidratada ou carbonato de sódio. Esse procedimento serve para corrigir o PH da água e preservar a rede de encanamentos de distribuição.

41 PERGUNTAS BÁSICAS PARA O DIMENSIONAMENTO DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA (ETA) Qual a procedência? Açude, rio ou água subterrânea? Qual a vazão? Qual o destino final? Qual o número de usuários? P.S Acompanhando a cotação seguirá o memorial físico – financeiro do projeto.

42 PERGUNTAS BÁSICAS PARA O DIMENSIONAMENTO DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO (ETE) Número de funcionários e/ou moradores Cozinha (número de pias) Número de cozinhas (no caso de estabelecimento comercial/industrial) Número de banheiros Banheiros (número de usuários) Número de cozinhas Vazão Destino final (rede pública/ rio ou similar) Possui algum tipo de tratamento ou equipamentos já instalados? P.S Acompanhando a cotação seguirá o memorial físico – financeiro do projeto.

43 Condições do Equipamento : O equipamento consiste em efetuar a separação entre água e óleo proporcionando uma pré purificação na água que será descartada, todo sistema e construído de forma a permitir seu manejo com facilidade, proporcionando futuras mudanças de local, construído com material resistente a água e revestido em FiberGlass com pintura em Gel Isoftalico. Nosso equipamento é projetado para ser instalado acima do solo ou enterrado conforme características do local, havendo somente a necessidade de se efetuar a escavação.

44 Assistência Técnica - Manutenção garantida Desenvolvimento de projetos e equipamentos personalizados; Assistência e suporte técnico para os produtos e equipamentos; Pesquisa permanente em novas tecnologias no tratamento de água e efluentes; Nascente Engenharia de Águas

45 SUSTENTABILIDADE, EFICIÊNCIA, EFICÁCIA, EFETIVIDADE. PLANETA AZUL Nascente Engenharia de Águas João Fontenelle João Fontenelle (85) (OI) (85) (TIM) (85) (FIXO)


Carregar ppt "Estação de tratamento de Afluente (ETA) Estação de tratamento de Efluente (ETE) Estação de Tratamento."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google