A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A CARGA DE DOENÇA NOS MUNICÍPIOS CATARINENSES E SUA RELAÇÃO COM

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A CARGA DE DOENÇA NOS MUNICÍPIOS CATARINENSES E SUA RELAÇÃO COM"— Transcrição da apresentação:

1 A CARGA DE DOENÇA NOS MUNICÍPIOS CATARINENSES E SUA RELAÇÃO COM
CONDIÇÕES DE VIDA Coordenador: Prof. Dr. Jefferson Traebert (UNISUL) Equipe: Profª Drª Josimari Telino de Lacerda (UFSC) Profª Drª Maria Cristina Calvo (UFSC)

2 Metodologia Aplicada Objetivo: Descrever a carga de doença, calculando-se os DALYs (Disability-Adjusted Life Years) nos municípios catarinenses e estudar sua relação com aspectos de condição de vida Métodos: -Estudo ecológico (9 macrorregiões catarinenses) -Dados secundários de mortalidade, morbidade e características sócio- econômicas -DALYs segundo: doenças infecciosas e parasitárias, maternas, perinatais e nutricionais; crônico degenerativas e causas externas DALY = YLL (mortalidade precoce) + YLD (anos vividos com incapacidade) -Comportamento dos DALYs segundo as macrorregiões de SC -Segundo diferenciais intermunicipais (agrupamento dos municípios em áreas homogêneas segundo condição de vida)

3 Resultados e Comentários
Análise descritiva dos Anos de Vida Perdidos por Morte Prematura (YLL) por grupos de causa. Santa Catarina, 2005. Grupo I Grupo II Grupo III Grupo IV Total n (%) 2780 (9,29) 20583 (68,80) 3951 (13,20) 2601 (8,69) 29915 (100,00) YLL 82514 176638 129080 22967 411199 YLL/1000 hab 14,06 30,11 22,00 3,91 70,09 Valor mínimo 0,00 Valor máximo 75,90 75,70 75,71 Média/óbito 29,68 8,58 32,67 8,83 13,74 Desvio padrão 29,72 13,69 18,34 15,34 19,16 Mediana 20,54 2,88 34,31 1,83 5,03 Moda

4 YLL por 1000 habitantes segundo macrorregiões de SC, 2005.
4

5 Distribuição de YLL/óbito segundo macrorregião de SC, 2005.

6 Impactos do projeto – Científico
-A proposta de mensuração da carga da doença implica na integração em um mesmo indicador de componentes de morbidade e mortalidade. -O ineditismo a que este estudo se propõe a relacionar os DALYs com aspectos de condições de vida, a partir de identificação de áreas homogêneas no Estado. -A realização dessa pesquisa possibilita comparar o perfil epidemiológico das macrorregiões catarinenses com o perfil brasileiro, uma vez que utiliza a metodologia do Estudo de Carga de Doença no Brasil.

7 Impactos do projeto – Econômico/Social
-Disponibilização para os serviços, gestores e técnicos de saúde, informações mais abrangentes, que envolvem o sofrimento e a incapacidade gerada pelas doenças. -Eventual evidenciação de diferenças de condições de saúde entre as regiões do Estado, que outros indicadores talvez não sejam sensíveis o suficiente para detectar.

8 Aplicabilidade para o SUS
-O uso de instrumentos de mensuração do processo saúde doença adequados e apropriados, possibilita à Saúde Pública utilizar racionalmente os recursos disponíveis. -Todas as análises possibilitarão observar o potencial da carga de doença (DALY) e das áreas homogêneas em relação à condição de vida, como possíveis norteadores das políticas e ações de saúde para grupos prioritários no Estado de Santa Catarina.

9 Produção Científica Artigos científicos em elaboração:
1- Descrição do YLL no Estado de Santa Catarina 2- Análise do YLL em SC em 12 anos 3- Análise comparativa do YLL e APVP 4- Descrição do DALY em SC 5- O DALY e sua relação com condições de vida

10 Análise do componente de morbidade YLD
Cálculo do DALY Análise regional de condição de vida Análise comparada do DALY segundo condição de vida


Carregar ppt "A CARGA DE DOENÇA NOS MUNICÍPIOS CATARINENSES E SUA RELAÇÃO COM"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google